Teatro sem Tamires | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/11/2019
Teatro sem Tamires
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3400 Acessos

Eu sei, Tamires, que você ficou com medo das salinhas escuras do Sesc; vimos alguns atores estranhos, mas tudo bem, tenho essa mania de às vezes frequentar as mesmas salas mesmo já sabendo das peças fracas, às vezes por ficar do lado de casa, outras vezes por causa da comida antes, do passeio pelo shopping, ou pelo simples frequentar um lugar. Coisa, aliás, que aqui precisou se reinventar, numa vida outra, que não a minha.

Teatro é um pouco assim, a gente frequenta, como frequenta a vida. E, no palco, vê ela própria como uma coisa moldável, diante do falseamento, pronta a explodir. É tudo um teste, uma experiência; e nesse tubo de ensaio vigoroso, que nem sempre me dá ganas, o sangue pulsa numa temperatura mais que humana. E agora lembro daquela peça no Viga, em que fomos com o grupo do balé, misturando as falas de tantos Shakespeares pra gerar um monólogo de amor com aquele ator tão carismático? Às vezes teatro pode ser tão leve, tão divertido como pegar o metrô Sumaré entre amigos. Depois, temporariamente amainados os sentimentos, dominados os desejos, entrar na circulação da cidade.

E aí, então, tudo o que tenho perdido foi como? A “Sagração da Primavera” ardendo no encarnado do Municipal? Aqui eu vi o balé voltando-se ao original, no Teatro Camões. E troquei o Municipal não pelo São Carlos, mas pela Gulbenkian, e em mais noites transfiguradas frequentei o Teatro Aberto, entre a verdade e a mentira nas relações amorosas não acompanhei a plateia no riso, o Teatro D. Maria em montagens com nus ousados. Você ficaria instigada, Tamires, e as peças no Teatro Maria Mattos, no Teatro da Politécnica renderiam altos papos. No São Luís, noites claras, não só no canto cigano de Diego el Gavi, mas com Monica Salmaso cantando Vinicius de Moraes e eu ficando mais triste, mais sozinha, com “Estrada branca”.

E se até mesmo no Tivoli dei de cara com um palco tão pequeno para um balé, e uma companhia russa mambembe... Vivendo e aprendendo nos teatros, Tamires. Lá também vi pela primeira vez Toquinho, os dedos fortes nas cordas, e não me saía da cabeça o Vinicius. E, agora, penso: será que no teatro eu acabo pensando mais em outra coisa do que no próprio espetáculo? A vida repercute em cheio no palco. E às vezes o caminho até o palco é mais bonito, mais claro, como no bailarino Thiago Soares de peito desnudo e cabelo meio índio ao meu lado, focado pela luz numa perfeição plástica no seu "Sumaúma" que em Lisboa virou "O Duelo", ou no público subindo para o palco da sala principal da Gulbenkian, como se estivéssemos entrando numa espécie de claro matadouro diante da escuridão da plateia.

Tamires, isso é apenas um incompleto e apressado rascunho que tudo perde, nada consegue reter de dois anos de fúria teatral. Senta-se na plateia com certa descontração e desleixo, mas ali o fogo vai queimar - nada parecerá fora dos eixos da sufocante roda, tudo será como é numa premonição fatalizada. Ah, vi também uma ópera moderna do Pedro Mexia no Teatro da Trindade com a plateia mais mal-educada já vista, um musical fadístico, "Severa", no Politheama, para lembrar que aqui também severos são os sentimentos, ainda que no lânguido esquecimento da duração de um espetáculo. E, se quero ir sozinha, também quero companhia; comenta-se, guarda-se, serena-se e exagera-se. E esqueço e temos que ir ao teatro e ver os cartazes todos de peças já idas e não há muito mais espaço nas paredes para as peças vindouras, como naquelas do Teatro Experimental de Cascais. Portanto, são quantas as vidas, inventadas, irrealizadas, indecisas, renegadas, necessárias para o teatro? O teatro cabe na crônica? Decerto cabe na voz abissal de Ricardo Ribeiro, no grande palco do Centro Cultural Belém, em ilusões cenográficas.

E como ontem disse Emília, na Politécnica, com a Isabel Muñoz Cardoso, numa fina encenação entre sutilidades de olhos ensombrados e desvios de cabeça, diante de um mundo esfacelado no presente monstruoso, e frente a frente com a memória, única matéria preciosa intacta: “na vida recorda-se mais do que se vive”. Tenho ainda essa mania de percorrer por um tempo as mesmas salas, sem desistir das boas peças, aos poucos criando um repertório do passado, inventando um amor, mesmo já prevendo o the end, pelo simples frequentar este lugar.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 7/11/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Na translucidez à nossa frente de Elisa Andrade Buzzo
02. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa de Elisa Andrade Buzzo
03. O Nome Dele de Marilia Mota Silva
04. Capitalista de Daniel Bushatsky
05. Caminhos entre o Jornalismo e a Literatura de Leandro Oliveira


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2019
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando - 27/6/2019
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela - 5/3/2019
03. Teatro sem Tamires - 7/11/2019
04. Nos escuros dos caminhos noturnos - 24/1/2019
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras - 7/2/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De fora da arca
Ana Maria Machado e Ziraldo
Salamandra
(1996)



Eurico, o Presbítero - Clássicos de Ouro
Alexandre Herculano - Apresentação Antônio Soares
Ouro
(1969)



Lucréce Borgia
Cecil Saint-laurent
Stock
(1988)



O Aprendiz da Madrugada
Luiz Carlos Lisboa
Gente
(1994)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
ática
(1983)



Dirigindo Com Sabedoria sem o Cd
Tony Gandra
Abrather
(2002)



Direito do Comercio Internacional
Antonio Carlos Rodrigues do Amaral
Edicoes Aduaneiras
(2005)



O vento nas vidraças
Roberto Bittencourt Martins
Lpm
(1983)



História: Sociedade & Cidadania - 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)



Fundamentos da Reforma Íntima
Abel Glaser pelo Espírito Cairbar Schutel
O Clarim
(2011)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês