O jornalismo que dá nojo | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/8/2003
O jornalismo que dá nojo
Adriana Baggio

+ de 6800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Será que é pedir demais que pelo menos o noticiário fique fora da espetacularização promovida pela mídia? Não estou nem falando desses pseudo-programas jornalísticos que animam as tardes dos desocupados, oferecendo uma visão do que de mais podre existe no ser humano. Refiro-me aos noticiários que se dizem “sérios”. Desses, espero uma visão do que realmente é relevante, espero a notícia. Se for para ver espetáculo, posso optar entre as novelas, humorísticos, shows. Nesses programas sei o que me espera, sei que o drama é fabricado. Por isso fiquei chocada com a cobertura dada pelos jornalísticos da Rede Globo à morte do diplomata Sérgio Vieira de Mello.

Enquanto estava vivo, nunca vi a Globo dar atenção a esse brasileiro que ocupava um alto cargo na ONU e que, por conta da sua função, tinha a missão de contribuir para o restabelecimento do Iraque após a guerra. A prova desse descaso é que agora, com a morte do alto comissário, a Globo não tinha nenhuma entrevista, nenhuma reportagem para mostrar. As duas entrevistas veiculadas pela emissora não foram feitas por ela. A primeira que vi era da GloboNews, de 1999. Meio fria, não? Por mais que seja uma emissora do sistema Globo, as equipes de jornalismo são separadas. Por ser um programa de uma TV por assinatura, a programação é diferenciada. Os programas da Globo aberta não circulam livremente pela Globo por assinatura, e vice-versa. A outra entrevista veiculada foi originalmente produzida por uma TV angolana, um pouco antes de o diplomata assumir seu cargo no Iraque.

A gente sabe que, para o jornalismo, muitas pessoas valem mais mortas do que vivas. É o caso do diplomata. Apesar de ser um brasileiro importante, em um cargo importante na ONU, enquanto estava vivo não rendeu uma entrevista sequer. Não é o Brasil que reclama da representação que tem no exterior? Pois bem, esse era um exemplo de representação que não foi explorada, nem ao menos considerada, pela maior rede de comunicação do país para ajudar a reforçar a auto-estima do brasileiro.

Depois de morto, no entanto, Sérgio Vieira de Mello rendeu boas horas de reportagem. A Globo “cavou” entrevistas para poder contextualizar a importância do funcionário da ONU e justificar o fato de explorar tanto a imagem de alguém que mereceu pouca ou nenhuma menção na emissora enquanto estava vivo – enquanto o que fazia realmente era notícia.

Quando o potencial da notícia parecia esgotado, surge um novo atrativo para dar continuidade ao espetáculo. A moça desesperada na cena da explosão era – que sorte! – namorada do diplomata. Nada demais, se nas reportagens anteriores Sérgio não tivesse aparecido como casado. A reportagem veiculada no Fantástico fala que o casal estava separado, para neutralizar qualquer interpretação de que a emissora estava provocando um escândalo para alcançar audiência.

Não importa o tom. Também não importam quais eram os relacionamentos mantidos pelo diplomata. A notícia deu lugar ao sensacionalismo, ao folhetim. Além de lidar com a dor da morte, quem fica precisa lidar, também, com a exposição provocada pela mídia, com o fato de ter sua vida, seus segredos, sua intimidade colocados à vista de todo mundo. E qual a relevância de tudo isso?

Enquanto foi relevante, enquanto o que fazia era notícia, Sérgio Vieira de Mello permaneceu despercebido pela maior emissora de televisão do país, aquela que tem o poder de ditar o que deve e o que não deve ser notícia. Depois de morto, o foco passou a ser a vida pessoal do diplomata. Não foi notícia e passou a ser espetáculo. Com certeza, não era essa a representação que ele queria para si.


Adriana Baggio
Curitiba, 28/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos
04. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
05. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/8/2003
17h26min
Concordo com você, cara Adriana Baggio. O jornalismo dito "global" é de dar nojo mesmo. Mas, infelizmente, serve a objetivos e interesses nem sempre confessáveis, embora, se possa facilmente saber quais são. E o que a nós dá nojo ilude e envenena consciências, fabrica opinião sobre os fatos, distorce e atrasa a história. É lamentável. Como você disse, as diretorias jornalísticas da rede não são iguais. Isso, segundo o meu filtro, também já havia dectado uma coisa: o "Bom Dia, Brasil", de todos os telejornais da rede, inclusive, o Fantástico, é o único que ainda se salva. Conheço a Mírian Leitão em seus artigos, parece-me bastante independente. Parabéns pela análise, Adriana.
[Leia outros Comentários de José Pereira]
30/8/2003
20h13min
Bravo, Baggio! É indispensável que se aponte a cada meneio indecoroso: - a Loura Platinada está nua! É natural que atraia assim tantos olhares. É previsível que muitos assim a prefiram. É premente que alertemo-nos sobre seus sedutores encantos, mental e sexualmente doentes.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
11/9/2003
10h14min
Cara Adriana Baggio, Concordo inteiramente com o teor da sua coluna sobre o S. Vieira de Mello. Fui durante muitos anos responsavel pelo escritorio de uma grande editora brasileira na Europa. Varias vezes propusemos que se fizessem entrevistas ou matérias com Sérgio Vieira de Melo, desde que ele foi nomeado para a Iugoslavia (bem antes de Timor). Sem resultado. So' muito depois, se bem me recordo, foi feita uma unica entrevista. Como explicar essa hostilidade? Confesso que até hoje não consigo entender completamente, porém creio que ha' duas razões principais. A primeira é que os jornalistas brasileiros consideram que brasileiro tem de ter sucesso no Brasil, se um brasileiro tiver sucesso no exterior, de alguma forma ele deixa de ser brasileiro. No caso do Sérgio Vieira de Mello, a questão se agravava pelo fato de ele ser formado no exterior (em filosofia na Sorbonne, se ainda fosse um MBA em Harvard....). A menos claro, se for um Airton Sena: ai vira o maior do mundo. Ja' o Guga..., se o sujeito não for premio Nobel é porque anda "metido a besta". E' uma espécie de covardia por transferência, assunto digno de um psiquiatra. Em segundo lugar os jornalistas brasileiros consideram que não so' politica internacional não interessa ao leitor, como qualquer assunto so' merece matéria se ja' for conhecido e de sucesso no Brasil. Pode parecer ridiculo, um circulo vicioso, mas essa é a verdade. Se um livro ou filme tiver sucesso no Brasil, merece matéria. Se for bom, mesmo se tiver sucesso no exterior e estiver para ser lançado no Brasil, não é suficiente. Sem sucesso no Brasil nada feito. O mesmo acontece com personagens politicos, ou quaisquer outros. Não se noticiava Sergio Vieira de Mello por que ele não era conhecido. E' ridiculo mas é a verdade. Antigamente os jornalistas corriam para apresentar novidades de sucesso. Hoje não. Hoje correm para apresentar algo a mais, se possivel exclusivo, sobre um assunto que ja' for um sucesso. Ou seja, o que se faz hoje nas redações não é bem jornalismo, é uma outra coisa que se chama comunicação, isto é, o jornalista deixa de criar informação para apenas repercuti-la. Virei seu leitor. Um abraço Pedro de Souza
[Leia outros Comentários de Pedro de Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MELHOR DE VINICIUS DE MORAES
VINÍCIUS DE MORAES
FOLHA DE SÃO PAULO
(1994)
R$ 6,28



ANATOMY OF CRITICISM, FOUR ESSAYS
NORTHROP FRYE
PRINCETON
(1973)
R$ 45,82



JETSTREAM BEGINNER
AMANDA MARIS
HELBLING
(2015)
R$ 40,00



A FAZENDA PÚBLICA E A COBRANÇA JUDICIAL DOS DÉBITOS FISCAIS
ANTONIO FELIPPE A. GALLO
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1994)
R$ 5,00



CURSO DIDÁTICO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL
ELPÍDIO DONIZETTI
DEL REY
(2005)
R$ 20,00



AS SETE IRMÃS #1
LUCINDA RILEY
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 12,00



A BRIGHT RED SCREAM: SELF-MUTILATION AND THE LANGUAGE OF PAIN
MARILEE STRONG
VIKING
(1998)
R$ 110,00



HISTÓRIAS PARA AQUECER O CORAÇÃO
JACK CANFIELD E OUTROS
SEXTANTE
(2001)
R$ 4,00



LESSENTIEL DES INSTITUTIONS DE IUNION EUROPÉENNE
JEAN-CLAUDE ZARKA
GUALINO ÉDITEUR
(2004)
R$ 5,50



HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKABAN (HARRY POTTER #3)
J. K. ROWLING
ROCCO
(2000)
R$ 10,00





busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês