Como ser um Medina | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/1/2015
Como ser um Medina
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4200 Acessos

Não me ligo em surfe. Não entendo as regras nem lhufas. Não sei o apelido de nenhuma manobra. Kelly Slater era um nome que me soava familiar, mas talvez eu não soubesse responder sobre ele a um quiz de múltipla escolha. Só que certas coisas acontecem e a notícia vem como uma onda pra cima da gente. É um esquema meio tsunami: você não quer saber, mas todo mundo diz, todo mundo comenta, todo jornal dá notícia, todo programa mostra, as revistas estampam, todos os amigos e conhecidos têm algo a dizer a respeito do ocorrido. Então eu tomei contato com a história - meio distorcidinha - do Gabriel Medina.

Só que eu não sou dessas pessoas que passam a gostar de tudo o que está na crista da onda. Eu não sei nada de surfe nem de tênis, e continuo sem saber. Eu sei respeitar e admirar o cara (ou a moça) que está lá no pódio, mas eu não viro uma chefa de fã clube depois que algo assim acontece. E também não nego que acontecimentos assim possam despertar alguns gênios para a coisa. Bom, o problema é quando as pessoas acham que vão "virar", mais ou menos como as borboletas. Elas querem ser a exceção, querem se transformar. Aí, não. Aí eu acho que algo ficou mal explicado. Como disse um amigo meu, esse pessoal que cresceu na "pedagogia do gostoso". Pois é. Esforço e disciplina valem como regra. E olhe lá.

Dia desses, eu trafeguei de avião de uma cidade para outra, neste Brasilzão, e resolvi ler a revista de bordo. No meu bolsão não tinha, mas aí eu pedi a revista que dava sopa no bolsão ao lado. Meu vizinho, muito simpático, com jeito de homem de negócios, deixou que eu tomasse de empréstimo aquele volume de textura gostosa. E a capa era bem uma foto grande e iluminada do campeão Medina. Então, corri pra ler um perfil dele, personagem sobre o qual eu já cultivava alguma curiosidade.

Aí eu me dei conta da simpatia que eu sentia pelo garoto, apesar de lamentar pela idade dele, mas de curtir aquela família unida e alerta, e de achar que "não há como segurar a primavera" - como diria um grande amigo meu -, mas de confiar na possível boa criação do rapazote. O elemento que me comoveu não foi a onda perfeita, nem foi o choro do menino, nem mesmo foi a bela história que ele tem com um padrasto que insiste em adotar como pai - a despeito de uma imprensa que insiste em não deixar que eles se adotem. O que me comoveu foi a narrativa sobre o esforço e a dedicação de Medina.

Li a matéria da revista a cada minuto mais encantada com aquele guri que disse o que queria ser, que sabia o que queria ser, que encontrou uns caras que o ajudassem e apoiassem de verdade, que tinha uma família confiante, que estudou, estudou, estudou - sim, surfe também se estuda -, que enfrentou disciplina e foco, para ir se aperfeiçoando, superando e tal e coisa até se tornar campeão mundial.

Não adiantava ter costas quentes nem largas; ser amigo do rei; ganhar tickets pra Pasárgada; conhecer a filha do dono; paquerar a prima do imperador; ter amigos no staff; pedir a ajuda da comunidade; fazer propaganda comovente; ter nascido em berço de ouro ou disto e daquilo; arranjar estágio na empresa de prancha... Não adiantava. Não fazia a menor diferença. O lance é que, pra ser o campeão mundial de surfe, o cara, o próprio cara, tem de surfar bem, fazer a manobra perfeita, na hora certa, quando o mar tá pra peixe. O cara precisa surfar muito, ter muitas horas dormidas e mal dormidas, muito campeonato perdido, muito patrocínio crente, muito desgaste nas juntas, muita prancha quebrada, muito maiô puído, muita salada de alface... muito tudo o que ele fez - com a ajuda sincera de uns e outros - para chegar lá. E quando ele chegou, não esqueceu de ninguém. E um montão de gente, de repente, se lembrou dele, e começou a ser amigo dele, e a chamá-lo para as festas.

O que me comove, resumindo, é raça. É gente que sabe o que quer, mas que sabe também o que tem de projetar e fazer pra chegar lá. E faz. E chega, quando dá. E gente que ouve, que aprende, que tem o apoio de gente mais experiente, que traça um caminho - ou vários - e manda ver. Aí eu fiquei vendo aquele adolescente que se dedicou a ser campeão. E fiquei pensando que nem todo mundo quer ser campeão, claro. Nem precisa querer. E me lembrei do Fernando Pessoa, quando ele dizia que todos os amigos dele eram campeões em tudo, mas que ele era reles e vil. Mas, todo mundo sabe, o Pessoa era uma fera. Uma fera!

Então não adiantava o Medina ter amigos na diretoria nem ser filho do dono do campeonato. Pra ser campeão em algumas coisas, a pessoa precisa estudar, mandar bala, endurecer, apertar, por as duas mãos na massa. Não adianta namorar a princesa nem ser vizinho do gerente. Sacumé?

Deve rolar politicagem, lobby, diz-que-diz, atravessamentos, desqualificação. Deve sim. Mas quem define, ó, é o cara ali, em cima da prancha. Boa prancha, bom atleta, ondas perfeitas. Fazer o quê? Não é matemática. É uma mistura de arte com um monte de outras coisas. Não é como em outros campos, feito, sei lá, a literatura, por exemplo. Mas deixa essa história pra lá, né, Medina?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/1/2015


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. Leitura, curadoria e imbecilização - 11/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 2
Pedro Hiane e Outros
Uniderp
(2007)



Laços de Amor e Ódio
Luiz Carlos Carneiro
Lake
(1993)



Carelli
Joao J Spinelli
Bei
(2010)



Engenharia Genetica o Setimo Dia da Criacao
Fátima Oliveira; Il; Marcio Perassallo
Moderna
(1996)



Net Ware 4 para Leigos
Ed Tittel Deni Connor Earl Follis
Berkeley
(1995)



A Lágrima do Robô Sinal Aberto
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(2008)



Pediatria Volume 2 Crescimento e Desenvolvimento
Med Curso
Med Curso
(2012)



Floresta Encantada: Livro de Colorir e Caça ao Tesouro Antiestres
Johanna Basford
Gmtsextante
(2015)



Harrison Medicina Interna Volume Ii Com Cd
Fauci*braunwald*kasper*hauser*longo*jameson
Mcgraw Hill
(2008)



O Novo Mundo Digital: Você Ja esta Nele
Ricardo Neves
Relume Dumará
(2007)





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês