A pós-esquerda identitária e grupalista | Luis Dolhnikoff | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Teoria Geral Do Processo de Candido Rangel Dinamarco pela Malheiros Editores / Juspodivm (2008)
>>> Chekisty Historia Da Kgb de Dziak, John J, pela Imago (1998)
>>> Principios Basicos Do Saneamento Do Meio de Anesio Rodrigues de Carvalho pela Senac (2005)
>>> Aprenda Inglês Sem Mestre de Maria margarida morgado pela Presença (2009)
>>> Mestre Kim - Cidadão do Mundo de Yong Min Kim e Janir Hollanda pela Daedo (2016)
>>> Livro de Ouro do Yoga de Andre De Rose pela Ediouro (2019)
>>> O homem mais rico da Babilônia de George S Clason pela HarperCollins (2020)
>>> A Mesa com Carybé. O Encantamento dos Sabores e das Cores da Bahia de Solange Bernabó pela Senac Nacional (2007)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J. K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Regulamentos de Tráfego Aéreo - Vôo Visual de Plínio Jr pela Asa (1996)
>>> Chronos: Viajantes do Tempo Volume I de Rysa Walker pela Darkside (2017)
>>> Homem-Aranha: Tormento de Todd McFarlane pela Panini Comics (2013)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 5 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 6 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (seleção) pela Objetiva (2001)
>>> O Casamento de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (2016)
>>> O Colecionador de Borboletas de Cecília Mouta pela Novo Século (2012)
>>> O Modelo Toyota: 14 Princípios de Gestão do Maior Fabricante do Mundo de Jeffrey K. Liker pela Bookman (2005)
>>> Ela Que Não Está de Daniel Senise pela Cosac & Naify (1998)
>>> Anjos da Neve de James Thompson pela Record (2013)
>>> Assistentes Virtuais Inteligentes e Chatbots de Leôncio Teixeira Cruz pela Brasport (2018)
>>> Linguagem Do Corpo. Beleza E Saude de Cristina Cairo pela Mercuryo Jovem (2007)
>>> Todos Os Nomes de José Saramago pela Planeta Deagostini (2003)
>>> Oliver Twist de Charles Dickens pela Principis (2019)
>>> Cozinha Mágica de Márcia Frazão de Marcia Frazão pela Prestigio (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/2/2022
A pós-esquerda identitária e grupalista
Luis Dolhnikoff
+ de 4100 Acessos

A expressão “politicamente correto” surgiu nos anos 1930, no chamado “campo da esquerda”, adotada pelos partidos comunistas ocidentais que seguiam as diretrizes político-ideológicas ditadas por Moscou. Era, por exemplo, “politicamente correto” não se alinhar, nem no discurso nem em eleições, aos social-democratas (que buscavam reformar o capitalismo em direção ao que se tornaria o Estado de bem-estar social) ou aos trotskistas. A expressão caiu em desuso durante a Segunda Guerra Mundial, quando a própria URSS se aliou a entidades politicamente “incorretas”, como os EUA.

O politicamente correto reapareceria nos anos 1980-90, nos mesmos EUA, no contexto da queda da URSS, ou seja, do fim do chamado “socialismo real” (o stalinismo). Para se tornar, então, a expressão-chave da pós-esquerda.

Pós-esquerda, pois o fim da URSS significou o fim do projeto histórico da esquerda, de tomar o poder para substituir o capitalismo e a democracia representativa por um modelo alternativo, o socialismo.

Perdido qualquer projeto de poder alternativo ao capitalismo, e incapaz de criar uma nova utopia, a pós-esquerda adotaria um novo inclusivismo como projeto político possível. Aqueles que, junto à classe operária, seriam socialmente redimidos pela vitória do socialismo, agora o seriam pela conquista de novos e maiores espaços (inclusão, representatividade) dentro do sistema vencedor. Era o novo politicamente correto.

A readoção pela pós-esquerda de antigos termos e conceitos da velha esquerda histórica não é nem novo nem inusual; recentemente, a pós-esquerda também readotou, para nomear a si mesma, o adjetivo “progressista”; ocorre que este é um termo do tempo da Guerra Fria, entre os anos 1960-90, usado pela velha esquerda; para piorar, sua origem etimológica é o antigo conceito positivista de progresso (como no lema da bandeira do Brasil: “Ordem e Progresso”] – a explicação está no velho marxismo, que data do século XIX, para o qual o progresso técnico-científico do capitalismo deveria ser adotado e emulado pelo então futuro socialismo, como de fato o foi pela ex-URSS.

Como a derrota histórica da esquerda acabou, também, com a grande utopia da liberdade universal, que o socialismo prometia pelo fim da opressão do capital, ao lado da superação de todas as demais opressões, políticas, sociais, culturais, o novo politicamente correto buscaria na revalorização de culturas e comportamentos não hegemônicos um elemento de ampliação e sentido desse novo inclusivismo pós-esquerdista (o feminismo e o movimento negro norte-americano por direitos civis são anteriores ao politicamente correto original stalinista dos anos 1930; mas o feminismo do início do século XX, representado pelas sufragistas, era fundamentalmente um movimento da classe média e da alta burguesia brancas, enquanto o movimento negro tinha pouca expressão até os anos 1960 e a poderosa liderança de Martin Luther King; ambos foram afinal encampados pelo grande guarda-chuva ideológico do politicamente correto atual).

Não se trata, portanto, apenas de maior inclusão socioeconômica no sistema capitalista, embora este seja um dos objetivos (igualdade salarial, de oportunidades etc.), mas também da ampliação de espaços, pois as diferenças culturais e de representatividade tampouco seriam mais extintas pela grande utopia universal igualitária socialista. A pós-esquerda, portanto, seria identitária e grupalista. A morte do socialismo como projeto de poder apagou o caminho que pretensamente levaria à inclusão universal.

O politicamente correto acabaria por se tornar uma nova ideologia, o “político-corretismo”; nome feio, mas necessário, porque preciso. Pois nomeia a nova ideologia da pós-esquerda.

O político-corretismo é, enfim, a ideologia que substituiu o socialismo no campo da ex-esquerda. A face ideológica mais visível do político-corretismo, perdida a possibilidade de tomar o poder político em nome de uma sociedade alternativa, é sua intenção de, substitutivamente, “tomar o poder” cultural. Pois não há projeto político-econômico alternativo. Não há uma nova utopia. Apenas a busca por novas e maiores oportunidades dentro do velho sistema (a ampliação de direitos se dá, ao fim e ao cabo, no capitalismo, pela ampliação da renda; neste sentido, já é um caso clássico de estudo de caso o dos gays americanos).

O sistema não está em questão. Isso seria coisa de revolucionários, não de culturalistas (nos anos 1960-70, os Panteras Negras e Malcom X; nos anos 2000, “O pantera negra” e Chadwick Boseman; uma almejada república negra independente no Sul dos EUA nos anos 1960-70; “Wakanda forever” nos anos 2000). Mas de culturalismo agora se trata. Daí a aguerrida guerra de narrativas, a derrubada de estátuas, a hipervigilância jurídico-ideológica das redes e, principalmente, o autorreivindicado e auto-outorgado legislativismo impositivo e censório sobre a língua e a linguagem.

A “correição linguística” é um importante braço pragmático e programático do político-corretismo (que leva, mais do que eventualmente, a nonsenses como a ideia de neutralização dos gêneros pronominais em português: “IIu é minhe amigue” etc. – antes que me acusem de nãobináriofóbico, ou coisa parecida, lembro que a língua pertence ao conjunto de todos os seus falantes). Há ainda a busca da imposição de temas tematicamente corretos. No campo das artes em geral e da poesia em particular, isso resulta em uma nova poesia engajada (da qual é exemplo o grupo de finalistas do Jabuti 2020).

Conhece-se o caso histórico da devastação da arte russa pela arte soviética. Se no século XIX a Rússia produziu muitos dos maiores romancistas da história, como Tolstói e Dostoiévski, no século XX a União Soviética, pátria-mãe do stalinismo, não produziu nenhum grande romancista. O mesmo vale para a poesia: Maiakóvski, para ficar apenas em um exemplo, era anterior à Revolução. E não sobreviveu a ela.

A arte russa, incluindo a poesia, foi morta pelo “realismo socialista”, com suas duras diretrizes temáticas e formais ditadas pelo Partido para a criação de uma arte “compreensível para as massas”. A poesia brasileira (mas não só ela) hoje se reengaja, voluntariamente, em outras duras diretrizes temáticas e formais, desta vez não ditadas pelo Partido, mas por uma ideologia difusa e descentralizada (ou melhor, multicentrada em vários grupos).

Sim, há a crença de que se está lutando contra um “novo fascismo” (muitas vezes com métodos que emulam o próprio fascismo, como a censura e o controle ideológicos do vocabulário, dos temas, dos pontos de vista etc.; mesmo se verdadeiro, esse fato não justificaria reduzir a arte a mera serviçal de uma causa), enquanto o poder econômico, o verdadeiro poder, está onde sempre esteve – e onde há de ficar, a depender da pós-esquerda culturalista.

Desde o clássico estudo de Hannah Arendt sobre o totalitarismo, sabe-se que este não é exclusivo da direita: existe também o totalitarismo de esquerda (o stalinismo, espécie de fascismo vermelho) e o teocrático (das ditaduras islâmicas). De fato, os únicos fascismos que merecem o nome hoje estão no Irã dos aiatolás, na Coreia do Norte e na China, onde 1,5 bilhão de pessoas são submetidas à ditadura totalitária do Partido Comunista Chinês, incluindo polícia política, execuções extrajudiciais, campos de concentração, censura à imprensa, à internet e à criação artística, além de limpeza étnica, como a dos uigures do Xing Yang, e devastação cultural, como a do Tibet ocupado. Mas quem se preocupa com chineses?

Não, com certeza, os “progressistas” ocidentais, que, com o abandono do internacionalismo socialista pelo grupalismo identitário, abandonaram o internacionalismo pelo grupalismo – à diferença, para ficar em um exemplo, do que ocorreu no tempo da guerra do Vietnã.

A única vertente restante de internacionalismo é o ambientalismo. Mas como se trata, ao fim e ao cabo, não de ideologia, mas de necessidade de sobrevivência, o ambientalismo também agrega indivíduos, grupos e instituições muito além do neoculturalismo neonaturista da pós-esquerda, como cientistas, capitalistas lúcidos, governos europeus e organizações internacionais.

O novo engajamento politicamente correto da arte, assim como o velho engajamento socialistamente correto, anula a potência criativa individual pela submissão a normas político-ideológicas gerais. Um dos resultados mais evidentes é uma poesia panfletária, discursiva, cheia de clichês e, pasme-se, de palavras de ordem, por isso mesmo sintaticamente pobre, pois seu discursivismo exige linearidade. Enquanto o mundo se torna cada mais complexo (e confuso), a poesia se torma mais claramente autossatisfeita.


Luis Dolhnikoff
São Paulo, 7/2/2022

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sidney Lumet, invisível de Vicente Escudero
02. Podcast mental de Adriana Carvalho


Mais Luis Dolhnikoff
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




30 Anos : Avanços e Conquistas das Mulheres
Vários Autores
Sjdc
(2016)



Col 12 Fábulas de Ouro - o Patinho Feio (1993)
Maltese Editora
Maltese
(1993)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 3 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Livro - As 14 Pérolas Budistas
Ilan Brenman; Ionit Ziberman
Brinque-book
(2009)



O Autodidata
Marco Antonio
Lge
(1999)



Antologia Escolar de Contos Brasileiros
Herberto Sales
Ediouro
(2000)



Bela Distração (vol. 1 Irmãos Maddox)
Jamie Mc Guire
Verus
(2016)



Antologia e Fogo Morto - Resumo Textos e Comentários (vestibular)
Manuel Bandeira e José Lins do Rego
Nucleo
(1989)



Dialogos I- Menon Banquete Fedro
Platao
Ediouro



Simbad
Mauricio de Sousa
Girassol
(2015)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês