Ninguem e dono da (boa) historia | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fugindo do apocalipse
>>> Sonhos Sujos
>>> Eu acho que alguém aqui pirou
>>> Ideologias em forma de spam
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> Lula, o filme
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
Mais Recentes
>>> Geografia 8º Ano – Volume 3 – Coleção Perspectiva de Cláudia Magalhães, Lilian Sourient, Marcos Gonçalves e Roseni Rudek pela Do Brasil (2010)
>>> Coleção Sinopses Para Concursos Vol. 1 - Direito Penal - Parte Geral de Alexandre Salim e Marcelo André de Azevedo pela Juspodivm (2017)
>>> Rio de Janeiro - Histórias Concisas de uma Cidade de 450 Anos de Vários Autores pela Prefeitura do Rio de janeiro (2015)
>>> Elite da Tropa de Luiz Eduardo - Soares Andre Batista - Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2006)
>>> Geografia Nos Dias de Hoje 7º Ano de Cláudio Giardino, Ligia Ortega & Rosaly Braga Chianca pela Leya (2012)
>>> Geografia 7º Ano – Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> Geografia 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> Filhos talentosos lideres grandiosos de Pat Williams pela Landscape (2006)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Morte Em Veneza - Tonio Kröger de Thomas Mann pela Círculo do Livro
>>> Perversas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2009)
>>> Fricções - Traço, Olho e Letra de Vera Casa Nova pela Ufmg (2008)
>>> The Phantom of the Opera - Audio Cd Included de Gaston Leroux pela Macmillan Readers (2005)
>>> Redenção de Karen Kingsbury; pela Portico (2015)
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Companhia das Letras (2013)
>>> Guia de Alimentos da Dieta de South Beach de Arthur Agatston M. D. pela Sextante (2003)
>>> Só o Amor é Real - uma História de Almas Gêmeas Que Voltam a Se Unir de Brian L. Weiss pela Salamandra (1996)
>>> O Vento de Oalab de João Luiz Guimarães pela Sm (2016)
>>> A Criatura - Série Barco a Vapor de Laura Bergallo pela Sm (2005)
>>> Frankenstein - Audio Cd Included de Mary Shelley pela Sm (2005)
>>> Stanley Kubrick de Museu da Imagem e do Som pela Museu da Imagem e do Som (2014)
>>> Casa de Máscaras de Péricles Prade pela Iluminuras (2013)
>>> Irmãos Unidos de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1988)
>>> Affermazioni de Stuart Wilde pela Macro Edizioni (2005)
>>> O Desafio da Guerra - Dois Séculos de Guerra - 1740-1974 de Gaston Bouthoul e René Carrère pela Biblioteca do Exército (1978)
>>> Um Oceano nos Separa de Robin Pilcher pela Bertrand Brasil (2021)
>>> Constituições Brasileiras Volume I 1824 de Octaciano Nogueira pela Senado Federal (2004)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2010)
>>> A Lebre com Olhos de Âmbar de Edmund de Waal pela Intrinseca (2011)
>>> Entre Abrir e Fechar a Boca de Máximo Ravenna pela Guarda-chuva (2012)
>>> O Filho Eterno de Cristovão Tezza pela Record (2007)
>>> Serafina e a Capa Preta - Volume 1 de Robert Beatty pela Valentina (2018)
>>> Kadish por uma Criança Não Nascida de Imre Kertsz pela Imago (2002)
>>> Quarto de Emma Donoghue pela Verus (2016)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Record (2006)
>>> The Unbearable Lightness of Being de Milan Kundera pela Harper Perennial (2005)
>>> A Construção da verdade autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Usp (2021)
>>> Legislação Trabalhista e Rotinas Trabalhistas EAN: 9788582129739 de Silvano Alves alcantra pela Intersaberes (2014)
>>> Constituições Brasileiras Volume VII 1988 de Caio Tácito pela Senado Federal (2002)
>>> Elixir de Hilary Duff pela Id (2011)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Sabor de Pecado e Outras Essências de Ademar Inácio da Silva pela Assis (2012)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Ciências 7º Ano – Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Beber Jogar [email protected]#er de Andrew Gottlieb pela Planeta (2009)
>>> Ciências 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Já Podeis da Pátria Filhos de João Ubaldo Ribeiro pela Alfaguara (2009)
>>> Matemática 7º Ano – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/11/2010
Ninguém é dono da (boa) história
Marta Barcellos

+ de 3300 Acessos

Era uma boa história. Lúcia descrevia em detalhes, durante a entrevista, a dificuldade dos trabalhadores em domar as águas de um rio em pleno Planalto Central, meio século atrás. Eles sobreviveram à malária, abriram estradas, tudo para construir a usina hidrelétrica que iluminaria a nova capital federal. Os imensos blocos de concreto, porém, rolavam feito dados quando colocados pelo guindaste na pequena abertura do rio que teimava em continuar seu curso. Com exceção daqueles poucos metros, toda a barragem estava construída, e os operários exaustos contavam os dias para a época das cheias, que atrasaria em um ano todo o projeto. Entre os trabalhadores, estava o noivo da entrevistada: "Justo no dia do meu casamento, conseguimos fechar o rio", concluiu Lúcia, triunfante. "Foi inesquecível."

Como jornalista contratada para escrever a história da usina, eu estava diante de uma narrativa perfeita. Um começo para o livro. O problema é que as datas não coincidiam. O dia do casamento do funcionário, já aposentado, e sua dedicada esposa não batia com os registros da construção da barragem nos documentos sobre a hidrelétrica. Lúcia, no entanto, não mentira: na fabulação fixada em sua memória, casamento e fechamento do rio haviam sido comemorados juntos; ela vestida de noiva, ele, de terno, ambos felizes com a conclusão da barragem e o início de uma nova etapa em suas vidas.

Por se tratar de data importante para um livro jornalístico ― portanto, com a pretensão de controle sobre o que é "real" ―, eu não poderia reproduzir a fantástica história, embora reconhecesse a tentação, a mesma que enganou a memória da mulher. Mas, em outras passagens da saga, certamente lancei mão das fabulações que aparecem naturalmente em narrativas, minhas e de pessoas que entrevistei. O importante era que as personagens (termo da literatura também usado no jornalismo) se identificassem e se apropriassem daquela história, objetivo totalmente alcançado, a julgar pela emoção dos entrevistados durante o lançamento do livro.

Não é por acaso que esse artigo começa com uma narrativa pessoal ― no caso, a minha experiência de pesquisar um fato antigo. Como diz o cineasta Eduardo Coutinho, o ato de narrar a própria história é mágico, porque a pessoa utiliza uma sintaxe, um vocabulário e uma força expressiva extraordinária. "É um elemento ficcional, do imaginário, muito mais poderoso do que o real", afirmou o cineasta em entrevista à repórter Luciana Pessanha, em março deste ano. "Você conta a sua infância e é uma infância que está na sua memória, feita metade de esquecimento, metade de verdade. O que é verdade? Isso passa a ser totalmente desimportante." Por isso eu ficara tão frustrada por não utilizar, em minha narrativa, a história do casamento de Lúcia: se estava em sua memória, não importava que não fosse verdade.

Eduardo Coutinho levou às últimas consequências a sua reflexão sobre a desimportância da fronteira entre mentira e verdade, e promoveu uma instigante reflexão sobre a ideia da representação no filme Jogo de cena. Inicialmente, o espectador assume o papel que aprendeu, também ele, a representar, como provável conhecedor da obra de Coutinho, e acredita estar diante de pessoas que contam suas histórias de vida ao cineasta. Na medida em que os depoimentos se sucedem, porém, este mesmo espectador "ensaiado" experimenta a inquietação de ocupar um novo lugar: o do próprio cineasta que descobre o poder da fabulação e da representação.

O primeiro "jogo" proposto por Coutinho parece ser o do questionamento da mímese, ao confundir o espectador e induzi-lo a tentar identificar o que é falso e o que é verdadeiro. Em vão. É nesse momento que o espectador entra no "jogo pra valer" e percebe as outras camadas, mais profundas, oferecidas pelo filme e analisadas no livro Filmar o real ― Sobre o documentário brasileiro contemporâneo, de Consuelo Lins e Cláudia Mesquita. O cineasta faz articulações inesperadas entre depoimentos de mulheres colhidos a partir de um anúncio nos classificados de um jornal (com um convite para participar de um documentário) e a encenação de atrizes a partir desses mesmos depoimentos.

No caso das atrizes conhecidas do grande público, o espectador coloca-se na pele de quem enfrenta a angústia de representar um personagem real, e percebe a dimensão instável e insegura da arte da representação. Quando as personagens são desconhecidas, a emoção de acreditar no formato de narração de momentos íntimos, documental, é retomada. Mas novamente o conforto não dura. Coutinho quer fustigar, compartilhar o que já deve ter sido a sua própria angústia, e mostrar que também a arte do documentarista é instável e insegura. Pedaços de histórias já narradas começam a voltar, e não é mais possível identificar atrizes e personagens reais ― elas também representam suas próprias histórias a partir da autofabulação. O espectador afinal desiste de tentar descobrir quem é "o dono da história" para mergulhar na camada mais profunda, a da emoção das histórias de todo mundo.

"Acontece que ninguém é dono da sua história", resume Coutinho, na entrevista. "A dor da atriz é fingida, e é melhor do que a sua. Isso socializa a fala, que é de todo mundo e de ninguém." Uma vez que as narrativas ocupam o foco principal de interesse, o cineasta de certa forma pode abandonar as explicações que costumavam acompanhar suas entrevistas sobre documentários anteriores, nos quais sempre enfatizava o caráter de fabulação e "encenação de si" contido nos depoimentos de personagens reais.

Se o espectador de documentários (pelo menos aquele mais ingênuo, da era "pré-Jogo de cena") tem dificuldades para renunciar ao desejo de controle sobre o que é ou não real, o espectador do filme de ficção já chega à sala de cinema disposto a envolver-se com a história que será contada. No entanto, também na representação da ficção as fronteiras se mostram borradas.

A ascensão da preparadora de elenco Fátima Toledo a nome de destaque nos créditos do filme Tropa de elite 2 mostra a tendência no cinema nacional de se misturar pessoas do mundo real e atores em cena. É como se Fátima perseguisse a mesma força expressiva extraordinária da narração da própria história citada por Coutinho. Com sua técnica (considerada polêmica), ela transforma qualquer pessoa em um ator de si próprio. Mais uma vez, nos deparamos com a tênue fronteira entre ficção e realidade.

Seja com um ator profissional ou com alguém que nunca atuou antes, Fátima diz que é preciso, primeiro, destruir todos os instrumentos prévios de interpretação. Depois, ela busca as experiências profundas e os sentimentos verdadeiros nos quais é possível basear as cenas da personagem. A preferência é encontrar, para uma personagem com problemas de relacionamento com a mãe, um "ator" (profissional ou não) que também tenha vivido este tipo de conflito. Do ponto de vista do espectador, o resultado impressiona em Tropa de elite 2: atores e policiais de verdade se misturam na tela do cinema, inidentificáveis, num jogo de cenas que transpira realismo.

As narrativas que se apoiam neste entrelugar ― nem totalmente verdadeiro, nem totalmente falso; nem ficção, nem realidade ― tornaram-se alvo de grande interesse nos últimos tempos. Ao ligar a câmera e pedir para pessoas comuns contarem sua vida, Coutinho está dando uma chance para que elas possam finalmente dar um sentido para aquela personagem errática com a qual convivem diariamente, e preencher com pequenas doses de ficção a sua trajetória. Da mesma forma, nos reality shows, os participantes são incitados a representar personagens criados por eles próprios e induzidos a participar de uma trama conduzida por experientes diretores de TV. Não resta dúvida, hoje, de que o fenômeno dos reality shows tem por base os elementos da dramaturgia. Em uma instância pouco mais distanciada da realidade, mas ainda na mesma linha, estariam os "não atores" preparados por Fátima Toledo, capazes de seguir um roteiro prévio a partir de alguma matéria-prima de emoção verdadeira.

Como Lúcia, com seu imaginado casamento à beira das águas represadas do rio, somos todos capazes de criar uma personagem e acreditar nela. É na dimensão da arte que essas narrativas, lembradas ou fabuladas, podem ser representadas com toda a potencialidade de sua expressão.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 26/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reminiscências de um campeão de Eduardo Carvalho


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Desembarque
Haynes Johnson; Howard Simons
Círculo do Livro
R$ 10,00



Mange-moi
Linda Jaivin
Jailu
(1995)
R$ 10,00



Minidicionário - Antonio Olinto
Antonio Olinto
Saraiva
(1999)
R$ 10,00



Herbicidas Em Alimentos
Antonio Flávio Mídio; Deolinda Izumida Martins
Varela
(1997)
R$ 10,00



Pentateuco Nordestino 1759
Alceu Maynard Araújo
Brabiblos
(1972)
R$ 10,00



Marketing para Pequenas e Médias Empresas
Edison Santos
Ediouro
(1979)
R$ 10,00



Vento Noturno
Charles Dickens
Clube do Livro
(1975)
R$ 10,00



Viver Mais
Clemente e Henrique Kesselmeier
Vozes
(1981)
R$ 10,00



Carta Mensal Outubro nº 739
João Ricardo Moderno et al
Cnc
(2016)
R$ 10,00



Nova Chance para a Vida
Roberto de Carvalho
Boa Nova
(2015)
R$ 10,00





busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês