Sexo, cinema-verdade e Pasolini | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
Mais Recentes
>>> Opinion Publique 1984 de Sofres pela Gallimard (1984)
>>> Valores Humanos e Gestão: Novas Perspectivas de Maria Luisa Mendes Teixeira pela Senac Sp (2008)
>>> Armadilha para Mkamba de Ivan Sant Anna pela Rocco
>>> Tudo Tem um Porque de Marcelo Cezar pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Pontos & Contrapontos do Pensar ao Agir Em Avaliação de Jussara Hoffmann pela Mediação (2002)
>>> A Senhora das Sombras de Ely Vieitez Lisboa pela Funpec (2014)
>>> Der Zaubergarten de Sharon Maas pela Taschenbuch (2000)
>>> Vidas do Carandiru de Humberto Rodrigues pela Geração Editorial (2002)
>>> Para Fugir dos Vivos de Eltânia André pela Patuá (2015)
>>> Chama Negra de Alyson Noël pela Intrinseca (2011)
>>> Cupido de Jilliane Hoffman pela Rowohlt Taschenbuch Verlag (2005)
>>> Casamento um Salto de Qualidade de Pe. Augusto C. Pereira pela Recado
>>> Botânica - Morfologia Interna das Plantas de Mario Guimarães Ferri pela Nobel
>>> Feitas para Durar de Jerry I. Porras; James Charles Collins pela Rocco (2000)
>>> Ensino Fundamental II Sistema Etapa 7 o. Ano livro 5, 6, 7, 8 e espanhol de Diversos pela Moderna (2020)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Lá na Praia de Roberto Alzas pela Quartica
>>> Xeque-mate da Rainha de Elizabeth Fremantle; Maria Alice Stock pela Paralela (2016)
>>> Pequenos Milagres Coincidencias Extraordinarias do Dia-a-dia de Yitta Halberstam; Judith Leventhal pela Sextante (1998)
>>> Mantendo Clientes de John J. Sviokla e Benson P. Shapiro pela Makron Books (1994)
>>> O Cálice de Sangue de M. K. Hume; Heloisa Mourao pela Record (2015)
>>> Os Lusíadas de Luis de Camões pela Cultrix
>>> Por um Fio de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2004)
>>> Sombras de Reis Barbudos de José Veiga pela Bertrand Brasil
>>> The Davinci Project de Seeking the Truth pela Italiano
COLUNAS

Quinta-feira, 2/6/2022
Sexo, cinema-verdade e Pasolini
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1500 Acessos

Senti-me levada em uma espécie de hipnose provocada pela personagem Graham Dalton (James Spader), em Sex, Lies, and Videotape (1989, dir. Steven Soderbergh). Seria algo em seu tom de voz macio e inseguro, tranquilo e envolvente? Um olhar fixo por alguns segundos e distraído convenientemente? Ou quem sabe isto teria a ver com um levíssimo rumor de um trem passando, que perpassa, inadvertidamente, as cenas de diálogos mais intensos como um farfalhar que induz ao retorno de uma calma alguma vez perdida? (Não um rumor alto e irritante de trem, desconcertante reflexo e intensificador da alma das personagens, como em alguns noir.) Tanto foi assim, que achei que estaria diante de algum tipo de vilão, como, no entanto, descobrimos uma personagem empática, preocupada. Mas repensando agora, Graham não “rouba” a mulher do amigo, e ainda oferece à amante dele um tipo de conexão que aquele nem imagina existir, nem pensa em oferecer?

O recurso da gravação em vídeo dos desejos sexuais e da forma como mulheres veem e lidam com o sexo acaba por ser não só uma forma de prazer, mas em principal um artifício em que se compreendem as situações, desmascaram-se os problemas (e mesmo os sexuais). A partir disso, e do diálogo e de capacidades apuradas de observação e escuta, a figura de Graham que entra em jogo causa uma espécie de revolução, e uma alteração, além de uma resolução justamente daquele que se confessa impotente. Apesar da relativa economia dos diálogos (aqui não se trata do fluxo constante de reflexão amorosa dos “contos” de Éric Rohmer, por exemplo), há essa importância do falar e, a partir daí, quem sabe iniciar a entender. Por exemplo, no início do longa há uma sessão com um analista, que irá se repetir; e mesmo, no caso do desentendimento, o jantar com o casal e Graham será uma cena de embate entre preocupação (do visitante, que traz morangos e elogia a comida) e agressão (do marido, que tem sua tese mesquinha sobre o sal na comida). Graham é um exemplo do que tanto se fala hoje em termos de “conexão emocional” (e os coaches de relacionamento teriam muito a aprender com ele).

Há algumas questões sexuais e de masculinidade que, em Sex, Lies, and Videotape, são mais sugeridas do que ditas abertamente. Isso é curioso, porque forma um equilíbrio com o explícito de outras cenas, e isto se dá com maior intensidade, como se não fosse nada importante, exatamente nas cenas inicial e final do longa-metragem. Na cena inicial, temos o solitário Graham que se encontra em um “mini road movie”, e ao se dirigir a um banheiro, o que faz? A barba. E barbear-se em cena é uma forma de exalar masculinidade (ou controlá-la?), desde os faroestes até os noirs. Por sua vez, na cena final, Graham já está em sintonia de casal com Ann, e o brevíssimo diálogo entre os dois gira em torno das condições metereológicas: vai chover; não, já está chovendo. E o carinho que Graham faz no braço de Ann terá o mesmo sinal de conexão mental e física da decidida e apaixonada Margot no indeciso e altamente volúvel Gaspard, no Conte d’été (1996), de Rohmer.

Enquanto temos a dupla formada por Graham e Ann, Cynthia e John formam o casal altamente sexual que sua muito em suas cenas, como me lembra a dupla neo-noir, em Body Heat (1982, dir. Lawrence Kasdan) - assolada por paixões que se confundem em ódio e desconfianças após um crime -, em dias de calor intenso, sendo este um elemento recorrente, de desconforto, que assola todo esse noir colorido e esfumaçado. Em algo como poderíamos chamar de masculinidade tóxica, e um universo de mentiras e um tipo de poder esnobe, John retoma seus velhos padrões ao final de Sex, Lies and Videotape, enquanto Cynthia, diante desse tipo de homem, parece entender que pode haver algo além a descobrir em sua feminilidade sexual hiperaberta e milênios à frente. Aliás, estes dois últimos casais, de filmes distintos (Cynthia e John; e Ned e Matty), parecem descobrir após as noites e os dias escaldantes que nada havia lá de fato de substancial, a não ser um enaltecimento dos sentidos a tal intensidade (e um jogo pesado de interesses) que nada mais do que a desaceleração até o desaparecimento disso restava, seja por quais motivos fossem. Mas, falando de sexo, o tema que se ressalta nesses filmes todos - a vida sexual das quatro personagens: no final das contas, é péssima, seja fazendo muito, seja não fazendo sexo.

E falando de sexo, de diálogo e de estar à frente, lembro do cinema-verdade de Pier Paolo Pasolini, em Comizi d’amore (1964). Vejo assombrada como, com tal segurança, elegância, generosidade, perspicácia e honestidade, ele conduz as entrevistas cujo tema, além do sexo, perpassa o divórcio, a prostituição, a homossexualidade. Temas, aliás, muito sérios em seus desdobramentos e que, mesmo assim, e sendo colocada uma clareza de pensamento em sua abordagem, aparecem no documentário com um lado bem-humorado que me remete à sua posterior “trilogia da vida”. E não haveria em Decameron (1971), I racconti di Canterbury (1972), Il fiore delle Mille e una notte (1974), um diálogo encadeado, como uma corrente, em que a fala, o desejo e o prazer são fundamentais ao homem, mesmo que problemáticos?


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 2/6/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Freud explica de Renato Alessandro dos Santos
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry
04. Agonia de Daniel Bushatsky
05. iPad, Kindle, salvação e histeria de Rafael Fernandes


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2022
01. Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça... - 3/3/2022
02. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul - 17/2/2022
03. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara - 7/4/2022
04. Retrato arredio de cavalo - 10/2/2022
05. Sexo, cinema-verdade e Pasolini - 2/6/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias Vol 12 Col. Folha Grandes Nomes do Pensamento - Confira!
Sêneca
Folha de S Paulo
(2015)



Mundo Jovem - os Premiados do 1º Concurso Literário Infanto-juvenil
Vários Autores
Círculo do Livro



Revista Asas nº107 - Vive la France, os Warbirds da Aéronavale
Claudio Lucchesi Cavalca - editor
C&r
(2010)



Sistema de Ensino Poliedro; Redação Livro Único
Esther Pereira Silveira Rosado
Poliedro
(2011)



Gestos para Salvar El Planeta
Joaquín Araújo
Lunwerg
(2016)



Revista Marco 3
Instituto de Ciências São Marcos
Instituto de Ciências São Marc



Pesquisa e planejamento econômico vol3
Varios
Ipea
(1973)



Sociedade Civil e Democratização
Leonardo Avritzer Coordenador
Del Rey



Ferrugem
Marcelo Moutinho
Record1
(2017)



Assim se escreve gramática Assim escreveram literatura Brasil - Portugual
Leme Serra Pinho
Epu
(1981)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês