Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/12/2003
Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
Daniel Aurelio

+ de 7500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Há um bocado venho insinuando este texto. Escrevo ou não escrevo? Deleto. Arrependo-me. Não abro o editor de textos. Apequeno-me.

Não sou Henry Miller. Nem Armando Nogueira.

Vou, não vou. Meia volta. Retrocedo. Decido escrever.

Pense em dois entrevistadores da televisão brasileira. Agora, deixe-me adivinhar: Jô Soares e Marilia Gabriela. Fácil.

Há pelo menos duas décadas, o gordo e a loira disputam a coroa. E o consenso é tão nítido e esmagador que Jô e Gabi (note a intimidade!) chegaram a estrelar, em divertido dueto, um comercial de cerveja, lá pela metade dos anos 90. O primeiro, humorista genial e dublê de escritor, é quase uma instituição. Conhecemos ao menos meia dúzia de cidadãos que só vão para cama "depois do programa do Jô". Sentem-se mais cultos e menos retos. A segunda é, se não uma paixão, um faceiro flerte nacional: artistas a veneram, seja qual for o seu quilate. E não há quem não sonhe em estar de frente para a Gabi, continente de charme e brilho coletivamente sugestionado.

Não serei eu mais um a vociferar contra eles. Até porque não é necessário agredi-los; ao menos para que têm TV a cabo, trocar o canal é um gesto que se basta. Ou pronunciar um nome: Lorena Calábria, a mais inteligente e hipnótica apresentadora do Brasil.

À frente do "Ensaio Geral", do canal Multishow, Lorena dá um espetáculo de profissionalismo: é discreta, simpática e, mais importante, uma aguda conhecedora de música brasileira (colaborou por muito tempo com a extinta revista ShowBizz). A jornalista, aliás, parece sofrer com a Síndrome Paula Toller - o tempo a deixa cada vez mais bela.

Lorena é capaz de argüir, com a mesmíssima competência, doçura e flexibilidade, com músicos obsessivos (Ed Motta), polemistas (Lobão) ou alvos da chibata sarcástica da crítica (Jorge Vercílo). Sem juízo estético, dá voz ao entrevistado - afinal o que importa. Afinal o que falta a outros programas similares.

É preciso olhar os coadjuvantes, aqueles que dão cor às peripécias do gênio, com carinho. É um dom inestimável. Pergunte ao Dedé Santana, eterno escada das piadas d´Os Trapalhões, o quão difícil é o trabalho de servir e preparar terreno. É algo que exige um exercício de ascetismo que estará sempre distante da resposta emocional do público.

Pede-se equilíbrio. Dominar a arte da concisão verbal e da economia dos gestos. Saber auscultar o coração do interlocutor. Lorena Calábria faz tudo isso e ainda nos brinda com o sorriso mais inspirador da tv brasileira. De petrificar.

E como é linda! Não aquela beleza absoluta, capa de revista, que chega a oprimir a plebe. Lorena é uma mulher assim que, realmente, carecia de uma verve shakesperiana para revelar.

Limito-me, pois, a suspiros. E algumas trovas d´amor subentendidas.

O Neutro, de Roland Barthes

O "descolado" estilista Marcelo Sommer, na sempre fulminante seção "5 luxos e 1 lixo" da Superinteressante, apontou suas predileções e repulsas literárias. Restringiu-se a seu metier, a moda. Entre a adoração por compêndios do ofício e bizarrices como "Balada Forte" de Érika Palomino, Sommer, a respeito de seu "lixo" escolhido, o clássico "Sistemas da Moda" de Roland Barthes, saiu-se com uma ótima: "Este livro é insuportável. Parece um livro de química, cheio de fórmulas".

Reconheço que não deve ser fácil. O sujeito vai até a livraria, dirige-se à seção de "Artes e Moda" e, grana extra no bolso, decide levar todos os livros que contenham as palavras "Fashion" e "Moda". Não é improvável que um atendente tenha alocado o ensaio de Barthes ali (trabalhei três anos em livraria, sei como é). Espera-se amenidades e as últimas tendências Milão-Londres-Paris; depara-se com "química" e "fórmulas".

Sommer, seja bem-vindo ao pós-estruturalismo aplicado às formas de comunicação: a semiótica. Claro, vou com calma.

Barthes, o antípoda do intelectual emburrado, o pop-star do pensamento parisiense da década de 60, também não colabora: quantos não foram aqueles que, ao grudar os olhos em "Fragmentos do Discurso Amoroso", não pensaram tratar-se de um legítimo romance de verbo doce da linhagem Sidney Sheldon/Danielle Stell?

Acontece o mesmo com "O Neutro", íntegra de um de seus cursos no portentoso College de France, o Olimpo da academia francesa. Diante de um título atraente desses, que pode fazer o leitor distraído?

Tratemos do livro, enfim: assim como a ambição dos estruturalistas era o que há de imutável e linear nas articulações da sociedade, Barthes também está em busca de uma "fórmula" (captou, Sommer?) que aqui se traduz no "desejo do Neutro". Mais do que o conteúdo em si está o esqueleto do discurso, e a fidedignidade com que foram compiladas as estruturas cognitivas, em plena fruição, do lingüista; é de causar enxaquecas, à primeira vista, todas aquelas anotações, fragmentações, sinalizações e caminhos aleatórios da sua epístemologia da língua, que visa entender quem profere, a despeito da força retórica das palavras que rolam das cordas vocais.

É essa a relevância do documento histórico (aplausos para a Martins Fontes e sua caprichada edição): a expressão oral de Barthes, catalogada em fichas meticulosamente organizadas, de maneira a não "sacralizar" (ou seja, a "neutralizar") tocam mais do que sua genialidade impressa nos dois clássicos acima citados. Aquele que causou urtigas no estilista. E o que decepcionou os românticos patológicos também.

O livro revela o que Barthes procurou ao longo da carreira. O discurso fotografado em movimento. Nu para seu receptor. Aquilo que nos torna menos divinais e mais óbvios do que pensávamos.

Somos, no limite, uma mera equação algébrica. Da qual resulta, dentre outras produções de nossas fraquezas e ambições, o ganha-pão do celebrado estilista.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 19/12/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
02. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Sexo e luxúria na antiguidade de Gian Danton
04. Por que o mundo existe?, de Jim Holt de Ricardo de Mattos
05. Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias de Isabella Ypiranga Monteiro


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
15h07min
Química? Que tal ler "Tabela Periódica" de Primo Levy, autor de "A Trégua", onde ele declara que a "justiça é como o teatro"? Quem discorda?
[Leia outros Comentários de Paulo Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EXTENSÃO RURAL E REFORMA AGRÁRIA: A COPSERVIÇOS NO NORTE DO BRASIL
JAIME RODRIGO DA SILVA MIRANDA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



O DOCUMENTO R
IRVING WALLACE
RECORD
(1976)
R$ 11,84
+ frete grátis



O SUCESSO ESTA NO SUCESSO NO EQUILIBRIO
ROBERT WONG
CAMPUS
(2006)
R$ 4,50



MARIETA
DANIEL S. ARTAZÚ
FEB
(1944)
R$ 13,00



O CEU E A TERRA
LLUIS FARRÉ
SM
R$ 8,00



O ANEL DA DESTRUIÇÃO
PERRY RHODAN
EDIOURO
(1989)
R$ 6,50



JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO
JUAN ESTEVES (FOTOGRAFIA) MARIA GUIMARÃES (TEXTO)
TERCEIRO NOME
(2012)
R$ 50,00



MONET COLEÇÃO DE ARTE
EDITORA GLOBO
GLOBO
(1997)
R$ 9,90



ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS CIVIS DO ESTADO DE SÃO PAULO
LEI 10.261 DE 28-10-1968
ATLAS
(2003)
R$ 5,00



A NOSTALGIA NÃO É MAIS O QUE ERA
SIMONE SIGNORET
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 4,04





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês