Journey | André Graciotti | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Viagem de Klimt
>>> Fazendo Amigos e Influenciando Pessoas
>>> A internet não é nada
>>> Hellbox
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Anos Incríveis
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Filas
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Mais Recentes
>>> O que a Bíblia realmente ensina? de Watch Tower Bible Society Of Pennsylvania pela Watch Tower Bible (2013)
>>> Branca de Neve e o Caçador de Lily Blake pela Novo Conceito (2012)
>>> Matéria dos Sonhos de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro (1988)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ática (1992)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Para Sempre de Alyson Noël pela Intrínseca (2009)
>>> Como Se Dar Bem Com as Pessoas de M. K. Rustomji pela Summus (1975)
>>> As Mentiras que os Homens Contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> Raiva e Paciência - Ensaios Sobre Literatura Política e Colonialismo de Hans Magnus Enzensberger pela Paz e Terra (1985)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Comunicar Para Liderar de Leny Kyrillos e Mílton Jung pela Contexto (2016)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë pela Círculo do Livro (1994)
>>> O Essencial no Amor: as diferentes faces da experiência amorosa de Catherine Bensaid e Jean-Yves Leloup pela Vozes (2006)
>>> Deus Castiga? de Helena Craveiro pela Petit (1998)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia Roza pela Record (2001)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História Viva de um Ideal - uma Orquestra uma Família uma Profissão de Hélio Brandão pela Do Autor (1996)
>>> Álbum de Família de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> Tragédia o Mal de Todos os Tempos Como Suavizar a Voz Nesses Conflitos de Glorinha Beuttenmüller pela Instituto Montenegro Raman (2009)
>>> Educação corporativa fundamentos e praticas de Ana Paula Freitas Mundim/ Eleonora Jorge Ricardo pela Qualitymark (2004)
>>> Fontes para a educação infantil de Alex Criado pela Cortez (2003)
>>> Uma Mulher Inacabada de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Difel (1983)
>>> Não enviem orquideas para miss blandish de James Hadley Chase pela Globo Rs (1967)
>>> Cérebro & Ossos de Pé da letra pela Pé da letra (2021)
COLUNAS

Segunda-feira, 4/3/2013
Journey
André Graciotti

+ de 5100 Acessos

Se as tentativas do videogame em ser algo mais - transcendental, filosófico e profundo - do que simples entretenimento tem conseguido notáveis resultados nos últimos anos, é com Journey que ele atinge sua sublimação. Poucas coisas - e me refiro à cultura pop como um todo - conseguem ser tão tocantes e tematicamente complexas quanto Journey é.

Os dois jogos precedentes do estúdio independente thatgamecompany, flOw e flOwer, já quebraram paradigmas do se espera de um game e mostraram, com excelência invejável aos grandes estúdios, como expandir a jogabilidade como elemento essencial à imersão e a emoções diversas, mas Journey é a sua grande obra-prima, indo muito além em conceitos que já exploravam e é provavelmente uma das coisas mais emocionantes e - sim, vou arriscar sem medo e em bold - artísticas já feitas num videogame.

Assim como nos games anteriores, você deve descobrir sozinho como jogar e o que fazer, adentrando num ambiente desconhecido e sem entender muito bem quem você é e qual seu objetivo (a única coisa inteligível logo de imediato é a sugestão de que você deve retornar a uma montanha com um feixe de luz no horizonte). É preciso se aventurar aos poucos nos controles, nos movimentos e nos vastos e misteriosos ambientes pra ir "entrando" no clima que Journey demanda. Mais do que qualquer outro jogo, Journey é todo pensado para que você SINTA a experiência de estar naquele universo e não apenas que almeje completar um objetivo.

Até tem lá momentos de games mais "tradicionais", como obstáculos a serem superados, pequenos puzzles, desafios progressivos e bichos gigantes que oferecem ameaça. Mas são apenas detalhes num jogo com tantos grandes momentos (a fase em que deslizamos pelo deserto em contraluz é de suspirar fundo de tão linda e intensa) e que tem como grande atrativo oferecer um universo tão rico e complexo através de uma jogabilidade tão simples.

Há até mesmo um dos multiplayers (jogo de múltiplos jogadores) mais interessantes já criados, já que não se trata de uma competição (enfim!), mas de um co-op (jogo cooperativo) bem original. Um outro jogador pode aparecer sem aviso, sem huds (heads-up display: a exibição de características e status na tela) e sem nickname para ser seu companheiro na viagem. Vocês podem recarregar o tempo de flutuação um do outro e ainda se comunicar não-verbalmente - com apenas um botão, emite-se um som que parece um canto. Parece estranho, mas funciona lindamente. Constrói-se um senso de companheirismo emocionante. Tanto que os nicknames de quem lhe acompanhou na "jornada" só aparecem nos créditos finais, e o senso de conquista conjunta cria um curioso laço entre os participantes (eu abri um sorriso quando me dei conta de que sentia uma certa proximidade com aquelas pessoas, como se tivessem dividido algo muito especial comigo). O momento em que um outro viajante entra na tela e, sem perceber, vocês já estão se comunicando e se ajudando, é uma sensação inigualável.

A tal jornada é curta, dá pra terminá-lo numa tacada só, por volta de duas horas de jogo, mas isso não minimiza a experiência. A vastidão do ambiente e o senso de solidão (mesmo quando acompanhado por outro jogador) potencializados pelo visual e pela trilha melancólica, lembram bastante o clima de The Shadow of the Colossus. Mas enquanto aquele tinha seus clímaxes nas batalhas épicas, aqui o épico vem em pequenos momentos, como quando chegamos num novo e deslumbrante ambiente e até a câmera muda de posição; quando deslizamos pelas dunas de areia em companhia de seres que voam ao seu lado; quando nos deparamos com outro viajante, ou nos breves e misteriosos encontros com "deuses".

Além de ser uma deliciosa experiência na jogabilidade, Journey ainda tem uma pegada mística-religiosa fascinante. Os checkpoints são em altares que guardam desenhos pictográficos anciãos, e a almejada montanha final é como a chegada no paraíso para celebração do ciclo da vida. Sem contar a linda sacada de que todos os ambientes são predominantemente áridos, mas todo tipo de "vida" que você encontra faz referência à vida marinha: os tapetes enterrados na areia são como algas e corais e há alguns seres voadores ao longo do caminho que se movimentam como peixes. E a conquista da chegada ao "paraíso" expande ainda mais a sensação de êxtase dos sentidos ao "libertar" não só o personagem, mas também a jogabilidade, contrastando brilhantemente com a limitação de movimentos do começo da jornada no deserto (remetendo à ideia hinduísta-budista de carma e de evolução espiritual. Sim, é um game conceitual e metafísico a esse ponto).

Se flOw era sobre a evolução de seres microscópicos e flOwer sobre a resistência da natureza, "Journey" sobe mais um nível e trata da existência e do processo de compreensão da vida. Não é um game apenas para percorrer nem apenas apreciar, mas para ser vivenciado. Trata-se de uma das experiências mais emocionantes e intensas que já tive com - ou sem - um joystick nas mãos. Não é exagero nenhum dizer que as emoções aqui não perdem em nada para uma experiência espiritual. Journey é mesmo divino.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Revisto.


André Graciotti
São Paulo, 4/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
03. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
04. Lares & Lugares de Ricardo de Mattos
05. 10 maneiras de tentar abolir o debate de Julio Daio Borges


Mais André Graciotti
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1500: a Grande Viagem
Paulo Saab
Augustus
(1996)



Drogas, uma Discussão Necessária
Jose Roberto Simao
Ftd
(1997)



O Machado Gentil
R N Morris
Planeta
(2007)



Migração Em Sumaré o Tempo e o Espaço do Migrante
Francisco Antonio de Toledo
Anadarco
(2009)



A Sala Vip
Irving Wallace
Record
(1989)



Tropical Sol da Liberdade
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(2008)



Bolívia Vocação e Destino
Omar de Barros Filho
Versus
(1980)



Anotações para um Livro de Baixo-ajuda
Luiz Arraes
7 Letras
(2005)



Mamãe, Descobri Como Ficar Rico
Paulo Mercavence
Cbje
(2008)



Leadership Magic Myth Or Method
J. W. Mclean
Amacom
(1992)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês