Dos livros que li | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Segunda-feira, 5/9/2005
Dos livros que li
Marcelo Maroldi

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Outro dia um amigo me perguntou: o que faz um livro ou um autor ser considerado fantástico? Disse, ainda, que ele entende quando um determinado livro é bom e tudo o mais, mas, o que o faz melhor que um outro? Seriam as idéias nele contidas? Seria a forma de escrever do autor? A inovação do texto? O que seria, afinal? Eu tentei argumentar algo nessa linha, mas meu discurso não o convenceu, creio. Pensando nisso, depois, descobri que essa é uma resposta subjetiva. Pessoal. Gostar de um livro mais que o outro é algo particular de quem o lê. Deve existir, portanto, alguma coisa nos nossos livros (e autores) preferidos que nos atrai tanto.

Quando eu era bem pequeno, sempre via um livro na minha estante: Memórias sentimentais de João Miramar, de Oswald de Andrade. Demorei mais de 10 anos para pegar esse livro em mãos, mas esse título me acompanha por toda a vida desde a primeira vez que o vi (e posso dizer que me influenciou). Eu pensava: um livro com esse título não pode ser ruim, não faz sentido. Mas, com medo de me decepcionar, talvez, deixei de lado. Ainda fascinado por títulos, peguei outro, Olhai os lírios do campo, de Érico Veríssimo. Esse foi o livro que mudou a minha vida. Não sei explicar direito o motivo, acredito que foi o primeiro livro que me fez refletir e sentir. Além disso, respondo dizendo que era o livro que eu gostaria de ter escrito (é o meu predileto, e eu escolho o livro que eu quiser para ser o meu número 1!). Pouco antes eu havia lido A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa. Um amigo do meu irmão, mais velho, supostamente havia me explicado do que se tratava. Eu cresci pensando na terceira margem do rio, imaginando que diabos aquele cara estava falando! Foi mais um exemplo de texto que me ajudou na minha formação. Logo depois, senti a força dos livros de contos (embora mais tarde me decepcionaria lendo O vampiro de Curitiba, de Dalton Trevisan, e outros que não mudaram minha vida em nada) e a capacidade que alguns deles têm de te fazer pensar.

Depois, fiquei vários anos sem ler nenhum livro que me impactasse tanto. Até que um dia, já grandinho, li O muro, minha primeira experiência sartreana consciente. A sensação que eu tive foi a de levar um soco na cara... um soco forte, aliás. Eu fiquei alguns dias sob o efeito do livro, quase drogado. Não era possível que alguém pudesse incomodar tanto outro ser humano apenas com palavras escritas (e que nem a mim eram dirigidas!). Por que o cara me agredia daquele jeito? Eu poderia largar o livro, mandar aquele existencialista embora da minha casa e ir ver novela, mas, não foi o que eu fiz. Ali, eu descobri que a literatura, para mim, pelo menos, é incomodo, é reflexão, e, muitas vezes, é dor. Um livro que desperte isso em mim eu considero bom, ora...

Antes disso - quase me esqueci - havia sentido esse mesmo mal-estar lendo Os sofrimentos do Jovem Werther, de Goethe. Engraçado, mas aquela subjetividade que citei anteriormente senti com esse livro. Conheço pessoas que o leram e não sentiram absolutamente nenhum desconforto, nenhuma emoção diferente, nada, nada. Pra mim, este nunca será um livro comum. A mesma coisa se deu quando li O Processo, de Kafka. Como alguém pode ler O Processo e não dedicar algumas horas a seu destrinchamento?

Em prosa, esse foram alguns dos livros que mais me incomodaram quando os li. Senti isso vários outras vezes, ainda, lendo poesia, por exemplo ao ler Gregório de Matos, e, principalmente, Mário de Sá-Carneiro. Com poesia minha perturbação mental foi tardia. Talvez por não entender o que diziam aqueles jovens tuberculosos, deixei-os de lado, retomando apenas na adolescência sua leitura. Lembro que um poema de Camões me fez sentir aquele cutucão que a literatura em prosa já havia me dado. Não é que era possível falar de assuntos complexos em poucas linhas? Alem disso, os poetas passam a sensação de conhecerem tanto do mundo, tanto das pessoas, tanto de amor, de dor, de pranto, etc, que é tudo o que eu queria entender. Simples assim.

Li outros livros mais leves, claro, porém importantes. Alguns me causaram reflexão, mas não desconforto. Confissões é um desses. Santo Agostinho é um filósofo interessante, e um teólogo importante demais para não te despertar alguns pensamentos... Já Cem anos de Solidão, de Gabriel Gárcia Márquez, é uma leitura, digamos, café com leite. O que me impressionou nele foi à escrita elegante, deliciosa, e a ficção absurda (e envolvente) que ele conta.

Há muitos outros livros que li e que me causaram sensações e reflexões. Estes, eu guardo como os melhores, para mim, evidente. Entendi, como o passar do tempo, que a literatura tem duas vertentes: a pessoal e a crítica. A crítica é a análise do texto feita por estudiosos. A pessoal é aquela que te faz gostar daquele livro que a crítica disse que era ruim. Ele pode ter te feito sonhar com a infância, pode ter te lembrado de algo ou de alguém, pode ter te ensinado alguma coisa, o que você decidir que faz um livro ser melhor que o outro. É a sua lista, você pode escolher os seus critérios. O meu, como disse, é o incômodo. Se me incomodar, é um forte candidato a ser bom. Seja qual for o seu critério, o importante para o leitor é o livro em si e, se você disser que algum livro é importante para sua vida, não há o que questionar... Eu posso até achá-lo péssimo, mas para você ele deve ser importante.

Michel Melamed e a elite cultural

Só agora vi Regurgitofagia, a consagrada peça de Michel Melamed. Ela é realmente muito boa, mas não é meu objetivo fazer uma crítica aqui. Para isto, basta procurar na internet que existem muitas. Queria comentar algo que me chamou a atenção.

O teatro estava lotado, e eu, que ainda sou um jovem, estava me sentindo velho diante daquele público. Diria, provavelmente acertando, que a média de idade era de 18 ou 19 anos, no máximo. Gente muito jovem para compreender o Melamed citando Waly Salomão (aliás, nessa hora a menina do meu lado deu um suspiro, perguntou pra amiga quem era esse cara e ambas ficaram imaginando quem seria ele e rindo, rindo, me fazendo perder a seqüência rápida e letal das palavras que o ator dizia, droga!). O Michel merecia coisa melhor... Nem o nome dele tinha gente que sabia. Em um certo momento, o ator faz uma brincadeira com seu próprio nome (e sobrenome). Teve gente que não entendeu nada, não percebeu que ele falava de si próprio e perguntou o que ele estava falando. "Ah, deve ser mais uma piada dele!"

Sinceramente, eu me pergunto o que essa gente fazia lá... e a resposta é simples: Regurgitogafia (ainda) está na moda (e o Michel também! Acreditam que no Orkut tem uma comunidade de meninas chamada "Eu daria pro Michel Melamed"?). A moda atraiu essa gente para lá. As pessoas com quem eu conversei não sabiam quem ele era, que ele era um apresentador, se era judeu ou coreano, se era poeta ou macumbeiro, etc. Estavam lá porque essa peça "vai pra Nova York nos próximos meses" e "esse cara está na crista da onda". Aquele status social que se obtém ao dizer que se foi ver o "cara que toma choque" (algo super cultural (sic)). Sem hesitar, aposto que 90% dos que ali estiveram não conseguem relacionar a peça a seu nome, explicar o que é regurgitofagia, nada disso. Todo mundo ali achava que o espetáculo era um espetáculo "pra dar risada", como ouvi dizerem. "Esse Michel é mesmo um belo humorista, não Maroldinho?".

Eu sei, leitor que me acompanha, que eu sempre falo desse assunto... mas é que me cansa. Acredito que todas as pessoas têm direito de ir ao teatro, e de ver o Melamed. Eu só queria que estas pessoas pagassem o ingresso porque gostassem de teatro, ou do ator, ou de poesia, ou algo assim. Por que torram o dinheiro de seus pais e a nossa paciência indo verem o cara da moda? Que droga de status social é esse que a cultura pode oferecer? O Michel deveria ter algum prestígio, não o cara que vai vê-lo! O artista é ele... Por que eu tenho que aguentar pessoas se sentindo superiores as demais só porque viram o espetáculo? Não interessa se entenderam ou se foram lá passear: se você foi ao Regurgitofagia em São Carlos, você é a elite cultural dessa cidade...

Marcelo Maroldi
São Paulo, 5/9/2005



Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/9/2005
19h50min
O tipo do texto apetitoso, a começar do título... Sua idéia da literatura como aquela que nos causa mal (impacto) já fôra defendida por Kafka; eu diria que esse é um critério, mas não o único. Como aliás você mesmo admite.
[Leia outros Comentários de Claire]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Domingo É Dia de Ciência: Historia de um Suplemento dos Anos Pós
Bernardo Esteves
Azougue
(2006)



Terapia Feminista da Família
Goodrich e Outros
Artmed
(1990)



Por una Nueva Gestion de Nuestras Sociedades
Pierre Calame (cood.)
Charles Léopold Mayer
(2002)



Fairy Tail Vol. 58
Hiro Mashima
Jbc
(2016)



O Fundo do Mar
Peter Benchley
Círculo do Livro



Hegemonia, Estado e Governabilidade
Gilberto Dupas
Senac
(2002)



A 3ª Guerra
Robert J. Donovan
Nova Fronteira
(1967)



Os Safos Festejam ao Anoitecer
Idalino Cavalcante
Topbooks
(2005)



Berlioz - Grandes Compositores da Música Clássica Vol 27
Abril Coleções
Abril Coleções
(2009)



Theatre Denfants, Comment Monter un Spectacle?
Gisela Walter (capa Dura)
Casterman
(1995)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês