A pós-esquerda identitária e grupalista | Luis Dolhnikoff | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Baccos promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixao E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/2/2022
A pós-esquerda identitária e grupalista
Luis Dolhnikoff
+ de 5000 Acessos

A expressão politicamente correto surgiu nos anos 1930, no chamado campo da esquerda, adotada pelos partidos comunistas ocidentais que seguiam as diretrizes político-ideológicas ditadas por Moscou. Era, por exemplo, politicamente correto não se alinhar, nem no discurso nem em eleições, aos social-democratas (que buscavam reformar o capitalismo em direção ao que se tornaria o Estado de bem-estar social) ou aos trotskistas. A expressão caiu em desuso durante a Segunda Guerra Mundial, quando a própria URSS se aliou a entidades politicamente incorretas, como os EUA.

O politicamente correto reapareceria nos anos 1980-90, nos mesmos EUA, no contexto da queda da URSS, ou seja, do fim do chamado socialismo real (o stalinismo). Para se tornar, então, a expressão-chave da pós-esquerda.

Pós-esquerda, pois o fim da URSS significou o fim do projeto histórico da esquerda, de tomar o poder para substituir o capitalismo e a democracia representativa por um modelo alternativo, o socialismo.

Perdido qualquer projeto de poder alternativo ao capitalismo, e incapaz de criar uma nova utopia, a pós-esquerda adotaria um novo inclusivismo como projeto político possível. Aqueles que, junto à classe operária, seriam socialmente redimidos pela vitória do socialismo, agora o seriam pela conquista de novos e maiores espaços (inclusão, representatividade) dentro do sistema vencedor. Era o novo politicamente correto.

A readoção pela pós-esquerda de antigos termos e conceitos da velha esquerda histórica não é nem novo nem inusual; recentemente, a pós-esquerda também readotou, para nomear a si mesma, o adjetivo progressista; ocorre que este é um termo do tempo da Guerra Fria, entre os anos 1960-90, usado pela velha esquerda; para piorar, sua origem etimológica é o antigo conceito positivista de progresso (como no lema da bandeira do Brasil: Ordem e Progresso] a explicação está no velho marxismo, que data do século XIX, para o qual o progresso técnico-científico do capitalismo deveria ser adotado e emulado pelo então futuro socialismo, como de fato o foi pela ex-URSS.

Como a derrota histórica da esquerda acabou, também, com a grande utopia da liberdade universal, que o socialismo prometia pelo fim da opressão do capital, ao lado da superação de todas as demais opressões, políticas, sociais, culturais, o novo politicamente correto buscaria na revalorização de culturas e comportamentos não hegemônicos um elemento de ampliação e sentido desse novo inclusivismo pós-esquerdista (o feminismo e o movimento negro norte-americano por direitos civis são anteriores ao politicamente correto original stalinista dos anos 1930; mas o feminismo do início do século XX, representado pelas sufragistas, era fundamentalmente um movimento da classe média e da alta burguesia brancas, enquanto o movimento negro tinha pouca expressão até os anos 1960 e a poderosa liderança de Martin Luther King; ambos foram afinal encampados pelo grande guarda-chuva ideológico do politicamente correto atual).

Não se trata, portanto, apenas de maior inclusão socioeconômica no sistema capitalista, embora este seja um dos objetivos (igualdade salarial, de oportunidades etc.), mas também da ampliação de espaços, pois as diferenças culturais e de representatividade tampouco seriam mais extintas pela grande utopia universal igualitária socialista. A pós-esquerda, portanto, seria identitária e grupalista. A morte do socialismo como projeto de poder apagou o caminho que pretensamente levaria à inclusão universal.

O politicamente correto acabaria por se tornar uma nova ideologia, o político-corretismo; nome feio, mas necessário, porque preciso. Pois nomeia a nova ideologia da pós-esquerda.

O político-corretismo é, enfim, a ideologia que substituiu o socialismo no campo da ex-esquerda. A face ideológica mais visível do político-corretismo, perdida a possibilidade de tomar o poder político em nome de uma sociedade alternativa, é sua intenção de, substitutivamente, tomar o poder cultural. Pois não há projeto político-econômico alternativo. Não há uma nova utopia. Apenas a busca por novas e maiores oportunidades dentro do velho sistema (a ampliação de direitos se dá, ao fim e ao cabo, no capitalismo, pela ampliação da renda; neste sentido, já é um caso clássico de estudo de caso o dos gays americanos).

O sistema não está em questão. Isso seria coisa de revolucionários, não de culturalistas (nos anos 1960-70, os Panteras Negras e Malcom X; nos anos 2000, O pantera negra e Chadwick Boseman; uma almejada república negra independente no Sul dos EUA nos anos 1960-70; Wakanda forever nos anos 2000). Mas de culturalismo agora se trata. Daí a aguerrida guerra de narrativas, a derrubada de estátuas, a hipervigilância jurídico-ideológica das redes e, principalmente, o autorreivindicado e auto-outorgado legislativismo impositivo e censório sobre a língua e a linguagem.

A correição linguística é um importante braço pragmático e programático do político-corretismo (que leva, mais do que eventualmente, a nonsenses como a ideia de neutralização dos gêneros pronominais em português: IIu é minhe amigue etc. antes que me acusem de nãobináriofóbico, ou coisa parecida, lembro que a língua pertence ao conjunto de todos os seus falantes). Há ainda a busca da imposição de temas tematicamente corretos. No campo das artes em geral e da poesia em particular, isso resulta em uma nova poesia engajada (da qual é exemplo o grupo de finalistas do Jabuti 2020).

Conhece-se o caso histórico da devastação da arte russa pela arte soviética. Se no século XIX a Rússia produziu muitos dos maiores romancistas da história, como Tolstói e Dostoiévski, no século XX a União Soviética, pátria-mãe do stalinismo, não produziu nenhum grande romancista. O mesmo vale para a poesia: Maiakóvski, para ficar apenas em um exemplo, era anterior à Revolução. E não sobreviveu a ela.

A arte russa, incluindo a poesia, foi morta pelo realismo socialista, com suas duras diretrizes temáticas e formais ditadas pelo Partido para a criação de uma arte compreensível para as massas. A poesia brasileira (mas não só ela) hoje se reengaja, voluntariamente, em outras duras diretrizes temáticas e formais, desta vez não ditadas pelo Partido, mas por uma ideologia difusa e descentralizada (ou melhor, multicentrada em vários grupos).

Sim, há a crença de que se está lutando contra um novo fascismo (muitas vezes com métodos que emulam o próprio fascismo, como a censura e o controle ideológicos do vocabulário, dos temas, dos pontos de vista etc.; mesmo se verdadeiro, esse fato não justificaria reduzir a arte a mera serviçal de uma causa), enquanto o poder econômico, o verdadeiro poder, está onde sempre esteve e onde há de ficar, a depender da pós-esquerda culturalista.

Desde o clássico estudo de Hannah Arendt sobre o totalitarismo, sabe-se que este não é exclusivo da direita: existe também o totalitarismo de esquerda (o stalinismo, espécie de fascismo vermelho) e o teocrático (das ditaduras islâmicas). De fato, os únicos fascismos que merecem o nome hoje estão no Irã dos aiatolás, na Coreia do Norte e na China, onde 1,5 bilhão de pessoas são submetidas à ditadura totalitária do Partido Comunista Chinês, incluindo polícia política, execuções extrajudiciais, campos de concentração, censura à imprensa, à internet e à criação artística, além de limpeza étnica, como a dos uigures do Xing Yang, e devastação cultural, como a do Tibet ocupado. Mas quem se preocupa com chineses?

Não, com certeza, os progressistas ocidentais, que, com o abandono do internacionalismo socialista pelo grupalismo identitário, abandonaram o internacionalismo pelo grupalismo à diferença, para ficar em um exemplo, do que ocorreu no tempo da guerra do Vietnã.

A única vertente restante de internacionalismo é o ambientalismo. Mas como se trata, ao fim e ao cabo, não de ideologia, mas de necessidade de sobrevivência, o ambientalismo também agrega indivíduos, grupos e instituições muito além do neoculturalismo neonaturista da pós-esquerda, como cientistas, capitalistas lúcidos, governos europeus e organizações internacionais.

O novo engajamento politicamente correto da arte, assim como o velho engajamento socialistamente correto, anula a potência criativa individual pela submissão a normas político-ideológicas gerais. Um dos resultados mais evidentes é uma poesia panfletária, discursiva, cheia de clichês e, pasme-se, de palavras de ordem, por isso mesmo sintaticamente pobre, pois seu discursivismo exige linearidade. Enquanto o mundo se torna cada mais complexo (e confuso), a poesia se torma mais claramente autossatisfeita.


Luis Dolhnikoff
São Paulo, 7/2/2022

Mais Luis Dolhnikoff
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sem Pecado
Ana Miranda
Companhia das Letras
(1993)



Aprendendo o que jamais se ensina- o quê? Como ?
Celso Antunes
Livro Técnico
(2004)



The Open Society and Its Enemies - 2 Volumes
K. R. Popper
Routledge
(1986)



O Natural é Ser Inteligente
Dawna Markova
Summus
(2000)



Tex Desafio de Gigantes
Giannluigi Bonelli
Mythos
(2021)



Canto Para Uma Vida Que Não Faz Sentido
Anasio Silva
Autografia
(2018)



Livro Religião Reparando Erros
Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho
Petit
(1998)



O Violoncelista
Kenji Miyazawa
Sm
(2009)



Ensaios do Assombro
Peter Pál Pelbart
N-1
(2019)



A história do futuro de Glory O'Brien
A.S. King
Gutenberg
(2017)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês