Discos eruditos fundamentais | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS >>> Especial Discoteca Básica

Terça-feira, 31/5/2011
Discos eruditos fundamentais
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 10100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A minha relação com a música encontra paralelo teórico nas idéias dos estetas românticos, principalmente Nietzsche, Hegel e Schopenhauer. Antes de indicar aos leitores alguns discos que acho essenciais aos amantes da música, falarei um pouco sobre esta estética.

Nietzsche dizia que a vida sem a música só poderia ser um engano. E interrogava: "Existe vida após a música, mas nós a suportaremos?" Para ele, a verdadeira vida é a música, pois quando entramos em sintonia com ela pertencemos de fato ao Ser.

É a música que nos leva ao coração do mundo, segundo o filósofo, pois sua vivência é que produz o arrebatamento do estado dionisíaco que rompe os limites e fronteiras comuns da existência. E a intensidade da experiência pode por vezes ser tão intensa que tememos pelo nosso pobre eu, ameaçado de sucumbir ao canto das sereias, ao "orgasmo musical". Diante da música de Richard Wagner ele escreveu: "em relação a essa música cada fibra, cada nervo estremece, e há muito não tive um sentimento tão duradouro de alheamento".

Já Hegel dizia que "a música traduz sentimentos profundos e imprecisos, movimentos de alma por assim dizer imateriais a que não se pode atribuir conteúdo nem pensamento". Por isso, a música difere das formas de pensamento (filosofia, ciência e religião) pelo poder de dar às idéias elevadas uma representação sensível e de torná-las acessível através do som. Diz o filosofo que "a missão principal da música consiste em fazer ressoar o eu mais íntimo, a sua mais profunda subjetividade, a sua alma ideal... porque ela é sustentada apenas pela interioridade subjetiva e não existe se não por e para ela".

Além de gerar uma liberação da alma para regiões insuspeitadas, ela pode suavizar os mais cruéis e trágicos destinos, transformando a dor em prazer, nos fazendo atingir um alto grau de libertação. É por isso que a música é tão importante em nossa vida, intensificando sentimentos, gerando catarses, nos fazendo evadir dos estados mornos da realidade.

Há uma série de discos que me apaixonam e aos quais sempre ouço, mas o espaço aqui é pequeno para elencar todos. Indicarei alguns aos leitores do Digestivocultural, sofrendo pelos que deixarei de mencionar. Farei uma seleção apenas de discos de música erudita, abandonando os de jazz, rock e musica popular brasileira que aprecio também.

Começo indicando o CD "The three piano sonatas", do compositor francês Pierre Boulez, com as peças interpretadas pelo pianista Paavali Jumppanem, gravado pela Deutsche Grammophon. A obra expressa seu conteúdo poético e sensual através de uma rigorosa organização dos elementos sonoros (sua técnica ficou conhecida como serialismo). Segundo observação de Tiago Charters de Azevedo, "na última sonata, inspirada no livro-projeto de Mallarmé, Boulez evoca três imagens ou ideias que dirigem a obra: a ideia de obra aberta, que cabe ao executante resumir/acabar, a de work in progress e a de infinitude e permutatividade; a ideia de labirinto; e, por último, a ideia de um universo em expansão (as equações de Einstein em sua Teoria da Relatividade Geral ressoam nas simetrias que Boulez impôs à sua terceira sonata para piano e cuja ideia, a de um universo em expansão, tem nas equações do físico uma das soluções mais relevantes para a compreensão da evolução do universo)".

Outra indicação é "Piano Works" (4 vols), de Erik Satie, interpretadas pela pianista Klára Koermendi (Naxos Gravadora). Músicas inclassificáveis, que vão do deboche ao intimismo, com peças minimalistas (as vezes apenas seis notas), onde a repetição é por vezes solene e sem desenvolvimento, como um instante para sempre prolongado; outras vezes a repetição é mecânica e ainda dramática. Um nonsense que abusa de títulos absurdos, como "embrião ressecado", que se traduz em situações sonoras divertidas, tristes, vulgares, etc.

Compositor oficial da Rosa-Cruz, Satie produziu para a Ordem músicas irracionais, com acordes dissonantes. O tempo das peças varia entre 1 minuto e meio e 4 minutos. Mas vale registrar uma apresentação de John Cage, em 1963, de "Vexations" de Satie, pequena partitura que levaria dois minutos para ser executada, se não aparecesse a informação no alto da partitura: "tocar o tema 840 vezes". Andy Warhol assistiu a apresentação e se inspirou nela para seu vídeo de 8 horas no Empire State. Nesse disco de Satie eu tenho uma preferência particular pelas 4 "Ogives".

Indico duas obras de Arnold Schoenberg, que são "Noite Transfigurada" e "Pelleas e Melisandre", ambas com a Orquestra Filamônica de Berlin, sob a regência de Herbert Von Karajan (Deutsche Grammophon). Há ainda uma ótima edição da gravadora Naxos de "Pelleas und Melisande", com Robert Craft na regência. Schoenberg caracterizou sua música atonal como um gesto de resistência à cultura popular predominante, fazendo música dissonante, com linhas cromáticas que se emaranham contrapontísticamente, e como Wagner, não deixa os acordes se resolverem, criando sufocos, texturas diáfanas, gestos impetuosos. Mas vai além de Wagner, Debussy, Strauss e Malher, que apesar de suas dissonâncias e acordes incomuns, não quebraram de vez o pescoço da tonalidade, que é o que Schoenberg dizia ter feito.

De Gustave Malher é imprescindível ouvir "Das lied Von der Erde" (As canções da terra). Obra inspirada nos poemas chineses de Li Tai Po, expressa movimentos que vão das alegrias da juventude ao pessimismo diante da morte, sendo seu último movimento "Der Abschied" (O Adeus), depois de "Amor e morte" de "Tristão e Isolda", uma das músicas mais comoventes de que se tem notícia. A edição que eu indico é a da Orquestra Sinfônica de Ljubljana, com os solistas Zeger Vandrsteene (tenor) e Glenys Linos (mezzosoprano).

Do compositor americano John Cage, tenho apreço por "Music for prepared piano", dois volumes, da Naxos, interpretadas pelo pianista Boris Berman. Nas suas músicas ressoa uma busca espiritual pela forma concisa, derivadas da música de vanguarda européia (como não pensar em Satie e a Escola de Viena?) cruzada com interesses filosóficos pelo Zen Budismo, o I Ching e Induísmo. Vale ressaltar a composição "Music for Marcel Duchamp", que demarca também a área de interesse neodadaísta de Cage. Uma das características de sua música são os silêncios extensíssimos, com retornos sonoros de grande exatidão, inspirado no teatro Nô japonês. O Piano preparado consiste na introdução de vários acessórios dentro de um piano normal, que produz uma variada e renovada gama de sons.

A obra de Edgar Varèse, apresentada pela New York Philarmonic e Ensemble InterContemporain, sob regência de Pierre Boulez (Sony Classical) é imperdível. Pode-se ouvir "Ionisation", "Density 21.5", "Intégrales", dentre outras peças importantes do compositor. Rompendo com a estrutura melodia/harmonia/ritmo, princípio sob o qual se faz música até as vanguardas, Varèse cria a idéia de espaço a partir do ajuste entre tensão/ relaxamento, concentração/dissolução sem perder a idéia de mistério, liberdade e tensionamentos (que por vezes ressoa Stravinsky da "Sagração da Primavera").

De Richard Wagner não se pode deixar de ouvir "Tanhauser", mas sugiro a ópera "Tristão e Isolda", ao qual indico a gravação de 1952, regida pelo maestro Wilhelm Furtwägner, editada pela Folha de São Paulo e que tem sido vendida em bancas de jornais. Em "Tristão e Isolda", estamos na forma da ópera como o apaixonado está na forma do seu delírio amoroso. Os estados interiores variam irracionalmente e Wagner faz o mesmo com a música, quando então entramos no tempo do sonho ou do pesadelo, da embriaguês e do incomensurável, no reino do inapreensível. Wagner leva o espectador para o universo dos sobressaltos, gerando incertezas, e estados de alma que são verdadeiras suspensões inconclusas. Música sublime e de abismos profundos.

De Stravinsky é "A Sagração da Primavera" que destaco (sobre o qual já dediquei um texto aqui no digestivo). Obra polêmica no momento de sua primeira apresentação, que pareceu brutal aos educados ouvintes parisienses, talvez seja tão atual quanto qualquer obra contemporânea pela sua energia futurista, seus cortes bruscos, sua alternância de estados emocionais. Possuo várias gravações, mas sugiro três, uma pela Orquestra de Minnesota, sob regência de Stanislaw Skrowaczewski (Au Coeur Du Classique), outra sob regência de Pierre Boulez (da Sony) e, por último, pela Philarmonica Slavonica, regida por Hanspeter Gmür (Del Prado).

As sugestões acima apresentam os principais aspectos da música erudita moderna e oferecem momentos de grande prazer através de composições ousadas e instigantes. Boa audição!


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/5/2011

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Discos de MPB essenciais - 14/6/2011
05. Marcel Proust e o tempo reencontrado - 6/12/2011


Mais Especial Discoteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/6/2011
00h10min
Anotadas muitas das sugestões.
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês