Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Recursos Minerais da região amazônica de Clara Martins Pandolfo pela Spvea (1955)
>>> Pérola Imperfeita: A História e as Histórias na Obra de Adriana Varejão de Lilia Moritz Schwarcz pela Companhia das Letras (2014)
>>> Seu Sami Hilal Sami Hilal de Hilal Sai Hilal pela Vale (2008)
>>> São Paulo de Piratininga - de Pouso de Tropas a Metrópole de José Alfredo Vidigal e Pontes pela Terceiro Nome (2003)
>>> Cadernos Cidade de São Paulo: Avenida Paulista de Instituto Cultural Itau pela Ici (1902)
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
COLUNAS

Sexta-feira, 19/12/2003
Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
Daniel Aurelio

+ de 8400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Há um bocado venho insinuando este texto. Escrevo ou não escrevo? Deleto. Arrependo-me. Não abro o editor de textos. Apequeno-me.

Não sou Henry Miller. Nem Armando Nogueira.

Vou, não vou. Meia volta. Retrocedo. Decido escrever.

Pense em dois entrevistadores da televisão brasileira. Agora, deixe-me adivinhar: Jô Soares e Marilia Gabriela. Fácil.

Há pelo menos duas décadas, o gordo e a loira disputam a coroa. E o consenso é tão nítido e esmagador que Jô e Gabi (note a intimidade!) chegaram a estrelar, em divertido dueto, um comercial de cerveja, lá pela metade dos anos 90. O primeiro, humorista genial e dublê de escritor, é quase uma instituição. Conhecemos ao menos meia dúzia de cidadãos que só vão para cama "depois do programa do Jô". Sentem-se mais cultos e menos retos. A segunda é, se não uma paixão, um faceiro flerte nacional: artistas a veneram, seja qual for o seu quilate. E não há quem não sonhe em estar de frente para a Gabi, continente de charme e brilho coletivamente sugestionado.

Não serei eu mais um a vociferar contra eles. Até porque não é necessário agredi-los; ao menos para que têm TV a cabo, trocar o canal é um gesto que se basta. Ou pronunciar um nome: Lorena Calábria, a mais inteligente e hipnótica apresentadora do Brasil.

À frente do "Ensaio Geral", do canal Multishow, Lorena dá um espetáculo de profissionalismo: é discreta, simpática e, mais importante, uma aguda conhecedora de música brasileira (colaborou por muito tempo com a extinta revista ShowBizz). A jornalista, aliás, parece sofrer com a Síndrome Paula Toller - o tempo a deixa cada vez mais bela.

Lorena é capaz de argüir, com a mesmíssima competência, doçura e flexibilidade, com músicos obsessivos (Ed Motta), polemistas (Lobão) ou alvos da chibata sarcástica da crítica (Jorge Vercílo). Sem juízo estético, dá voz ao entrevistado - afinal o que importa. Afinal o que falta a outros programas similares.

É preciso olhar os coadjuvantes, aqueles que dão cor às peripécias do gênio, com carinho. É um dom inestimável. Pergunte ao Dedé Santana, eterno escada das piadas d´Os Trapalhões, o quão difícil é o trabalho de servir e preparar terreno. É algo que exige um exercício de ascetismo que estará sempre distante da resposta emocional do público.

Pede-se equilíbrio. Dominar a arte da concisão verbal e da economia dos gestos. Saber auscultar o coração do interlocutor. Lorena Calábria faz tudo isso e ainda nos brinda com o sorriso mais inspirador da tv brasileira. De petrificar.

E como é linda! Não aquela beleza absoluta, capa de revista, que chega a oprimir a plebe. Lorena é uma mulher assim que, realmente, carecia de uma verve shakesperiana para revelar.

Limito-me, pois, a suspiros. E algumas trovas d´amor subentendidas.

O Neutro, de Roland Barthes

O "descolado" estilista Marcelo Sommer, na sempre fulminante seção "5 luxos e 1 lixo" da Superinteressante, apontou suas predileções e repulsas literárias. Restringiu-se a seu metier, a moda. Entre a adoração por compêndios do ofício e bizarrices como "Balada Forte" de Érika Palomino, Sommer, a respeito de seu "lixo" escolhido, o clássico "Sistemas da Moda" de Roland Barthes, saiu-se com uma ótima: "Este livro é insuportável. Parece um livro de química, cheio de fórmulas".

Reconheço que não deve ser fácil. O sujeito vai até a livraria, dirige-se à seção de "Artes e Moda" e, grana extra no bolso, decide levar todos os livros que contenham as palavras "Fashion" e "Moda". Não é improvável que um atendente tenha alocado o ensaio de Barthes ali (trabalhei três anos em livraria, sei como é). Espera-se amenidades e as últimas tendências Milão-Londres-Paris; depara-se com "química" e "fórmulas".

Sommer, seja bem-vindo ao pós-estruturalismo aplicado às formas de comunicação: a semiótica. Claro, vou com calma.

Barthes, o antípoda do intelectual emburrado, o pop-star do pensamento parisiense da década de 60, também não colabora: quantos não foram aqueles que, ao grudar os olhos em "Fragmentos do Discurso Amoroso", não pensaram tratar-se de um legítimo romance de verbo doce da linhagem Sidney Sheldon/Danielle Stell?

Acontece o mesmo com "O Neutro", íntegra de um de seus cursos no portentoso College de France, o Olimpo da academia francesa. Diante de um título atraente desses, que pode fazer o leitor distraído?

Tratemos do livro, enfim: assim como a ambição dos estruturalistas era o que há de imutável e linear nas articulações da sociedade, Barthes também está em busca de uma "fórmula" (captou, Sommer?) que aqui se traduz no "desejo do Neutro". Mais do que o conteúdo em si está o esqueleto do discurso, e a fidedignidade com que foram compiladas as estruturas cognitivas, em plena fruição, do lingüista; é de causar enxaquecas, à primeira vista, todas aquelas anotações, fragmentações, sinalizações e caminhos aleatórios da sua epístemologia da língua, que visa entender quem profere, a despeito da força retórica das palavras que rolam das cordas vocais.

É essa a relevância do documento histórico (aplausos para a Martins Fontes e sua caprichada edição): a expressão oral de Barthes, catalogada em fichas meticulosamente organizadas, de maneira a não "sacralizar" (ou seja, a "neutralizar") tocam mais do que sua genialidade impressa nos dois clássicos acima citados. Aquele que causou urtigas no estilista. E o que decepcionou os românticos patológicos também.

O livro revela o que Barthes procurou ao longo da carreira. O discurso fotografado em movimento. Nu para seu receptor. Aquilo que nos torna menos divinais e mais óbvios do que pensávamos.

Somos, no limite, uma mera equação algébrica. Da qual resulta, dentre outras produções de nossas fraquezas e ambições, o ganha-pão do celebrado estilista.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 19/12/2003


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
15h07min
Química? Que tal ler "Tabela Periódica" de Primo Levy, autor de "A Trégua", onde ele declara que a "justiça é como o teatro"? Quem discorda?
[Leia outros Comentários de Paulo Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Brasil Terra de Todos os Santos
Marilu Torres
Panda Books
(2014)



Kiu Timas La Morton? Quem Tem Medo da Morte ?
Richard Simonetti
Lorenz
(2012)



Exclusão Financeira e Sua Relação Com a Pobreza e a Desigualdade
Tonyedson Pereira e Lana
Bndes
(2015)



Minha Ginástica Sexual
Maria Lúcia Rezende
Art
(1993)



Tira Manchas
Nenzinha Machado Salles
Best Bolso



Ensayo Histórico de La España Contemporanea
Richard Herr
Pegaso
(1977)



Palavras sem Fronteiras - Mídias Convergentes
Julio Heilbron
Emc Edições
(2009)



Esqueleto na Lagoa Verde: Ensaio Sobre a Vida e o Sumiço do Coron
Antonio Callado
Companhia das Letras
(2010)



Casablanca de Michael Curtiz
Patrick Brion
Yellow Now (bélgica)
(1990)



Direito Processual Civil Resumido - 7ª Edição
Carmine Antonio Savino Filho
Lumen Juris (rj)
(2009)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês