Teatro sem Tamires | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Ermitagem de Pedro Jofre Marodin pela Do autor (1988)
>>> Pateo do Collegio - Coração de São Paulo (Autografado) de Hernâni Donato pela Loyola (2008)
>>> Guide illustré du Château et de la Ville. de Heidelberg pela Edm.von König - Verlag (1996)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> São Francisco de Assis na Literatura e na Arte de Corrêa Junior pela Martins (1968)
>>> Pour Étudie un Poéme de Françoise Nayrolles pela Hatier (1987)
>>> As lutas, a Glória e o Martírio de Santos Dumont de Fernando Jorge pela Mc Graw Hill do Brasil (1977)
>>> Inglês para viagem de Michaelis tour pela Melhoramentos (1994)
>>> Quase tudo(memórias) de Danuza Leão pela Companhia das Letras (2005)
>>> Corredor Polonês de Alfredo Sirkis pela Record (1986)
>>> Bartolomeu de Gusmão de Afonso de E. Taunay pela Leia (1942)
>>> O último Voo do Flamingo de Mia Couto pela Companhia das Letras (2008)
>>> Le Cid de Pierre Corneille pela Didier (1978)
>>> Memórias do Visconde de Taunay de Alfredo D´Escragnolle Taunay pela Melhoramentos (1946)
>>> Fé e Fogo de Marco Adolfs pela Brasiliense (2008)
>>> Ana Sem Terra de Alcy Cheuiche pela Sulina (2001)
>>> A Retirada da Laguna de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1942)
>>> Antigone de Jean Anouilh pela Didier (1978)
>>> Callíope A Mulher de Atenas de Cintia de Faria Pimentel Marques pela Letras Jurídicas (2004)
>>> Cinemarden de Marden Machado pela Arte e Letra (2018)
>>> A Luneta Mágica de Joaquim Manuel De Macedo pela Ática (2012)
>>> Abismo de Pompília Lopes dos Santos pela Repro-set (1985)
>>> Enquanto o dorso do tigre não se completa de Sérgio Rubens Sossélla pela Gráfica União
>>> Maria e outros poemas de J. Cardias pela Do autor (1991)
>>> Fênix de Carlos Barros pela Arte Quintal (1989)
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/11/2019
Teatro sem Tamires
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2700 Acessos

Eu sei, Tamires, que você ficou com medo das salinhas escuras do Sesc; vimos alguns atores estranhos, mas tudo bem, tenho essa mania de às vezes frequentar as mesmas salas mesmo já sabendo das peças fracas, às vezes por ficar do lado de casa, outras vezes por causa da comida antes, do passeio pelo shopping, ou pelo simples frequentar um lugar. Coisa, aliás, que aqui precisou se reinventar, numa vida outra, que não a minha.

Teatro é um pouco assim, a gente frequenta, como frequenta a vida. E, no palco, vê ela própria como uma coisa moldável, diante do falseamento, pronta a explodir. É tudo um teste, uma experiência; e nesse tubo de ensaio vigoroso, que nem sempre me dá ganas, o sangue pulsa numa temperatura mais que humana. E agora lembro daquela peça no Viga, em que fomos com o grupo do balé, misturando as falas de tantos Shakespeares pra gerar um monólogo de amor com aquele ator tão carismático? Às vezes teatro pode ser tão leve, tão divertido como pegar o metrô Sumaré entre amigos. Depois, temporariamente amainados os sentimentos, dominados os desejos, entrar na circulação da cidade.

E aí, então, tudo o que tenho perdido foi como? A “Sagração da Primavera” ardendo no encarnado do Municipal? Aqui eu vi o balé voltando-se ao original, no Teatro Camões. E troquei o Municipal não pelo São Carlos, mas pela Gulbenkian, e em mais noites transfiguradas frequentei o Teatro Aberto, entre a verdade e a mentira nas relações amorosas não acompanhei a plateia no riso, o Teatro D. Maria em montagens com nus ousados. Você ficaria instigada, Tamires, e as peças no Teatro Maria Mattos, no Teatro da Politécnica renderiam altos papos. No São Luís, noites claras, não só no canto cigano de Diego el Gavi, mas com Monica Salmaso cantando Vinicius de Moraes e eu ficando mais triste, mais sozinha, com “Estrada branca”.

E se até mesmo no Tivoli dei de cara com um palco tão pequeno para um balé, e uma companhia russa mambembe... Vivendo e aprendendo nos teatros, Tamires. Lá também vi pela primeira vez Toquinho, os dedos fortes nas cordas, e não me saía da cabeça o Vinicius. E, agora, penso: será que no teatro eu acabo pensando mais em outra coisa do que no próprio espetáculo? A vida repercute em cheio no palco. E às vezes o caminho até o palco é mais bonito, mais claro, como no bailarino Thiago Soares de peito desnudo e cabelo meio índio ao meu lado, focado pela luz numa perfeição plástica no seu "Sumaúma" que em Lisboa virou "O Duelo", ou no público subindo para o palco da sala principal da Gulbenkian, como se estivéssemos entrando numa espécie de claro matadouro diante da escuridão da plateia.

Tamires, isso é apenas um incompleto e apressado rascunho que tudo perde, nada consegue reter de dois anos de fúria teatral. Senta-se na plateia com certa descontração e desleixo, mas ali o fogo vai queimar - nada parecerá fora dos eixos da sufocante roda, tudo será como é numa premonição fatalizada. Ah, vi também uma ópera moderna do Pedro Mexia no Teatro da Trindade com a plateia mais mal-educada já vista, um musical fadístico, "Severa", no Politheama, para lembrar que aqui também severos são os sentimentos, ainda que no lânguido esquecimento da duração de um espetáculo. E, se quero ir sozinha, também quero companhia; comenta-se, guarda-se, serena-se e exagera-se. E esqueço e temos que ir ao teatro e ver os cartazes todos de peças já idas e não há muito mais espaço nas paredes para as peças vindouras, como naquelas do Teatro Experimental de Cascais. Portanto, são quantas as vidas, inventadas, irrealizadas, indecisas, renegadas, necessárias para o teatro? O teatro cabe na crônica? Decerto cabe na voz abissal de Ricardo Ribeiro, no grande palco do Centro Cultural Belém, em ilusões cenográficas.

E como ontem disse Emília, na Politécnica, com a Isabel Muñoz Cardoso, numa fina encenação entre sutilidades de olhos ensombrados e desvios de cabeça, diante de um mundo esfacelado no presente monstruoso, e frente a frente com a memória, única matéria preciosa intacta: “na vida recorda-se mais do que se vive”. Tenho ainda essa mania de percorrer por um tempo as mesmas salas, sem desistir das boas peças, aos poucos criando um repertório do passado, inventando um amor, mesmo já prevendo o the end, pelo simples frequentar este lugar.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 7/11/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
02. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
03. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
04. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
05. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2019
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando - 27/6/2019
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela - 5/3/2019
03. Teatro sem Tamires - 7/11/2019
04. Nos escuros dos caminhos noturnos - 24/1/2019
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras - 7/2/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARQUITECTURA PLANIFORME Y TEXTILOGRAFICA VIRREINAL DE AREQUIPA
ANTÔNIO SAN CRISTÓBAL SEBASTIÁN
UNSA
(1997)
R$ 590,00



ONTEM, EU CHOREI - CELEBRANDO AS LIÇÕES DA VIDA E DO AMOR
IYANLA VANZANT
SEXTANTE
(2001)
R$ 18,00



O INVENTOR DE ENIGMAS
DENISE EMMER
JOSÉ OLYMPIO
(1989)
R$ 9,00



CIRANDA NEGRA
ENY ALLGAYER
DUBLINENSE
(2011)
R$ 35,00



TAPETES E TAPEÇARIAS ARRAIOLOS NÚMERO 14 ANO 4
CASA MIDÕES
CASA MIDÕES
(1990)
R$ 22,00



A ESCRITURA E A DIFERENÇA - 4ª ED./2ª REIMPRESSÃO / REVISTA E AMPLIADA
JACQUES DERRIDA
PERSPECTIVA
(2014)
R$ 84,95



MEDO DE SADE
BERNARDO CARVALHO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 11,00



THE NERVOUS SYSTEM STRUCTURE AND FUNCTION IN DISEASE
ROBERTSON DINSDALE
SED
R$ 22,33



O VÔO DA BORBOLETA
MORAH LOFTS
MELHORAMENTOS
(1987)
R$ 5,00



AS FORÇAS OCULTAS
JIM GARRISON
RECORD
(1976)
R$ 6,90





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês