Casos de vestidos | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> O que é Música de J. Jota de Moraes pela Brasiliense (1983)
>>> Para os Filhos dos Filhos dos Nossos Filhos de José Pacheco pela Papirus (2008)
>>> Liderando Crianças com Excelêcia de Márcia S.Ribeiro pela Videira (2008)
>>> Linguagem e Escola: Uma Perspectiva Social de Magda Soares pela Atica (1986)
>>> Regras Oficiais De Voleibol de Vários Autores pela Nd-sprint (1998)
>>> Mãozinhas Pequeninas: Toque e Sinta: Animais de Vários Autores pela Yoyo Books (2018)
>>> Uniforme de Tino freitas & Renato Moriconi pela Gato Leitor (2019)
>>> Musica Popular: Um Tema Em Debate de José Ramos Tinhorão pela 34 (1997)
>>> Atlas Geografico Do Estudante de Rosa Vaz pela Ftd (2016)
>>> Siga O Caminho. Pelo Mundo de Craig Shuttlewood pela Girassol (2014)
>>> A Festa Da Insignificancia de Milan Kundera pela Companhia Das Letras (2013)
>>> Contos 1ª edição. de Guy de Maupassant tradução de Mário Quintana pela Globo (1958)
>>> Só Concursos de Vários Autores pela Dcl (2007)
>>> Quem Sou Eu? de Richard Walker pela Girassol (2012)
>>> O Eu Dividido - Estudo Existencial da Sanidade e da Loucura de R.D. Laing pela Vozes (1978)
>>> Marketing Internacional de Philip R. E John L. Graham pela Ltc (2001)
>>> O Poder de Cura de Vitaminas, Minerais e Outros Suplementos de Leslie Anders, Robert A. Barnett e Jeanine Barone pela Readers Digest (2001)
>>> IV Mostra de Pesquisa em Educação de Vários Autores pela Fapesp (2006)
>>> El Gótico de Rolf Toman pela Konemann (1998)
>>> Holy Blood, Holy Grail: The Secret History Of Jesus, The Shocking Legacy Of The Grail de Michael Baigent, , Leigh Richard, Henry Lincoln pela Delacorte Press (1996)
>>> Eu Não Consigo Emagrecer - Avon de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller (2014)
>>> Alguns Outros Pormas de Gonçalo de Barros / Mello Mourão pela Bertrand (1998)
>>> Aquarelas de Georges Wambach - Impressões do Brasil de Georges Wambach pela Marca D'Água (1988)
>>> Biblioteca Brasileira de Origenes Lessa pela Desiderata (2008)
>>> Memórias De Um Sargento De Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Moderna Paradidático (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/8/2022
Casos de vestidos
Elisa Andrade Buzzo
+ de 6800 Acessos

Toda a mulher e toda a gente deve ter, pois sim, histórias de vestidos, vestidos de estimação ou alguma relação obscura ou vívida, seja com vestidos seus, de amores próximos, de vitrinas (ou sites), ou ainda daqueles tantos, assim célebres ou meio esquecidos, de estrelas longínquas da ópera ou do cinema.

Vestidinhos da infância, vestido do batizado, do aniversário de um aninho, vestidão de quinze anos, de casamento, de madrinha, do luto e do túmulo - os vestidos, a princípio imaculados e a posteriori enegrecidos, mesmo encarnados, inserem as mulheres na sociedade dos homens. Mas, então, é a mulher quem escolhe o vestido ou o homem, ou a sociedade, quem o alicerça como preferência, se “on ne naît pas femme: on le devient”?

O feminino, esse enigma. Seja lá como for, como em tópicos de catálogo de roupas em lojas online, o vestido é o primeiro item da lista. Caso não pessoalmente, virtualmente, sim. Logo, melhor amigo da mulher? Fato mais procurado ou mesmo o mais vendido na temporada primavera-verão? Aliás, o vestido, tipicamente primaveral, florido, esvoaçante, fluido, maxi, longo, midi, curto, mini, o vestido camiseta, o vestido camiseiro, o vestido blaizer, o vestido envelope, o vestido slip, o...

Pois bem, o feminino, novamente escrevo: esse enigma, essa esfinge, Turandot inquiridora. E qualquer resposta que tentemos dar será uma tentativa mais árdua do que a prontidão de Calaf em intuir respostas acertadas. Isso porque o vestido é feminino, e, o vestido e o feminino é um mistério de pontas esféricas e pontudas. Pois quantos não querem ser feminino; e outros quantos não repudiam ser feminino? Amado ou odiado; querido ou depreciado.

Se apartada do sedutor mundo dos vestidos, inclusive das convenções mais simples e das regras básicas de encantamento em nossa sociedade, uma velha amiga disse, depois de ouvir um elogio que dei ao seu vestido: “tem que ser feminina, amiga!”. Pois tratou-se de um conselho que na hora não bem retive, nem sobre ele refleti; entretanto, depois, algo restou, e emergiu, como uma água parada que de sua aparente calma turbilhona e lança um monstro modificado.

Daí, tempos depois, os vestidos surgiram, godzillas adormecidos em fúria, talvez mais pela facilidade da peça única do que pelo conselho de mulher pra mulher, em pencas, de todos os tipos, com meia-calça e botins no inverno, com sandálias no verão, de alcinhas ou mangas tufadas, com ou sem cinto, mas nunca apertando a barriga como insistem em fazer as calças. Isso porque um ventre qualquer sempre cabe com conforto por debaixo de uma peça de tecido solta, ou pregueada por um elástico suave em torno da cintura. O vestido cai reto e certeiro num corpo como um cabide; e também redefine e envolve o formato ampulheta.

Aliás, o corpo hourglass tem como um dos amigos mais fiéis essa peça única. Ainda assim, não é só de vestidos que vive Marilyn Monroe. Com Barbara Stanwyck e Robert Ryan, em Clash by Night (1952), em River of No Return (1954), com Robert Mitchum, ou em seu derradeiro longa, The Misfits (1961), com Clark Gable e Monty Clift, apenas para ficar em alguns exemplos, vemo-la em calças, jeans em principal. Neste último, nem mesmo o vestidinho branco de atilhos, de estampa de cerejas, afasta-nos do visual básico e impactante de jeans com camisa branca, ao final.

Em Let’s Make Love (1960), o figurino é mais severo (sem falar dos números musicais), mas mesmo assim encantador (com direito à trenchcoat e béret, num passeio à francesa com Yves Montand), e até um simples (e famoso) tricô azul (ou lilás?), com meia-calça preta, usado na cena da canção “My Heart Belongs to Daddy”, por exemplo, parece suplantar o restante do figurino.

Mesmo em There’s No Business Like Show Bussiness (1954), em que se desfila pelo enredo entremeado por diversos números musicais, na canção “Lazy” ela porta calças bem sequinhas e, como sempre, extremamente ajustadas na cintura. Mas pra arrasar totally, é um vestido, que totalmente se molda ao corpo, como o do “Happy Birthday” da vida real ao presidente Kennedy, ou tantos outros da ficção, como em The Seven Year Itch (1955) (até acho o de bolinhas pretas e atilhos cruzados, da cena inicial da atriz, mais arrasador do que o branco da cena da saída de ar do metrô), e no desfile de modelos de cores intensas em Gentlemen Prefer Blondes (1953), com Jane Russel. Ah, e o vestido de sua aparentemente ingênua personagem em The Asphalt Jungle (1950)? Preto, decotado, mangas descaídas, clássico, mais um colar de brilhantes.

Uma verdade absoluta poderia girar em torno dos vestidos, mas deles como um assunto infinito. E certos vestidos eternizam quem os veste. Ou alguns seres eternos, icônicos, é que eternizam certas peças? Mas então, há termos para comparações e submissões?

Lembro de um professor de literatura no ensino médio dizendo sobre Adélia Prado: “Drummond de saias”. Eu já uso bastantes vestidos, graças à minha amiga Magaly, mas gostaria de os usar mais; e também de ler mais Adélia Prado. Isso porque ela deve ter poemas sobre vestidos, embora eu só conheça o “Caso do vestido”, de Carlos Drummond de Andrade.

E releio esse poema lírico-épico, caso isso fosse possível, da história contada de um vestido, duas mulheres e um homem. E o vestido como lembrança, como prova de um crime, dependurado em um prego; um vestido como ponto de apoio em que um ciclo termina e se inicia. E uma história de vestido... machista ou um conto de miragem, de fantasia, ou de desejo e arrependimento, da ilogicidade de ser humano?

Essa mulher do vestido, bela, talvez pérfida, que “não quer homem”, e depois reaparece, “pobre, desfeita, mofina”, me lembra o samba “Maria Rosa”, de Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves, e a capa feita de trapos das vestes, outrora caras, feita de tantos tormentos.

Se a esposa traída, no poema, inquire “quede os olhos cintilantes/ quede graça de sorriso,/ quede colo de camélia?”, por sua vez, na canção, aquela que “era um anjo de formosa”, e que tinha um “vestido de baile”, “nem um olhar teve agora/ nem um sorriso encontrou”.

Serão as mesmas personagens essas mulheres atrativas, sedutoras mesmo sem o querer, que se remetem a vestidos (no auge e na recordação) e encaram situações-limite? Caso sim, como poderia ter glosado Danuza Leão reunida com Vinicius de Moraes, entretanto: o vestido, ao final, é da mulher o cachorro engarrafado. Se possível isto fosse...


Elisa Andrade Buzzo
Lisboa, 11/8/2022

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A casa de Robinson de Guilherme Pontes Coelho
02. Charles Darwin (1809-2009) de Ricardo de Mattos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2022
01. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul - 17/2/2022
02. Casos de vestidos - 11/8/2022
03. Endereços antigos, enganos atuais - 13/10/2022
04. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara - 7/4/2022
05. Sexo, cinema-verdade e Pasolini - 2/6/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Psicologia Uma Visão Global do Psicodrama Fundamentos Históricos, Teóricos e Práticos
Adam Blatner e Alee
Ágora
(1996)



De Bem Com a Matemática Vol 3
Jorge Pereira Machado
Eldorado
(2007)



Os Mandamentos de Homens na Igreja de Cristo
Paulo Cesar Pereira
Kirios
(2012)



Filosofia Linguagem Arte
Arley R. Moreno; Celso F. Fav
Educ
(1985)



Blecaute
Marcelo Rubens Paiva
Brasiliense
(1988)



Bíblia em versos
Isnard Rocha
Ébano



Para Gostar De Ler Porta De Colégio Volume 16
Affonso Romano De Sant'anna
Ática
(2012)



Os Guardiões do Ser
Eckhart Tolle
Alaúde
(2019)



Guide Voir Amsterdam
Collectif
Hachette Touri
(2014)



Chasing the Light
Oliver Stone
Hmh
(2020)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês