O Calígrafo de Voltaire | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
Mais Recentes
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
>>> Pequena Filocalia
>>> Antologia poética e inéditos
>>> O processo do tenente Ieláguin
>>> Extraordinario
>>> A teus pes
>>> A Mamãe é Rock
>>> O Papai é Pop 2
>>> Teologia Bíblica do Antigo Testamento. Uma História da Religião de Israel na Perspectiva Bíblico TeológiIca
>>> O terror
>>> Depois da queda
>>> Origem
>>> Os impunes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
COLUNAS

Sexta-feira, 13/6/2003
O Calígrafo de Voltaire
Daniel Aurelio

+ de 8800 Acessos

A História tem essa força insondável de mitificar seus principais agentes; enciclopédias e livros didáticos ajudam a propagar o que os fatos transformaram em espirituosidade, valentia e galhardia. Não por acaso, em palavras de acadêmia, dá-se àqueles que tomam a vanguarda dos acontecimentos a alcunha de atores.

Se uma hipotética pesquisa fosse realizada entre os enamorados dessa História, seguramente considerável parcela (senão sua maioria), trocaria a própria realidade pela efervescência iluminista do séc. XVIII, um período tão criativo em seus meios quanto foram controversos os seus fins. Sabemos do Iluminismo o recorte de uma impressionante gama de artistas e intelectuais que se colidem num desejo unívoco de liberdade. As lutas que travaram, as paixões e repulsas que despertaram, as revoluções que inspiraram! Todavia, quem gostaria de sentir as intermináveis dores nos rins de Jean Jacques Rousseau, aquilo que o tornava ser finito, pertencente à sua natureza contemporânea? Que História é essa que extirpa seus medos, e "ilumina" até seus erros mais crassos? Houve derramada e evidente genialidade desses homens - não somente: Rousseau, em suas lendárias caminhadas, a despeito das hipérboles repetidas pelas futuras gerações, concebeu o solo no qual frutificou a antropologia como cátedra. Mas era demasiado humano para renegar um dos vértices mais combatidos pelos seus pares: a Igreja. Rousseau, cuja fertilidade definiu ainda a política e os sistemas de educação modernos, quem diria, nasceu e morreu cristão convicto.

Daí que não é difícil tirar de um Voltaire a sua própria humanidade e dar-lhe asas de anjo torto: a razão, que era seu fim, torna-se soberana e de soberana a dogmática. E todo dogma tem seu santuário: o irrequieto pensador francês seria o profeta-maior desse deus homem, não havendo mentor do profano que ficasse tão belo em vestes ficcionais quanto ele.

Em O Calígrafo de Voltaire, do escriba argentino Pablo de Santis, é a representação que encerra os acontecimentos, na odisséia do jovem, ansioso e inventivo Dalessius, que por uma seqüência tragicômica de descaminhos torna-se o calígrafo de Voltaire, que de pronto percebe a dualidade do rapaz (alquimista errante do seu ofício) e o coloca na linha de frente das suas cruzadas contra a opressão dominicana, bastiã do velho regime. Ou seja, descobrir quem afinal enforcou Marco Antonio Callas, em vias da conversão à fé católica, acusação e condenação que recaíam, sem defesa, sobre os próprios pais luteranos. O clero desejava mártires de sua causa decaída e o autor de O Filósofo Ignorante a verdade adequada para sua profissão de fé pagã.

Só a possibilidade de se recriar esse Voltaire das obras, sarcástico, de frases cirurgicamente cáusticas, mesmo que proferidas por um velho de carne em decomposição, já vale a iniciativa de Santis. Dalessius, amálgama da prosa, é o futuro e o passado, tolo demais para suportar os próprios desígnios, corpo e mente a absorver a estranheza da existência e do que estaria por vir.

De fraseados rápidos e inspiração quase medieval, o livro mantém uma superfície pouco crível que destaca alguns desses símbolos metafóricos: o mais sutilmente crítico deles é a figura de Von Knepper, exímio fabricante de autômatos, criaturas quase humanizadas em sua mecânica misteriosa e pai (biológico) de Clarissa, quase mecânica em sua redoma de frágil viço. Dalessius expõe ainda mais o paradoxo do seu tempo ao apaixonar-se por essa moça tragada pelo engenho. Em fins do século XX, robôs e computadores disputavam postos de trabalho operacionais, lançando à indigência cidadãos menos afortunados da estirpe de Clarissa e seu calígrafo-amante.

O próprio clichê se subentende nas imagens retóricas e na sua epígrafe: tudo o que serve para escrever também serve para matar. Seja você um devoto de Adorno e Foucault que tão bem decifraram as sombras ou entusiasta das ciências que emergiram das luzes (por absoluta necessidade de compreensão do novo), a mensagem está posta. São 201 páginas de branda satisfação, alguma lucidez e uma dúzia de boas tiradas que valem seu preço: esse Voltaire dos compêndios se presta a toda sorte de especulações, escárnio e ficção. E rende tramas interessantes.

O coração embalsamado de Voltaire que Delassius carregou consigo como troféu, está agora, mensagem outra vez posta, em nossas mãos. Naquele instante, o coração de um filósofo valia mais do que um papa. Hoje, gargalhamos gostosamente da inoperância dos dois e choramos e rimos da loucura de mundo que forjaram, cada qual com sua bandeira, cada qual com seu mito. E as palavras de Pablo de Santis decerto não matarão seus feitos, para o gáudio dos que venceram e perderam com isso: nós, os calígrafos.

Wittgenstein é Pop

Deu no Caderno Mais!, domingo, 8 de junho de 2003: intelectuais brasileiros e gringos soltam seus sentimentos e indicam os pensadores que abriram suas mentes férteis para o saber. Duas conclusões rápidas: poucos foram aqueles que indicaram Karl Marx, e os que fizeram - exceção à Sergio Paulo Rouanet - não esconderam o constrangimento. A memória deles precisa de uma retífica ou o velho marxismo anda com a popularidade baixa? Por outro lado, o filósofo da vez (ex-capa da Cult) e hermético austríaco Ludwig Wittgenstein, mereceu reverências mil dos votantes. Como se pode notar, o modismo é uma praga que corrói até as melhores cabeças.

Mas divertido mesmo foi o depoimento de Jürgen Habermas, vaidoso que só, e na impossibilidade de dizer que ele mesmo seria o grande filósofo contemporâneo, optou em escolher Otto-Apel, por um anedótico motivo: laços de amizade.

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 13/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
04. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



O CURUMIM DOURADO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
JOSÉ ARRABAL
FTD
(1990)
R$ 4,00



FRANK MILLER RONIN Nº 4
DC COMICS
DC COMICS
R$ 7,00



O DIÁRIO DE
LARISSA MANOELA
NOVA FRONTEIRA
(2016)
R$ 10,00



O NATAL DE POIROT
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1987)
R$ 8,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 3
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



A HISTÓRIA DE LULA, O FILHO DO BRASIL
DENISE PARANÁ
OBJETIVA
(2009)
R$ 16,99
+ frete grátis



FALA SÉRIO! VOCÊ TAMBÉM NÃO ESTÁ A FIM DELE
IAN KERNER
BEST SELLER
(2006)
R$ 36,04



ORÁCULO DOS ANJOS
AMBIKA WAUTERS
MADRAS
R$ 30,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês