Philomena | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Usina
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Web 2.0 reloaded
>>> Lendas e mitos da internet no Brasil
>>> A loucura das causas
>>> Queen na pandemia
>>> Nerd oriented news
>>> 13 de Agosto #digestivo10anos
>>> O cão da meia-noite
Mais Recentes
>>> Vidas que nos Completam de Américo Simões pela Barbara (2011)
>>> Uma O Tau. Um Sinal Espiritualidade de Mariano Bigi pela Vozes (2004)
>>> Diálogo Com A Cidade de Cardeal Dom Cláudio Hummes pela Paulus (2005)
>>> Patologia das Fundações de Jarbas Milititsky, Nilo Cesar Consoli, Fernando Schnaid pela Oficina de Textos (2005)
>>> Escrita chinesa de Viviane Alleton pela L&Pm (2010)
>>> Caderno de revisão Química Conecte de M. Esther Nejm et al pela Saraiva (2014)
>>> A Igreja. 51 Catequeses do Papa Sobre a Igreja de Felipe Aquino pela Cleofas (2004)
>>> O Sono dos Hibiscos de Lygia Barbiere Amaral pela Lachatre (2005)
>>> Paris: uma história de Yvan Combeau pela L&Pm (2010)
>>> Vem!... de Cenyra Pinto pela Lachatre (1993)
>>> Plano diretor do Mercado de Capitais - Parceria Público-Privada de Sucesso de Ney Carvalho pela Publit Soluções Editoriais (2014)
>>> Cartas extraviadas e outros poemas de Martha Medeiros pela L&Pm (2009)
>>> Maigret E A Morte Do Jogador de Georges Simenon pela L&Pm (2009)
>>> Milagres a luz do espirito Aloha de Carmem Balhestero pela Madras (2014)
>>> Madeira de ponta a ponta - O caminho desde a floresta até o consumo de Sérgio Adeodato, Malu Villela, Luciana Stocco Betiol, Mario Monzoni pela FGV Rae (2011)
>>> Matemática Caderno de Competências de Conecte pela Saraiva (2014)
>>> Orgulho e preconceito de Jane Austen pela L&Pm (2010)
>>> Filho Herói de Elisa Medhus pela Paulus (2005)
>>> Maigret E O Sumiço Do Sr. Charles de Georges Simenon pela L&Pm (2009)
>>> Tragédias gregas de Pascal Thiercy pela L&Pm (2009)
>>> Controle de Custos de Implantação de Projetos Industriais de Sérgio Conforto & Mônica Spranger pela Taba Cultural (2016)
>>> Livro do Catequista: Fé, Vida de Vários Autores pela Paulus (1994)
>>> King Kong - O gorila mais conhecido em todo o mundo de Edgar Wallace pela Record (1977)
>>> Viagem por Mundos Sutis de Trigueirinho pela Pensamento (2011)
>>> Coisas da vida de Martha Medeiros pela L&Pm (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/2/2014
Philomena
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos

A safra de indicados ao Oscar está pródiga em filmes "baseados em fatos reais": Trapaça, Capitão Philips, Clube de compras Dallas, Philomena, 12 anos de escravidão e O lobo de Wall Street. A tendência não chega a ser novidade, e basta lembrar que o grande vencedor de 2013 foi Argo (sobre o resgate de seis diplomatas americanos no Irã, em 1980), sem falar nos lamentos de que dois sólidos representantes do "gênero" - O mordomo da Casa Branca e Walt nos bastidores de Mary Poppins - não tenham sido lembrados pela Academia este ano.

O apelo da "verdade" parece gerar um interesse extra, capaz de alavancar divulgação e bilheteria - nada mais natural nestes tempos em que nos entupimos de "vida real" no Facebook, em reality shows e outros entretenimentos. É curioso notar que, quanto mais inverossímil a história, mais rende o espanto em torno do "sim, aconteceu!", com direito a uma boa exploração sobre o caso ou biografia na qual o filme supostamente se fundou.

A discussão mais emblemática - e ingênua - do tipo tem acontecido em torno de O lobo de Wall Street, já em cartaz no Brasil: será que Scorsese não exagerou? - é o burburinho que ouvimos na saída do cinema. Dá para imaginar o cineasta rindo da pergunta, já que as três horas de seu filme são do mais puro e assumido exagero - uma "estética do excesso" fartamente justificada pela trama.

É como se o público, uma vez que responde prontamente a este apelo do "real", precisasse depois fazer um esforço para relevar a óbvia desconfiança que paira em torno desta produção hollywoodiana: a de ser apenas "ligeiramente inspirada em fatos mais ou menos reais".

Faz bem, o público. Hollywood sabe, como nenhuma outra indústria cinematográfica, não deixar a sua qualidade dramática se comprometer pelas amarras dos fatos (se é fato, por que a redundância do "real"?). No fim, faz sempre ficção, e das boas. Quem quiser diferente que faça documentário - e amargue as bilheterias.

Essa reflexão, com o mérito de funcionar como autoironia, perpassa um dos filmes indicados este ano que certamente não vai ganhar o Oscar: uma pequena pérola chamada Philomena, com estreia marcada para 14 de fevereiro. Sim, o filme se beneficia do "marketing do real", e com uma sinopse suficiente para arrancar lágrimas: trancafiada em um convento, jovem irlandesa é submetida a trabalho escravo para pagar o pecado de ter engravidado e vê seu bebê ser adotado por uma família rica. Apenas cinqüenta anos depois, interpretada por Judi Dench, ela tem coragem de revelar sua história e procurar pelo filho que lhe foi arrancado.

Só que, diante da história lacrimosa, o diretor Stephen Frears preferiu evitar os truques usuais para empanturrar a plateia de emoções, oferecendo-lhe em lugar um biscoito fino que não lhe subestima o paladar. Além de contar, para isso, com dois ingredientes típicos britânicos - humor e comedimento -, ele se vale especialmente do personagem-jornalista Martin Sixsmith (a quem cabe investigar e divulgar a "inverossímil história real") para criar o seu contraponto surpreendente.

É Martin (Steve Coogan) quem cumpre a função, desde o início, de ridicularizar a curiosidade geral por histórias de "interesse humano". Obcecado por objetividade e por "fatos brutos" que não interessam a ninguém, o ex-correspondente da BBC preferia escrever sobre política russa, mas, contrariado, se submete à missão de ajudar Philomena em sua busca e transformar sua história na ficção barata que imagina ser inevitável naquele "gênero" menor. Seu cinismo só é reforçado pelas cobranças da editora sensacionalista e pela credulidade da senhora com quem precisa conviver, aparentemente perdida entre o próprio drama real e as histórias ficcionais açucaradas com as quais preenche a sua vida.

Em uma cena aparentemente solta no filme, o diretor parece testar a paciência do expectador para a tal ficção barata: durante o trajeto percorrido pelo carrinho de aeroporto, Philomena consegue, num só fôlego de animação, detalhar toda a trama do romance que acabara de ler. Com nova ironia, Martin declina da oferta de empréstimo do livro: agradece, mas já tem a sensação de tê-lo lido.

A própria personagem principal, depois de conhecer o destino do filho, questiona o que vale mais a pena: cavoucar uma história real que nunca se revelará completamente nem fará sentido, ao contrário da ficção, ou voltar para a rotina de crenças, culpas e pequenas alegrias, à qual se habituou?

O coração de Martin, claro, vai amolecendo, e os dois personagens aprendem um com o contraponto do outro. Com o suposto clímax revelado cedo demais na trama, numa cena banal de café da manhã, o expectador se flagra inquieto, e quase se envergonha por ter ansiado pelos tais truques da ficção barata. Um sentimento de justiça, no entanto, é irrefreável: OK, Philomena pode até recusar o papel de mocinha (sente-se uma "pecadora", diferente das heroínas de seus livros). Mas há de haver um vilão nesta história! E as freiras más? - tenta achar uma saída a editora sensacionalista.

Stephen Frears vai achar a saída e surpreender com outro clímax. Como o expectador merece. Como a boa ficção merece.

E não me venham perguntar sobre a história real, porque eu não quis saber...



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 7/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem de Eugenia Zerbini
02. Onde os 'barbeiros' passeiam de Carla Ceres
03. Ascensão e queda do cinema iraniano de Wellington Machado
04. Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade de Wellington Machado
05. Violões do Brasil de Rafael Fernandes


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Esquerda x Direita - 24/10/2014
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O filantropo
Rodrigo Naves
Companhia das Letras
(1998)



Os Sacramentos Trocados em Miúdo
José Ribólla
Santuário
(1990)



Iracema - Cinco Minutos
José De Alencar
Martin Claret
(2011)



Sob a Invocação de São Jerônimo - Ensaios sobre a arte e técnicas de tradução
Valery Larbaud
Mandarim
(2001)



O Dom
Nikita Lalwani
Nova Fronteira
(2008)



Geologia Geral
Viktor Leinz / Sérgio Estanislau do Amaral
Editora Nacional
(1972)



Introdução ao Cálculo para Administração, Economia e Contabilidade
Hazzan /samuel / Morettin/pedro Alberto
Saraiva
(2017)



A Origem das Espécies
Charles Darwin
Folha de São Paulo
(2010)



Grande Enciclopedia Geografica Mundial Vol. 1
Dulcidio Dibo
Libra
(1968)



Aspectos de la fatiga de vuelo
Perez Griffo
Sepla
(1977)





busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês