Relendo clássicos | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/5/2011
Relendo clássicos
Luiz Rebinski Junior

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A literatura é um mar. E isso não é uma metáfora pretensamente poética. A literatura, literalmente, é um mar inesgotável. Umberto Eco, aquele italiano tarado por livros, já calculou quantos livros poderá ter lido em uma vida cômoda e longa. E ficou desanimado.

Com o mercado editorial brasileiro insanamente produtivo, é difícil se manter a par de todas as novidades, principalmente se sua formação livresca parece um queijo suíço, com buracos vazios onde deveriam estar clássicos. Em uma entrevista que fiz com José Castello, perguntei-lhe quais os livros que ele deveria ter lido e não leu. Entre outros, disse que não havia lido Dom Quixote, o livro que fundou o romance moderno. Confesso que fiquei surpreso, mas depois de um tempo me senti até satisfeito de ter ouvido aquilo. Bem, se o Castello não leu Dom Quixote, não preciso me penitenciar e ficar vermelho toda vez que entro em uma livraria e olho para aquela edição bonitona da Cosac Naify de Anna Kariênina. Afinal, a verdade é que nunca vamos poder ler tudo. Nem mesmo se dedicando apenas aos clássicos.

Esses livros, que estão no cânone e não sairão de lá, em geral são tão complexos quanto fascinantes, exigem do leitor mais atenção e, quase sempre, mais de uma leitura. Mas como reler clássicos se há uma pilha de outros livros igualmente fascinantes à espera de leitura? Bem, essa é uma questão que nem mesmo o senhor Jorge Luis Borges, com sua sede literária incontrolável, soube lidar.

Lembro que com pouco mais de 18 anos, li todos os livros de Hemingway que estavam disponíveis no mercado brasileiro. Alguns livros em edições carcomidas, feias, com traduções duvidosas. Mesmo assim, com a determinação do velho pescador Santiago, fui em frente na missão de desbravar os escritos daquele que, eu tinha ouvido, era um dos maiores escritores dos Estados Unidos em todos os tempos. E hoje, mais de uma década depois, o que sobrou de Hemingway no meu winchester? Quase nada. Lembro-me vagamente da dor que o velho Santiago sentia ao lutar com o descomunal peixe em O velho e o mar, algumas passagens de Por quem os sinos dobram, algumas sinopses de contos e não muito mais que isso. Talvez, o retrato de geração que ele fez em Paris é uma festa seja a lembrança mais latente que tenho de sua literatura. É um livro que associo imediatamente a O grande Gatsby, que devo ter lido na mesma época. O que é engraçado, porque Hemingway sempre foi visto como um escritor durão, um homem de princípios e ideologia consistentes, que pegou em armas contra os fascistas. Mas, para mim, a lembrança que tenho dele, é a de um jovem talentoso flanando por Paris, quando a França ainda era o bunker da intelectualidade mundial. Um Hemingway romântico, portanto.

Nessas horas então começo a entender acadêmicos que passam a vida estudando meia dúzia de livros, lendo e relendo o mesmo livro a cada ano. Eu poderia fazer isso com Dostoiévski, todos os anos voltar ao crime de Raskolnikóv, à miséria e dor do estudante pobre que fez uma tremenda cagada e acabou na prisão. Mas, penso também, uma nova leitura talvez apagasse de minha mente a lembrança afetiva que tenho do livro, as circunstâncias em que li o romance, esses detalhes que ajudam a dar forma ao que lemos. E talvez por isso, por conta desses detalhes circunstanciais, eu tenha o livro ainda tão fresco em minha mente. Então, se um dia eu voltar às obras de Hemingway, certamente encontrarei outro escritor.

Por outro lado, com o tempo, a releitura parece sempre mais proveitosa do que a leitura inicial. A maioria dos livros que leio passa apenas de raspão pela minha mente. Assim que termino um livro, já engato outro, às vezes com um dia de descanso quando acabo a leitura de... um clássico - os clássicos em geral são livros que demandam mais dedicação e disciplina, cansam mais. Mesmo assim, quando me perguntam os últimos livros que li, tenho certa dificuldade em lembrar os três ou quatro livros que passaram pela minha mão. E olha que sou um leitor fiel até mesmo com os mais pavorosos romances. Nunca, em hipótese alguma, deixo um livro inacabado, nem que eu me arraste por semanas em uma leitura torturante, mas não largo o osso. Não sei como estabeleci esse código de ética masoquista, mas o fato é que me bate um peso na consciência de deixar um livro inacabado. E se o problema estiver em mim, não no livro? Acho que é esse tipo de pensamento que pipoca em meu subconsciente todas as vezes que penso em largar um livro. E, sei lá, pode parecer um negócio piegas, mas acho que terminar um livro é um ato de respeito com o escritor, por pior que ele seja. Então sempre penso várias vezes antes de iniciar um livro. Avalio quanto tempo a leitura vai demandar (e se disponho desse tempo) e, claro, que tipo de benefício e prazer ele pode me proporcionar. Um esquema bastante metódico para quem sempre se achou um leitor displicente, que "lê o que lhe cai na mão".

Você pode ler atentamente os Ensaios, de Montaigne, pode até fazer anotações detalhadas de cada ensaio, mas, ao longo da vida, você sempre vai precisar voltar e reler os textos para ter um entendimento mais significativo. É como ler Mencken, sempre que se volta aos deliciosos insultos do jornalista, parece que é a primeira vez. Mesmo que você sublinhe o sumário, faça anotações de rodapé, dobre a página, é sempre um prazer diferente ler o que impiedoso crítico diz sobre o casamento ou Joseph Conrad. Depois de lê-lo, é impossível não querer cometer, pelo menos uma vez na vida, um texto como o dele. Não tenho a mínima ideia se sou um leitor maduro, mas associo a releitura a uma espécie de maturidade do leitor. Há dez, quinze anos, era absolutamente impossível eu reler um livro. O negócio era conhecer o maior número de obras e autores possíveis, digerir palavras sem saboreá-las. Leitor fast-food. Talvez fosse a urgência da adolescência, não sei. Mas há alguns anos começou surgir a vontade de voltar a grandes livros. Então vez ou outra me pego lendo um conto de Dalton Trevisan, trechos de uma biografia ou de um romance do Noll que já li mais de uma vez. E sempre fico encarando alguns livros da estante, tomando coragem para abri-los novamente.

Então meu coração (e tempo) de leitor está sempre dividido entre o velho e o novo, o clássico e o contemporâneo, a descoberta e a redescoberta, o Hemingway romântico e o durão. Enfim, um senhor problema para quem se aventura no tal mar literário.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 25/5/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
02. Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria de Jardel Dias Cavalcanti
03. Traição em cem atos de Luiz Rebinski Junior


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/5/2011
11h46min
Esse texto, bastante interessante por sinal, fez-me lembrar de uma belíssima frase de Nelson Rodrigues: "Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
[Leia outros Comentários de Marco Aurélio C. P.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LISTER A MÃO - DIAGNÓSTICO E INDICAÇÕES -
PAIL SMITH
REVINTER
R$ 6,90



VIAGEM ATRAVÉS DA LOUCURA 2ª EDICAO
MARY BARNES & JOSEPH BERKE
FRANCISCO ALVES
(1983)
R$ 20,00



RETRATOS DE AMOR
RUBEM ALVES
PAPIRUS
(2002)
R$ 15,00



POESIA SEMPRE - ADÉLIA PRADO
POESIA SEMPRE - ANO 13, Nº 20
FBN
(2005)
R$ 16,82



NOTÍCIAS DO MIRANDÃO
FERNANDO MOLICA
RECORD
(2002)
R$ 9,99



O QUE TODA EMPRESA PRECISA SABER PARA UTILIZAR INCENTIVOS FISCAIS--103 DICAS.
MARCIO GODOY/KARINA RUFFO/KATIA SEADI.
DCL
(2009)
R$ 16,00



REVUE D HISTOIRE DE LA PHARMACIE BULLETIN 204
E. H. GUITARD
E H GUITARD
(1970)
R$ 17,51



ALFRED HITCHCOCK E OS BASTIDORES DE PSICOSE
STEPHEN REBELLO
INTRÍNSECA
(2013)
R$ 11,90



CHEGA DE ROLO EU QUERO UM NAMORO
SERGIO SAVIAN
CERTAS PALAVRAS
(2003)
R$ 12,00



INSTANT GRATIFICATION CARDS - FAST & FABULOUS PROJECTS
CAROL E. STERBENZ / GENEVIEVE A. STERBENZ
CHRONICLE BOOKS
(2000)
R$ 18,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês