O Apanhador no Campo de Centeio | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
34641 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Rosangela Lyra lança canal sobre política no YouTube
>>> Andrea e Bia Jabor fazem a Festa da Árvore neste domingo!
>>> Alfabetização visual comemora 10 anos com mostra de fotografias feitas por pessoas com deficiência
>>> Musical jovem AVESSO reestreia em janeiro e traz fortes emoções no conflito de gerações
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> Canções de amor
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um repórter a mil calorias por dia*
>>> Bill Evans Trio on Jazz 625
>>> Poesia, Crônica, Conto e Charge
>>> Os Vingadores versus... Collin Powell
>>> Um Coração Simples, de Flaubert, por Milton Hatoum
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Por que a beleza importa
>>> A difícil arte de viver em sociedade
Mais Recentes
>>> As Aventuras de Popeye de E. C. Segar pela Presença (1973)
>>> Paulette de Wolinski e G. Pichard pela Grilo (1973)
>>> As Férias de Iznogud de Goscinny e Tabary pela Rge (1968)
>>> A vida literária no Brasil durante o Romantismo de Ubiratã Machado pela Eduerj (2001)
>>> As Aventuras do Califa Harrum Al Mofadah o Grão-vizir Iznogud de Goscinny e Tabary pela Record (1987)
>>> O Amigo da Onça - A Obra Imortal de Péricles pela Busca Vida (1987)
>>> A Vida do Super Homem: de Krypton à Terra, a Espetacular Saga do Maior de DC Comics pela Ebal (1983)
>>> Dr. Macarra: um Playboy na Feb de Carlos Estêvão pela Record (1981)
>>> Help! - Sistema de Consulta Interativa - História do Brasil de Laura Tetti (coord.) pela O Estado de S. Paulo (1997)
>>> Amantes e Cartomantes de Paulo Centenaro pela Editado pelo Autor (2001)
>>> Minha Vida - Uma Vida com Desafios Vale a Pena Ser Vivida de Marcus Nogueira pela O Lutador (2018)
>>> Ratobúrguer de David Walliams pela Intrínseca (2013)
>>> Superação de Hermógenes pela Record (1982)
>>> Terapia do Conto - Para Curar o Coração de Paula Furtado pela Girassol (2012)
>>> Novos Roteiros em Educação de Krishnamurti pela Cultrix (1980)
>>> Histórias Bilíngues - Cinderela de Marcela Grez pela Girassol Brasil Edições (2013)
>>> Haja luz de Ponte para a liberdade pela Ponte para a liberdade (2005)
>>> Disney Frozen Magical Story de Disney Enterprises pela Parragon Books (2015)
>>> Pai Patrao & Recanto - Romance Italiano impecável! de Gavino Ledda pela Berlendis & Vertecchia (2004)
>>> Sonhos Em Amarelo - O garoto que não esqueceu Van Gogh de Luiz Antonio Aguiar pela Melhoramentos (2007)
>>> O Pequeno Assassino de Bradbury pela L&PM (1991)
>>> O olho do furacão de Murillo Nunes de Azevedo pela Civilização brasileira (1973)
>>> O Estranho Mundo de Zé do Caixão de José Mojica Marins / R. F. Lucchetti / Nico Rosso pela L&PM (1987)
>>> Roma Antiga de Martin César Feijó pela Ática (1994)
>>> Serm Asas ao Amanhecer de Luciana Scotti pela Melhoramentos (2003)
>>> Poesia Africana de Lingua Portuguesa de Livia Apa, Maria Daskalos pela Lacerda (2003)
>>> El plano astral y el plano mental de C. W. Leadbeater pela Teorema (1986)
>>> Memoria, politica y pedagogia de Graciela Rubio Soto pela Lom (2013)
>>> Mulheres Apaixonadas de D. H. Lawrence pela Abril Cultural (1979)
>>> Histoire de Ma Vie de George Sand pela Stock (1949)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela O Globo (2003)
>>> Cuentos de la Alhambra de Whashington Irving pela Padre Suarez (1967)
>>> Libro de Manuel de Julio Cortázar pela Bruguera (1981)
>>> A Incrível e Triste História de Cândida Eréndira e sua Avó Desalmada de Gabriel garcia Márquez pela Círculo do Livro (1975)
>>> Le Communisme Utopique, Le Mouvement de Mai 1968 de Alain Touraine pela Seuil (1972)
>>> Dicionário Ediouro Espanhol - Português Português - Espanhol de Éverton Florenzano pela Ediouro
>>> Les Structures du Hasard de Jean-Louis Boursin pela Du Seuil
>>> Amor É Prosa Sexo É Poesia de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2009)
>>> As relações Perigosas de Choderlos de Laclos pela Globo (1987)
>>> O Idiota de Fiodór Dostoiévski pela Martin Claret (2005)
>>> 201 Mensagens para o Amor da Minha Vida de Diana Lerner pela Vergara & Riba (2007)
>>> Tragédia Grega, Estudo Literário II Volume de H. D. F. Kitto pela Arménio amado (1972)
>>> Hegel de Roland Corbisier pela Civilização Brasileira (1981)
>>> O Anarquismo e a Democracia Burguesa de Malatesta, Bakunin, Engels e outros pela Global (1980)
>>> Teoria da História de Maria Beatriz Nizza da Silva (Org.) pela Cultrix (1976)
>>> Sobre la Esencia de la Libertad Humana de Federico Schelling pela Juarez (1969)
>>> Alrededor del Cuanto de L Ponomariov pela Editorial Mir (1974)
>>> Teeteto de Platão pela Inqérito
>>> Griegos y Persas, El Mundo Mediterráneo en la Edad Antigua I de Hermann Bengtson pela Siglo Veintuno (1972)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1986)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/4/2003
O Apanhador no Campo de Centeio
Alessandro Silva

+ de 47800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

A Editora do Autor está relançando Salinger.

Salinger foi um escritor norte-americano que escreveu "O Apanhador no Campo de Centeio". Quando fui comprar o livro, o vendedor me disse:

- O livro ficou famoso porque o cara que matou o Jonh Lennon estava com ele debaixo do braço.

Não obstante, a morte de um pop star não rejubila o verdadeiro mundo da literatura. Quem lê sabe.

O narrador da história tem dezessete anos de idade e está tentando nos mostrar porque a escola é uma porcaria.

Ele foi expulso do colégio, é domingo, e ele aguarda não sem apreensão a "bomba" chegar aos seus pais. A quarta-feira próxima é o dia que deve deixar a escola.

É um "tempo morto" e naturalmente um tempo que merece ser esbanjado.

O garoto decide que não deve aguardar sentado; que deve dar umas bandas por aí, hospedar-se num hotel, beber um drinque numa boate e divertir-se com alguma prostituta.

É um garoto cheio da nota e o mundo adulto da luxúria e da embriaguez cinicamente abre-se para ele.

Mas não é um jovem comum. Estamos diante de um poeta em potencial; de um jovem muito estranho, autêntico, atormentado pelo comodismo dos normais e disposto a cair fora.

O garoto abomina cinema, atletismo, narcisismo ou qualquer outra vulgaridade. E bebe e fuma como um predador anêmico.

Não, ele não é um homossexual em busca de sua identidade.

Ele ama as garotas e as respeita como um verdadeiro cavalheiro. Quando vê um palavrão pichado no muro de uma escola ele quer apagá-lo. E aqueles caras que só pensam em sexo ele tacha friamente: idiotas, imbecis ou trouxas - cada qual com sua especificidade, para dizer como Samuel Beckett.

Seu herói imaginário é um derrotado, um garoto que acabou saltando a janela do prédio da escola para enfrentar os estudantes machões.

O narrador não teme confessar que é um covarde que não consegue sequer defender-se de seus colegas de escola. Nem sequer a coragem para dar um soco num camarada inegavelmente "folgado".

A sinceridade com que conta sua história é comovente. Eis aqui o elemento cômico em sua pureza. Vamos rir muito. As situações são narradas de modo naturalista.

Por a obra estar eivada daquele inconformismo romântico pode ser alvo de preconceitos, aqui cabe uma advertência: não a subestimemos. Devemos tomar cuidado no julgar, pois aquele espírito de juventude eterna que caracteriza o clássico da literatura está presente. Seu romantismo é poderoso e diante dele, diante do inconformismo do jovem narrador, nenhuma razão fica de pé.

Lembremos que "As Flores do Mal" foi rejeitada a princípio. Aquele romântico sui generis que foi Baudelaire naturalmente não foi sempre compreendido. Muita água rolou sob a ponte do Sena até que os franceses começassem a entender as reais necessidades de expressão daquele poeta sofrido e angustiado.

Diante da lógica a atitude romântica é sempre suspeita. Mas há sutilezas na obra de Salinger e suas imagens nos rogam transcendência. Aliás, a associação da obra de Salinger com os mitos criados em torno dos poetas franceses simbolistas é inevitável. Primeiramente porque em "O Apanhador no Campo de Centeio" temos a oportunidade de conjeturar a vida de um poeta adolescente e segundo porque sem dúvida a obra requer muitas concessões do racionalismo para ser aceita plenamente.

Um ligeiro esforço e podemos identificar os dezessete anos do narrador com a revolta de Arthur Rimbaud. E em verdade o mito dessa voz de revolta que emudeceu está presente na fala final do narrador. Mas, em seu caso, não se trata de uma transfiguração do passado com direito a esquecimento de causas e efeitos de uma existência poética pregressa; trata-se antes de terminar no divã para "adaptar-se".

Há algo de belíssimo nessa obra e inevitavelmente influirei na leitura dos ainda "não contemplados". Trata-se do enigmático título da obra, que merece mais do que uma explicação, senão aplausos prolongados.

Descobrimos que "O Apanhador no Campo de Centeio" é alusão aos versos de uma canção escrita pelo poeta Robert Burns. Quando o garoto é interrogado pela irmã acerca de sua rebeldia perpétua, sobre porque se "auto-destruía" daquele modo e porque não gostava de nada, ele, então angustiado e particularmente melindrado evoca a imagem criada por Burns identificando-a como metáfora de sua aspiração: o garoto imagina o campo de centeio repleto de crianças brincando e a si na borda do abismo apanhando as que caíam!

Ele mesmo está "caindo", lhe revela mais tarde um seu antigo professor de inglês, tentando fazer-lhe ver a sua "anormalidade". Não obstante, essa queda não é triada; o velho professor não diz o que quer dizer com essa "queda" e nós mesmo tendemos a aceitar a queda do ponto de vista da degeneração social. Contudo, é a um outro tipo de queda que devemos nos reportar para dar sentido ao destino desse adolescente.

Em "Angústia da Influência", Harold Bloom definiu sua teoria acerca da ontogenia poética. Bloom serve-se de alusões freqüentes ao mito da perda do paraíso para justificar uma etapa do processo de formação do poeta. Milton e a Bíblia ensejam as sutilezas de que necessita o crítico norte-americano para explicar sua hipótese. Quando fala de queda inevitavelmente quer dizer com isso desagregação social; inevitavelmente, diante da obra de Salinger, identificamos essa etapa da ontogenia poética na jovem vida de dezessete anos.

Quanto ao autor, acredito que devamos identificá-lo com sua personagem, pois a reserva é uma categoria psicológica que pode ser explicada pela frustração. Salinger jovem naturalmente viu recalcada sua persona poética diante das "muralhas do embrutecimento" e talvez tenha sido tão frágil quanto seu personagem, a ponto de não tentar nada contra a brutalidade dos fatos com que se apresenta a vida moderna além da auto-destruição.

Em verdade, Salinger é mais que seu personagem. Se guinarmos ao ponto de vista moral, Salinger é por extensão dessa personagem o próprio Rimbaud.

Estudos sobre Salinger devem abundar; igualmente sobre Rimbaud. Contudo não há grandes razões para nos aprofundarmos nos detalhes biográficos. "Iluminuras" ainda crepita em nossos corações com suprema afabilidade. "O Apanhador no Campo de Centeio" é obra de sublime jocosidade.

Para ir além





Alessandro Silva
São Paulo, 23/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
03. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
04. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
05. Livrarias de Ricardo de Mattos


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/6/2003
20h56min
"O Apanhador no Campo de Centeio" é um livro brilhante, de leitura obrigatória. Na atual fase em que vivemos estamos mesmo cercados de 'blasés'. Nada mais toca a alma do ser humano, cada vez menos humano. Por isso que temos tanta dificuldade em nos adaptar. Ler esse livro pode explicar nossas angústias.
[Leia outros Comentários de Alessandra Lemos]
12/6/2003
14h25min
Gostei muito do seu resumo, pois até o momento não tinha visto por este lado o autor, apesar de sempre conversar sobre literatura, quando li este livro não fui por este lado, só me senti leve com a história e a curiosidade do garoto me chamou muito a atenção. Bom eu ter lido seu texto somente agora, porque caso contrário iria influenciar-me o bastante para não conseguir senti-lo
[Leia outros Comentários de Suely Rodrigues]
12/1/2004
19h23min
Também não tinha lido o livro sob esta perspectiva, mas gostei poder olhar a obra com outros olhos que enxergaram aquilo que os meus não alcançaram por puro preconceito. concordo no ponto em que a história é fantástica, apenas não gosto do jeito que ao autor aborda a vida do jovem. é algo muito particular e não se aplica nos termos de universalidade. Um texto original, mas que mão merece nota dez
[Leia outros Comentários de déborah guaraná]
10/5/2006
13h53min
holden caufield é um mascarado. ele não acha tudo uma droga, como você mesmo deixa claro quando fala de "inconformismo romântico". ele é um cara totalmente paixonado pelos seres humanos, o que acaba gerando uma culpa absurda e faz com que ele se perca em si mesmo. isso acontece bem no início do livro, quando ele vai se despedir do professor que "cheira a vick vaporub". apesar de achar a cena dos velhos decadente, fica sutilmente claro que ele tem um apreço muito grande pelo professor, como por todas as outras pessoas mergulhadas na decadência que encontra na sua pequena odisséia adolescente. a parte da prostituta é de chorar de tão sensível. o grande valor do livro é justamente o que fica subentendido, como sua paixão pela decadência decorrente de uma necessidade enorme de ser bom para os outros. o que o atormenta é que ele não consegue por pra fora essa bondade toda, não consegue apanhar as criancinhas que estão caindo.
[Leia outros Comentários de Gabriela Linck]
10/5/2006
13h59min
como ser bom no mundo de hoje? eu acho que essa é a grande questão do livro. como grandes poetas acabam mascarando sua sensibilidade apaixonando-se pela degeneração. pois essa talvez seja a saída mais romântica possível.
[Leia outros Comentários de Gabriela Linck]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O IMPERIALISMO: FASE SUPERIOR DO CAPITALISMO
LENIN
V. I. LENINE
(2002)
R$ 30,00
+ frete grátis



TREZE CONTOS DIABÓLICOS E UM ANGÉLICO
FREI BETTO
PLANETA
(2018)
R$ 45,00



CINQUENTA TONS NA PRATICA
DEBRA MACLEOD
SINGULAR
R$ 12,00



EVA PERÓN - A MADONA DOS DESCAMISADOS
ALICIA DUJOVNE ORTIZ
RECORD
(1997)
R$ 12,00



LA ACROPOLIS Y SU MUSEO
JEORGE DONTAS
CLIO
(1987)
R$ 4,00



CURSO DE MIDIOLOGIA GERAL
RÉGIS DEBRAY
VOZES
(1993)
R$ 29,00



TATUADO
CAREY HART
H.F. ULLMANN
(2010)
R$ 50,00



MAIGRET E O LADRÃO PREGUIÇOSO
GEORGES SIMENON
L&PM
(2009)
R$ 12,00



ONDE ENCONTRAR A SABEDORIA?
HAROLD BLOOM
OBJETIVA
(2005)
R$ 11,99



HYPERBOREANS - ESSAYS IN GREEK AND LATIN POETRY, PHILOSOPHY, RHETORIC
PAULA CUNHA E OUTROS (ORGS.)
HUMANITAS
(2012)
R$ 40,00
+ frete grátis





busca | avançada
34641 visitas/dia
1,1 milhão/mês