Origens: minha mãe | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS >>> Especial Origens

Terça-feira, 11/2/2014
Origens: minha mãe
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3600 Acessos

Aquilo que Freud chamou de "romance familiar" é de extrema importância na minha formação. Os laços que se constituíram entre mim e, principalmente, minha mãe, com certeza determinaram muito do que eu sou hoje. Da relação real às fantasias em torno do que é o "afeto materno", percebo aquilo que está gravado em mim, da genética à formação social, cultural e emocional, me tornando aquilo que sou.

MINHA MÃE:

Minha mãe é, com absoluta certeza, o elemento mais importante naquilo que vou chamar de "minha formação existencial". Desde as sensações mais físicas (carinho, calor humano, olhares ternos) até a percepção da natureza e da cultura e de como deveria ser minha relação com as pessoas, foi a influência maternal, de fato, o elemento mais determinante.

As sensações físicas prazerosas que provêm do abraço materno, do cuidado da minha mãe comigo ainda criança, seja nos momentos de febre, ou apenas arrumando meu cabelo, vestindo minha roupa ou me dando banho, ficaram registradas na minha vida como proteção. E minha mãe foi prodigiosa nessa parte. Eu sempre a senti como protetora, por seu calor físico, pela entonação da sua voz, pelo seu olhar sempre doce em relação a mim. Quando encontro na vida uma mulher que traduza esse conforto sensorial, ela me tem como seu prisioneiro.

Outra dimensão importante que minha mãe me trouxe foi a da fantasia. Nunca vi uma pessoa tão fantasiosa como minha mãe. A sua capacidade de quase criar literatura com os fatos mais banais da existência, seja contando uma cena bíblica ou relatando um caso ouvido pelas vizinhanças, ou sua concepção de religião (todas, pois ela acredita em todas as superstições possíveis), é tudo marcado por uma enorme capacidade de improvisar fantasias. É daí que percebo em mim a mesma capacidade de fantasiar sobre qualquer coisa, desde uma ideia filosófica até a cor de uma fruta, uma paisagem, uma composição musical que ouço, o trecho de um livro que li ou a passagem de uma mulher à minha frente.

Outra característica transmitida a mim pela minha mãe é seu interesse por todos os assuntos: ciência, religião, história, música, línguas estrangeiras. Minha mãe bisbilhoteia revistas, livros, panfletos, tudo o que lhe vier à mão, contanto que lhe passe algum conhecimento. Faz isso com a naturalidade de quem deseja conhecimento, pura e simplesmente. Minha biblioteca espelha bem isso. Leio livros sobre história, filosofia, ciência (física, neurociência, botânica etc), educação, arte, tudo o que é conhecimento me interessa. Curiosidade que minha mãe me transmitiu. O sonho dela era ser médica, poder estudar, mas isso lhe foi tolhido pela situação geográfica e familiar. Mas o desejo de saber, de entender a natureza do corpo humano, a saúde, ou mesmo acontecimentos prosaicos, jamais a abandonou. Outro desejo frustrado foi o de falar francês, que ela aprendeu sem muito aprofundamento com um farmacêutico que a empregou em sua farmácia. Daí, talvez, meu interesse pelo francês, de tanto ouvi-la contar essa história da aprendizagem na farmácia (embora a literatura francesa, meu universo literário predileto, também seja determinante).

Minha relação com as mulheres também sofre a influência das palavras de minha mãe. Sua frase gravada em meu inconsciente é: "Sempre procure tratar bem as mulheres. Lembre-se que sua mãe é uma mulher". Então, são duas influências: a do calor humano que busco nas fêmeas, quase como que buscando a sensação (proustiana) daquele amor maternal, e o trato sempre delicado com as mulheres (que talvez me torne aos olhos delas um homem meio feminino).

Outra influência diz respeito ao meu interesse por objetos bonitos, como caixinhas, latinhas, invólucros de sabonetes, flores etc. Minha mãe sempre gostou de coisas rococós, coisas fofas e delicadas. Meu gosto por detalhes, pela conformação das coisas, de uma capa de CD à capa de um livro, de uma caixa de chá até um castiçal ou objeto de porcelana, ou a pintura de Fragonard, eu devo a ela. Minha visão do paraíso é a casa de dois amigos, o Ronaldo Oliveira e o Ronald Polito, que possuem uma coleção inacreditável de objetos maravilhosos. Quanto aos cheiros, também minha mãe determinou esse gosto. Sou obcecado por sabonetes perfumados, perfumes e talcos ingleses (e seus respectivos invólucros, evidentemente). Porque não virei gay é um mistério que nem a psicanálise resolveria.

Outro fator bastante importante na questão da influência de minha mãe sobre mim é o seu amor à vida. Não no sentido de uma defesa religiosa da existência, mas de um amor orgânico à própria vida nesse planeta. Apesar de acreditar na vida após a morte, minha mãe não abriria mão dela, por mais terrível que fosse, em troca do conforto celeste. Ela prefere viver o inferno aqui na terra a abrir mão da calmaria que o suposto céu lhe ofereceria. O prazer pela comida é um derivado desse amor. Ela desfruta dos alimentos com tanto prazer que vejo aí a manifestação mais direta desse amor à vida. Minha mãe, por isso, jamais seria uma suicida. E este sentimento passou para mim de forma irrevogável. Eu poderia estar na pior das situações, mas ainda assim eu resistiria pelo simples prazer de estar vivo, organicamente vivo; eu poderia perder tudo, mas minha fé na existência orgânica e minha descrença nos valores sociais (dinheiro, posição social) derivada dessa crença na vida orgânica me afastaria de por um fim a minha vida. Por isso não me assusta ver mendigos, na pior das situações, ainda resistindo a um salto mortal diante de algum carro.

Sartre disse no seu livro As palavras que o fato de não ter tido pai o livrou do superego e o fato de ter convivido com mulheres (mãe, tias) o tornou bastante sensualista (daí seu interesse pela fenomenologia?). Minha relação com o mundo é muito corporal por causa de minha relação com a minha mãe. Eu toco nas pessoas, eu gosto de abraçar as pessoas, sentir seu calor, sua presença física. Toco também nos objetos inanimados (livros, mesas, objetos decorativos, para poder sentir sua dimensão física) e nos orgânicos (frutas que olho, toco e cheiro com enorme prazer).

Mais importante que tudo, é sua visão positiva sobre o futuro. Minha mãe não tem nada de pessimista, nunca teve. Passou por situações graves para cuidar da família e nunca titubeou. Manteve-se forte, passando para os filhos uma visão otimista do futuro. Sua frase predileta, nesse sentido, é: "Nada como um dia após o outro. Tem dias que chove, mas, em seguida, vem o sol".

O psicanalista reichiano José Ângelo Gaiarsa gostava de dizer que pior que a autoridade do pai era o amor da mãe. Porque contra a autoridade do pai se pode lutar, mas contra o amor da mãe não. O amor da mãe seria uma forma mais sofisticada de poder, pois ela o usaria (o amor) para nos controlar com chantagens emocionais: "É porque te amo que faço isso". No caso da minha mãe, sei que em determinadas situações ela usou o amor para me tornar "um bom menino". Mas nunca senti que chegasse a ser algo letal. Ao contrário, sua visão afirmativa da existência parecia guardar algo de mais essencial para minha formação. Uma espécie de ateísmo vital, ou seja, a ideia de que a vida vale mais do que qualquer outro valor. Por isso meu ódio às guerras, torturas, mortes - em nome de que? Não da vida, com certeza. E por isso minha crença na denúncia dos sistemas totalitários, autoritários, antidemocráticos ou simplesmente fascistas, como o capitalismo, que transforma a vida numa mercadoria como outra qualquer, a ponto de justificar o assassinato de seres humanos, de justificar as diferenças sociais, ou impedir o princípio da existência: a expansão livre da vida.

Meu humanismo deriva do calor humano que me foi transmitido diretamente do corpo de minha mãe para mim. Amor para mim é preservar a vida, acima de tudo. Eis sua sabedoria.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Link-se: a mídia mudando a arte de Gian Danton
02. Amor aos pedaços de Vicente Escudero


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


Mais Especial Origens
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Coleção de Bruxas de Meu Pai - Autografado
Rosa Amanda Strausz
Salamandra
(1995)



A Formação Humana no Projecto da Modernidade
F. Cabral Pinto
Edicoes Piaget
(1996)



O Motoboy do Amor. Dicas, Truques e Cantadas Infalíveis
Bruno Tavares
Age
(2004)



Escala Richter
Leonardo Gandolfi
7 Letras
(2015)



A Literatura Brasileira Atraves dos Textos
Massaud Moises
Cultrix
(2010)



Nicolau e Sua Casca
Ivanir Calado
Ediouro
(1995)



Alô Chics!
Gloria Kalil
Pocket Ouro
(2008)



Curso de Direito Administrativo
Dirley da Cunha Junior (6ª Edição)
Podium
(2007)



Fisiología Humana: Riñon
E. Sánchez de Badajoz
Editorial Marban (madri)
(1980)



Comentarios á Consolidação das Leis do Trabalho - 33ªedição
Valentin Carrion
Saraiva
(2008)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês