O Telhado de Vidro | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/7/2003
O Telhado de Vidro
Alessandro Silva

+ de 9500 Acessos

Pablo Neruda por Alessandro Silva

"Pelas Praias do Mundo" é um belíssimo livro de memórias escrito por aquele poeta chileno cujo encanto maior é extrair das coisas simples da vida colossos de ternura.

O estilo impressionista nos faz lembrar de Proust; naturalmente sem a sofisticação cartesiana deste, também num ritmo menos ansioso e mais simples. A arte de Neruda satisfaz-se com aquela alegria percebida nos almoços sobre a relva imortalizados por Renoir.

Impressionista ainda porque a prosa se desenvolve ao sabor de uma tênue e semi-inconsciente associação de palavras; com efeito, a ordem temática advém do tom, muito menos de um encadeamento de idéias. Nem seria para menos: estamos falando de alguém vasto como um continente.

Muito semelhante à sua obra em versos, os primeiros capítulos nos conduzem à uma sagração, à uma orgia quase ininterrupta.

É também Neruda o primeiro a nos ensinar geografia e história de um modo agradável.

Em nossa mortal escala de valores deveria significar prestígio presentear a amada com "Pelas Praias do Mundo" depois de nosso gozo pessoal.

Recorda-nos "O Último Suspiro" de Buñuel. Sabe do que se trata quem leu a biografia do cineasta espanhol. Igualmente um mundo de histórias exóticas em torno das figuras de Dali, Garcia Lorca, Rafael Alberti, Pablo Picasso, etc.; um mundo estranho de arte e de exacerbação dos sentidos, de loucuras geniais amalgama-se em nossa consciência sob a égide de uma idade conhecida por estar associada com o ouro.

Em verdade, o que Neruda nos tem a dizer atravessa a linguagem dos murmúrios. Estamos recebendo a chuva sob um telhado de vidro.

Não será impossível que uma alegria sem causa nos toque silenciosamente; como se o velho Walt tivesse se aproximado, sagrando à nossa humilde respiração.

Neruda é um sistema em cataratas silábicas cujo objetivo é nos tornar grandes amantes.

Está velada a menção a seu nome no conhecido "Aleph" de Borges; mas a ironia a certo poeta que versejava por metro quadrado, a um estilo geograficamente prolixo, antes, quando se trata de Neruda, constitui-se em elogio.

Também não há possibilidade de um relacionamento ser melhor sucedido do que o de Neruda com o mar.

A satisfação sensitiva proveniente encontra paralelo na arte visual de Dali; a associação do poeta com o surrealismo decorre de seus poderes de bruxo, de revelar o mistério mais inesperado do comum. O desconhecido fica palpável; apreciamos o que não conhecemos; pela tensão criativa, somos capazes de sentir saudades do nunca antes contemplado.

Se a ligação crítica a ser estabelecida é de Neruda com o velho Walt Whitman, não menor é a dívida do poeta chileno com os franceses, malditos e não malditos. Em sua admiração cabiam Hugo, Rimbaud e Baudelaire. Desse último, guardava o retrato sobre a escrivaninha em sua residência de Isla Negra; temos motivos mais que abundantes para suspeitar que aquele rosto torturado sobre sua escrivaninha não menor influência, não menor angústia, lhe infundiu do que o expoente máximo da poesia norte-americana.

Durante a leitura, é possível que a devoção pátria do vate à sua terra venha a nos incomodar. Ele quer nos contar das raízes de seu Estado e de sua cidade natal e do que se pôde fazer para rastrear-lhe as origens. Antes contudo que Araucania ( nome original de seu país ) nos transporte ao torpor de um guia de ruas, as anedotas acerca de fatos políticos nos devolvem o gozo elementar. E mais de uma vez a pungência verbal é substituída, como grande calmaria, por esse terno humor do poeta diante dos costumes estrangeiros ( suas viagens compreendem desde o México até a Argentina, da Espanha até a Hungria, da Rússia passando pela China, Brimânia e Ceilão até a Ìndia ).

O gosto pelo exótico alia Neruda a uma porção de outros artistas. Wallace Stevens, Gauguin, Picasso, Paul Celan, Matisse, Delacroix... em suma a muitos e muitos outros que igualmente compartilham de um "temperamento francês".

Seu poder de caracterização não é menos devedor ao que lhe ensinaram os franceses:

"Seu corpo ( de um certo chinês ) parece ser tão usado quanto o cabo de um martelo".

"Victor Hugo é um polvo tentacular e polimorfo da poesia".

No capítulo "Contribuição do domínio do trajes" ( p. 165 ) há um narrador irmão espiritual de Marcel Proust.

E na verdade, se pormos de lado a teoria freudiana que nos ensina a procurar muito mais no que está escondido nas entrelinhas, somos capazes de acreditar na devoção pura de um poeta à causa operária ( ao mineiro, ao carvoeiro, à sua dor ).

Mas há pistas para especular, e muitas, acerca de um homem mais mortal. Assim Neruda se refere a D.H. Lawrence:

"As obras de Lawrence me impressionaram pela sua aproximação poética e certo magnetismo vital dirigido às relações escondidas entre os seres. Mas logo percebi que, apesar de seu gênio, era frustrado, como tantos grandes escritores ingleses, pelo seu prurido pedagógico. D.H. Lawrence criara uma espécie de cátedra de educação sexual que tinha pouco a ver com a nossa espontânea aprendizagem da vida e do amor".

É suficiente especular porque um tal juízo não foi estendido a alguém como Brecht, conhecido pelo poeta e igualmente "artista sistemático". Na verdade há margem até mesmo para indagar de sua conduta política, não fosse o elevado grau de desprendimento, de pureza, que granjeou sua obra.

Na verdade Neruda usou muito mais do que foi usado pela política. Nunca foi integralmente seduzido por seu canto, isso porque tinha sempre à vista a vida e as necessidades do povo, o que não acontece com o político comum, que quase sempre é uma besta neurótica engajada no nada. A leveza de Neruda em relação à política é percebida por exemplo na narração de sua passagem pelo Brasil. Ele diz:

"O deputado Marcio me abre todas as portas. Mas Brasília não tem portas: é um espaço claro, extensão mental, claridade construída. Nas áreas comuns as crianças pululam, seus palácios dão dignidade inédita às instituições. O arquiteto Ítalo, companheiro de Niemeyer, já tem dez anos de Brasília e nos mostra o novo Itamaraty, o Congresso, o Teatro por concluir, a Catedral, rosa férrea que no alto abre grandes pétalas para o infinito.

"Brasília, isolada em seu milagre humano, no meio do espaço brasileiro, é como uma imposição da suprema vontade criadora do homem. Daqui nos sentimos dignos de voar aos planetas. Niemeyer é o ponto final de uma parábola que começa em Leonardo: a utilidade do pensamento construtivo; a satisfação espacial da inteligência".

Que idílio! Podemos arrumar as malas: rumo à Brasília!

É extremamente salutar para a manutenção da integridade artística deixar de fora a rapinagem política; destituir-se dessa ansiedade maliciosa que é uma constante para a ruína do talento. ( Aonde não teria chegado Auden se não o limitasse em grande parte suas idéias políticas, etc. Hoje vemos com mais clareza: W. B. Yeats, que em parte foi seu judas, fica; Auden permanece como um poeta menor. )

Neruda tem leveza. Não era para menos num epicurista não confesso. Sabia usar com plenitude a gama das sensações.

Epicurista: de "Pelas Praias do Mundo" é possível extrair-se: uma manual de botânica, um tratado dos costumes dos povos e um guia gastronômico.

Desse livro, o que pode desagradar é a necessidade conclusiva de o vate explicar-se, a si e sua arte. Ele faz referência ao "prosaísmo" apontado pela crítica em "Canto Geral". Defende-se, afirmando que tratou de ser o cronista de sua época. Mas inevitavelmente delata certa insegurança. Ao pé em que chegou devia olhar para trás vendo seus versos como "irrevogáveis pilares de ternura". Indo além, olhá-los como coisas, friamente, tal qual o fabricante diante do féretro.

Explicar uma tal obra é sacrilégio. Mas, se assim o quis Neruda, deixemos o leitor com o conselho dirigido a todo poeta incipiente:

"O poeta que não for realista vive morto. Mas o poeta que for apenas realista também vive morto. O poeta que for apenas irracional será entendido apenas por sj mesmo e por sua amada, e isso é um bocado triste. O poeta que for apenas um racionalista será entendido até pelos asnos, e isto é também absolutamente triste."

Para ir além





Alessandro Silva
São Paulo, 9/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
02. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo
03. O africano e o taubateano de Ricardo de Mattos
04. Mitos na corda bamba de Guga Schultze
05. Festival de Brasília: cinema de controvérsia de Marcelo Miranda


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




WARREN HAYNES GUIDE TO SLIDE GUITAR + CD
WARREN HAYNES E MIKE LEVINE
HAL LEONARD
R$ 90,00



O ESPARGO
MÁRIO F. BENTO RIPADO
PRESENÇA
(1986)
R$ 15,00



O NARIZ DO MORTO
ANTONIO CARLOS VILLAÇA
ROCCO
(1975)
R$ 6,90



MESTRES DA LITERATURA CONTEMPORANEA 100 VOLUMES ALTAYA
VARIOS
ALTAYA
R$ 1.400,00



NOIVA ATÉ SEXTA - COLEÇÃO NOIVAS DA SEMANA
SANDRA MARTHA DOLINSKY
VERUS
(2017)
R$ 25,00



A FANTÁSTICA VOLTA AO MUNDO
ZECA CAMARGO
GLOBO
(2004)
R$ 10,00



LICEU DE ARTES E OFÍCIOS DE SÃO PAULO - MISSÃO EXCELÊNCIA
VÁRIOS AUTORES
MARCA DAGUA
(2000)
R$ 20,00



GUIA VEJA DE MEDICINA E SAÚDE - VOL. 6
AUTORES DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 22,00



MOTIVADO PARA VENCER 2
D DCARTIO
LIO
(2008)
R$ 14,00



A ILHA DO TESOURO - ADAPTADO
ROBERT LOUIS STEVENSON
GIRASSOL
(2012)
R$ 13,90





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês