Origens: minha mãe | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS >>> Especial Origens

Terça-feira, 11/2/2014
Origens: minha mãe
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3500 Acessos

Aquilo que Freud chamou de "romance familiar" é de extrema importância na minha formação. Os laços que se constituíram entre mim e, principalmente, minha mãe, com certeza determinaram muito do que eu sou hoje. Da relação real às fantasias em torno do que é o "afeto materno", percebo aquilo que está gravado em mim, da genética à formação social, cultural e emocional, me tornando aquilo que sou.

MINHA MÃE:

Minha mãe é, com absoluta certeza, o elemento mais importante naquilo que vou chamar de "minha formação existencial". Desde as sensações mais físicas (carinho, calor humano, olhares ternos) até a percepção da natureza e da cultura e de como deveria ser minha relação com as pessoas, foi a influência maternal, de fato, o elemento mais determinante.

As sensações físicas prazerosas que provêm do abraço materno, do cuidado da minha mãe comigo ainda criança, seja nos momentos de febre, ou apenas arrumando meu cabelo, vestindo minha roupa ou me dando banho, ficaram registradas na minha vida como proteção. E minha mãe foi prodigiosa nessa parte. Eu sempre a senti como protetora, por seu calor físico, pela entonação da sua voz, pelo seu olhar sempre doce em relação a mim. Quando encontro na vida uma mulher que traduza esse conforto sensorial, ela me tem como seu prisioneiro.

Outra dimensão importante que minha mãe me trouxe foi a da fantasia. Nunca vi uma pessoa tão fantasiosa como minha mãe. A sua capacidade de quase criar literatura com os fatos mais banais da existência, seja contando uma cena bíblica ou relatando um caso ouvido pelas vizinhanças, ou sua concepção de religião (todas, pois ela acredita em todas as superstições possíveis), é tudo marcado por uma enorme capacidade de improvisar fantasias. É daí que percebo em mim a mesma capacidade de fantasiar sobre qualquer coisa, desde uma ideia filosófica até a cor de uma fruta, uma paisagem, uma composição musical que ouço, o trecho de um livro que li ou a passagem de uma mulher à minha frente.

Outra característica transmitida a mim pela minha mãe é seu interesse por todos os assuntos: ciência, religião, história, música, línguas estrangeiras. Minha mãe bisbilhoteia revistas, livros, panfletos, tudo o que lhe vier à mão, contanto que lhe passe algum conhecimento. Faz isso com a naturalidade de quem deseja conhecimento, pura e simplesmente. Minha biblioteca espelha bem isso. Leio livros sobre história, filosofia, ciência (física, neurociência, botânica etc), educação, arte, tudo o que é conhecimento me interessa. Curiosidade que minha mãe me transmitiu. O sonho dela era ser médica, poder estudar, mas isso lhe foi tolhido pela situação geográfica e familiar. Mas o desejo de saber, de entender a natureza do corpo humano, a saúde, ou mesmo acontecimentos prosaicos, jamais a abandonou. Outro desejo frustrado foi o de falar francês, que ela aprendeu sem muito aprofundamento com um farmacêutico que a empregou em sua farmácia. Daí, talvez, meu interesse pelo francês, de tanto ouvi-la contar essa história da aprendizagem na farmácia (embora a literatura francesa, meu universo literário predileto, também seja determinante).

Minha relação com as mulheres também sofre a influência das palavras de minha mãe. Sua frase gravada em meu inconsciente é: "Sempre procure tratar bem as mulheres. Lembre-se que sua mãe é uma mulher". Então, são duas influências: a do calor humano que busco nas fêmeas, quase como que buscando a sensação (proustiana) daquele amor maternal, e o trato sempre delicado com as mulheres (que talvez me torne aos olhos delas um homem meio feminino).

Outra influência diz respeito ao meu interesse por objetos bonitos, como caixinhas, latinhas, invólucros de sabonetes, flores etc. Minha mãe sempre gostou de coisas rococós, coisas fofas e delicadas. Meu gosto por detalhes, pela conformação das coisas, de uma capa de CD à capa de um livro, de uma caixa de chá até um castiçal ou objeto de porcelana, ou a pintura de Fragonard, eu devo a ela. Minha visão do paraíso é a casa de dois amigos, o Ronaldo Oliveira e o Ronald Polito, que possuem uma coleção inacreditável de objetos maravilhosos. Quanto aos cheiros, também minha mãe determinou esse gosto. Sou obcecado por sabonetes perfumados, perfumes e talcos ingleses (e seus respectivos invólucros, evidentemente). Porque não virei gay é um mistério que nem a psicanálise resolveria.

Outro fator bastante importante na questão da influência de minha mãe sobre mim é o seu amor à vida. Não no sentido de uma defesa religiosa da existência, mas de um amor orgânico à própria vida nesse planeta. Apesar de acreditar na vida após a morte, minha mãe não abriria mão dela, por mais terrível que fosse, em troca do conforto celeste. Ela prefere viver o inferno aqui na terra a abrir mão da calmaria que o suposto céu lhe ofereceria. O prazer pela comida é um derivado desse amor. Ela desfruta dos alimentos com tanto prazer que vejo aí a manifestação mais direta desse amor à vida. Minha mãe, por isso, jamais seria uma suicida. E este sentimento passou para mim de forma irrevogável. Eu poderia estar na pior das situações, mas ainda assim eu resistiria pelo simples prazer de estar vivo, organicamente vivo; eu poderia perder tudo, mas minha fé na existência orgânica e minha descrença nos valores sociais (dinheiro, posição social) derivada dessa crença na vida orgânica me afastaria de por um fim a minha vida. Por isso não me assusta ver mendigos, na pior das situações, ainda resistindo a um salto mortal diante de algum carro.

Sartre disse no seu livro As palavras que o fato de não ter tido pai o livrou do superego e o fato de ter convivido com mulheres (mãe, tias) o tornou bastante sensualista (daí seu interesse pela fenomenologia?). Minha relação com o mundo é muito corporal por causa de minha relação com a minha mãe. Eu toco nas pessoas, eu gosto de abraçar as pessoas, sentir seu calor, sua presença física. Toco também nos objetos inanimados (livros, mesas, objetos decorativos, para poder sentir sua dimensão física) e nos orgânicos (frutas que olho, toco e cheiro com enorme prazer).

Mais importante que tudo, é sua visão positiva sobre o futuro. Minha mãe não tem nada de pessimista, nunca teve. Passou por situações graves para cuidar da família e nunca titubeou. Manteve-se forte, passando para os filhos uma visão otimista do futuro. Sua frase predileta, nesse sentido, é: "Nada como um dia após o outro. Tem dias que chove, mas, em seguida, vem o sol".

O psicanalista reichiano José Ângelo Gaiarsa gostava de dizer que pior que a autoridade do pai era o amor da mãe. Porque contra a autoridade do pai se pode lutar, mas contra o amor da mãe não. O amor da mãe seria uma forma mais sofisticada de poder, pois ela o usaria (o amor) para nos controlar com chantagens emocionais: "É porque te amo que faço isso". No caso da minha mãe, sei que em determinadas situações ela usou o amor para me tornar "um bom menino". Mas nunca senti que chegasse a ser algo letal. Ao contrário, sua visão afirmativa da existência parecia guardar algo de mais essencial para minha formação. Uma espécie de ateísmo vital, ou seja, a ideia de que a vida vale mais do que qualquer outro valor. Por isso meu ódio às guerras, torturas, mortes - em nome de que? Não da vida, com certeza. E por isso minha crença na denúncia dos sistemas totalitários, autoritários, antidemocráticos ou simplesmente fascistas, como o capitalismo, que transforma a vida numa mercadoria como outra qualquer, a ponto de justificar o assassinato de seres humanos, de justificar as diferenças sociais, ou impedir o princípio da existência: a expansão livre da vida.

Meu humanismo deriva do calor humano que me foi transmitido diretamente do corpo de minha mãe para mim. Amor para mim é preservar a vida, acima de tudo. Eis sua sabedoria.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pior cego de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


Mais Especial Origens
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMUNICAÇÃO COM OS ANJOS E OS DEVAS - 1ª EDIÇÃO
DOROTHY MACLEAN
PENSAMENTO
(2001)
R$ 25,95



A GAROTA INGLESA
DANIEL SILVA
ARQUEIRO
(2015)
R$ 130,00



O EXAME DE LATIM (EDIÇÃO B - SEM PONTOS)
NICOLAU FIRMINO
SIMÕES LOPES E OUTRAS
(1941)
R$ 32,28



THE VITAMINS - CHEMISTRY, PHYSIOLOGY, PATHOLOGY VOL III
W. H. SEBRELL JR ROBERT S. HARRIS
ACADEMIC PRESS
(1954)
R$ 31,98



DENUNCIAÇÃO DA LIDE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO
SYDNEY SANCHES
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1984)
R$ 31,28



FILOSOFAR PELO FOGO ANTOLOGIA DE TEXTO ALQUÍMICOS
FRANÇOISE BONARDEL
MADRAS
(2012)
R$ 68,61



NOVÍSSIMO CURSO VESTIBULAR NOVA CULTURAL HISTÓRIA DO BRASIL 1 E 2
CLARENCE JOSÉ DE MATOS
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 20,00



SOCIEDADES POR QUOTAS
AGOSTINHO ANTONIO F. CADETE
ELCLA (PORTO)
(1992)
R$ 26,82



SEXO DEFINITIVO-TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE SEXO SENSUALIDADE
JUDY BASTYRA
MADRAS
(2013)
R$ 99,00



TABLEAUX SYNOPTIQUES D EXPLORATION CHIRURGICALE DES ORGANES
DOCTEUR CHAMPEAUX
J-B BAILLIÈRE ET FILS
(1901)
R$ 75,87





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês