O Apanhador no Campo de Centeio | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Only the paranoid survive
>>> O belo e o escalafobético
>>> Guia para escrever bem ou Manual de milagres
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
Mais Recentes
>>> Chefia - Sua Técnica, Seus Problemas de Wagner Estelita Campos pela Getulio Vargas (1981)
>>> Inovação - a Vantagem do Atacante de Richard Foster pela Best Seller (1988)
>>> Techno Trends 24 Tecnologias Que Irão Revolucionar Nossas Vidas de Daniel Burrus pela Record (1994)
>>> Gestao Efetiva e Privatizacao de Pedro Sabino de Farias Neto pela Qualitymark (1994)
>>> Le Vin de Bourgogne de Jean François Bazin pela Montalba (1976)
>>> O Fim da Qualidade - Autografado de J. L. Banet pela P & A (1997)
>>> Occidente Americano de Jose Ignacio Vasconcelos pela Ni (1977)
>>> Enciclopedia Pratica da Administracao de Empresa de Rogerio Pfaltzgraff pela Rideel
>>> Lasers in Industry de S S Charschan pela Wester Electric (1972)
>>> O Beneficio das Crises de Paulo C. da Costa Moura pela Ltc (1978)
>>> Atenção á Saude da Mulher de Fernando Porto e Outros pela Aguia Dourada (2011)
>>> Focus on Grammar - Teachers Manual de Jay Maurer pela Logman (1995)
>>> Livro do Ano 1990 de Estado de São Paulo pela Agencia Estado (1990)
>>> Administração da Produção de George W. Plossl pela Makron Books (1993)
>>> Palmtops para Iniciantes e Experts de Julio Trois pela Visual Books (2003)
>>> Essential Dictionary:helping Learners With Real English de Collins Cobuild pela Harper (1996)
>>> Macromedia Flashmx 2004 de Anielle Damasceno pela Visual Books (2004)
>>> Manual de Organização Administrativa de Ana Maria Giusti Barbosa pela Prefeitura do Município de Pi (1996)
>>> Filosofia del Lenguaje de Jerrold J Katz pela Martinez Roca (1971)
>>> Itap a Empresa Que Vi Crescer de Fortunato Orlandi pela Plásticos Em Revistas (1991)
>>> 101 Segredos de Sucesso para a Pequena Empresa de Jane Applegate pela Best Seller (1992)
>>> Safety of Water Disinfection:balancing Chemical & Microbial Risks de Gunther F Craun pela Ilsi (1993)
>>> Humanizando Meu Trabalho e Criando Meu Futuro de Selma Costa pela Stf (1997)
>>> Vocabulario Latim-portugues / Portugues-latim de Ana T Sieglar pela Saraiva (1944)
>>> Biblioteca de Secretariado Executivo 1 de Abel Ferraz Souza pela Iracema (1971)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/4/2003
O Apanhador no Campo de Centeio
Alessandro Silva

+ de 49400 Acessos
+ 5 Comentário(s)

A Editora do Autor está relançando Salinger.

Salinger foi um escritor norte-americano que escreveu "O Apanhador no Campo de Centeio". Quando fui comprar o livro, o vendedor me disse:

- O livro ficou famoso porque o cara que matou o Jonh Lennon estava com ele debaixo do braço.

Não obstante, a morte de um pop star não rejubila o verdadeiro mundo da literatura. Quem lê sabe.

O narrador da história tem dezessete anos de idade e está tentando nos mostrar porque a escola é uma porcaria.

Ele foi expulso do colégio, é domingo, e ele aguarda não sem apreensão a "bomba" chegar aos seus pais. A quarta-feira próxima é o dia que deve deixar a escola.

É um "tempo morto" e naturalmente um tempo que merece ser esbanjado.

O garoto decide que não deve aguardar sentado; que deve dar umas bandas por aí, hospedar-se num hotel, beber um drinque numa boate e divertir-se com alguma prostituta.

É um garoto cheio da nota e o mundo adulto da luxúria e da embriaguez cinicamente abre-se para ele.

Mas não é um jovem comum. Estamos diante de um poeta em potencial; de um jovem muito estranho, autêntico, atormentado pelo comodismo dos normais e disposto a cair fora.

O garoto abomina cinema, atletismo, narcisismo ou qualquer outra vulgaridade. E bebe e fuma como um predador anêmico.

Não, ele não é um homossexual em busca de sua identidade.

Ele ama as garotas e as respeita como um verdadeiro cavalheiro. Quando vê um palavrão pichado no muro de uma escola ele quer apagá-lo. E aqueles caras que só pensam em sexo ele tacha friamente: idiotas, imbecis ou trouxas - cada qual com sua especificidade, para dizer como Samuel Beckett.

Seu herói imaginário é um derrotado, um garoto que acabou saltando a janela do prédio da escola para enfrentar os estudantes machões.

O narrador não teme confessar que é um covarde que não consegue sequer defender-se de seus colegas de escola. Nem sequer a coragem para dar um soco num camarada inegavelmente "folgado".

A sinceridade com que conta sua história é comovente. Eis aqui o elemento cômico em sua pureza. Vamos rir muito. As situações são narradas de modo naturalista.

Por a obra estar eivada daquele inconformismo romântico pode ser alvo de preconceitos, aqui cabe uma advertência: não a subestimemos. Devemos tomar cuidado no julgar, pois aquele espírito de juventude eterna que caracteriza o clássico da literatura está presente. Seu romantismo é poderoso e diante dele, diante do inconformismo do jovem narrador, nenhuma razão fica de pé.

Lembremos que "As Flores do Mal" foi rejeitada a princípio. Aquele romântico sui generis que foi Baudelaire naturalmente não foi sempre compreendido. Muita água rolou sob a ponte do Sena até que os franceses começassem a entender as reais necessidades de expressão daquele poeta sofrido e angustiado.

Diante da lógica a atitude romântica é sempre suspeita. Mas há sutilezas na obra de Salinger e suas imagens nos rogam transcendência. Aliás, a associação da obra de Salinger com os mitos criados em torno dos poetas franceses simbolistas é inevitável. Primeiramente porque em "O Apanhador no Campo de Centeio" temos a oportunidade de conjeturar a vida de um poeta adolescente e segundo porque sem dúvida a obra requer muitas concessões do racionalismo para ser aceita plenamente.

Um ligeiro esforço e podemos identificar os dezessete anos do narrador com a revolta de Arthur Rimbaud. E em verdade o mito dessa voz de revolta que emudeceu está presente na fala final do narrador. Mas, em seu caso, não se trata de uma transfiguração do passado com direito a esquecimento de causas e efeitos de uma existência poética pregressa; trata-se antes de terminar no divã para "adaptar-se".

Há algo de belíssimo nessa obra e inevitavelmente influirei na leitura dos ainda "não contemplados". Trata-se do enigmático título da obra, que merece mais do que uma explicação, senão aplausos prolongados.

Descobrimos que "O Apanhador no Campo de Centeio" é alusão aos versos de uma canção escrita pelo poeta Robert Burns. Quando o garoto é interrogado pela irmã acerca de sua rebeldia perpétua, sobre porque se "auto-destruía" daquele modo e porque não gostava de nada, ele, então angustiado e particularmente melindrado evoca a imagem criada por Burns identificando-a como metáfora de sua aspiração: o garoto imagina o campo de centeio repleto de crianças brincando e a si na borda do abismo apanhando as que caíam!

Ele mesmo está "caindo", lhe revela mais tarde um seu antigo professor de inglês, tentando fazer-lhe ver a sua "anormalidade". Não obstante, essa queda não é triada; o velho professor não diz o que quer dizer com essa "queda" e nós mesmo tendemos a aceitar a queda do ponto de vista da degeneração social. Contudo, é a um outro tipo de queda que devemos nos reportar para dar sentido ao destino desse adolescente.

Em "Angústia da Influência", Harold Bloom definiu sua teoria acerca da ontogenia poética. Bloom serve-se de alusões freqüentes ao mito da perda do paraíso para justificar uma etapa do processo de formação do poeta. Milton e a Bíblia ensejam as sutilezas de que necessita o crítico norte-americano para explicar sua hipótese. Quando fala de queda inevitavelmente quer dizer com isso desagregação social; inevitavelmente, diante da obra de Salinger, identificamos essa etapa da ontogenia poética na jovem vida de dezessete anos.

Quanto ao autor, acredito que devamos identificá-lo com sua personagem, pois a reserva é uma categoria psicológica que pode ser explicada pela frustração. Salinger jovem naturalmente viu recalcada sua persona poética diante das "muralhas do embrutecimento" e talvez tenha sido tão frágil quanto seu personagem, a ponto de não tentar nada contra a brutalidade dos fatos com que se apresenta a vida moderna além da auto-destruição.

Em verdade, Salinger é mais que seu personagem. Se guinarmos ao ponto de vista moral, Salinger é por extensão dessa personagem o próprio Rimbaud.

Estudos sobre Salinger devem abundar; igualmente sobre Rimbaud. Contudo não há grandes razões para nos aprofundarmos nos detalhes biográficos. "Iluminuras" ainda crepita em nossos corações com suprema afabilidade. "O Apanhador no Campo de Centeio" é obra de sublime jocosidade.

Para ir além





Alessandro Silva
São Paulo, 23/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O acerto de contas de Karl Ove Knausgård de Cassionei Niches Petry
02. A situação atual da poesia e seu possível futuro de Luis Dolhnikoff
03. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
04. Desbloqueie seu cartão, aumente seu pênis de Luís Fernando Amâncio
05. Pantanal de Marilia Mota Silva


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/6/2003
20h56min
"O Apanhador no Campo de Centeio" é um livro brilhante, de leitura obrigatória. Na atual fase em que vivemos estamos mesmo cercados de 'blasés'. Nada mais toca a alma do ser humano, cada vez menos humano. Por isso que temos tanta dificuldade em nos adaptar. Ler esse livro pode explicar nossas angústias.
[Leia outros Comentários de Alessandra Lemos]
12/6/2003
14h25min
Gostei muito do seu resumo, pois até o momento não tinha visto por este lado o autor, apesar de sempre conversar sobre literatura, quando li este livro não fui por este lado, só me senti leve com a história e a curiosidade do garoto me chamou muito a atenção. Bom eu ter lido seu texto somente agora, porque caso contrário iria influenciar-me o bastante para não conseguir senti-lo
[Leia outros Comentários de Suely Rodrigues]
12/1/2004
19h23min
Também não tinha lido o livro sob esta perspectiva, mas gostei poder olhar a obra com outros olhos que enxergaram aquilo que os meus não alcançaram por puro preconceito. concordo no ponto em que a história é fantástica, apenas não gosto do jeito que ao autor aborda a vida do jovem. é algo muito particular e não se aplica nos termos de universalidade. Um texto original, mas que mão merece nota dez
[Leia outros Comentários de déborah guaraná]
10/5/2006
13h53min
holden caufield é um mascarado. ele não acha tudo uma droga, como você mesmo deixa claro quando fala de "inconformismo romântico". ele é um cara totalmente paixonado pelos seres humanos, o que acaba gerando uma culpa absurda e faz com que ele se perca em si mesmo. isso acontece bem no início do livro, quando ele vai se despedir do professor que "cheira a vick vaporub". apesar de achar a cena dos velhos decadente, fica sutilmente claro que ele tem um apreço muito grande pelo professor, como por todas as outras pessoas mergulhadas na decadência que encontra na sua pequena odisséia adolescente. a parte da prostituta é de chorar de tão sensível. o grande valor do livro é justamente o que fica subentendido, como sua paixão pela decadência decorrente de uma necessidade enorme de ser bom para os outros. o que o atormenta é que ele não consegue por pra fora essa bondade toda, não consegue apanhar as criancinhas que estão caindo.
[Leia outros Comentários de Gabriela Linck]
10/5/2006
13h59min
como ser bom no mundo de hoje? eu acho que essa é a grande questão do livro. como grandes poetas acabam mascarando sua sensibilidade apaixonando-se pela degeneração. pois essa talvez seja a saída mais romântica possível.
[Leia outros Comentários de Gabriela Linck]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Maigret e o Homem do Banco
Georges Simenon
L&pm
(2004)



Yoga para os olhos
Roberto Inacio Neves
Por que nao?



Quimioterápicos na Clínica Diária
Almir Lourenço da Fonseca
Epub
(1999)



Guia Addresses da 3ª Idadde
Denise Pinheiro e Luiza Pinheiro
Addresses
(2009)



Dieta do Baixo Índice Glicêmico: Alimentação e Exercícios
Helen Foster
Publifolha
(2009)



O Futuro Chegou
Maílson da Nóbrega
Globo
(2005)



O Poder do Marketing
Editora Martin Claret
Martin Claret
(1998)



Atlas de Dermatologia
G. M. Levene- C. D. Calnan
Científico
(1974)



Música: Velhos Temas, Novas Leituras: Incluindo: Vozes Negras Fem
Sérgio Bittencourt Sampaio (2ª Edição)
Mauad X
(2016)



O Manual do Novo Gerente Vol 4
Morey Stettner
Sextante
(2006)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês