Até tu, Raquel! | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/11/2003
Até tu, Raquel!
Alessandro Silva

+ de 9100 Acessos

A morte da escritora Raquel de Queiroz está rendendo homenagens das elites mais incultas.

Além das longas reportagens televisivas, também a cartolagem está preocupada em promover a própria imagem em função desse sublime acontecimento que é a morte.

Na partida de quarta-feira passada entre Sport e Palmeiras foi rendido o um minuto de praxe em função da simpática senhora que pouco antes de falecer dizia que morte em sua idade chega a ser quase uma aspiração.

Nós gostaríamos de dizer em nome dela:

- Muito obrigado, mas dispenso.

Há algo de podre no reino da Dinamarca quando uma casta de barrigudos cabeça-oca sem aptidão sequer para sua leitura mensal põe-se a render homenagens a escritores.

Certamente que Raquel de Queiroz nada diria contra os ufanistas da gratuidade, posto que era uma senhora muito simpática e também simples, além do mais um pouco isenta da missão de "escrever a grande obra".

Mas é obrigação dos que se põem a escrever ou tentar explicar literatura uma palavra contra a propaganda exacerbada que é erigida diariamente sobre o sofrimento e a morte das pessoas.

É melhor que se diga logo que a maioria dos que alardeiam sentimentos em relação à dignidade de um litterati morto sequer tem o direito de fato.

A casta de barrigudos cabeça-oca é certamente quem não tem. Essa casta é composta pela última flor do lácio inculto que se empoleira na indústria cultural para gerar capital, grandes vendas, exploração sistemática da imbecilidade popular, transformando as intenções que nascem puras nos artistas em abomináveis "abacaxis".

São mais do que conhecidas nossas as chantagens que circulam em torno da aparição de uma nova estrela. Quem não conhece um compositor que principiou timidamente com uma idéia própria e que no andamento da carruagem não teve que joga-la no lixo por pressões de sua gravadora? Quem não conhece a história do jogador de futebol que acabou promovido a garoto propaganda e acabou esquecendo de jogar futebol? Quem não sabe de quantos escritores ou pintores não se rendem a um certo mercado com "valores" previamente fixados?

Talvez não seja importante agora especular porque Raquel de Queiroz não recusou a ABL ( Academia Brasileira de Letras ) em função daquilo que escreveu. Mas não deixa de nos incomodar a questão do porque uma pessoa preocupada com aquela parte da sociedade marginalizada, uma escritora com sérias intenções de denunciar a pobreza e a miséria do sertão nordestino acata as honras de um tipo de gente que representa aquilo que há de mais retrógrado, reacionário e conservador na sociedade brasileira.

Talvez a escritora não concordasse com nossa indignação diante da atual exploração de sua imagem pela mídia noticiosa e futebolística ( e porque haveria dê uma pessoa que cedeu roteiro a telenovelas - vide o "Memorial de Maria Moura" ).

No fundo, o "caso Raquel", a situação de quem acabou por se vender à indústria cultural, é só mais um reflexo do ACG ( amolecimento cerebral generalizado ). Pois no Brasil não parece que a idéia de fazer literatura ou pintura envolva reais questões de honra; indo além: a idéia de um Flaubert que se enclausura em sua torre de marfim mantendo-se fiel a suas intenções de radiografar a estupidez humana é um tanto romântica ( muitos com quem falo são simplesmente incapazes de entender "a dignidade da arte" - sim, aquela mesma pela que Joyce lutava para não morrer de inanição ).

Certo é que a situação dos que "não se venderam" é quase desconhecida nossa, exatamente porque que quem não se vende não aparece. Ao fim da vida, os artistas autênticos quase sempre são pálidas lamentações de sofrimento incorrespondido.

Mas estes são os fortes, os que almejam além de sua época. Sthendal: são necessários oitenta anos para que alguma coisa atinja o público em geral.

O fenômeno dos que se vendem em troca de facilidades, dos que se iludem fazendo a sua obra corresponder às simpatias de um público "feito sob medida" não seria de se espantar se não ocorresse com tanta freqüência no Brasil.

Bem diferente do que se passa no Brasil é o que nos conta a história de alguns escritores europeus.

O mais sublime passou-se com o escritor francês Jean-Paul Sartre que, chamado às honras do prêmio Nobel em 1964, simplesmente recusou-se a aceitá-lo alegando que aceitá-lo seria trair o que até então havia escrito.

O escritor irlandês Samuel Beckett, que não recusou o prêmio formalmente, buscou refúgio no continente africano, na Tunísia, para escapar às graças da mídia quando ficou sabendo que seria agraciado, em 1969.

Mas o mais pitoresco dos casos talvez tenha sido o do norte americano Sinclair Lewis que, em 1930, hospedado em Roma dias antes de partir para Estocolmo para receber seu Nobel, foi encontrado quase morto numa banheira pelo poeta francês Blaise Cendrars, que o salvou do suicídio por afogamento - fato que de um modo ou de outro demonstra a pouca importância que o norte-americano dava ao reconhecimento público.

Difícil de digerir é a resignação do escritor José Saramago. Ele se parece muito com aquele tipo de intelectual malicioso que diante das massas, ao chamado do combate, abre caminho à multidão para se esconder da refrega. É inaceitável que o escritor indignado com aquilo que sustenta ser o "imperialismo da economia globalizada", o homem que denuncia o genocídio do povo timorense frente ao domínio polinésio, e portanto o escritor que compreende o sofrimento dos povos, tenha aceitado seu prêmio sem pestanejar. Mais do que descrédito, seu comportamento, quando outrora aportou por nossas terras, chega a gerar repulsa, pois até mesmo o supra-sumo da elite inculta brasileira, o sentinela do ócio e da luxúria elitista, a saber, o Sr. Amauri Jr., a tal lhe foi concedida a "honra" de entrevistar o Saramago.

No Brasil, indo além da corrupção dos artistas, quando se fala em política fica ainda mais fácil de identificar os que como o Sr. Saramago utilizam palavras de ordem para tornar-se mais populares entre o povo e entre a mídia.

Estamos fartos das trapaças da pseudo-esquerda brasileira que se alia aos empresários para mover guerras passivas ao patronato. De intelectuais ou pseudo-intelectuais como o Aluízio Mercadante, o José Genoíno ou o Vicentinho que vivem dando seta à esquerda mas que no cruzamento viram à direita, transformando a indiferença das pessoas em moeda eleitoreira.

O caso Raquel dá o que pensar quando contrapomos à paisagem árida de seus livros o cheiro de clorofórmio que exulta do verdadeiro asilo de charlatães ou falsos santos da ABL.

Quando as coisas chegam a esse pé fica mais do que oportuno lembrar o que a literatura significa para um povo. Que tem a ver com clareza e vigor de todo e qualquer pensamento e opinião. Tem a ver com a própria manutenção dos instrumentos, com a rigidez da própria matéria do pensamento em si mesmo. Que salvo nos raros e limitados casos de invenção das artes plásticas, ou na matemática, o indivíduo não pode pensar e comunicar o seu pensamento, o governador e o legislador não podem agir efetivamente ou estruturar suas leis sem as palavras, e a solidez e validade dessas palavras ficam a cargo dos malditos e desprezados litterati. Quando o trabalho deles se deteriora - com isto não estou querendo dizer quando exprimam pensamentos indecorosos, mas quando seu próprio instrumento, a essência mesma de seu trabalho, a aplicação da palavra à coisa se deteriora, isto é, torna-se aguada e inexata, ou então excessiva ou empolada, todo o mecanismo do pensamento e da ordem social e individual fica arruinado - é uma lição da História, e uma lição que ainda não foi bem aprendida.

A ABL ainda aguarda ser desdenhada.


Alessandro Silva
São Paulo, 12/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A novilíngua petista de Julio Daio Borges
02. Edward Snowden: a privacidade na era cibernética de Humberto Pereira da Silva
03. A História de Alice no País das Maravilhas de Marcelo Spalding
04. Para amar Los Angeles de Daniela Sandler
05. As prisões de Guel Arraes e Cláudio Assis de Lucas Rodrigues Pires


Mais Alessandro Silva

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'ALS' AND colunas.ano = 2003 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OEUVRES COMPLETES VOL 9 - HEMORRAGIE ET RAMOLLISSEMENT DU CERVEAU -...
J. M. CHARCOT
LECROSNIER ET BABE
(1890)
R$ 175,00



BAILE DO MENINO DEUS
RONALDO CORREIA DE BRITO
OBJETIVA
(2003)
R$ 5,00



SAVOIR RÉDIGER
LE LAY YANN
LAROUSSE
(1997)
R$ 12,00



DIREITOS REAIS
CARLOS ALBERTO BITTAR
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(1991)
R$ 5,00



CEZANNE
YVON TAILLANDIER
FLAMMARION
(1967)
R$ 30,00



O ESTATUTO DA CIDADE
TOSHIO MUKAI
SARAIVA
(2001)
R$ 10,62



O MENINO GÂNGSTER
E . L . DOCTOROW
COMPANHIA DAS LETRAS
(1990)
R$ 5,00



SOCIALISMO MODERNO - ESTUDO SÓCIO - JURÍDICO
SEBASTIÃO MACHADO FILHO
GOITACAZES
(1955)
R$ 35,00



UMA VIDA DEDICADA À PREGAÇÃO DA VERDADE
MIYOSHI MATSUDA
SEICHO-NO-IE
(1988)
R$ 10,00



LIVRO DE JOAQUIM. PRIMEIRO VOLUME DE TEMPO PERDIDO
LAURA MALIN
NOVA FRONTEIRA
(2011)
R$ 9,28





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês