Journey | André Graciotti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Segunda-feira, 4/3/2013
Journey
André Graciotti

+ de 4400 Acessos

Se as tentativas do videogame em ser algo mais - transcendental, filosófico e profundo - do que simples entretenimento tem conseguido notáveis resultados nos últimos anos, é com Journey que ele atinge sua sublimação. Poucas coisas - e me refiro à cultura pop como um todo - conseguem ser tão tocantes e tematicamente complexas quanto Journey é.

Os dois jogos precedentes do estúdio independente thatgamecompany, flOw e flOwer, já quebraram paradigmas do se espera de um game e mostraram, com excelência invejável aos grandes estúdios, como expandir a jogabilidade como elemento essencial à imersão e a emoções diversas, mas Journey é a sua grande obra-prima, indo muito além em conceitos que já exploravam e é provavelmente uma das coisas mais emocionantes e - sim, vou arriscar sem medo e em bold - artísticas já feitas num videogame.

Assim como nos games anteriores, você deve descobrir sozinho como jogar e o que fazer, adentrando num ambiente desconhecido e sem entender muito bem quem você é e qual seu objetivo (a única coisa inteligível logo de imediato é a sugestão de que você deve retornar a uma montanha com um feixe de luz no horizonte). É preciso se aventurar aos poucos nos controles, nos movimentos e nos vastos e misteriosos ambientes pra ir "entrando" no clima que Journey demanda. Mais do que qualquer outro jogo, Journey é todo pensado para que você SINTA a experiência de estar naquele universo e não apenas que almeje completar um objetivo.

Até tem lá momentos de games mais "tradicionais", como obstáculos a serem superados, pequenos puzzles, desafios progressivos e bichos gigantes que oferecem ameaça. Mas são apenas detalhes num jogo com tantos grandes momentos (a fase em que deslizamos pelo deserto em contraluz é de suspirar fundo de tão linda e intensa) e que tem como grande atrativo oferecer um universo tão rico e complexo através de uma jogabilidade tão simples.

Há até mesmo um dos multiplayers (jogo de múltiplos jogadores) mais interessantes já criados, já que não se trata de uma competição (enfim!), mas de um co-op (jogo cooperativo) bem original. Um outro jogador pode aparecer sem aviso, sem huds (heads-up display: a exibição de características e status na tela) e sem nickname para ser seu companheiro na viagem. Vocês podem recarregar o tempo de flutuação um do outro e ainda se comunicar não-verbalmente - com apenas um botão, emite-se um som que parece um canto. Parece estranho, mas funciona lindamente. Constrói-se um senso de companheirismo emocionante. Tanto que os nicknames de quem lhe acompanhou na "jornada" só aparecem nos créditos finais, e o senso de conquista conjunta cria um curioso laço entre os participantes (eu abri um sorriso quando me dei conta de que sentia uma certa proximidade com aquelas pessoas, como se tivessem dividido algo muito especial comigo). O momento em que um outro viajante entra na tela e, sem perceber, vocês já estão se comunicando e se ajudando, é uma sensação inigualável.

A tal jornada é curta, dá pra terminá-lo numa tacada só, por volta de duas horas de jogo, mas isso não minimiza a experiência. A vastidão do ambiente e o senso de solidão (mesmo quando acompanhado por outro jogador) potencializados pelo visual e pela trilha melancólica, lembram bastante o clima de The Shadow of the Colossus. Mas enquanto aquele tinha seus clímaxes nas batalhas épicas, aqui o épico vem em pequenos momentos, como quando chegamos num novo e deslumbrante ambiente e até a câmera muda de posição; quando deslizamos pelas dunas de areia em companhia de seres que voam ao seu lado; quando nos deparamos com outro viajante, ou nos breves e misteriosos encontros com "deuses".

Além de ser uma deliciosa experiência na jogabilidade, Journey ainda tem uma pegada mística-religiosa fascinante. Os checkpoints são em altares que guardam desenhos pictográficos anciãos, e a almejada montanha final é como a chegada no paraíso para celebração do ciclo da vida. Sem contar a linda sacada de que todos os ambientes são predominantemente áridos, mas todo tipo de "vida" que você encontra faz referência à vida marinha: os tapetes enterrados na areia são como algas e corais e há alguns seres voadores ao longo do caminho que se movimentam como peixes. E a conquista da chegada ao "paraíso" expande ainda mais a sensação de êxtase dos sentidos ao "libertar" não só o personagem, mas também a jogabilidade, contrastando brilhantemente com a limitação de movimentos do começo da jornada no deserto (remetendo à ideia hinduísta-budista de carma e de evolução espiritual. Sim, é um game conceitual e metafísico a esse ponto).

Se flOw era sobre a evolução de seres microscópicos e flOwer sobre a resistência da natureza, "Journey" sobe mais um nível e trata da existência e do processo de compreensão da vida. Não é um game apenas para percorrer nem apenas apreciar, mas para ser vivenciado. Trata-se de uma das experiências mais emocionantes e intensas que já tive com - ou sem - um joystick nas mãos. Não é exagero nenhum dizer que as emoções aqui não perdem em nada para uma experiência espiritual. Journey é mesmo divino.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Revisto.


André Graciotti
São Paulo, 4/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
02. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
03. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
04. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol
05. A difícil arte de saber mais um pouco de Ana Elisa Ribeiro


Mais André Graciotti
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EM BRASÍLIA, DEZENOVE HORAS
TIAGO
DO AUTOR
(1994)
R$ 23,00



AMIGOS DE DEUS
JOSEMARÍA ESCRIVA
QUADRANTE
(2000)
R$ 22,00



DEATH NOTE: ALVOS 8
TSUGUMI OHBA
JBC
(2001)
R$ 10,00



FÊNIX E HARPIA: FACES MÍTICAS DA POESIA E DA POÉTICA DE IVAN JUNQ
CHRISTINA RAMALHO
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
(2005)
R$ 19,82



HENRI MATISSE -COLEÇÃO FOLHA GRANDES MESTRES DA PINTURA 8
TRAD MARTIN ERNESTO RUSSO
FOLHA DE SÃO PAULO
(2007)
R$ 5,90



MENINO DE OLHO VIVO
RICARDO AZEVEDO
ÁTICA
(1996)
R$ 14,24



O CONSTRUTIVISMO E A ALFABETIZAÇÃO - (AUTOGRAFADO)
IVANILDE MOREIRA
LIVRUS
(2009)
R$ 80,00



A HORA E VEZ DO RIO DE JANEIRO E NOVO GOVERNO
JOÃO PAULO DOS REIS VELLOSO
JOSÉ OLYMPIO
(2007)
R$ 14,00



BEIRA-MAR - MEMÓRIAS 4
PEDRO NAVA
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 15,00



GILSON MARTINS - VIAJANDO NO DESIGN
GLÁUCIA CENTENO, GILSON MARTINS
ESTAÇAO DAS LETRAS
(2008)
R$ 37,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês