Reforma na Paulista e um coração pisado | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
>>> Presenças
>>> Se você não fosse tão burro...
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 31/7/2008
Reforma na Paulista e um coração pisado
Elisa Andrade Buzzo
+ de 4900 Acessos
+ 1 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Na volta ainda se encontra tudo em movimento. Estou à margem, em contemplação frente às eternas transformações de uma grande cidade que não pára. A prefeitura fecha os olhos para os grafites cobertos de cinza na 23 de Maio, o mercadinho Spah muda de nome, as obras do metrô avançam, a nova carteirinha da USP consegue ficar pior do que já era.

A FLAP! 2008 se aproxima, vejo um Guia da Folha de livros... Novidade na roda é o que não falta. A reforma da Avenida Paulista ainda continua, eu que esperava encontrá-la pronta, tudo a mil, mas as coisas nunca ficam prontas, se tudo é eterno movimento. Passo lá à meia-noite e encontro máquinas fumegantes, cada qual com uma função definida, espalhando, esquentando, amassando pedrinhas negras de futuro asfalto. Outro exemplar, estridente e pesadão, traça no chão um sulco que delimita algo invisível. Me sinto entupida em uma aorta em plena reparação. Os paulistanos já estão acostumados ao quebra-quebra e dali parece pulsar o coração de um mundo em construção.

A realidade se dissolve neste desfazer-se fazendo, como se fosse possível tirar uma casca velha e pedregosa e revesti-la com uma penugem leve. Alguém teve a idéia de colocar espelhos no tapume da obra no Santa Catarina para refletirem o rosto dos pedestres. Os novos prédios sustentam uma arquitetura espelhada e cansada. Reparo nas coisas com um interesse quase turístico, de quem logo vai dizer adeus e sabe da efemeridade das mudanças, embora queira um gosto do que persiste. O quarteirão do Conjunto Nacional e um ou outro edifício residencial resguardam numa faixa parte do ladrilho português, ainda que eu, precavida, houvesse guardado um parzinho daquela vida precária, por que não?

Lembro de um travesti desfilando pelos carros, glorioso e patético em sua maquiagem quase circense. Naquelas alamedas próximas ele pedia dinheiro para si ou para um grupo de teatro, não sei. Parecia uma lesminha de porcelana com uns olhinhos azuis vergados, um fio de boca cor-de-rosa. Mas quem estava na cristaleira éramos nós. Noutra vez o vi dormindo na calçada e imaginei a que ponto chegara, sem mesmo uma concha.

Ainda na Paulista, dois postes de metal com tímidas lâmpadas resplandecem como asas de besouro. Será que vão trocar todos os postes de concreto, me pergunto. As novas floreiras, quadradonas, impedem que os passantes sentem. Impediam, porque para tudo dá-se um jeito...

Há alguma coisa estranha no ar quando a máquina do estacionamento engole o tíquete e repete "O Shopping Pátio Paulista agradece sua visita". Se os shoppings mudam de nome e ganham um mega-gesso na fachada e colunas internas, é sinal de que mesmo o que parecia acabado encontra formas de refazer-se. A fachada dura e limpa, quase austera, moderna até, do antigo "Paulista" agora tem ferragens e vidraçaria à moda clássica européia... Só a casca mudou, ainda bem que o recheio continua gente como a gente.

E o passeio de reconhecimento de terreno não pára por aí. A famosa água de coco da saída do Museu do Ipiranga some numa operação de limpeza e contenção dos ambulantes sem licença... Funcionários da prefeitura metem num saco branco os cocos, não sem um medo de quebrar, um jeito de não é certo fazer isso com um compadre. Mas ordens são ordens e vamos embora mudos, não sem antes lançar um olhar atônito à cena.

Na volta pra casa, notícias assolam o bairro: Sabrina Sato é sua mais nova moradora, duas livrarias são inauguradas, construtoras continuam a arrancar o sol com os dentes. Pois é, a apresentadora complementa sua malhação no Parque da Água Branca, o mesmo cujas copas das árvores são moeda de troca. Há poucos parques em São Paulo, daí ser um privilégio para poucos ter uma vista esverdeada. E assim os telhadinhos vermelhos vão sumindo aos poucos do horizonte da Rua Turiaçu, dando lugar aos luxuosos quatro suítes. É ainda uma veia tranqüila com seu pequeno comércio. Talvez nem tudo tenha mudado - uma brisa fria de inverno vem acenar para quem se exibe na janela. Ainda bem.

O fim de tarde aos poucos passa do amarelo para o laranja, chegando ao rosa para depois enegrecer de vez. O vozerio vivo do bar em frente sobe audível. E pensando nessas coisas, mutantes como nós, recebo um telefonema. Um amigo, o Vinícius Rodrigues Vieira, vem espantar a solidão e me conta que escreveu um poema há alguns dias.

"Confrontar o velho com o novo
E perceber que, no novo,
Já estava o velho
É sentir dor de velho
Quando ainda se é novo
E ver-se de novo
Com cara de velho
Porque, se fosse velho,
Só poderia ter sido novo

Mas, como ainda é novo,
Pode imaginar-se velho,
Sem vida no novo,
Atuando como um velho,
Mesmo parecendo um novo
Com corcunda de velho,
Que perdoa o novo
Por perecer-se velho
Antes de ter sido novo"

Nessa contradição barroca me percebo como uma larva contorcida em dúvidas. Me deito em antiga relva sabendo que por todos os lados alguém acorda, alguém mergulha, alguém não te espera.

Daí, eu, assim triturada às nove da manhã pela britadeira que furava a calçada da minha casa, levantei e decidi encarar o dia.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 31/7/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu beijo gay de Paulo Polzonoff Jr
02. Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens de Marcelo Spalding
03. Meu primeiro computador pessoal de Julio Daio Borges
04. Não quero esquecer de Adriana Baggio


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/7/2008
09h45min
É isso aí. Seres urbanos sentem-se alienígenas sem noção de tempo e espaço. Às 7 da noite, dentro de suas naves-aquários, encalacradas no trânsito, são abduzidos pelas luzes em volta, e transportados para ilhas paradisíacas.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cozinhando Com o Microondas Vol 1 (1995)
Não Especificado
Circulo do Livro
(1995)



Fabrica e a Cidade Ate 1930, a - a Vida no Tempo
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2002)



Port Out , Starboard Home
Michael Quinion
Penguin Uk
(2005)



Os Subterrâneos da Liberdade Iii - a Luz no Túnel 1974
Jorge Amado
Martins Fontes
(1951)



O Imperador Vol. 4 - os Deuses da Guerra - Confira!
Conn Iggulden
Record
(2008)



Scooby-doo! Em Múmias no Shopping
Gail Herman
Babel
(2011)



1808 - Edição Juvenil - Laurentino Gomes
Laurentino Gomes
Planeta Jovem
(2009)



Quem é essa Mulher Vestida de Sol
Biba Arruda
Gente
(1998)



Uma Estranha Aventura Em Talalai
Joel Rufinho dos Santos
Pioneira
(1982)



Livro da Familia - Coleção Pessoinhas - Natureza e Sociedade 2
Ruth Rocha; Anna Flora / 1ª Ed
Ftd
(2010)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês