Autores novos reloaded | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Play it again, Sam
>>> 29 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A origem da dança
>>> A morte do leitor
>>> Substantivo impróprio
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Lei de Deus?
>>> Um longo desamor
>>> Publicidade e formação política
Mais Recentes
>>> Mulher:Feminino Plural - Mitologia, História e Psicanálise de Dulcinéa da Mata Ribeiro Monteiro pela Rosa dos tempos (1998)
>>> Quem São os Criminosos? de Augusto Thompson pela Achiamé (1983)
>>> Liberdade na Escola de A.S. Neill pela Ibrasa (1969)
>>> Gangues, Galeras, Chegados e Rappers. Juventude, Violência e Cidadania nas Cidades de Miriam Abramovay pela Garamond (2006)
>>> Manifestações de junho de 2013 no Brasil e praças dos indignados no mundo de Maria da Gloria Gohn pela Vozes (2014)
>>> ultura Brasileira e Identidade Nacional de Renato Ortiz pela Brasiliense (2001)
>>> Problemas Agrário Camponeses do Brasil de M. Vinhas pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Ilusão Americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Da revolta ao crime S.A (Coleção Polêmica) de Alba Zaluar pela Moderna (1996)
>>> Juventude em Debate de Helena Wendel Abramo E Outros (orgs.) pela Cortez (2002)
>>> Razão Sangrenta de Robert Kurz pela Hedra (2010)
>>> Relativizando: Uma introdução à Antropologia Social de Roberto DaMatta pela Vozes (1981)
>>> Estudos sobre o Brasil Contemporâneo de Luiz Pereira pela Pioneira (1971)
>>> Evolução Raça e Cultura de Gioconda Mussolini pela Companhia Ed. Nacional (1978)
>>> 101 Plantas para Sombras de Editora Europa pela Europa (2008)
>>> The Whole30 - 30 Dias para mudar de Melissa Hartwig Urban e Dallas Hartwig pela Sextante (2016)
>>> A Educação Pela Pedra e Depois de João Cabral de Melo Neto pela Editora Nova Fronteira (1997)
>>> O Espelho de Heródito de François Hartog pela Humanitas (1999)
>>> O Espírito e a Letra Estudos de Crítica Literária II de Sérgio Buarque de Holanda pela Companhia das Letras (1996)
>>> Protesto e o Novo Romance Brasileiro de Malcom Silverman pela Civilização Brasileira (2000)
>>> Presença da Literatura Brasileira Modernismo História e Antologia de Antonio Candido, José Aderaldo Castello pela Bertrand Brasil (1997)
>>> De Baudelaire ao Surrealismo de Marcel Raymond pela Edusp (1997)
>>> Obra Poética Completa de Federico Garcia Lorca pela Martins Fontes (1989)
>>> Invantando o Sexo Corpo e Gênero dos Gregos a Freud de Thomas Laqueur pela Relume Dumará (2001)
>>> Na América de Susan Sontag pela Companhia das Letras (2001)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Sexta-feira, 19/5/2006
Autores novos reloaded
Julio Daio Borges

+ de 5200 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Há pouco mais de um ano eu escrevi um texto que ficou famoso: "Autores novos". Agora relendo os comentários deixados, vejo que ele foi fecundo e rendeu muitas reações elaboradas que eu não esperava. Mas houve, também, um efeito colateral. Eu sempre soube que estava numa posição delicada, ao criticar e, ao mesmo tempo, ser amigo de autores novos. Sim, amigo. Principalmente porque eu já publiquei - e ainda publico - nomes desconhecidos do grande público que, mais dia menos dia, acabam se destacando.

Já briguei com alguns deles, mas passaram por aqui (ou ainda estão) - mais ou menos pela ordem, entre autores, blogueiros e até jornalistas - Fabio Danesi Rossi, Paulo Salles, Paulo Polzonoff Jr. e Rafael Lima, só na primeira fornada. Depois, na intermediária: Alexandre Soares Silva, Eduardo Carvalho e Bruno Garschagen. Mais adiante: Rodrigo Gurgel, Marcelo Barbão e Adrian Leverkuhn. Mais recentemente: Ana Elisa Ribeiro, Ricardo de Mattos, Luis Eduardo Matta, Andréa Trompczysnki, Marcelo Maroldi e Marcelo Spalding. Recentissimamente: Yuri Vieira e Elisa Andrade Buzzo. (E para provar minha tese: não dou um mês até que apareça alguém dizendo: "Ei, você esqueceu de me citar!".)

Enfim, de alguma maneira, eu revelei ou ajudei a revelar essas pessoas e, para mim, no sentido mais amplo, são todos potenciais autores novos. Acontece, porém, que, quando eu falo no Digestivo em literatura, eu falo de livros publicados e eu falo, de um jeito ou de outro, de grande literatura... Então, gera-se o impasse. Os autores que eu revelei ou ajudei a revelar não são, necessariamente, os mesmos que eu consagro como escritores, digamos. (Como, naquele texto homônimo, Michel Laub e Fabrício Carpinejar - este com um último livro que me gera dúvidas... E, há menos de um mês, Daniel Galera.)

Depois daquele texto, "Autores novos", eu recebi desde e-mails afirmando que eu estava generalizando até livros de autores (para mim, desconhecidos) ansiando por consagração. E, nesses momentos, eu sempre lembro daquele trecho da canção de Ângela Rô Rô: "E, quando eu te encontrar,/ Meu grande amor,/ Por favor,/ Me re-co-nhe-çááá...!". O sujeito que vem atrás de mim, seja para discordar, seja para se apresentar, tem certamente o meu juízo em alta conta, mas, ao mesmo tempo, deseja ardentemente que a minha opinião bata com a dele. Ou seja: deseja que eu vire e fale: "Você é a grande revelação que eu estava procurando há tempos!".

No documentário Imagine, sobre John Lennon, há uma situação análoga que me ocorre agora. (Consideradas as devidas proporções, por favor...) Enquanto Lennon grava Imagine, o álbum, um fã ronda o estúdio implorando por um encontro com seu ídolo... No limite da obsessão, o fã já não come nem dorme e, até por uma questão de humanidade, não resta outra alternativa a John senão recebê-lo. Entre amarfanhado, barbado e sujo, o fã pergunta ao ex-Beatle se não era a ele - fã - que o John Lennon compositor se endereçava em suas canções. Ao que Lennon prontamente responde: "Você me desculpe, mas, não. Eu nem tinha como saber da sua existência...! Como poderia imaginar, então, você como meu interlocutor?". O fã, cabisbaixo, sai de cena.

O que existe de perverso nessa situação é que o pretenso interlocutor se humilha até o limite para obter um reconhecimento que não tem nenhum valor: é apenas piedade ou, no máximo, solidariedade humana. Do mesmo jeito, quando insistem muito à procura de um juízo favorável meu, eu, invariavelmente, me irrito e prefiro me abster. O que os interlocutores não entendem é que esse tipo de manifestação, de reconhecimento, tem de ser espontâneo - e não deve, obrigatoriamente, responder a estímulos, como quando alguém te pergunta "oi, como vai?" e você responde "eu vou bem, e você?".

Eu nunca publiquei um livro, claro, eu não sei... Nem imagino a ansiedade de ter um nome na capa, no frontispício. De alguma forma, penso, como introduzi alguns dos autores ao universo da internet, eles me enxergam, psicanaliticamente falando, como uma espécie de "pai" do qual se espera algum reconhecimento. Eu digo que posso reconhecê-los aqui pelo que publiquei deles, pela amizade que tenho por eles, pelas ricas vivências que acumulamos juntos - mas, por favor, não me peçam para apontar um livro como uma obra-prima se ele não é; e nem me peçam para considerar como literatura algo que eu, pessoalmente, não acho que seja.

Fora que há, ainda, o seguinte: É - sempre, sempre, sempre - a minha opinião, a minha leitura. A minha; a do Julio. O Julio é uma pessoa: o Julio falha; o Julio erra. E, apesar de ser humano, o Julio não quer, deliberadamente, favorecer aos amigos - em seus juízos - apenas por isso: apenas porque eles são amigos! Procuro ser honesto e justo na maioria das vezes pois, particularmente, penso que um dos grandes males que assolam a literatura brasileira é - até hoje - esse festival de condescendência que é a crítica literária na imprensa.

Eu, por exemplo, perdi o respeito pela chamada Geração 90 porque, ao que parece, eles têm um "pacto de não-agressão", elogiando incondicionalmente uns aos outros. Por isso, publicam, volta e meia, livros sofríveis que ninguém critica porque, no mais das vezes, são eles mesmos que se resenham! Quando alguém ousa levantar a voz - como foi o caso do mesmo Polzonoff, no Rascunho - é execrado em praça pública. Lembro, agora, de um escritor que, à época da Flip 2004, eu chamei de "escritor" (entre aspas)... Pra quê? Fui pedir, meses depois, um livro da sua editora e ele, ainda rancoroso, disparou por e-mail: "Pra quê, Julio? Pra que você quer esse livro? Só tem escritor 'meia-boca'". (Quando se fala em "Geração 90", o mercado editorial está nas mãos desse tipo de gente.)

Não digo que haja sempre essa carga de "emoção" à minha espera, quando me cai uma obra no colo para resenha: há, também, uma espécie de "reciprocidade inerente", a qual é praticamente regra nos meios... Já tive gente me respondendo: "Mas eu leio você há milênios! Como é que você me faz uma coisa dessas?". Ora, veja: então eu deveria pedir ao Millôr Fernandes, ao Rubem Fonseca e ao Paulo Francis que me elogiassem sempre, afinal eu sempre li eles! Outro dia, até, eu irritei um amigo meu, que insistia que eu concordasse com ele - sobre o seu livro que eu ainda nem lera - apenas porque não-sei-quem havia dito que ele era "mais poeta" que o Carpinejar, "mais romancista" que o Galera... e eu retruquei, também, comprando a briga: "Ora, você deveria era apresentar o seu livro - já que é um romance - a um romancista de peso! Por que não tenta o Milton Hatoum?". (Procurar os amigos, nessas horas, é quase uma garantia de elogio recíproco ou - estourando... - o silencio respeitoso de uma condenação leve.)

E, óbvio, tem quem jogue, como nesse caso, as opiniões, que me pertencem, contra mim mesmo (!) - como se, não obtendo o reconhecimento pelo qual tanto anseia, o interlocutor partisse para desqualificar o que eu penso, o meu juízo enfim. Numa discussão com outro amigo, essa "ao vivo", ele começou a cair de pau no Michel Laub - pelos simples fato de que eu o havia reconhecido como "valor", voilà, em "Autores novos"... Eu fico espantado como, a certas pessoas, a minha opinião marca como ferro em brasa - ou, pior, como uma condenação... E eu sou obrigado a reforçar o sentimento que perpassa este texto: eu sou um ser falível, eu mudo - e, convenhamos, não estou com essa bola toda (digo isso para você não ficar, aí, se martirizando pelo que eu, um dia, escrevi...).

Como dizia Leonardo da Vinci (apesar de que eu tenho dúvida se foi mesmo ele...): a verdade é filha do tempo. Autores novos, relaxem: se vocês forem bons mesmo, eu um dia hei de, inevitavelmente, reconhecê-los. Livro vai, livro vem - de repente, alguém me pega no contrapé... Por exemplo, o Daniel Galera. Eu já havia quase que desistido dos Autores do Mal, com os livros não tão bons de Mojo e Cardoso, quando ele me aparece com esse Mãos de Cavalo, que, para a nossa geração - a da internet -, é um marco! O que mais eu posso fazer senão reconhecê-lo? Nunca o havia lido, mas, sei lá, não sou cego, nem daltônico - então... E eu espero, francamente, que a Geração 00 - como querem alguns - renda ainda outros Daniéis-Galera; mesmo sabendo que só vai conseguir quem continuar escrevendo apesar de todos os contratempos (apesar de críticos como eu)...!

Nota do Editor
Leia também "A crítica e o custo Brasil".


Julio Daio Borges
São Paulo, 19/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os 40 anos de A Banda versus Disparada de Vitor Nuzzi


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/5/2006
08h09min
"Benditos os que não confiam a vida a ninguém" (Fernando Pessoa). Tenho lido, sentido, visto e observado que o escritor é alguém que se descobre ao escrever. E dessa forma não se importa nada em não ser lido ou ser considerado. A veia da literatura não é muito extravagante, ela é tímida e envergonhada. Talvez agorafóbica. Alguns escritores só foram considerados após a sua morte, enquanto vivos, apenas alguns os conheciam. E, via de regra, pediam que sua obra fosse desconsiderada ou mesmo destruída, por ser inútil. Por desalento. Por inutilidade. Escrever é um ato solitário. Uma descoberta que está fadada ao descrédito. Um ponto de vista singular que para encontrar o possível -- impossível paralelo: as palavras teriam que ter asas como idéias -- teria que não haver língua e talvez literatura. Não se culpe pelas críticas. Positivas ou negativas. Elas são sempre bem vindas, pois somos -- cada vez essa é a prática -- leitores de nós mesmos. Elas são é incompreendidas. Todo o resto é uma barganha.
[Leia outros Comentários de Erwin]
17/5/2006
08h58min
Julio, terminei a leitura deste seu texto com um sorriso. Entendi e concordei com muito do que disse, mas o que acaba sendo mais importante é o "apesar de críticos como eu". Realmente apenas isso determinará a diferença entre uns e outros. A persistência e a capacidade de desviar de uns e aparar no peito outros golpes, sabendo levantar e reconhecer qual foi o erro pra erradicá-lo. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Lívia Santana]
17/5/2006
10h50min
Pois é, Julio. "Grandes poderes trazem grandes responsabilidades", já dizia o Tio Ben. E acho que já disse isso aqui uma vez. E, sim, é complicado mesmo criticar livros de amigos. Não passei por isso da mesma maneira que você, mas já tive o desprazer de falar a um amigo "esse teu conto não tá legal" ou "você deveria cortar algumas partes do teu romance". E não é lá a melhor coisa do mundo a se dizer a um escritor. Mas amigo mesmo é esse, que avisa, aponta falhas. É muito fácil ler e elogiar. Elogio inventa-se. Criticar, apontar falhas e mostrar como o texto pode ser melhorado, eis aí o difícil. Sobre o Galera, tive a mesma sensação que você quando terminei de ler "Mãos de cavalo". É realmente um livro muito bom. Abraço e continue ajudando a divulgar a (boa) e nova (e a velha também, se é que existe isso) literatura!
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
17/5/2006
22h48min
A sua matéria consegue esgotar um assunto complicado. O mercado literário brasileiro é muito pequeno. Conseguir se destacar neste meio é muito difícil. Portanto, é natural que todos precisem de boas críticas. Por outro lado, o crítico fica realmente no papel de monstro. Não queria estar na sua pele.
[Leia outros Comentários de Julio Cesar Corrêa]
19/5/2006
18h26min
ah, Julio, gosto do que você diz, mas às vezes, por causa de algumas frases, acho que você se leva a sério demais. Os críticos não fazem essa diferença toda e não determinam a vida literária de um escritor. É claro que podem chatear, às vezes, principalmente quando parecem se ater mais ao autor e às próprias frustrações (de não-escritor) do que ao livro, à obra. Mas quem gosta de escrever, continua. Quem não gosta, vai parar mesmo porque terá outras coisas para fazer. Quem só gosta e não é bom, sairá de fino. Quem gosta e é bom, terá opções. Quem gosta, não é tão bom, mas é perseverante, poderá aprender. Junte-se a isso muita política e grana, além de paciência. Bom, essa história de perseverança, você, editor do Digestivo, conhece bem...
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
22/5/2006
12h38min
Assim como Francis, eu sou a favor da paulada. Bons escritores não nascem com gente passando a mão em suas cabeças ligeiramente grandes. Frases do tipo "Mas que bela porcaria ein?" podem salvar um autor. Perceba.
[Leia outros Comentários de Edward Bloom]
4/7/2006
16h27min
Caro Julio, seus textos, suas críticas, são muito bem escritos. É óbvio que a natureza humana mais superficial irá desejar ser bem falada e reconhecida por você. Conheci seus textos por acaso, procurando artigos sobre poesia na internet. Isso há poucos dias. E fiquei surpreso com sua capacidade de articular e colocar por escrito coisas que eu também penso. Apenas acho que sua fama, entre os escritores, é muito importante. Haja paciência. Quem gosta de escrever, que escreva. O gosto, ah, o gosto... Quem escreve quer ser considerado pelo gosto erudito. Alíás, deve ser sublime ser comentado e recomendado pelos ditames do gosto erudito.
[Leia outros Comentários de Fabio Damasio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O cálculo econômico em uma comunidade socialista
Ludwig Von Mises
Lvm
(2017)



Stockinger
Cláudio Ely Fábio Coutinho e Outros Curadores
Metrópole
(1999)



A Coragem de Mudar
José Augusto de Morais/Othon Barros
Do autor
(1994)



Deus Seu Maior Aliado nos Momentos de Dor
Joni Eareckson Tada
Thomas Nelson Pocket
(2011)



O Imperador da Ursa Maior
Carlos Eduaro Novaes
Ática
(2000)



Filhos da cobra de pedra Organização social e trajetórias tuyuka no...
Aloisio Cabalzar
Unesp
(2009)



Variável Complexa 1
Salahoddin Shokranian
Unb
(2002)



A Invasão Cultural Norte-americana
Júlia Falivene Alves
Moderna
(1993)



Manual de Direito Financeiro e Tributário - 14ª Ed
Eduardo Marcial Ferreira Jardim
Saraiva
(2016)



English For Travel Student Book One + workbook one
Profª Sonia Sánchez
Korczak Books
(2002)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês