Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/2/2019
Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3100 Acessos

Se tem coisa mais sem graça do que alguém segurando um celular? Como um brinquedo idiota, como símbolo do tédio e marca do desinteresse pelo mundo próximo? Não nos aproximamos demais de alguém que mexe em um afoitamente, nem existe um ensejo de diálogo. Os polegares vidrados e entortados como os de bebês gordos, um riso absorto e ridículo em sabe-se lá quais interesses distantes? Por outro lado, a hipótese do contrário, alguém não saber mexer no celular bem (ou fingir não saber por algum tipo obscuro de modéstia), é uma das coisas mais ternas e interessantes dos últimos tempos.

Se no uso imoderado do celular o mundo próximo é menosprezado, o mundo distante é prezado, com vias de para perto trazê-lo e quem sabe compartilhá-lo, ao se bebericar quaisquer páginas escritas. Mais: há nesses tempos tecnocratas algo mais sublime do que uma cabeça pendida sobre umas letras, com a ponta agradável de um dedo, porque a ponta do dedo de todo mundo deve ser macia e boa, tocando a superfície unidimensional de uma determinada linha, e, depois de imergir nisso que é invisível dentro do outro, da imaginação e da teoria, voltar com um ah! o rosto ao público e desse informe delimitar uma história, contando-a com um método e um prazer revelado não no riso distendido, mas no canto esticado da ponta do olho, como um tique de cumplicidade provocativa.

Há um quê de alteridade benevolente nesse contar que dialoga, e não se limita aos encantos coloridos de lousinha mágica, alternando-se do papel à pessoa, porque a todo olhar é pertencente a qualidade de uma seta virulenta, meneando em sua íris purpurina o alvo dum destino indefinido. As próprias verdades costumam estar arraigadas em si, ainda que de nada se saiba; há algo que se esfacela, uma volubilidade inconsequente onde quer que se tente escorar.

Existe alguém assim tão soft, que mal existe palpavelmente, que é como um blur de pessoa, algo como um alguém descido acidentalmente do mundo das ideias no mundo do celular sensível. Uma explicação palpável para tal situação: a imaginação é que formata esse especial tipo de ser, que enternece, mas não existe, a não ser no nosso bobo fantasiar. Mas, e se ele então existe, se se vive nesse outro lado desfigurado, ele se reconfigura em física forma, e segura um livro, um conjunto de papéis ou um rendado vianense, e dedilha com uma delicadeza inapercebida a ponta das folhas de um livro, um coração, ou um maço mesmo de folhas muito importantes.

Então, repassa pelos cabelos esses mesmos dedos elásticos, como um pente orgânico, um órgão vivo e útil, passando também com eles pelo nariz, pelo pescoço como se puxasse as cordas de uma lira, e vivendo e sendo, táctil, pudera já concreto, sem se dar conta de nada que se possa haver como seu espelho. Na esfera do sublime, arcanjos não portam um celular indolentemente, antes debicam, já exaustos, poesia.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 7/2/2019


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2019
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando - 27/6/2019
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela - 5/3/2019
03. Teatro sem Tamires - 7/11/2019
04. Nos escuros dos caminhos noturnos - 24/1/2019
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras - 7/2/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Viúva por um Ano
John Irving
Record
(2000)



A força eterna do amor
Robson Pinheiro
Casa dos Espíritos
(2009)



Crônicas Despaginadas (lacrado)
Eloi de Souza Garcia
Interciência
(2005)



The Astrologers Handbook
Frances Sakoian e Louis S. Acker
Perennial
(1993)



Contra o financismo
Felipe Miranda
São Paulo
(2016)



Os Sapatinhos Vermelhos
Joanne Harris
Rocco
(2007)



Gracias! 1
Maria Carmen Garcia Olivia
Sm
(2011)



A Estrada para Fornovo: a Feb, Outros Exércitos e Outras Guerras
Fernando Lourenço Fernandes
Biblioteca do Exército
(2011)



Garota Pop. Com
Carolina Estrella
Planeta Jovem
(2013)



X-men 4 - Super Heróis Premium
Marvel Comics
Abril
(2000)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês