Palmeiras Selvagens e os Sabichões | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/8/2003
Palmeiras Selvagens e os Sabichões
Alessandro Silva

+ de 3900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

monstro

Palmeiras Selvagens

Há algo de extremamente desproporcional entre o sacrifício do artista em função de seu público. É o que pode nos sugerir a leitura de "Palmeiras Selvagens", lançado recentemente em edição de luxo pela Cosac & Naif, cujo autor é aquele cidadão americano aparentemente trivial de bigodes e cintura alta.

Estamos envolvidos no torvelinho; juntamente com seus personagens, estamos chocados com nossa primeira exposição de arte ao vivo ou dentro de um bote girando intempestivamente sem rumo depois de uma enchente sobre as águas ferozes do Mississippi.

A intensidade dessas cenas está inversamente proporcional à nossa comodidade de mundo moderno e conformadamente capitalista.

Circula entre nós uma vaga noção acerca das correspondências sociais de uma obra. Por mais que tentemos reduzir o número de leitores, somos sempre levados a pensar em grandes cifras quando se trata de clássicos. Naturalmente imaginamos que obras como "Palmeiras Selvagens", devido a seu status , receba grande atenção de um suposto público de perfil incerto.

Mas na prática não é assim que sucede. A vendagem de livros, assim como o acesso às páginas da Internet, não reflete sua assimilação.

Com efeito, quando se trata de pensarmos o publico "ativo" para a literatura, as nossas estatísticas não ficam de pé. Exatamente porque alguém já deve ter-se dito pelo menos uma vez que "possuir um livro é uma maneira de não lê-lo".

Logo entendemos porque William Faulkner ( o "u" não era originalmente parte de seu nome, tendo sido acrescentado posteriormente pelo escritor, mais ou menos ao 27, depois da leitura do poema Prelude a sest d'um faune do poeta francês decadentista Stephanne Mallarmè ), ao contrário do autor de "Werther" não gera suicídio em massa.

Porque isso é o que nos ocorre após uma intensa e verdadeira leitura de "Palmeiras Selvagens": o espectro da morte.

Nós terminamos por nos indagar: pode-se sofrer tanto?

Faulkner não provoca suicídio em massa exatamente porque a literatura não tem público ativo.

A Arte de Ler

A amargura. É o que resulta de uma procura dentro de um público mediano para conversar a respeito de literatura. Isso é uma pena, exatamente porque ler é uma das aventuras mais prazerosas.

Não se trata de um ponto de vista moral; de justificarmos a leitura. A coisa é boa em-si. E tão interessante ou mais quanto um arriscado salto de pára-quedas.

Mas... a presunção!

Há na verdade um rol de argumentos inconscientes para se intentar contra a arte escrita.

Os mais ousados são os que vêm as humanidades como perda de tempo. Dentro desse grupo encontra-se o sabichão acostumado a pensar com números. Ele é tão sabichão que não pode enxergar que o seu mundo, igualmente ao da ficção, é um mundo ideal; indo além, religioso ( não creio ser necessário mencionar as origens pitagóricas da matemática ). Que portanto aquilo que crê ser exemplo de força intelectual para explicar os fenômenos da natureza é uma ficção apenas menos intencional que aquela que produz a literatura.

Não é necessário estudar geometria não-euclidiana ou perceber, mui comicamente, o modo de Karl Popper tentar explicar as necessidades da Lógica Indutiva através de uma perspectiva metafísica; ou, ainda, deparar-se com os princípios puramente tautológicos das ciências exatas.

Curiosamente a maior explicação do absurdo das ciências diante da natureza é dada pela literatura. Basta um passeio por "Molloy" do Samuel Beckett. A contestação cartesiana no terreno de Descartes. O resto é silêncio.

Com uma leitura madura de Beckett em verdade é-se conduzido a pensar o seguinte: qualquer base positivista de comportamento tende, em última instância, a induzir-nos ao conformismo.

E sabe-se o quão há de conformado numa sociedade que "equaciona" seus problemas. E na verdade, aquilo que era elogiado por ser de natureza essencialmente crítica, o pensamento matemático, acaba por tornar-se algo mais caseiro do que receita de bolo nas mãos de sujeitos de índole científica. Basta observar como são ensinadas as teorias de Newton na escola para imediatamente perder-se o interesse.

O sabichão, sujeito de grande inteligência matemática, expert em informática, é o mais conformista.

Ele poderia enxergar-se "No Caminho de Swan" de Proust, ou ver-se açoitado por vaidade no inferno de Dante, mas sua presunção o impede. É patético observar o narrador de "Busca" lamentando as maneiras arrogantes do marquês de Saint-Loup, um sujeito "afetado" por sua inteligência e mais uma vítima fácil contada entre aquelas que foram seduzidas pelo "super-homem" de Nietzsche.

O Sabichão

O Sabichão é um tipo corriqueiro. É anormal se não toparmos com alguns deles durante nossa breve passagem pelo ponto azul de oxigênio.

Eu topei com dois, dias desses.

O primeiro era estudante de odontologia pela USP com noções de medicina e o segundo estudante de publicidade com noções de como enrolar um baseado - cada qual com sua especificidade para dizer com Beckett.

Os pecados ocorreram na escala inversa à sua importância social ( quanto menos útil socialmente um indivíduo maior sua arrogância ).

O estudante de medicina pecou por subestimar a inteligência de seu povo tentando vender gato por lebre - pela sua palestra tentou empurrar sobre seus espectadores uma coleção sem vergonha de livros de saúde a preço de ouro ( algo como um salário mínimo ).

E ao iniciar seu discurso havia citado aqueles que a seu ver são os três pilares da vida: saúde, religião e cultura.

Quanto à sua cultura, pobre dela, viu-se taxada a um salário mínimo.

E Tolstoi lhe mostraria, linha sob linha, do que se trata um povo. E se tivesse suficiente feedback poderia o jovem estudante de medicina enxergar-se na situação de um sovina estúpido.

Mas jovens estudantes de medicina não lêem Tolstoi. Sua base de fé para existir está dentro de uma visão prática e encabrestada pela sua presunção. Aqui a sua inteligência obsta a sua amplitude mental.

Quanto ao estudante de publicidade, trata-se de um rapazola mal criado sem curiosidade sequer para buscar entender como funciona a válvula de sua descarga.

Foi depois de uma palestra de montanha russa ( dessas à Mestre Pangloss, cuja filosofia nos ensina que o mundo é o melhor dos possíveis ) que, depois de cumprirmos formalidades, enveredamos para o assunto da publicidade. Ele me classificou em não sei qual ordem dos protozoários que "não entendem de publicidade".

Ele tem tal discernimento que sequer consegue perceber para quem trabalha. Desconhece por exemplo que ser publicitário requer antes de tudo que se aceite o sistema capitalista. Desconhece igualmente a filosofia marxista, ou mesmo a propaganda com fins políticos. Em suma, é um jacu gabola cujas barras das calças tem um palmo de dobras, a bolsa é um aparato de exibicionismo e a barbicha algo tão irrespondível quanto a babaquice.

Ele poderia ler "Babbitt" para se enxergar, mas não se pede para formigas ouvirem as cigarras.

Matemática

No mais, a literatura segue tal a geografia de Marte. Inexplorada, insuspeita, mas grande e misteriosa. Para o sujeito que só enxerga com números temos essa: a economia de linguagem de "Ulisses", do James Joyce, está provada - matematicamente.


Alessandro Silva
São Paulo, 6/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. O que te move? de Fabio Gomes
04. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
05. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/8/2003
07h45min
Olá, Meu Amigo! Realmente é muito impressionante a arte de ler. Parabéns pela sua Coluna, que está ótima.
[Leia outros Comentários de Daniel Medeiros ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A LUTA PELO DIREITO
RUDOLF VON IHERING
FORENSE
(1997)
R$ 10,00



MARX
TERRY EAGLETON
UNESP
(1999)
R$ 15,00



O EGITO DOS FARAÓS
FEDERICO A. ARBORIO MELLA
HEMUS
(1981)
R$ 40,00



INTRODUÇÃO À PESQUISA PSICOLÓGICA
ARTHUR J. BACHRACH
E. P. U
(1975)
R$ 10,00



AMULET (THE LAST COUNCIL)
KAZU LIBUISHI
SCHOLASTIC
(2011)
R$ 35,00



O FERRO NA CONSTRUÇÃO CIVIL (EDIÇÃO PORTUGUESA)
MARIANO HERNANDEZ
EDIÇÕES CETOP (LISBOA)
(1973)
R$ 16,82



A HISTÓRIA
ELSA MORANTE
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 45,45



JOYAS DE FAMILIA
JUDITH KRANTZ
EMECÉ
(1999)
R$ 60,00



OS AMBICIOSOS
HAROLD ROBBINS
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 7,00



AS MULTAS DE TRÂNSITO E O DUE PROCESS OF LAW;
REVISTA DE DIREITO DO TJ DO RJ - Nº 52
TJ RJ
(2002)
R$ 18,82





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês