Da preguiça como método de trabalho | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> Princípios de Finanças Corporativas de Brealey/ Myers/ Allen pela Mcgraw - Hill/ Bookman (2018)
>>> Livro - O Divino Jogo do Ser - Uma nova visão para o despertar espiritual de Roberto Saul pela Alaúde (2005)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Todo Mundo Tem um Anjo da Guarda de Pedro Siqueira pela Sextante (2016)
>>> Livro - A Literatura Inglesa de Anthony Burgess pela Ática (1999)
>>> Cidade dos Ossos 1 de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> Livro - As Valkírias - Coleção Paulo Coelho de Paulo Coelho pela Rocco (1992)
>>> Brasil/ Brazil - Lugares e Histórias/ Places and History de Beppe Ceccato pela Manole (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Cidade de Vidro 3 de Cassandra Clare pela Galera Record (2011)
>>> A Menina Que Descobriu o Brasil (6ª Edição) de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (1999)
>>> Clínica do Social de Célio Garcia pela Projeto
>>> Livro - O Crisântemo e a Espada de Ruth Benedict pela Perspectiva (1972)
>>> Processo de Execução e Cautelar de Marcus Vinícius Rios Gonçalves pela Saraiva (2005)
>>> O Silêncio Que Eu Perdi de Roque Schneider pela Paulinas (1981)
>>> As Irmãs Penderwick de Jeanne Birdsall pela Pavio (2009)
>>> Convite para um Homicídio de Agatha Christie pela Record (1950)
>>> Imagens da arte brasileira de Cecília Jucá de Hollanda pela Fundação Cesgranrio (2005)
>>> À Imagem e Semelhança de Deus: uma Analogia Entre o Corpo Humano E... de Philip Yancey e Outros pela Vida (2003)
>>> Livro - O Orgulho de Hannah de Janet Dailey pela Record (1987)
>>> Ventilação Pulmonar Mecânica Em Neonatologia e Pediatria de Werther B. de Carvalho e Outros pela Lovise
>>> Cidade das Cinzas 2 de Cassandra Clare pela Galera Record (2017)
>>> Identificação dos Mortos? uma Sensacional Polêmica de Oscar González- Quevedo pela Loyola (2001)
>>> Livro - Minha Vida Com Boris - Coleção Folha - Mulheres na Literatura #20 de Thays Martinez pela Folha de São Paulo (2017)
>>> O Azulejo em Portugal no século XX de Edições Inapa pela Inapa (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 25/11/2008
Da preguiça como método de trabalho
Rafael Rodrigues

+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Reedições de livros são importantíssimas porque dão aos leitores jovens a oportunidade de conhecerem obras antigas e há algum tempo fora de catálogo. Não tivesse a editora Record tomado a atitude de reeditar a obra de Charles Kiefer, por exemplo, muito provavelmente eu não teria lido dois livros seus no ano passado. Só "conheceria" o autor este ano, por ele ter sido patrono da Feira do Livro de Porto Alegre, mas talvez não tivesse o mesmo interesse por seus livros ― e já teria "perdido" um ano.

Sem essas eventuais reedições, seria quase impossível um leitor de vinte e poucos anos se deparar com determinadas publicações em livrarias. Uma análise (minha, é claro) rápida, superficial e birrenta aponta que isso ocorre devido à publicação em excesso de livros de autores novos, aqueles com menos de trinta anos, dos quais apenas 20% merecem ser lidos ― e olhe lá...

Por isso são louváveis as iniciativas de reeditar obras de autores consolidados ― estejam eles vivos ou não ―, como vem acontecendo com Flávio Moreira da Costa e Caio Fernando Abreu (editora Agir), João Ubaldo Ribeiro e Carlos Heitor Cony (Alfaguara), Monteiro Lobato e Mario Quintana (editora Globo), entre outros.

Sem iniciativas assim, teríamos que ler, ainda no clima "obamístico", O Presidente Negro em edições antigas de folhas amareladas e empoeiradas (pessoas como eu precisam evitar ao máximo terem livros assim em mãos, por conta de problemas respiratórios). Pior ainda: correríamos o sério risco de jamais conhecermos livros como Da preguiça como método de trabalho (Globo, 2007, 357 págs.), de Mario Quintana. Sua primeira edição é de 1987 e seria difícil encontrá-lo em alguma livraria. Só em sebos, mas leitores com problemas respiratórios não costumam comprar em sebos. Eis que, vinte anos depois, em 2007, foi publicada a segunda edição do livro, justamente a que caiu em minhas mãos.

Reunião de textos publicados na coluna que Quintana mantinha no "Caderno H" do jornal Correio do Povo, Da preguiça como método de trabalho é um livro inclassificável, pois não se restringe a um só gênero. Nele podemos ler crônicas, aforismos, poemas, entrevistas e contos do autor gaúcho.

Mais conhecido por sua poesia ― alguns o chamam de "o poeta das coisas simples" ―, a impressão que se tem, ao ler este livro, é a de que ele foi também um homem simples. Na sua apresentação, texto publicado na revista IstoÉ em novembro de 1984 e também no livro em questão, ele diz "Nasci em Alegrete, em 30 de julho de 1906. Creio que foi a principal coisa que me aconteceu.". Sua prosa e seus versos são, igualmente, simples, mas nem por isso superficiais ou banais. Em sua grande maioria bem-humorados, os textos reunidos em Da preguiça como método de trabalho são leitura divertida e emocionada: garantem gargalhadas, sorrisos melancólicos e momentos de reflexão.

Tudo é assunto para Mario Quintana. Alguns são mais presentes que outros, claro, como o cigarro, por exemplo. Fumante inveterado, Quintana faz elogios ao seu vício (mas só ao seu; ele não pede que ninguém o acompanhe): "Fumar é um jeito discreto de ir queimando as ilusões perdidas. Daí, esse ar aliviado e triste dos fumantes solitários. Vocês já não repararam que nenhum deles fuma sorrindo?". O ato de escrever e a condição do escritor também são temas constantes, como nos aforismos "O assunto": "E nunca perguntes o assunto de um poema. Um poema sempre fala de outras coisas..." e "A função": "A função do poeta não é explicar-se. A função do poeta é expressar-se.".

E se há uma característica em praticamente todas as páginas ― não confundir com "em todos os textos" ― do livro, é o bom humor. Como não rir de gracejos como "Os carecas": "Ser careca deveria arejar as idéias... Pelos menos, são os carecas que brilham mais."? Ou de minipoemas como "A bem-amada na praia": "Sua bundinha/ Deixou na areia/ A forma exata/ De um coração..."?

O que não impede de Mario Quintana abordar assuntos mais sérios e reflexivos, como o aborto: "O aborto não é, como dizem, um assassinato. É um roubo. Nem pode haver roubo maior. Porque, ao malogrado nasciturno, rouba-se-lhe este mundo, o céu, as estrelas, o universo, tudo! O aborto é o roubo infinito.". Ou de falar de livros e autores, como nos textos sobre Raul Bopp, Proust, Goethe ou seu grande amigo Erico Verissimo.

Mario nasceu em 1906 e faleceu em 1994, aos 88 anos. Tivesse ele nascido algumas décadas mais tarde, teria vivido o suficiente para chegar até os nossos dias, em que até uma planta tem um blog (fato que certamente ele não deixaria de comentar).

Com sua verve humorística e reflexiva; com seus textos que variam de aforismos de apenas uma linha e poemas curtos a crônicas e contos de todos os tamanhos possíveis, certamente Mario Quintana faria uma diferença enorme no meio jornalístico e blogueiro de hoje. Coitados dos blogueiros, se Quintana estivesse vivo e blogando. Coitados também dos autores jovens (que fique o exemplo de Mario, que publicou o primeiro livro só aos 34 anos). Muita gente por aí teria vergonha de escrever e publicar.

Polivalente, Mario Quintana fez de quase tudo: foi poeta, cronista, tradutor (traduziu Marcel Proust, Virginia Woolf, Guy de Maupassant, Somerset Maugham, entre outros) e jornalista. Apesar do título do livro, a preguiça definitivamente nunca tomou conta de Mario. Não por mais de alguns minutos. Talvez o título tenha sido uma brincadeira ou trocadilho do autor. Aliás, retiro o que disse. Não tentarei adivinhar o que Mario disse ou não. Acho que ele não iria gostar.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 25/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Superficiais de Guilherme Pontes Coelho
02. Sobre o gênio que é Harold Pinter de Guilherme Conte
03. As Meditações de Marcus Aurelius de Ricardo de Mattos
04. Benjamin e Baudelaire de Maria João Cantinho


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A última casa de ópio, de Nick Tosches - 19/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/12/2008
20h54min
Oi, Rafael, tudo bem? Grata pelo toque do livro do nosso Mário, vou pedir de presente de Natal. O título talvez se deva ao fato de ser leonino, com fama de preguiçosos, mas é puro charme... Abraços para ti e Sérgio ;-))
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Three Guineas
Virginia Woolf
Hbj
(1866)



Maçonaria - Religião e Simbolismo
Samuel Nogueira Filho
Traço
(1984)



Volta às Aulas
Adeilson Salles
Feb
(2008)



Livro - Técnicas de Relaxamento - 2ª Parte: Exercícios de Movimento
Kum Nye
Tarthang Tulku
(2003)



The Pleasure Prescription
Paul Pearsall
Hunter House
(1996)



Seleções de Livros
Readers Digest
Readers Digest
(2010)



Psicanálise como Percurso
Franco Borgogno
imago
(2004)



Lições da Vida
Henrique Rodrigues
freitas bastos
(1990)



Retrato Mortal ( N. 16)
Nora Roberts J. D. Robb
Bertrand Brasil
(2011)



Pride and Prejudice - Livro de Bolso
Jane Austen
Bantam Books
(1989)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês