Relendo clássicos | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
107 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Sempre mais que um” tem apresentações no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez a 7 capitais
>>> '1798 - Revolta dos Búzios' chega ao cinemas
>>> IV Cinefestival International de Ecoperformance divulga sua programação
>>> O Shopping Praça da Moça debuta com show exclusivo da Família Lima
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Poética do Extravio, Júlio Castañon Guimarães
>>> Armazém de secos e molhados
>>> Uma nova aurora para os filmes
>>> Jornal da Cultura - 17/11/2014
>>> Páginas e mais páginas da vida
>>> No final do telejornal tinha um poeta...
>>> No final do telejornal tinha um poeta...
>>> Máfia do Dendê
>>> CaKo Machini
>>> Alberto Dines sobre a Copa
Mais Recentes
>>> Drawing On The Right Side Of The Brain de Betty Edwards pela Souvenir Press (2024)
>>> Noção de gerenciamento de Portos de Guilherme Accioly Fragelli pela Clube Naval (2000)
>>> Subterra de Baldomero Lillo, Luisa Rivera, José Miguel Vara pela Liberalia (2010)
>>> A Canoa de Papel - tratado de Antropologia Teatral de Eugenio Barba pela Hucitec (1994)
>>> Poesia Indianista: Obra Indianista Completa : Poesía E Dicionário Da Língua Tupi de Antônio Gonçalves , 1823-1864 Dias pela Martins Fontes (2000)
>>> Era Uma Vez Tiradentes - coleção viramundo de Julieta de Godoy Ladeira pela Moderna (1992)
>>> Noite Na Taverna / Macario - Portugues Brasil de Alvares De Azevedo pela Martin Claret (2011)
>>> Livro Introdução A Economia: Princípios e Ferramentas de Arthur O'sullivan, Steven M. Sheffrin, Marislei Nishijima pela Pearson (2004)
>>> Iracema de José De Alencar pela Melhoramentos (2012)
>>> UNO Educação, Ensino Médio - Gramática Nº 9, 10, 11 e 12 de Vários Colaboradores pela Bercrom (2023)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Sol90 (2004)
>>> Livro Textos, Compreensão, Interpretação e Produção 21 de Antonio Simplicio Rosa Faria e Produção pela Livro Técnico (1986)
>>> Os Lusíadas - Coleção L de Luiz Vaz de Camões pela L PM Pocket (2015)
>>> Livro Números Irracionais e Transcendentes de Djairo Guedes de Figueiredo pela Sbm (2002)
>>> UNO Educação, Ensino Médio - Literatura Nº 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22 e 24 de Vários Colaboradores pela Bercrom (2023)
>>> Livro Do Novo Mundo Ao Universo Heliocêntrico de Luiz Carlos Soares pela Hucitec (1999)
>>> Revolução E Democracia. 1964-... - Volume 3 Das esquerdas no Brasil de Jorge Ferreira e Daniel Aarão Reis pela Civilização Brasileira (2007)
>>> Fazer Pesquisa na Abordagem Histórico Cultural Metodologias Em Construção de Maria Teresa de Assunção Freitas; Bruna Sola Ramos pela Ufjf (2010)
>>> Raul Prebisch - 1901-1986: A construção da américa latina e do terceiro mundo de Edgar J. Dosman pela Contraponto (2011)
>>> Liderando Com Metas Flexíveis de Niels Pflaeging pela Bookman - Grupo A (2009)
>>> Vocabulário Da Psicanálise de Jean-bertrand Pontalis; Laplanche pela Martins Fontes (2001)
>>> Saude E Servico Social de Maria Ines Souza Bravo; Outros autores pela Cortez Edi (2006)
>>> Serviço Social E Saúde: Formação E Trabalho Profissional de Ana Elizabete Mota pela Cortez Edi (2009)
>>> O Mito Da Assistência Social: Ensaios Sobre Estado, Política de Ana Elizabete Mota pela Cortez (2008)
>>> Frankie - Um Homem Desiludido. Um Gato Procurando Um Lar. Uma História Comovente Sobre Uma Amizade E de Maxim Leo; Jochem Gutsch pela Faro Editorial (2024)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/5/2011
Relendo clássicos
Luiz Rebinski Junior
+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A literatura é um mar. E isso não é uma metáfora pretensamente poética. A literatura, literalmente, é um mar inesgotável. Umberto Eco, aquele italiano tarado por livros, já calculou quantos livros poderá ter lido em uma vida cômoda e longa. E ficou desanimado.

Com o mercado editorial brasileiro insanamente produtivo, é difícil se manter a par de todas as novidades, principalmente se sua formação livresca parece um queijo suíço, com buracos vazios onde deveriam estar clássicos. Em uma entrevista que fiz com José Castello, perguntei-lhe quais os livros que ele deveria ter lido e não leu. Entre outros, disse que não havia lido Dom Quixote, o livro que fundou o romance moderno. Confesso que fiquei surpreso, mas depois de um tempo me senti até satisfeito de ter ouvido aquilo. Bem, se o Castello não leu Dom Quixote, não preciso me penitenciar e ficar vermelho toda vez que entro em uma livraria e olho para aquela edição bonitona da Cosac Naify de Anna Kariênina. Afinal, a verdade é que nunca vamos poder ler tudo. Nem mesmo se dedicando apenas aos clássicos.

Esses livros, que estão no cânone e não sairão de lá, em geral são tão complexos quanto fascinantes, exigem do leitor mais atenção e, quase sempre, mais de uma leitura. Mas como reler clássicos se há uma pilha de outros livros igualmente fascinantes à espera de leitura? Bem, essa é uma questão que nem mesmo o senhor Jorge Luis Borges, com sua sede literária incontrolável, soube lidar.

Lembro que com pouco mais de 18 anos, li todos os livros de Hemingway que estavam disponíveis no mercado brasileiro. Alguns livros em edições carcomidas, feias, com traduções duvidosas. Mesmo assim, com a determinação do velho pescador Santiago, fui em frente na missão de desbravar os escritos daquele que, eu tinha ouvido, era um dos maiores escritores dos Estados Unidos em todos os tempos. E hoje, mais de uma década depois, o que sobrou de Hemingway no meu winchester? Quase nada. Lembro-me vagamente da dor que o velho Santiago sentia ao lutar com o descomunal peixe em O velho e o mar, algumas passagens de Por quem os sinos dobram, algumas sinopses de contos e não muito mais que isso. Talvez, o retrato de geração que ele fez em Paris é uma festa seja a lembrança mais latente que tenho de sua literatura. É um livro que associo imediatamente a O grande Gatsby, que devo ter lido na mesma época. O que é engraçado, porque Hemingway sempre foi visto como um escritor durão, um homem de princípios e ideologia consistentes, que pegou em armas contra os fascistas. Mas, para mim, a lembrança que tenho dele, é a de um jovem talentoso flanando por Paris, quando a França ainda era o bunker da intelectualidade mundial. Um Hemingway romântico, portanto.

Nessas horas então começo a entender acadêmicos que passam a vida estudando meia dúzia de livros, lendo e relendo o mesmo livro a cada ano. Eu poderia fazer isso com Dostoiévski, todos os anos voltar ao crime de Raskolnikóv, à miséria e dor do estudante pobre que fez uma tremenda cagada e acabou na prisão. Mas, penso também, uma nova leitura talvez apagasse de minha mente a lembrança afetiva que tenho do livro, as circunstâncias em que li o romance, esses detalhes que ajudam a dar forma ao que lemos. E talvez por isso, por conta desses detalhes circunstanciais, eu tenha o livro ainda tão fresco em minha mente. Então, se um dia eu voltar às obras de Hemingway, certamente encontrarei outro escritor.

Por outro lado, com o tempo, a releitura parece sempre mais proveitosa do que a leitura inicial. A maioria dos livros que leio passa apenas de raspão pela minha mente. Assim que termino um livro, já engato outro, às vezes com um dia de descanso quando acabo a leitura de... um clássico - os clássicos em geral são livros que demandam mais dedicação e disciplina, cansam mais. Mesmo assim, quando me perguntam os últimos livros que li, tenho certa dificuldade em lembrar os três ou quatro livros que passaram pela minha mão. E olha que sou um leitor fiel até mesmo com os mais pavorosos romances. Nunca, em hipótese alguma, deixo um livro inacabado, nem que eu me arraste por semanas em uma leitura torturante, mas não largo o osso. Não sei como estabeleci esse código de ética masoquista, mas o fato é que me bate um peso na consciência de deixar um livro inacabado. E se o problema estiver em mim, não no livro? Acho que é esse tipo de pensamento que pipoca em meu subconsciente todas as vezes que penso em largar um livro. E, sei lá, pode parecer um negócio piegas, mas acho que terminar um livro é um ato de respeito com o escritor, por pior que ele seja. Então sempre penso várias vezes antes de iniciar um livro. Avalio quanto tempo a leitura vai demandar (e se disponho desse tempo) e, claro, que tipo de benefício e prazer ele pode me proporcionar. Um esquema bastante metódico para quem sempre se achou um leitor displicente, que "lê o que lhe cai na mão".

Você pode ler atentamente os Ensaios, de Montaigne, pode até fazer anotações detalhadas de cada ensaio, mas, ao longo da vida, você sempre vai precisar voltar e reler os textos para ter um entendimento mais significativo. É como ler Mencken, sempre que se volta aos deliciosos insultos do jornalista, parece que é a primeira vez. Mesmo que você sublinhe o sumário, faça anotações de rodapé, dobre a página, é sempre um prazer diferente ler o que impiedoso crítico diz sobre o casamento ou Joseph Conrad. Depois de lê-lo, é impossível não querer cometer, pelo menos uma vez na vida, um texto como o dele. Não tenho a mínima ideia se sou um leitor maduro, mas associo a releitura a uma espécie de maturidade do leitor. Há dez, quinze anos, era absolutamente impossível eu reler um livro. O negócio era conhecer o maior número de obras e autores possíveis, digerir palavras sem saboreá-las. Leitor fast-food. Talvez fosse a urgência da adolescência, não sei. Mas há alguns anos começou surgir a vontade de voltar a grandes livros. Então vez ou outra me pego lendo um conto de Dalton Trevisan, trechos de uma biografia ou de um romance do Noll que já li mais de uma vez. E sempre fico encarando alguns livros da estante, tomando coragem para abri-los novamente.

Então meu coração (e tempo) de leitor está sempre dividido entre o velho e o novo, o clássico e o contemporâneo, a descoberta e a redescoberta, o Hemingway romântico e o durão. Enfim, um senhor problema para quem se aventura no tal mar literário.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 25/5/2011

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
02. O beatle George - 23/2/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/5/2011
11h46min
Esse texto, bastante interessante por sinal, fez-me lembrar de uma belíssima frase de Nelson Rodrigues: "Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos."
[Leia outros Comentários de Marco Aurélio C. P.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Didático Projeto Presente História Ciências Humanas 3
Ricardo Dreguer e Outros
Moderna
(2018)



Melatonina - O poder milagroso da cura
Neil Stevens
Madras
(1998)



Oficina de História - História do Brasil
Flavio de Campos
Moderna
(2000)



Darien - Império De Sal
C. F. Iggulden
Record
(2023)



Princípios de Economia Política 1 e 2
Alfred Marshall
Nova Cultural
(1988)



Kit com livros pocket - 10 Volumes
Agatha Christie
Lpm
(2009)



Livro De Bolso Antropologia Cultura Um Conceito Antropológico
Roque de Barros Laraia
Zahar
(1986)



Insólita Vol.2 – A Máscara de Prata
Julia de Passos Ramalho; Ursula Antunes (org)
Luva
(2021)



Livro Sociologia Cidade Digital - Infoinclusão Social e Tecnologia em Rede
Evandro Prestes Guerreiro
Senac Sp
(2006)



Solidão, Quem é Você?
Simone Martins
Butterfly
(2002)





busca | avançada
107 mil/dia
2,4 milhões/mês