Caetano, sem meio termo | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/8/2012
Caetano, sem meio termo
Humberto Pereira da Silva

+ de 3200 Acessos

"O que é arte pura na concepção moderna? É criar uma imagem sugestiva que contenha simultaneamente o objeto e o sujeito, o mundo exterior ao artista e o próprio artista"
Baudelaire


Os 70 anos de Caetano Veloso foram amplamente noticiados, com especiais em programas de TV, espaço nos cadernos de cultura e, inevitável quando se trata de Caetano, discussões que misturam seu temperamento e o valor de sua produção artística. Antes de tudo, deve-se realçar, como lembrete para discussões sobre Caetano, que a ruptura entre artista e obra segue itinerário traçado por Charles Baudelaire, nas palavras do filósofo Walter Benjamin, um lírico no auge no capitalismo: com a modernidade, a indiscernibilidade entre vida e obra, de modo que o artista e seu temperamento se amalgamam como obra de arte.

Por lapso, ou guarda baixa, esse lembrete é frequentemente esquecido e as discussões sobre Caetano acabam numa confusão sem fim. Gostar ou não de Caetano dá vazão a comentários que se referem à obra, mas subliminarmente apontam para antipatia com respeito ao seu temperamento, à sua conduta diante de órgãos de imprensa, mídia e poder. Com isso, questionamentos pueris sobre o valor de sua obra e a incompreensão de que em Caetano o letrista de canções populares, ou cantor, e o provocador cultural são dois lados da mesma moeda. A transa de Caetano, num sentido amplo, consiste em atacar os pontos nevrálgicos da cultura numa sociedade de cosumo. O púlpito de que se serve e se dá bem são os espaços da mídia, onde se apresenta e canta as letras de suas canções.

Falar dos "discos" de Caetano sem se ater ao contexto no qual ele se insere é como atirar no que vê e acertar o que não vê. É o que fez o jornalista André Forastieri em seu blog. Para ele, Caetano chega aos 70 e há 30 anos não faz um disco decente. Pode-se concordar com Forastieri, mas um primeiro senão inevitável: quando se fala em disco, acentua-se que é um produto para ser colocado no mercado. O critério de avaliação, então, é a lei da oferta e da procura, como reza o catecismo do consumo. Por ironia, o primeiro "disco" de Caetano que chegou a 100 mil cópias vendidas foi "Outras palavras", de 1981. A partir de então, as vendas dos "discos" de Caetano cresceram em escala exponencial.

Forastieri, então, teria de responder sobre o porquê de os tais discos dos últimos 30 anos terem vendido tanto. O próprio Caetano, mais rápido que Forastieri, responde com sarcasmo em 1973, na faixa "Épico", do experimental "Araçá Azul": "destino eu faço, não peço, tenho direito ao avesso, botei todos os fracassos nas paradas de sucesso". Disco anticomercial que, só para lembrar, teve grande número de devoluções e foi retirado de catálogo. Ou seja, Forastieri "não gosta" de "musicas" que atingiram as paradas de sucesso: as dos discos de Caetano nos últimos 30 anos; portanto, todos os seus fracassos. Nisso, um arroubo retórico, mas igualmente um recado para afoitos como Forastieri. Ao falar de "músicas legaizinhas", "discos", Forastieri atira no que vê, mas não percebe o temperamento artístico de Caetano, que mistura arte e mercado sem sair da alça de mira.

Forastieri, como muitos que se envolvem em discussões infindáveis sobre Caetano, acerta no que não vê. Ele afirma que Caetano provoca "paixões ou vomitório, nada intermediário". Sim, claro, não precisa ser muito esperto para perceber isso. Basta perguntar a um fã de Raul Seixas o que ele acha de Caetano. Mas, o que isso tem a ver com a obra, se não passa de simpatia ou antipatia pelo temperamento? Forastieri não parece perceber que as tais "paixões e vomitório" decorrem do entrelaçamento entre a personalidade e a obra e esquece que, não fosse de Caetano que fala, o valor da obra poderia, sem problema, não ter nada a ver com o caráter do artista.

Forastieri sustenta também que Caetano "sobrevive da admiração acrítica e condescendência da imprensa". Nenhum problema com essa afirmação. Coerente, pois, com as paixões suscitadas. Paixões supõem justamente a ausência de discernimento crítico. E, novamente, não precisa ser muito esperto para perceber que Caetano pode ser acusado de tudo, menos de ser morno, para ficar em famosa passagem bíblica. Mas, na admiração acrítica desconsidera-se que Caetano sabe muito bem se aproveitar dos meios de comunicação de que dispõe para oferecer um retrato crítico do mundo em que vive? "Haiti", do "disco" "Tropicalha 2", de 1993, vai para a lata do lixo porque um colunista diz que no máximo é uma "música legalzinha"? Não seria mais oportuno ponderar que, como obra de arte, a letra toca os sentimentos das pessoas, independente de querer "passar por vanguarda junto aos desinformados", como sustenta Forastieri? Ou a letra não o sensibiliza para a realidade social cantada por Caetano?

O texto de Forastieri segue uma linha que poderia oferecer coisas interessantes para se pensar menos no mito Caetano do que propriamente no que nos leva a endeusá-lo, ou seja, nossa necessidade de paparicar um símbolo de nossa cultura, uma forma de afirmação cultural: Bob Dylan, citado por ele na comparação com Caetano, tem que se ombrear com os poetas beats, tem ao lado o bebop, o blues, o soul... Mas ele não segue essa linha e, como muitos baba-ovos de que fala em seu texto, só inverte o sinal e fica no blá-blá-blá... Sobre o pressuposto de que há 30 anos Caetano não faz "disco decente", faço a seguinte observação: Caetano é um artista prolífico; não conheço nenhum artista prolífico cuja obra mantenha sempre o mesmo padrão, sem qualquer contestação, divergências, comparações e similares.

Uma obra vasta revela momentos diferentes de inspiração de um artista. Caetano seria Caetano só com "Tropicália", de 1968. Ou Forastieri defende que, por que para ele esse "disco" só teria duas ou três "músicas legaizinhas", não se justifica nem de longe o lugar que Caetano ocupa no cenário cultural brasileiro? Depois de "Tropicalha", Caetano não precisava fazer mais nada. Quem não souber o significado cultural de "Tropicália", não está em condições de falar nada sobre cultura brasileira. Para Forastieri, "Caetano será lembrado por 15 ou 20 canções que ficarão como retrato de uma época distante. Não é pouco. Também não é grande coisa". Quem escreve isso não pode exigir ser levado a sério. Também só gosto da Nona Sinfonia de Beethoven, mas, venhamos, não é grande coisa... Nisso, nada além de ignorância coberta com um pedantismo tolo.

Por fim, esta pérola: "nos discos recentes, ninguém acertou três músicas decentes num mesmo álbum..." Forastieri sugere que as três "músicas decentes" dele concordam com as de seus interlocutores. Mas ele deve ser avisado de que não é a lista dele que conta. Para muitos, Caetano tem muito mais que 15 ou 20 canções "legaizinhas". Cada qual lista e faz seu catálogo do que gosta e do que não gosta em Caetano. Nisso, nenhuma pretensão além de expressão de subjetividade.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 22/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
03. Noel Rosa de Fabio Gomes
04. Em defesa da arte urbana nos muros de Fabio Gomes
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2012
01. Cézanne: o mito do artista incompreendido - 26/9/2012
02. 'O sal da terra': um filme à margem - 27/6/2012
03. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' - 18/4/2012
04. Paulo César Saraceni (1933-2012) - 25/4/2012
05. A Nouvelle Vague e Godard - 15/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECIDA-SE PELO SUCESSO
NOAH ST. JOHN
CULTRIX
(2003)
R$ 29,90



TEEN VILLAGE 1
DAVID SPENCER
MACMILLAN
(2008)
R$ 10,00



DO FUTURO - FATOS, REFLEXÕES, ESTRATÉGIAS
ANTONIO PASQUALI
UNISINOS
(2004)
R$ 7,90



RECIFE DOS HOLANDESES
JULIETA DE GODOY LADEIRA
ÁTICA
(1990)
R$ 4,42



O HÓSPEDE DE DRÁCULA COLEÇÃO MINI BIBLIOTECA
BRAM STOKER
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1996)
R$ 21,78



O CAVALEIRO DOS SETE REINOS HISTÓRIAS DO MUNDO DE GELO E FOGO
GEORGE R.R. MARTIN
LEYA
(2017)
R$ 42,00



A VERDADEIRA HISTÓRIA DE MARIA MADALENA
DAN BURSTEIN J. DE KEIJZER
EDIOURO
(2006)
R$ 74,00



O LAVATER DAS SENHORAS
EDOUARD HOCQUART
IMPRENSA OFICIAL
(2010)
R$ 31,99



O CANTOR PRISIONEIRO
ROGÉRIO BORGES; ASSIS BRASIL
MODERNA
(2004)
R$ 10,00



JUSTIÇA E COMPORTAMENTOS DE CIDADANIA NAS ORGANIZAÇÕES UMA ABORD
ARMÉNIO REGO
SÍLABO
(2000)
R$ 39,70





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês