Teatro sem Tamires | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/11/2019
Teatro sem Tamires
Elisa Andrade Buzzo

+ de 600 Acessos

Eu sei, Tamires, que você ficou com medo das salinhas escuras do Sesc; vimos alguns atores estranhos, mas tudo bem, tenho essa mania de às vezes frequentar as mesmas salas mesmo já sabendo das peças fracas, às vezes por ficar do lado de casa, outras vezes por causa da comida antes, do passeio pelo shopping, ou pelo simples frequentar um lugar. Coisa, aliás, que aqui precisou se reinventar, numa vida outra, que não a minha.

Teatro é um pouco assim, a gente frequenta, como frequenta a vida. E, no palco, vê ela própria como uma coisa moldável, diante do falseamento, pronta a explodir. É tudo um teste, uma experiência; e nesse tubo de ensaio vigoroso, que nem sempre me dá ganas, o sangue pulsa numa temperatura mais que humana. E agora lembro daquela peça no Viga, em que fomos com o grupo do balé, misturando as falas de tantos Shakespeares pra gerar um monólogo de amor com aquele ator tão carismático? Às vezes teatro pode ser tão leve, tão divertido como pegar o metrô Sumaré entre amigos. Depois, temporariamente amainados os sentimentos, dominados os desejos, entrar na circulação da cidade.

E aí, então, tudo o que tenho perdido foi como? A “Sagração da Primavera” ardendo no encarnado do Municipal? Aqui eu vi o balé voltando-se ao original, no Teatro Camões. E troquei o Municipal não pelo São Carlos, mas pela Gulbenkian, e em mais noites transfiguradas frequentei o Teatro Aberto, entre a verdade e a mentira nas relações amorosas não acompanhei a plateia no riso, o Teatro D. Maria em montagens com nus ousados. Você ficaria instigada, Tamires, e as peças no Teatro Maria Mattos, no Teatro da Politécnica renderiam altos papos. No São Luís, noites claras, não só no canto cigano de Diego el Gavi, mas com Monica Salmaso cantando Vinicius de Moraes e eu ficando mais triste, mais sozinha, com “Estrada branca”.

E se até mesmo no Tivoli dei de cara com um palco tão pequeno para um balé, e uma companhia russa mambembe... Vivendo e aprendendo nos teatros, Tamires. Lá também vi pela primeira vez Toquinho, os dedos fortes nas cordas, e não me saía da cabeça o Vinicius. E, agora, penso: será que no teatro eu acabo pensando mais em outra coisa do que no próprio espetáculo? A vida repercute em cheio no palco. E às vezes o caminho até o palco é mais bonito, mais claro, como no bailarino Thiago Soares de peito desnudo e cabelo meio índio ao meu lado, focado pela luz numa perfeição plástica no seu "Sumaúma" que em Lisboa virou "O Duelo", ou no público subindo para o palco da sala principal da Gulbenkian, como se estivéssemos entrando numa espécie de claro matadouro diante da escuridão da plateia.

Tamires, isso é apenas um incompleto e apressado rascunho que tudo perde, nada consegue reter de dois anos de fúria teatral. Senta-se na plateia com certa descontração e desleixo, mas ali o fogo vai queimar - nada parecerá fora dos eixos da sufocante roda, tudo será como é numa premonição fatalizada. Ah, vi também uma ópera moderna do Pedro Mexia no Teatro da Trindade com a plateia mais mal-educada já vista, um musical fadístico, "Severa", no Politheama, para lembrar que aqui também severos são os sentimentos, ainda que no lânguido esquecimento da duração de um espetáculo. E, se quero ir sozinha, também quero companhia; comenta-se, guarda-se, serena-se e exagera-se. E esqueço e temos que ir ao teatro e ver os cartazes todos de peças já idas e não há muito mais espaço nas paredes para as peças vindouras, como naquelas do Teatro Experimental de Cascais. Portanto, são quantas as vidas, inventadas, irrealizadas, indecisas, renegadas, necessárias para o teatro? O teatro cabe na crônica? Decerto cabe na voz abissal de Ricardo Ribeiro, no grande palco do Centro Cultural Belém, em ilusões cenográficas.

E como ontem disse Emília, na Politécnica, com a Isabel Muñoz Cardoso, numa fina encenação entre sutilidades de olhos ensombrados e desvios de cabeça, diante de um mundo esfacelado no presente monstruoso, e frente a frente com a memória, única matéria preciosa intacta: “na vida recorda-se mais do que se vive”. Tenho ainda essa mania de percorrer por um tempo as mesmas salas, sem desistir das boas peças, aos poucos criando um repertório do passado, inventando um amor, mesmo já prevendo o the end, pelo simples frequentar este lugar.


Elisa Andrade Buzzo
Lisboa, 7/11/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) de Renato Alessandro dos Santos
04. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
05. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2019
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando - 27/6/2019
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela - 5/3/2019
03. Nos escuros dos caminhos noturnos - 24/1/2019
04. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras - 7/2/2019
05. Numa casa na rua das Frigideiras - 16/5/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARMADILHA PARA LAMARTINE
CARLOS & CARLOS SUSSEKIND
BRASILIENSE
(1991)
R$ 10,00



TRAGWERKSBERECHNUNG NACH CROSS
C. PRENZLOW
WERNER VERLAG
(1963)
R$ 40,00



ANÁLISE DO "MODELO" BRASILEIRO
CELSO FURTADO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 6,90



DEUS ESTA CONTIGO - 1ª EDIÇÃO
PADRE JOHN WOOLLEY
PENSAMENTO
(2014)
R$ 19,95



A DIETA DA PORÇÃO PERFEITA
LINDA GASSENHEIMER
PUBLIFOLHA
(2007)
R$ 15,00



MITOLOGIA GRIEGA Y ROMANA
J. HUMBERT
GUSTAVO CILLI
(1943)
R$ 24,00



SUPER REVISAO OAB - DOUTRINA COMPLETA
WANDER GARCIA
FOCO
(2014)
R$ 20,65



O PENSAMENTO VIVO DE JOHN LENNON
EIDE M. MURTA CARVALHO
MARTIN CLARET
(1986)
R$ 6,90



VISÕES
SIRON FRANCO
SIMÕES DE ASSIS GALERIA ARTE
(1998)
R$ 40,00



MINERALOLUND BRENNSTOFFNORMEN
GEANDERTE AUFLAGE
BEUTH VERTRIEB
(1972)
R$ 60,00





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês