Dos livros que li | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/9/2005
Dos livros que li
Marcelo Maroldi

+ de 5600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Outro dia um amigo me perguntou: o que faz um livro ou um autor ser considerado fantástico? Disse, ainda, que ele entende quando um determinado livro é bom e tudo o mais, mas, o que o faz melhor que um outro? Seriam as idéias nele contidas? Seria a forma de escrever do autor? A inovação do texto? O que seria, afinal? Eu tentei argumentar algo nessa linha, mas meu discurso não o convenceu, creio. Pensando nisso, depois, descobri que essa é uma resposta subjetiva. Pessoal. Gostar de um livro mais que o outro é algo particular de quem o lê. Deve existir, portanto, alguma coisa nos nossos livros (e autores) preferidos que nos atrai tanto.

Quando eu era bem pequeno, sempre via um livro na minha estante: Memórias sentimentais de João Miramar, de Oswald de Andrade. Demorei mais de 10 anos para pegar esse livro em mãos, mas esse título me acompanha por toda a vida desde a primeira vez que o vi (e posso dizer que me influenciou). Eu pensava: um livro com esse título não pode ser ruim, não faz sentido. Mas, com medo de me decepcionar, talvez, deixei de lado. Ainda fascinado por títulos, peguei outro, Olhai os lírios do campo, de Érico Veríssimo. Esse foi o livro que mudou a minha vida. Não sei explicar direito o motivo, acredito que foi o primeiro livro que me fez refletir e sentir. Além disso, respondo dizendo que era o livro que eu gostaria de ter escrito (é o meu predileto, e eu escolho o livro que eu quiser para ser o meu número 1!). Pouco antes eu havia lido A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa. Um amigo do meu irmão, mais velho, supostamente havia me explicado do que se tratava. Eu cresci pensando na terceira margem do rio, imaginando que diabos aquele cara estava falando! Foi mais um exemplo de texto que me ajudou na minha formação. Logo depois, senti a força dos livros de contos (embora mais tarde me decepcionaria lendo O vampiro de Curitiba, de Dalton Trevisan, e outros que não mudaram minha vida em nada) e a capacidade que alguns deles têm de te fazer pensar.

Depois, fiquei vários anos sem ler nenhum livro que me impactasse tanto. Até que um dia, já grandinho, li O muro, minha primeira experiência sartreana consciente. A sensação que eu tive foi a de levar um soco na cara... um soco forte, aliás. Eu fiquei alguns dias sob o efeito do livro, quase drogado. Não era possível que alguém pudesse incomodar tanto outro ser humano apenas com palavras escritas (e que nem a mim eram dirigidas!). Por que o cara me agredia daquele jeito? Eu poderia largar o livro, mandar aquele existencialista embora da minha casa e ir ver novela, mas, não foi o que eu fiz. Ali, eu descobri que a literatura, para mim, pelo menos, é incomodo, é reflexão, e, muitas vezes, é dor. Um livro que desperte isso em mim eu considero bom, ora...

Antes disso - quase me esqueci - havia sentido esse mesmo mal-estar lendo Os sofrimentos do Jovem Werther, de Goethe. Engraçado, mas aquela subjetividade que citei anteriormente senti com esse livro. Conheço pessoas que o leram e não sentiram absolutamente nenhum desconforto, nenhuma emoção diferente, nada, nada. Pra mim, este nunca será um livro comum. A mesma coisa se deu quando li O Processo, de Kafka. Como alguém pode ler O Processo e não dedicar algumas horas a seu destrinchamento?

Em prosa, esse foram alguns dos livros que mais me incomodaram quando os li. Senti isso vários outras vezes, ainda, lendo poesia, por exemplo ao ler Gregório de Matos, e, principalmente, Mário de Sá-Carneiro. Com poesia minha perturbação mental foi tardia. Talvez por não entender o que diziam aqueles jovens tuberculosos, deixei-os de lado, retomando apenas na adolescência sua leitura. Lembro que um poema de Camões me fez sentir aquele cutucão que a literatura em prosa já havia me dado. Não é que era possível falar de assuntos complexos em poucas linhas? Alem disso, os poetas passam a sensação de conhecerem tanto do mundo, tanto das pessoas, tanto de amor, de dor, de pranto, etc, que é tudo o que eu queria entender. Simples assim.

Li outros livros mais leves, claro, porém importantes. Alguns me causaram reflexão, mas não desconforto. Confissões é um desses. Santo Agostinho é um filósofo interessante, e um teólogo importante demais para não te despertar alguns pensamentos... Já Cem anos de Solidão, de Gabriel Gárcia Márquez, é uma leitura, digamos, café com leite. O que me impressionou nele foi à escrita elegante, deliciosa, e a ficção absurda (e envolvente) que ele conta.

Há muitos outros livros que li e que me causaram sensações e reflexões. Estes, eu guardo como os melhores, para mim, evidente. Entendi, como o passar do tempo, que a literatura tem duas vertentes: a pessoal e a crítica. A crítica é a análise do texto feita por estudiosos. A pessoal é aquela que te faz gostar daquele livro que a crítica disse que era ruim. Ele pode ter te feito sonhar com a infância, pode ter te lembrado de algo ou de alguém, pode ter te ensinado alguma coisa, o que você decidir que faz um livro ser melhor que o outro. É a sua lista, você pode escolher os seus critérios. O meu, como disse, é o incômodo. Se me incomodar, é um forte candidato a ser bom. Seja qual for o seu critério, o importante para o leitor é o livro em si e, se você disser que algum livro é importante para sua vida, não há o que questionar... Eu posso até achá-lo péssimo, mas para você ele deve ser importante.

Michel Melamed e a elite cultural

Só agora vi Regurgitofagia, a consagrada peça de Michel Melamed. Ela é realmente muito boa, mas não é meu objetivo fazer uma crítica aqui. Para isto, basta procurar na internet que existem muitas. Queria comentar algo que me chamou a atenção.

O teatro estava lotado, e eu, que ainda sou um jovem, estava me sentindo velho diante daquele público. Diria, provavelmente acertando, que a média de idade era de 18 ou 19 anos, no máximo. Gente muito jovem para compreender o Melamed citando Waly Salomão (aliás, nessa hora a menina do meu lado deu um suspiro, perguntou pra amiga quem era esse cara e ambas ficaram imaginando quem seria ele e rindo, rindo, me fazendo perder a seqüência rápida e letal das palavras que o ator dizia, droga!). O Michel merecia coisa melhor... Nem o nome dele tinha gente que sabia. Em um certo momento, o ator faz uma brincadeira com seu próprio nome (e sobrenome). Teve gente que não entendeu nada, não percebeu que ele falava de si próprio e perguntou o que ele estava falando. "Ah, deve ser mais uma piada dele!"

Sinceramente, eu me pergunto o que essa gente fazia lá... e a resposta é simples: Regurgitogafia (ainda) está na moda (e o Michel também! Acreditam que no Orkut tem uma comunidade de meninas chamada "Eu daria pro Michel Melamed"?). A moda atraiu essa gente para lá. As pessoas com quem eu conversei não sabiam quem ele era, que ele era um apresentador, se era judeu ou coreano, se era poeta ou macumbeiro, etc. Estavam lá porque essa peça "vai pra Nova York nos próximos meses" e "esse cara está na crista da onda". Aquele status social que se obtém ao dizer que se foi ver o "cara que toma choque" (algo super cultural (sic)). Sem hesitar, aposto que 90% dos que ali estiveram não conseguem relacionar a peça a seu nome, explicar o que é regurgitofagia, nada disso. Todo mundo ali achava que o espetáculo era um espetáculo "pra dar risada", como ouvi dizerem. "Esse Michel é mesmo um belo humorista, não Maroldinho?".

Eu sei, leitor que me acompanha, que eu sempre falo desse assunto... mas é que me cansa. Acredito que todas as pessoas têm direito de ir ao teatro, e de ver o Melamed. Eu só queria que estas pessoas pagassem o ingresso porque gostassem de teatro, ou do ator, ou de poesia, ou algo assim. Por que torram o dinheiro de seus pais e a nossa paciência indo verem o cara da moda? Que droga de status social é esse que a cultura pode oferecer? O Michel deveria ter algum prestígio, não o cara que vai vê-lo! O artista é ele... Por que eu tenho que aguentar pessoas se sentindo superiores as demais só porque viram o espetáculo? Não interessa se entenderam ou se foram lá passear: se você foi ao Regurgitofagia em São Carlos, você é a elite cultural dessa cidade...

Marcelo Maroldi
São Carlos, 5/9/2005



Quem leu este, também leu esse(s):
01. O mundo explicado por T.S. Spivet de Guilherme Pontes Coelho
02. O centenário do Castor de Pilar Fazito


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/9/2005
19h50min
O tipo do texto apetitoso, a começar do título... Sua idéia da literatura como aquela que nos causa mal (impacto) já fôra defendida por Kafka; eu diria que esse é um critério, mas não o único. Como aliás você mesmo admite.
[Leia outros Comentários de Claire]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MENINGITE CRIPTOCÓCICA ASSOCIADA A AIDS NO BRASIL
DELIO JOSÉ MORA UND MARIO LEÓN SILVA-VERGARA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



PERIGO DE VIDA - PREDADORES E PRESAS: UM EQUILÍBRIO AMEAÇADO
CARLOS C. ALBERTS
ATUAL
(1989)
R$ 4,00



HAMBRE DEL ALMA
CARLA CRISTINA GARCIA
LIMIAR
(2007)
R$ 26,00



A MAGIA DE MIRÓ (CATÁLOGO)
NÃO DEFINIDO
CEF
(2014)
R$ 10,00



PSICOLOGIA DO TRABALHO INDUSTRIAL
LÉON WALTHER
MELHORAMENTOS
(1953)
R$ 12,00



DUULA, A MULHER CANIBAL. UM CONTO AFRICANO
ROGÉRIO ANDRADE BARBOSA
DCL
(2005)
R$ 14,00



BOM-DIA, PREGUIÇA!
CORINNE MAIER
CAMPUS
(2005)
R$ 35,00
+ frete grátis



PALAVRA DE HOMEM
ROGER GARAUDY
DIFEL
(1975)
R$ 21,28



MODERNISIERUNGSFORSCHUNG: ZUR EMPIRISCHEN ANALYSE DER GESELLSCHAF
PETER FLORA
WESTDEUTSCHER
(1974)
R$ 18,82



CURSO DE DIREITO COMERCIAL - DIREITO DE EMPRESA 3
FÁBIO ULHOA COELHO
SARAIVA
(2013)
R$ 39,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês