Philomena | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Casa de Praia com Piscina de Herman Koch pela Intrínseca (2015)
>>> Natureza Humana, Justiça vs. Poder de Michel Foucault e Noam Chomsky pela Martins Fontes (2014)
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/2/2014
Philomena
Marta Barcellos

+ de 2600 Acessos

A safra de indicados ao Oscar está pródiga em filmes "baseados em fatos reais": Trapaça, Capitão Philips, Clube de compras Dallas, Philomena, 12 anos de escravidão e O lobo de Wall Street. A tendência não chega a ser novidade, e basta lembrar que o grande vencedor de 2013 foi Argo (sobre o resgate de seis diplomatas americanos no Irã, em 1980), sem falar nos lamentos de que dois sólidos representantes do "gênero" - O mordomo da Casa Branca e Walt nos bastidores de Mary Poppins - não tenham sido lembrados pela Academia este ano.

O apelo da "verdade" parece gerar um interesse extra, capaz de alavancar divulgação e bilheteria - nada mais natural nestes tempos em que nos entupimos de "vida real" no Facebook, em reality shows e outros entretenimentos. É curioso notar que, quanto mais inverossímil a história, mais rende o espanto em torno do "sim, aconteceu!", com direito a uma boa exploração sobre o caso ou biografia na qual o filme supostamente se fundou.

A discussão mais emblemática - e ingênua - do tipo tem acontecido em torno de O lobo de Wall Street, já em cartaz no Brasil: será que Scorsese não exagerou? - é o burburinho que ouvimos na saída do cinema. Dá para imaginar o cineasta rindo da pergunta, já que as três horas de seu filme são do mais puro e assumido exagero - uma "estética do excesso" fartamente justificada pela trama.

É como se o público, uma vez que responde prontamente a este apelo do "real", precisasse depois fazer um esforço para relevar a óbvia desconfiança que paira em torno desta produção hollywoodiana: a de ser apenas "ligeiramente inspirada em fatos mais ou menos reais".

Faz bem, o público. Hollywood sabe, como nenhuma outra indústria cinematográfica, não deixar a sua qualidade dramática se comprometer pelas amarras dos fatos (se é fato, por que a redundância do "real"?). No fim, faz sempre ficção, e das boas. Quem quiser diferente que faça documentário - e amargue as bilheterias.

Essa reflexão, com o mérito de funcionar como autoironia, perpassa um dos filmes indicados este ano que certamente não vai ganhar o Oscar: uma pequena pérola chamada Philomena, com estreia marcada para 14 de fevereiro. Sim, o filme se beneficia do "marketing do real", e com uma sinopse suficiente para arrancar lágrimas: trancafiada em um convento, jovem irlandesa é submetida a trabalho escravo para pagar o pecado de ter engravidado e vê seu bebê ser adotado por uma família rica. Apenas cinqüenta anos depois, interpretada por Judi Dench, ela tem coragem de revelar sua história e procurar pelo filho que lhe foi arrancado.

Só que, diante da história lacrimosa, o diretor Stephen Frears preferiu evitar os truques usuais para empanturrar a plateia de emoções, oferecendo-lhe em lugar um biscoito fino que não lhe subestima o paladar. Além de contar, para isso, com dois ingredientes típicos britânicos - humor e comedimento -, ele se vale especialmente do personagem-jornalista Martin Sixsmith (a quem cabe investigar e divulgar a "inverossímil história real") para criar o seu contraponto surpreendente.

É Martin (Steve Coogan) quem cumpre a função, desde o início, de ridicularizar a curiosidade geral por histórias de "interesse humano". Obcecado por objetividade e por "fatos brutos" que não interessam a ninguém, o ex-correspondente da BBC preferia escrever sobre política russa, mas, contrariado, se submete à missão de ajudar Philomena em sua busca e transformar sua história na ficção barata que imagina ser inevitável naquele "gênero" menor. Seu cinismo só é reforçado pelas cobranças da editora sensacionalista e pela credulidade da senhora com quem precisa conviver, aparentemente perdida entre o próprio drama real e as histórias ficcionais açucaradas com as quais preenche a sua vida.

Em uma cena aparentemente solta no filme, o diretor parece testar a paciência do expectador para a tal ficção barata: durante o trajeto percorrido pelo carrinho de aeroporto, Philomena consegue, num só fôlego de animação, detalhar toda a trama do romance que acabara de ler. Com nova ironia, Martin declina da oferta de empréstimo do livro: agradece, mas já tem a sensação de tê-lo lido.

A própria personagem principal, depois de conhecer o destino do filho, questiona o que vale mais a pena: cavoucar uma história real que nunca se revelará completamente nem fará sentido, ao contrário da ficção, ou voltar para a rotina de crenças, culpas e pequenas alegrias, à qual se habituou?

O coração de Martin, claro, vai amolecendo, e os dois personagens aprendem um com o contraponto do outro. Com o suposto clímax revelado cedo demais na trama, numa cena banal de café da manhã, o expectador se flagra inquieto, e quase se envergonha por ter ansiado pelos tais truques da ficção barata. Um sentimento de justiça, no entanto, é irrefreável: OK, Philomena pode até recusar o papel de mocinha (sente-se uma "pecadora", diferente das heroínas de seus livros). Mas há de haver um vilão nesta história! E as freiras más? - tenta achar uma saída a editora sensacionalista.

Stephen Frears vai achar a saída e surpreender com outro clímax. Como o expectador merece. Como a boa ficção merece.

E não me venham perguntar sobre a história real, porque eu não quis saber...



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 7/2/2014


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2014
01. Esquerda x Direita - 24/10/2014
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... - 5/9/2014
03. O turista imobiliário - 14/8/2014
04. Quase cinquenta - 14/3/2014
05. Philomena - 7/2/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ÖSTERREICH
ROLF BAUER
HEYNE GESCHICHTE
(1980)
R$ 30,00



PÁGINAS DE RESISTÊNCIA - 1946 A 1958 TRIBUNA DO PARÁ
FRANCISCO RIBEIRO DO NASCIMENTO
IMPRENSA OFICIAL DE SP
(2003)
R$ 20,00



CALVIN E HAROLDO: YUKON HO!
BILL WATTERSON
CEDIBRA
(1989)
R$ 23,00



REFLEXÕES PARA O FUTURO - VEJA 25 ANOS
VEJA
ODEBRECHT
R$ 5,70



TERMOS E EXPRESSÕES DA PRÁTICA MÉDICA: APÊNDICES ELEMENTOS GRECO
OSIRIS COSTEIRA
FQM
(2001)
R$ 26,82



FALA NOEL - AUTOGRAFADO!!!
ELOISA DE BOTTON
OBJETIVA
(1990)
R$ 50,00



TATSACHEN ÜBER DEUTSCHLAND
LEXIKON BERTEISMAN
LEXIKOTHEK VERLAG
(1984)
R$ 30,00



QUAND LA BEAUTÉ NOUS SAUVE
CHARLES PÉPIN
POCHE MARABOUT
(2013)
R$ 40,00



S.O.S. O MUNDO PEDE CULTURA
NELLO ANDREOTTI NETO
RIDEEL
(1992)
R$ 17,00



A CRISE DE NOSSA LÍNGUA DE CULTURA
ANTONIO HOUAISS
TEMPO BRASILEIRO (RJ)
(1983)
R$ 16,28





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês