Journey | André Graciotti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
Mais Recentes
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 4/3/2013
Journey
André Graciotti

+ de 4300 Acessos

Se as tentativas do videogame em ser algo mais - transcendental, filosófico e profundo - do que simples entretenimento tem conseguido notáveis resultados nos últimos anos, é com Journey que ele atinge sua sublimação. Poucas coisas - e me refiro à cultura pop como um todo - conseguem ser tão tocantes e tematicamente complexas quanto Journey é.

Os dois jogos precedentes do estúdio independente thatgamecompany, flOw e flOwer, já quebraram paradigmas do se espera de um game e mostraram, com excelência invejável aos grandes estúdios, como expandir a jogabilidade como elemento essencial à imersão e a emoções diversas, mas Journey é a sua grande obra-prima, indo muito além em conceitos que já exploravam e é provavelmente uma das coisas mais emocionantes e - sim, vou arriscar sem medo e em bold - artísticas já feitas num videogame.

Assim como nos games anteriores, você deve descobrir sozinho como jogar e o que fazer, adentrando num ambiente desconhecido e sem entender muito bem quem você é e qual seu objetivo (a única coisa inteligível logo de imediato é a sugestão de que você deve retornar a uma montanha com um feixe de luz no horizonte). É preciso se aventurar aos poucos nos controles, nos movimentos e nos vastos e misteriosos ambientes pra ir "entrando" no clima que Journey demanda. Mais do que qualquer outro jogo, Journey é todo pensado para que você SINTA a experiência de estar naquele universo e não apenas que almeje completar um objetivo.

Até tem lá momentos de games mais "tradicionais", como obstáculos a serem superados, pequenos puzzles, desafios progressivos e bichos gigantes que oferecem ameaça. Mas são apenas detalhes num jogo com tantos grandes momentos (a fase em que deslizamos pelo deserto em contraluz é de suspirar fundo de tão linda e intensa) e que tem como grande atrativo oferecer um universo tão rico e complexo através de uma jogabilidade tão simples.

Há até mesmo um dos multiplayers (jogo de múltiplos jogadores) mais interessantes já criados, já que não se trata de uma competição (enfim!), mas de um co-op (jogo cooperativo) bem original. Um outro jogador pode aparecer sem aviso, sem huds (heads-up display: a exibição de características e status na tela) e sem nickname para ser seu companheiro na viagem. Vocês podem recarregar o tempo de flutuação um do outro e ainda se comunicar não-verbalmente - com apenas um botão, emite-se um som que parece um canto. Parece estranho, mas funciona lindamente. Constrói-se um senso de companheirismo emocionante. Tanto que os nicknames de quem lhe acompanhou na "jornada" só aparecem nos créditos finais, e o senso de conquista conjunta cria um curioso laço entre os participantes (eu abri um sorriso quando me dei conta de que sentia uma certa proximidade com aquelas pessoas, como se tivessem dividido algo muito especial comigo). O momento em que um outro viajante entra na tela e, sem perceber, vocês já estão se comunicando e se ajudando, é uma sensação inigualável.

A tal jornada é curta, dá pra terminá-lo numa tacada só, por volta de duas horas de jogo, mas isso não minimiza a experiência. A vastidão do ambiente e o senso de solidão (mesmo quando acompanhado por outro jogador) potencializados pelo visual e pela trilha melancólica, lembram bastante o clima de The Shadow of the Colossus. Mas enquanto aquele tinha seus clímaxes nas batalhas épicas, aqui o épico vem em pequenos momentos, como quando chegamos num novo e deslumbrante ambiente e até a câmera muda de posição; quando deslizamos pelas dunas de areia em companhia de seres que voam ao seu lado; quando nos deparamos com outro viajante, ou nos breves e misteriosos encontros com "deuses".

Além de ser uma deliciosa experiência na jogabilidade, Journey ainda tem uma pegada mística-religiosa fascinante. Os checkpoints são em altares que guardam desenhos pictográficos anciãos, e a almejada montanha final é como a chegada no paraíso para celebração do ciclo da vida. Sem contar a linda sacada de que todos os ambientes são predominantemente áridos, mas todo tipo de "vida" que você encontra faz referência à vida marinha: os tapetes enterrados na areia são como algas e corais e há alguns seres voadores ao longo do caminho que se movimentam como peixes. E a conquista da chegada ao "paraíso" expande ainda mais a sensação de êxtase dos sentidos ao "libertar" não só o personagem, mas também a jogabilidade, contrastando brilhantemente com a limitação de movimentos do começo da jornada no deserto (remetendo à ideia hinduísta-budista de carma e de evolução espiritual. Sim, é um game conceitual e metafísico a esse ponto).

Se flOw era sobre a evolução de seres microscópicos e flOwer sobre a resistência da natureza, "Journey" sobe mais um nível e trata da existência e do processo de compreensão da vida. Não é um game apenas para percorrer nem apenas apreciar, mas para ser vivenciado. Trata-se de uma das experiências mais emocionantes e intensas que já tive com - ou sem - um joystick nas mãos. Não é exagero nenhum dizer que as emoções aqui não perdem em nada para uma experiência espiritual. Journey é mesmo divino.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Revisto.


André Graciotti
São Paulo, 4/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. Omissão de Ricardo de Mattos
03. Livrarias de Ricardo de Mattos
04. Ação Social de Ricardo de Mattos
05. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva


Mais André Graciotti
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




K KKK
VASSILIS VASSILIKOS
ENSAIO
(1995)
R$ 20,00



A HISTORY OF MODERN FRANCE FRANCE OF THE REPUBLICS 1871-1962
ALFRED COBBAN (VOLUME 3)
PENGUIN BOOKS
(1990)
R$ 19,28



NA SEMEADURA
EDGARD ARMOND
ALIANÇA
(1977)
R$ 9,90



MÚSICA CAIPIRA
JOSÉ HAMILTON RIBEIRO
REALEJO
(2015)
R$ 73,40



A BÍBLIA ANTIGO E NOVO TESTAMENTO COLEÇÃO COMPLETA 8 VOLUMES
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1964)
R$ 699,00



MENSAGENS PARA MEDITAR - II
ANTONIO MARIA FAILDE
ÔNIX
(2008)
R$ 12,00



A EMPRESA FLEXÍVEL
ALVIN TOFFLES
RECORD
(1985)
R$ 7,00



QUEM SE DEBATE É AFOGADO
RICARDO REDISCH
MASSAO OHNO
(1980)
R$ 10,00



ANISTIA INTERNACIONAL UMA PORTA PARA O FUTURO
RODOLFO KONDER
PONTES
(1988)
R$ 8,00



A VERDADE SOBRE A TRAGÉDIA DOS ROMANOV
MARC FERRO
RECORD
(2017)
R$ 30,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês