Jornalismo e História: entrevista com Italo Tronca | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/5/2003
Jornalismo e História: entrevista com Italo Tronca
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6100 Acessos

Italo Arnaldo Tronca foi jornalista nos anos 60, trabalhando em jornais como Folha da Tarde, Última Hora, Jornal da Tarde e revista Veja. É autor, junto com Bernardo Kucinski, do livro Pau-de-arara, a violência militar no Brasil, que é uma das primeiras denúncias no exterior sobre a existência das torturas nos porões da ditadura militar. É professor livre-docente do Departamento de História da UNICAMP, onde trabalha há 30 anos. Publicou recentemente As Máscaras do Medo: lepra e aids, um livro que, segundo o próprio autor, "pertence a um gênero bastardo, filho de uma união profana entre história e poesia".

Abaixo, em entrevista gentilmente concedida ao Digestivo Cultural, Italo Tronca nos fala de sua atividade como jornalista nos anos 60 e sobre seu trabalho como historiador.

1 - O Sr. trabalhou como jornalista entre os anos de 1961-1972, nos jornais Última Hora, Jornal da Tarde e na revista Veja. Como foi sua experiência como jornalista num período como esse, quando a ditadura militar se assentou no país impondo severas restrições à liberdade de imprensa?

ITALO: Incluo, nesse período, uma passagem (2 anos, mais ou menos), pela redação da Folha da Tarde, como editor internacional. Foram os "anos quentes" da Guerra do Vietnã, à qual dei destaque quase diário no jornal. Em termos de experiência pessoal, diria que os quatro veículos marcaram expectativas bem definidas por parte da chamada "esquerda intelectual", na qual me incluía, em relação à História. Nos tempos de Última Hora, fui repórter e colunista (1960-64). Alimentávamos apostas numa saída revolucionária, de esquerda, para a eterna crise brasileira. Tinha liberdade para escrever e diria que aprendi o ofício nessa época. Hoje, percebo que eu e meus colegas de redação (Ignacio de Loyola Brandão, Mauricio Capovilla e mais uma turma de militantes políticos de todos os matizes, liderados pelo Armindo Blanco, um português entendido em cinema, diretor de redação), éramos românticos e ingênuos... Achávamos que a revolução estava em marcha, sem perceber que o ôvo da serpente estava sendo chocado pela direita, preparando o golpe de 1964... Os dois anos no Jornal da Tarde, primeiro, e na redação de Veja, em companhia de Raimundo Pereira, Elio Gaspari, Bernardo Kucinski, foram debaixo do guante da censura dos militares. Assim mesmo, em Veja, conseguimos, em 1968, publicar uma matéria de capa, na qual colaborei, denunciando a violência nos porões do regime, cuja figura principal era um civil, o delegado Sérgio Paranhos Fleury. É uma longa história, cheia de lances dramáticos, que não dá para contar aqui.

2 - O Sr. escreveu o livro Pau-de-arara: a violência militar no Brasil, com Bernardo Kucinski. É um livro de denúncias da tortura existente nos cárceres militares. Conte-nos a história deste livro que, embora publicado em francês e espanhol, continua inédito até hoje no Brasil.

ITALO: Essa história tem muito a ver com minha passagem por Veja (1968-72). Eu e Bernardo Kucinski andávamos de olho nas longas tiras vomitadas semanalmente pelo teletipo (não havia computador na época nas redações), enviadas pelos correspondentes da revista nas principais capitais do país, relatando atrocidades praticadas pela repressão. Não podíamos publicar nada, tínhamos censores dentro da redação, que liam as matérias antes de irem para as mesas dos editores, inclusive da do Mino Carta, diretor de redação na época. Bernardo e eu juntamos aquela papelada e escrevemos um livrinho apócrifo, que o Luiz Merlino, morto posteriormente sob tortura no Doi-Codi, levou para Paris, onde foi editado pela Maspero. O ex-presidente Fernando Henrique trouxe um dos primeiros exemplares escondido debaixo do sobretudo para São Paulo. Era diretor do Cebrape na ocasião, onde andaram fazendo discussões sigilosas a respeito das revelações do livro. Em seguida, um outro jornalista, Flávio Tavares, correspondente do O Estado de S.Paulo no México, traduziu para o espanhol o texto e o publicou pela Siglo XXI. Ao que eu saiba, nunca fomos descobertos como autores. Se fôssemos, provavelmente não estaria aqui para contar essa história...

3 - Depois da experiência como jornalista o Sr. tornou-se historiador. Existe algum ponto de encontro entre estas duas profissões?

ITALO: Jornalismo, desde o século 19 pelo menos, vem se constituindo numa preciosa fonte para historiadores. Pessoalmente, nunca abandonei uma certa técnica e, mais importante, uma visão profissional adquirida nas redações, na minha maneira de trabalhar com a história. Tenho até hoje um certo "preconceito" em relação à ingenuidade e ao excesso de academismo que viciam a área das chamadas Humanidades na universidade. Não quero dizer que o jornalista esteja qualificado automaticamente para escrever história, mas me surpreende até hoje a maneira como as ciências sociais descobrem o óbvio depois de as portas terem sido arrombadas pelos acontecimentos. São quilos de teses discorrendo sobre o "dejà-vu" que me incomodam. São coisas que me dão a impressão (com exceções, claro) produzidas numa perspectiva de "guarda-livros", como eram chamados no passado os contadores...

4 - Enquanto todas as artes do século XX romperam com sua forma tradicional de representação, do ponto de vista da narrativa a história que se escreve hoje é ainda baseada numa descrição realista típica do século XIX. Como o Sr. vê essa fixação dos historiadores nesse único modo narrativo para contar suas histórias?

ITALO: Hoje, acho que esse "realismo" é uma ilusão. A obsessão pelo documento não leva em conta, em muitos casos, o óbvio, ou seja, que os tais documentos também são produções subjetivas de seus autores, sejam documentos oficiais, sejam diários íntimos. Nesse sentido, são representações daquilo que chamamos de realidade. Portanto, existe na escrita da história, necessariamente, um caráter "ficcional" que marca qualquer narrativa historiográfica, o que não significa simulacro ou falsificação. São apenas manifestações do alcance e do limite do potencial humano.

5 - Temos visto recentemente o uso de obras literárias sendo transformadas, numa leitura limitada, em documentos históricos por historiadores (o caso de Machado de Assis, por exemplo). Da forma como estão sendo usadas, não se pensando no valor maior destas obras, que são suas características estilísticas próprias, estas produções apenas se prestam a pensar a estrutura social de determinada época, coisa que qualquer documento institucional faria melhor. Como o Sr. vê esta questão?

ITALO: Penso que transformar uma produção estética (literatura, pintura ou cinema) em documento histórico é um equívoco. Seria uma infiltração de neo-positivismo, que vê no documento a expressão lídima da verdade. Obras de arte não têm compromisso com a verdade no sentido positivista do termo, mas com "verdades" possíveis, com aquilo que não foi, mas que poderia ter sido. A estética realiza uma transposição poética, em geral alegórica, que é necessariamente polissêmica, descortina vários sentidos (não qualquer um) para eventos que a narrativa que se pretende "científica" destrói na sua platitude.

6 - De um ponto de vista metodológico, o seu livro As Máscaras do Medo: lepra e aids mescla literatura, fotografia e artes plásticas (que são discursos artísticos) com o discurso científico da pesquisa historiográfica. Do ponto de vista teórico e prático quais as conseqüências desse encontro de áreas supostamente diferentes?

ITALO: Em Máscaras do medo... tento uma experiência de fusão entre diversas linguagens - a narrativa médica sobre a doença, e a abordagem estética da moléstia. Em lugar de estabelecer uma hierarquia sobre elas, busco conferir à arte, à estética, uma dimensão tão importante quanto o discurso científico sobre o mal biológico. Em meu entender, o que se passa aí é uma simbiose entre essas linguagens que constróem o objeto "doença", conferindo-lhe um significado e um alcance que vai muito além do discurso científico.

7 - Uma das bases teóricas do livro acima citado é a alegoria. O uso da alegoria anula a pretensa visão da história como ciência/verdade e abre o campo da interpretação para uma leitura polissêmica dos fatos. Qual o valor deste instrumento nas mãos de um historiador?

ITALO: A alegoria não é um simples recurso retórico da linguagem, mas uma maneira de ver o mundo. Nesse sentido, diria que somos todos alegóricos... A alegoria está inscrita na própria natureza da linguagem (s), que é, irremediavelmente, representacional. Com isso quero dizer que a linguagem só pode ser simbólica, mesmo quando se pretende eminentemente realista. A própria ciência não escapa da alegoria. Como nós, historiadores, poderíamos ser "objetivos", pretender penetrar na realidade última das coisas, se só dispomos da linguagem?

Para ir além
As Máscaras do Medo: lepra e aids, Italo Arnaldo Tronca, Unicamp.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 12/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
04. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
05. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A INSPETORA E A COROA DA MADONA
SANTOS DE OLIVEIRA
EDIOURO
(1975)
R$ 99,00



SANGUE FRESCO
JOÃO CARLOS MARINHO
OBELISCO
R$ 6,77



SUPERINTERESSANTE A VERDADE SOBRE CHE Nº 261
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 6,99



AFRODIÁSPORA 1 - 3º ONGRESSO DE CULTURA NEGRA DAS AMÉRICAS
VÁRIOS
IPEAFRO
(1983)
R$ 30,00



A HISTÓRIA DE EDGAR SAWTELLE
DAVID WROBLEWSKI; JOSÉ RUBENS SIQUEIRA
INTRINSECA
(2009)
R$ 7,00



TEORIA E POLÍTICA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
CELSO FURTADO
ABRIL
(1983)
R$ 20,00



REFORMA ESPIRITUAL
MIGUEL THOMAZ
DO AUTOR
(2004)
R$ 10,00



AMANTE RENASCIDO
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



ANSIEDADE E GRAVIDEZ
NADIR FARAH (DEDICATÓRIA)
FACULDADE DE MEDICINA
(1964)
R$ 18,82



ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS - 2012
FREI EDRIAN JOSUÉ PASINI (ORG.)
VOZES
(2012)
R$ 8,81





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server