O Calígrafo de Voltaire | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/6/2003
O Calígrafo de Voltaire
Daniel Aurelio

+ de 9200 Acessos

A História tem essa força insondável de mitificar seus principais agentes; enciclopédias e livros didáticos ajudam a propagar o que os fatos transformaram em espirituosidade, valentia e galhardia. Não por acaso, em palavras de acadêmia, dá-se àqueles que tomam a vanguarda dos acontecimentos a alcunha de atores.

Se uma hipotética pesquisa fosse realizada entre os enamorados dessa História, seguramente considerável parcela (senão sua maioria), trocaria a própria realidade pela efervescência iluminista do séc. XVIII, um período tão criativo em seus meios quanto foram controversos os seus fins. Sabemos do Iluminismo o recorte de uma impressionante gama de artistas e intelectuais que se colidem num desejo unívoco de liberdade. As lutas que travaram, as paixões e repulsas que despertaram, as revoluções que inspiraram! Todavia, quem gostaria de sentir as intermináveis dores nos rins de Jean Jacques Rousseau, aquilo que o tornava ser finito, pertencente à sua natureza contemporânea? Que História é essa que extirpa seus medos, e "ilumina" até seus erros mais crassos? Houve derramada e evidente genialidade desses homens - não somente: Rousseau, em suas lendárias caminhadas, a despeito das hipérboles repetidas pelas futuras gerações, concebeu o solo no qual frutificou a antropologia como cátedra. Mas era demasiado humano para renegar um dos vértices mais combatidos pelos seus pares: a Igreja. Rousseau, cuja fertilidade definiu ainda a política e os sistemas de educação modernos, quem diria, nasceu e morreu cristão convicto.

Daí que não é difícil tirar de um Voltaire a sua própria humanidade e dar-lhe asas de anjo torto: a razão, que era seu fim, torna-se soberana e de soberana a dogmática. E todo dogma tem seu santuário: o irrequieto pensador francês seria o profeta-maior desse deus homem, não havendo mentor do profano que ficasse tão belo em vestes ficcionais quanto ele.

Em O Calígrafo de Voltaire, do escriba argentino Pablo de Santis, é a representação que encerra os acontecimentos, na odisséia do jovem, ansioso e inventivo Dalessius, que por uma seqüência tragicômica de descaminhos torna-se o calígrafo de Voltaire, que de pronto percebe a dualidade do rapaz (alquimista errante do seu ofício) e o coloca na linha de frente das suas cruzadas contra a opressão dominicana, bastiã do velho regime. Ou seja, descobrir quem afinal enforcou Marco Antonio Callas, em vias da conversão à fé católica, acusação e condenação que recaíam, sem defesa, sobre os próprios pais luteranos. O clero desejava mártires de sua causa decaída e o autor de O Filósofo Ignorante a verdade adequada para sua profissão de fé pagã.

Só a possibilidade de se recriar esse Voltaire das obras, sarcástico, de frases cirurgicamente cáusticas, mesmo que proferidas por um velho de carne em decomposição, já vale a iniciativa de Santis. Dalessius, amálgama da prosa, é o futuro e o passado, tolo demais para suportar os próprios desígnios, corpo e mente a absorver a estranheza da existência e do que estaria por vir.

De fraseados rápidos e inspiração quase medieval, o livro mantém uma superfície pouco crível que destaca alguns desses símbolos metafóricos: o mais sutilmente crítico deles é a figura de Von Knepper, exímio fabricante de autômatos, criaturas quase humanizadas em sua mecânica misteriosa e pai (biológico) de Clarissa, quase mecânica em sua redoma de frágil viço. Dalessius expõe ainda mais o paradoxo do seu tempo ao apaixonar-se por essa moça tragada pelo engenho. Em fins do século XX, robôs e computadores disputavam postos de trabalho operacionais, lançando à indigência cidadãos menos afortunados da estirpe de Clarissa e seu calígrafo-amante.

O próprio clichê se subentende nas imagens retóricas e na sua epígrafe: tudo o que serve para escrever também serve para matar. Seja você um devoto de Adorno e Foucault que tão bem decifraram as sombras ou entusiasta das ciências que emergiram das luzes (por absoluta necessidade de compreensão do novo), a mensagem está posta. São 201 páginas de branda satisfação, alguma lucidez e uma dúzia de boas tiradas que valem seu preço: esse Voltaire dos compêndios se presta a toda sorte de especulações, escárnio e ficção. E rende tramas interessantes.

O coração embalsamado de Voltaire que Delassius carregou consigo como troféu, está agora, mensagem outra vez posta, em nossas mãos. Naquele instante, o coração de um filósofo valia mais do que um papa. Hoje, gargalhamos gostosamente da inoperância dos dois e choramos e rimos da loucura de mundo que forjaram, cada qual com sua bandeira, cada qual com seu mito. E as palavras de Pablo de Santis decerto não matarão seus feitos, para o gáudio dos que venceram e perderam com isso: nós, os calígrafos.

Wittgenstein é Pop

Deu no Caderno Mais!, domingo, 8 de junho de 2003: intelectuais brasileiros e gringos soltam seus sentimentos e indicam os pensadores que abriram suas mentes férteis para o saber. Duas conclusões rápidas: poucos foram aqueles que indicaram Karl Marx, e os que fizeram - exceção à Sergio Paulo Rouanet - não esconderam o constrangimento. A memória deles precisa de uma retífica ou o velho marxismo anda com a popularidade baixa? Por outro lado, o filósofo da vez (ex-capa da Cult) e hermético austríaco Ludwig Wittgenstein, mereceu reverências mil dos votantes. Como se pode notar, o modismo é uma praga que corrói até as melhores cabeças.

Mas divertido mesmo foi o depoimento de Jürgen Habermas, vaidoso que só, e na impossibilidade de dizer que ele mesmo seria o grande filósofo contemporâneo, optou em escolher Otto-Apel, por um anedótico motivo: laços de amizade.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 13/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho
02. Eu me pergunto para onde vai a imprensa... de Adriana Carvalho
03. Novos autores na poesia brasileira de Elisa Andrade Buzzo
04. Como começar uma carreira em qualquer coisa de Ram Rajagopal
05. Caiu na rede é theremin de Rafael Lima


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIAS DISCURSIVAS NA CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES NO SUS
REBECA SALES PEREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



GALILEU GALILEI EM 90 MINUTOS
JOHN E MARY GRIBBIN
INQUÉRITO
(1997)
R$ 21,70



SPAS - ALQUIMIA DE UMA JORNADA
LIGIA DA LUZ POSSER
BESOUROBOX
(2011)
R$ 85,00



VIEMOS POR NUESTRAS AGUAS - ESPANHÓIS NO BRASIL
MARIO GARCÍA-GUILLÉN
SENAC
(2005)
R$ 10,00



KUXININ - HISTÓRIA DE UM ÍNDIO CAXINAUÁ - CAPA DURA ILUSTRADA
OLGA JAGUARIBE; EKMAN SIMÕES
ANCHIETA
(1941)
R$ 15,00



COMO RECUPERAR E MANTER A COLUNA VERTEBRAL PELOS MÉTODOS NATURAIS
MANUEL R. C. MELO
PLÁTANO
(2000)
R$ 29,70



FRUTAS BRASIL FRUTAS
SILVESTRE SILVA
EMPRESA DAS ARTES
(1991)
R$ 20,00



CONFISSOES DE UMA EX VOL. 44
LYNDA CURNYIN
HARLEQUIN (NACIONAL)
(2006)
R$ 14,24



CARTAS ENTRE AMIGOS
FABIO DE MELO /GABRIEL CHALITA
EDIOURO
(2009)
R$ 8,50



PSICOTERAPIA E BRASILIDADE
VALDEMAR AUGUSTO ANGERAMI CAMON (ORG)
CORTEZ
(2011)
R$ 12,50





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês