Vania Abreu tão perto e tão longe da Multidão | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Noga Sklar
>>> Tempo vida poesia 2/5
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
Mais Recentes
>>> O Livro dos Sentimentos de Maria Isabel Borja e Márcio Vassallo pela Guarda-Chuva (2006)
>>> A Filosofia Rosa-Cruz de John Baines pela Artenova (1982)
>>> A Revolução Bipolar a Gênese e a Derrocada do Socialismo Soviético de Luis Fernandes pela Anita Garibaldi (2017)
>>> Educação e Crise do Trabalho de Gaudêncio Frigotto (org) pela Vozes (1998)
>>> Livro-Literatura brasileira. em dialogo com outras literaturas e outras linguagens de William Cereja pela Atual (2013)
>>> Notícias que marcam de Gustavo Carmo pela Giz (2006)
>>> Zola Amaro um soprano brasileiro para o mundo de Maria José Talavera Campos; Nicola Caringi Lima pela Ufpel (1998)
>>> Livro - Selva de batom de Candace Bushnell pela Record (2005)
>>> Discurso e Leitura de Eni Pulcinelli Orlandi pela Cortez (2001)
>>> Uma História de Ontem pelo Espírito Leone de Mônica Castrol pela ida & Consciência (2011)
>>> Livro - Quimica. volume 1- Quimica geral de Usberco Salvador pela Saraiva (2014)
>>> Gota D'Á|gua de Chico Buarque; Paulo Pontes pela Civilização Brasileira (2023)
>>> Alice no País dos Espelhos de Lewis Carroll pela Martin Claret (2009)
>>> Reuniões Mediúnicas de Therezinha Oliveira pela Allan Kardec (2005)
>>> Português Descomplicado de Carlos Pimentel pela Saraiva (2004)
>>> Livro - Filosofar com textos. temas e historia da filosofia volume unico. parte 1 de Maria Lucia de Arruda Aranha pela Moderna (2012)
>>> O Irmão Alemão de Chico Burque pela Companhia das Letras (2014)
>>> Inteligência Emocional de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Lavoura Arcaica de Raduan Nassar pela Companhia das Letras (2002)
>>> Flávia Souza Lima de Alguma Poesia - autografado pela Numa (2021)
>>> Mediações Históricas de Trabalho e Educação de Maria Ciavatta pela Lamparina (2009)
>>> O Enigma do Capital: Ponto de Vida Marxista de V. Chemiaténkov pela Progresso (1985)
>>> Jornal, História e Técnica - História da Imprensa Brasileira volume 1 de Juarez Bahia pela Mauad X (2009)
>>> The Complete Book of Motorcycles de Roger Hicks pela Tiger Books (1994)
>>> Motorcycle Classics de Grant Leonard pela Magna Books (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 31/8/2004
Vania Abreu tão perto e tão longe da Multidão
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 3700 Acessos

À primeira vista, a cantora Vânia Abreu está sozinha em seu quarto álbum, Eu sou a multidão (Páginas do Mar, 2004). Um dos indícios que traz essa sensação é a capa do disco. Ali, Vânia está só, em pleno viaduto do Chá, no chamado "Centro Velho" da cidade de São Paulo. Logo que se ouve a primeira canção do álbum, no entanto, essa impressão sai de cena. Surge, em contrapartida, uma pulsão que deseja o contrário. É um jogo de forças que segue, sobretudo, na canção-título, na abertura deste disco. Isso porque, ao mesmo tempo em que a letra é intimista, o arranjo traz consigo a participação de muitos instrumentos. E o mais interessante é que essa contradição acaba por articular letra e melodia. Na medida em que a letra enfatiza o contraste: "Com a alma deserta/ Busco a multidão/ Meu quarto me aperta/ Tal a imensidão/ E a cidade alerta/ Nem presta atenção", o arranjo, com direito a samplers e percussão, representa o conjunto.

Ainda acerca dessa primeira canção, nota-se uma preocupação por parte de Vânia Abreu em fazer um álbum conceitual. É a própria cantora, inclusive, quem aponta esse detalhe ao falar do disco: "Não pertenço a nenhum movimento artístico; não tenho tribo. Apesar e justamente por causa disto sou uma pessoa deste tempo. Deste tempo sem muitos sonhos coletivos, de uma sociedade de mercado". Apesar da ressalva sociológica, Vânia Abreu não segue fielmente suas "palavras de ordem". Com efeito, o único princípio que parece guiar a cantora do início ao fim do disco é o de interpretar as canções mesclando sensibilidade e técnica, às vezes pendendo para um dos lados, mas sempre em busca do equilíbrio, como no exemplo da primeira música.

Assim, a partir da segunda faixa, "Imaculada Oração", a temática sociológica dá lugar aos ritmos (quase) regionais e a uma letra que ensaia um sincretismo religioso, como segue no refrão: "Alá, Shalom, Amém, Axé/ O Aiyé pode ter o Buda/ O Zeus, o deus que quiser". Aqui, a melodia também desempenha um papel fundamental, com uma percussão que marca tempo e é muito mais do que coadjuvante no instrumental: além da bateria, há os atabaques, xequeré e agogô. É possível notar, ainda, que a canção é mesmo uma espécie de oração, um mantra, sempre iniciado pelas palavras: "Imaculada Oração".

O ritmo desta última música cede espaço para a o tom harmonioso dos teclados de João Cristal em "Minha Canção", de Chico Buarque. É a única vez que a voz de Vânia Abreu soa sem personalidade, sem o grifo da intérprete. Talvez seja o fato de ser de um compositor tão reconhecido. Desse modo, para o bem e para o mal, a intérprete opta por uma versão sóbria (até demais) para a música. Trata-se de um tratamento absolutamente distinto do que é dado à "A Minha Alma - a paz que eu não quero", do grupo carioca O Rappa. Nela, Vânia entra no ritmo das guitarras e da percussão. E o ápice está no trecho exato: "Me abrace, me dê um beijo/ Faça um filho comigo/ Mas não me deixe sentar na poltrona no dia de domingo". Decerto que é muito diferente da original, entoada por Falcão, contudo, é uma releitura bem realizada, sem mencionar os arranjos, que não fogem do tom que a letra da música pede.

A propósito dos músicos, compostos por violonista, baixista, tecladista e os já citados percussionistas, é necessário dizer que eles dão uma unidade essencial ao álbum. Em especial os violões, executados por Paulo Dáflin. O violão é o único instrumento que se mantém do início ao fim do disco, acompanhando, ora de perto, ora de longe, a voz de Vânia Abreu. Em "À Beça", por exemplo, as cordas são parte eminente na harmonia. Tanto na base, feita com violões de aço, quanto nos solos de guitarra. É o solo, aliás, que dá à letra uma fluência, visto que a repetição do refrão chega a ser exaustiva.

"Meu Querido Santo Antônio" traz outra oração, desta vez mais intimista, como se fosse um lamento, muito bem pontuado pela melodia. O leitor, ao ouvir o disco, verá que o trecho a seguir merece destaque: "Meu coração pequenininho/ Já não agüenta mais sofrer/ Meu querido Santo Antônio/ Vem aqui me socorrer". Novamente, não se sabe se propositalmente ou não, o disco alterna canções mais sóbrias com músicas dançantes, daquelas que tanto a letra como a harmonia - e, por conseguinte, o ritmo - não deixam o ouvinte parado, como em "Pra Falar de Amor". Entretanto, nem todas possuem o mesmo vigor poético. Desse modo, sobram trechos que beiram o nonsense, a saber: "Esqueça/ A cabeça/ As malas, os caretas/ Desapareça da sala/ Da rua, do prédio, do planeta".

Se em algumas faltam, outras têm de sobra. Exemplo disso são as primeiras estrofes de "Alcaçuz", composição de Chico César: "Todo o ouro que o rei tiver/ não é como as estrelas que terei/ Se um dia você vier/ Mesmo o mundo, o céu, a terra, a imensidão, cintilações são sem você/ O que então eu serei". Aqui, mais uma vez, o arranjo é parte essencial da construção da música.

A última faixa é "De Volta ao Cais". Letra e melodia desempenham um papel equânime. Assim, quando uma sobressai a outra aguarda, de forma cadenciada, em segundo plano. E essa ambivalência, que é expressa em cada trecho, concorda para o canto de Vânia Abreu. De fato, é esse o elemento que parece permear todo o álbum, em que pese a pretensão conceitual das temáticas e do discurso da cantora. Em outras palavras, é na voz de Vânia Abreu que Eu Sou a Multidão ganha coerência, uma vez que até mesmo o repertório escolhido pela intérprete é variado, com canções que vão do regional ao pop-rock, sem deixar de passar pela MPB. Ao final, os conceitos temáticos, tão importantes num primeiro momento, são, para o bem e para o mal, esquecidos, dando preferência a um quesito que é muito mais relevante do ponto de vista artístico: a música.

Para ir além



Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 31/8/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
02. Um software em crise existencial de Wellington Machado
03. Suicídio de Marta Barcellos
04. Como treinar um ser humano de Daniel Bushatsky
05. As viúvas da Bizz de Luiz Rebinski Junior


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
03. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
04. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Simples Pensamento Elevado
A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada
The Bhaktivedanta Book
(1991)



S.
John Updike
Fawcett Crest
(1989)



Is It Painful to Think ?
David Rothenberg
Minnesota
(1993)



Livro - Plantas Medicinais / Projeto Alecrim
Dagmar Santos Roveratti
Unimarco
(1999)



Historias de Guignard (2000)
Priscila Freire
Formato
(2000)



Como Transformar Informações Em Conhecimento: Fascículo 2
Celso Antunes
Vozes
(2001)



Vida na Floresta
Monica Jakievicius
Dcl
(2001)



Antonio de Alcantara Machado e o Modernismo
Luis Toledo Machado
Jose Olympio
(1970)



Os Gregos
Judith Crosher
Melhoramentos
(1988)



Moll Flanders (1971)
Daniel Defoe
Abril
(1971)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês