Casos de vestidos | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
>>> Dramaturgo Ed Anderson lança livro com textos de espetáculos
>>> Encomenda De Livro On-Line É Disparo Para Novo Espetáculo Do Grupo Pano
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
>>> 31 de Maio #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Magistratura do trabalho (ótimo estado) de Lucas dos Santos Pavione / André Araújo Molina / Januário Justino Ferreira e outros pela Saraiva (2014)
>>> Fundamentos de Estratigrafia Moderna de Jorge C. Della Fávera pela EdUerj (2001)
>>> Livro - O Estranho Caso do Cachorro Morto de Mark Haddon pela Record (2012)
>>> Livro - Pomba-gira Cigana de Maria Helena Farelli pela Pallas (2004)
>>> Tex Nº 234 de Bonelli pela Globo (1989)
>>> Matemática - Vol. Único de Facchini pela Saraiva (1997)
>>> Livro - Temqueliques: Limeriques do Poderoso e Perigoso de Tatiana Belinky pela Panda Books (2008)
>>> Mais Forte do Que Nunca de Eliana Machado Coelho pela Lúmen (2011)
>>> Personagens ao Redor da Cruz de Tom Houston pela Encontro (2007)
>>> Livro de bolso - Carta ao Pai de Franz Kafka pela L&pm Editores (2004)
>>> Livro - A Formigadinha de Rossana Ramos pela Cortez (2010)
>>> Aniversário da II Guerra Mundial - 30 volumes de Abril Coleções pela Abril
>>> Tex Nº 291 - Terror na Cripta de Bonelli pela Globo (1994)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2003)
>>> Livro - Bastard 9 de Kazushi Hagiwara pela Kazushi Hagiwara
>>> Livro de bolso - O Que É Física - Coleção Primeiros Passos 131 de Ernst W Hamburger pela Brasiliense (2001)
>>> Tex Nº 325 de Bonelli pela Globo (1996)
>>> Livro - O Menino e o Pardal de Daniel Munduruku pela Callis (2010)
>>> Diálogos com Cientistas e Sábios: A Busca da Unidade de Renée Weber pela Círculo do Livro (1990)
>>> Língua grega Volume 1: teoria de Henrique Murachco pela Vozes (2003)
>>> Livro de bolso - Agosto de Rubem Fonseca pela Companhia de Bolso (2006)
>>> Para Sempre Comigo de Marcelo Cezar pela Vida e Consciência (2007)
>>> Mulheres que correm com os lobos (muito bom) de Clarissa Pinkola Estés pela Rocco (2014)
>>> Lógica do sentido de Gilles Deleuze pela Perspectiva (2009)
>>> Tex Nº 303 de Bonelli pela Globo (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/8/2022
Casos de vestidos
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3200 Acessos

Toda a mulher e toda a gente deve ter, pois sim, histórias de vestidos, vestidos de estimação ou alguma relação obscura ou vívida, seja com vestidos seus, de amores próximos, de vitrinas (ou sites), ou ainda daqueles tantos, assim célebres ou meio esquecidos, de estrelas longínquas da ópera ou do cinema.

Vestidinhos da infância, vestido do batizado, do aniversário de um aninho, vestidão de quinze anos, de casamento, de madrinha, do luto e do túmulo - os vestidos, a princípio imaculados e a posteriori enegrecidos, mesmo encarnados, inserem as mulheres na sociedade dos homens. Mas, então, é a mulher quem escolhe o vestido ou o homem, ou a sociedade, quem o alicerça como preferência, se “on ne naît pas femme: on le devient”?

O feminino, esse enigma. Seja lá como for, como em tópicos de catálogo de roupas em lojas online, o vestido é o primeiro item da lista. Caso não pessoalmente, virtualmente, sim. Logo, melhor amigo da mulher? Fato mais procurado ou mesmo o mais vendido na temporada primavera-verão? Aliás, o vestido, tipicamente primaveral, florido, esvoaçante, fluido, maxi, longo, midi, curto, mini, o vestido camiseta, o vestido camiseiro, o vestido blaizer, o vestido envelope, o vestido slip, o...

Pois bem, o feminino, novamente escrevo: esse enigma, essa esfinge, Turandot inquiridora. E qualquer resposta que tentemos dar será uma tentativa mais árdua do que a prontidão de Calaf em intuir respostas acertadas. Isso porque o vestido é feminino, e, o vestido e o feminino é um mistério de pontas esféricas e pontudas. Pois quantos não querem ser feminino; e outros quantos não repudiam ser feminino? Amado ou odiado; querido ou depreciado.

Se apartada do sedutor mundo dos vestidos, inclusive das convenções mais simples e das regras básicas de encantamento em nossa sociedade, uma velha amiga disse, depois de ouvir um elogio que dei ao seu vestido: “tem que ser feminina, amiga!”. Pois tratou-se de um conselho que na hora não bem retive, nem sobre ele refleti; entretanto, depois, algo restou, e emergiu, como uma água parada que de sua aparente calma turbilhona e lança um monstro modificado.

Daí, tempos depois, os vestidos surgiram, godzillas adormecidos em fúria, talvez mais pela facilidade da peça única do que pelo conselho de mulher pra mulher, em pencas, de todos os tipos, com meia-calça e botins no inverno, com sandálias no verão, de alcinhas ou mangas tufadas, com ou sem cinto, mas nunca apertando a barriga como insistem em fazer as calças. Isso porque um ventre qualquer sempre cabe com conforto por debaixo de uma peça de tecido solta, ou pregueada por um elástico suave em torno da cintura. O vestido cai reto e certeiro num corpo como um cabide; e também redefine e envolve o formato ampulheta.

Aliás, o corpo hourglass tem como um dos amigos mais fiéis essa peça única. Ainda assim, não é só de vestidos que vive Marilyn Monroe. Com Barbara Stanwyck e Robert Ryan, em Clash by Night (1952), em River of No Return (1954), com Robert Mitchum, ou em seu derradeiro longa, The Misfits (1961), com Clark Gable e Monty Clift, apenas para ficar em alguns exemplos, vemo-la em calças, jeans em principal. Neste último, nem mesmo o vestidinho branco de atilhos, de estampa de cerejas, afasta-nos do visual básico e impactante de jeans com camisa branca, ao final.

Em Let’s Make Love (1960), o figurino é mais severo (sem falar dos números musicais), mas mesmo assim encantador (com direito à trenchcoat e béret, num passeio à francesa com Yves Montand), e até um simples (e famoso) tricô azul (ou lilás?), com meia-calça preta, usado na cena da canção “My Heart Belongs to Daddy”, por exemplo, parece suplantar o restante do figurino.

Mesmo em There’s No Business Like Show Bussiness (1954), em que se desfila pelo enredo entremeado por diversos números musicais, na canção “Lazy” ela porta calças bem sequinhas e, como sempre, extremamente ajustadas na cintura. Mas pra arrasar totally, é um vestido, que totalmente se molda ao corpo, como o do “Happy Birthday” da vida real ao presidente Kennedy, ou tantos outros da ficção, como em The Seven Year Itch (1955) (até acho o de bolinhas pretas e atilhos cruzados, da cena inicial da atriz, mais arrasador do que o branco da cena da saída de ar do metrô), e no desfile de modelos de cores intensas em Gentlemen Prefer Blondes (1953), com Jane Russel. Ah, e o vestido de sua aparentemente ingênua personagem em The Asphalt Jungle (1950)? Preto, decotado, mangas descaídas, clássico, mais um colar de brilhantes.

Uma verdade absoluta poderia girar em torno dos vestidos, mas deles como um assunto infinito. E certos vestidos eternizam quem os veste. Ou alguns seres eternos, icônicos, é que eternizam certas peças? Mas então, há termos para comparações e submissões?

Lembro de um professor de literatura no ensino médio dizendo sobre Adélia Prado: “Drummond de saias”. Eu já uso bastantes vestidos, graças à minha amiga Magaly, mas gostaria de os usar mais; e também de ler mais Adélia Prado. Isso porque ela deve ter poemas sobre vestidos, embora eu só conheça o “Caso do vestido”, de Carlos Drummond de Andrade.

E releio esse poema lírico-épico, caso isso fosse possível, da história contada de um vestido, duas mulheres e um homem. E o vestido como lembrança, como prova de um crime, dependurado em um prego; um vestido como ponto de apoio em que um ciclo termina e se inicia. E uma história de vestido... machista ou um conto de miragem, de fantasia, ou de desejo e arrependimento, da ilogicidade de ser humano?

Essa mulher do vestido, bela, talvez pérfida, que “não quer homem”, e depois reaparece, “pobre, desfeita, mofina”, me lembra o samba “Maria Rosa”, de Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves, e a capa feita de trapos das vestes, outrora caras, feita de tantos tormentos.

Se a esposa traída, no poema, inquire “quede os olhos cintilantes/ quede graça de sorriso,/ quede colo de camélia?”, por sua vez, na canção, aquela que “era um anjo de formosa”, e que tinha um “vestido de baile”, “nem um olhar teve agora/ nem um sorriso encontrou”.

Serão as mesmas personagens essas mulheres atrativas, sedutoras mesmo sem o querer, que se remetem a vestidos (no auge e na recordação) e encaram situações-limite? Caso sim, como poderia ter glosado Danuza Leão reunida com Vinicius de Moraes, entretanto: o vestido, ao final, é da mulher o cachorro engarrafado. Se possível isto fosse...


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 11/8/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Furto de Ricardo de Mattos
02. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
03. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
04. Escrever não é trabalho, é ofício de Marcelo Spalding
05. Por que votei nulo de Eduardo Mineo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2022
01. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul - 17/2/2022
02. Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça... - 3/3/2022
03. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara - 7/4/2022
04. Sexo, cinema-verdade e Pasolini - 2/6/2022
05. Retrato arredio de cavalo - 10/2/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O pequeno Príncipe
Antoine de Saint Exupéry
Agir
(2006)



Trabalho Infância - Exercícios Tensos de Ser Criança - Haverá Espaço..
Miguel G. Arroyo & Maria dos Anjos Lopes Viella ..
Vozes
(2015)



Por Dentro do Trabalho - Ergonomia: Método & Técnica
Alain Wisner
Ftd/oboré
(1987)



Livro - O Silêncio das Missões de Paz
Reginaldo Mattar Nasser
Educ
(2012)



A Luz Que Não Se Apaga
Carlos Alberto de Nóbrega
Novo Século
(2004)



Planejamento Estratégico e Operacional
Luís Moretto
Dca
(2012)



Wolverine N° 86
Marvel
Panini Comics
(2012)



Livro - Querido Bebê: um Romance Sobre ~planos~ Imprevistos e Encontros
Julia Braga
Mapa. Lab
(2020)



O Código Da Vinci
Dan Brown
Sextante
(2004)



Perspectiva 19 (espanhol)(1999)
Equipo Parramon
Paramón
(1999)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês