Idiotice Internacional | Juliano Maesano | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Quinta-feira, 13/9/2001
Idiotice Internacional
Juliano Maesano

+ de 2000 Acessos

Um pouco atrasado no assunto, eu sei. Tudo o que meus companheiros colunistas disseram (ou quase tudo) pode ser considerado também como a minha linha de pensamento. Vou então aqui deixar uns poucos pensamentos que gostaria de deixar claro.

Primeiro, eu não iria escrever. Como todos, ou quase todos, eu não sabia o que pensar, escrever ou dizer. E assim como todos, me arrisco a ser exaltado e impulsivo pelo calor do momento, mas não me preocupo. Resolvi escrever para meu capricho mesmo. Para depois, com a cabeça fria e mais consciente poder reler e ver o que eu senti nesse momento.

Os Estados Unidos são para mim como minha própria pátria. Em muitas áreas olho para eles com admiração real (e não "pagação de pau", desculpem o português), e é claro que em muitas outras áreas eu discordo de suas ações, da mesma maneira que discordo de quase tudo aqui na minha pátria real, o Brasil. Numa estimativa grosseira, posso dizer que estive morando nos EUA por uns 3 anos, em épocas distintas. Sem contar mais de vinte viagens que duraram de sete a vinte dias, esporádicas... (No mês que vem eu estaria em New York e Atlantic City, de férias...)

Pelo fato de sentir a realidade norte-americana dentro de mim, fiquei completamente ofendido com a ação animal presenciada no dia 11 de setembro, o mais novo dia que vai ficar para a história. Até esse momento sinto como se tivessem mexido comigo, com o meu povo... afinal, mexeram com os meus amigos.

Primeiro o fato mais sério, as pessoas. Nem preciso me esticar aqui no ódio que sinto pelas milhares de vidas inocentes perdidas por mãos de demônios imundos. Americanos, brasileiros, europeus, africanos, asiáticos e latinos; é certo que indivíduos de todos os povos estavam nos locais dos atentados. Foi um ataque ao mundo todo, não a um prédio americano.

Posso ser "materialista", mas após os inocentes dos locais atingidos e passageiros dos aviões mortos, me vem à cabeça a perda do World Trade Center. Não estou falando de bilhões. Estou falando da beleza que era olhar para os arranha-céus da cidade e ver as duas torres ali. Contrariando uma colunista, eu digo aqui que amava aquela paisagem. Com sol ou neve, os prédios eram brilhantes, maravilhosos; assim como o Empire State e muitos outros locais da cidade, tão aconchegante e parecida com minha cidade natal, São Paulo.

Mais um ponto que veio à cabeça foi o de me colocar no local do acidente. Nem posso contar as vezes que peguei vôos internos em Boston, Washington, New York, Los Angeles, etc... pela United e American Airlines. Me via ali, presenciando algo similar. O que eu faria? Provavelmente estaria esfaqueado, tentando incitar os passageiros a uma luta corpo-a-corpo. E depois, tentei me ver no prédio, trabalhando. Ou então no topo da torre (que estava fechada ainda naquela hora da manhã), onde os turistas podem apreciar uma das mais belas vistas de um dos maiores prédios do mundo. E pensar em tudo isso me deixou "puto", de verdade! (Desculpem meu português novamente, espero que o Editor não censure essas leves palavrinhas)

Outra coisinha que eu quero dizer é que acho realmente que os responsáveis não são americanos. Posso me enganar, sei disso. Mas quero deixar minha impressão. Em primeiro lugar, americanos doidos capazes de fazer isso não costumam se matar em atentados, isso é coisa de árabe (posso estar enganado). Depois, os americanos doidos, normalmente indivíduos brancos do centro dos Estados Unidos, gostam do presidente Bush (eles não gostavam do governo Clinton). Esses americanos "xaropes" de milícias locais querem sua liberdade para comprar e carregar rifles e armas para caçar e proteger suas fazendas e comunidades, e Bush é um deles, outro "xarope". Portanto apostaria em um Bin Laden, ou um grupo palestino ou iraquiano.

Depois, gostaria de rebater críticas de pessoas desinformadas e bobos-alegres que gostam de falar mal de países que mal conhecem ou têm dor-de-cotovelo: o argumento de que "os americanos são arrogantes e foram incompetentes em deixar um atentado atingir seu maior centro nervoso militar e de inteligência", que foi o Pentágono, é um argumento idiota e infeliz.

Em primeiro lugar, o Pentágono não é mais o centro principal de nada. Os principais estrategistas foram mudados a outras bases há anos atrás, dentre elas a principal em Langley, Virginia. Depois, como alguém pode ser tão inocente em dizer que eles tinham obrigação de fazer alguma coisa em termos de segurança para evitar a queda de um avião num prédio como foi o caso do Pentágono e das torres? O que vocês queriam, que colocassem uma rede de borracha para parar a aeronave? É impossível se proteger contra um avião que cai. Não há o que fazer. E para a maioria que fala das coisas sem saber nada: saibam que o Pentágono é exatamente ao lado do aeroporto da cidade, quando pousei lá tirei foto do Pentágono da janela do avião. Como alguém pode suspeitar que um avião a 100 metros de um aeroporto é uma ameaça? É a mesma coisa que o quartel da PM em Campo Belo (São Paulo) suspeitar de um avião chegando perto, mesmo estando a 200 metros do Aeroporto de Congonhas.

Acho que a única falha norte-americana deve-se à fácil entrada em aeroportos e tomada de controle dos aviões pelos terroristas. E não é uma falha pequena, é um absurdo. Se realmente os malucos entraram e dominaram os aviões armados apenas de facas, dá até pra entender, mas é uma regra idiota permitir entrada de facas em aviões, não é? Com certeza vão mudar essa regra logo, logo. Quando soube que devem ter sido de três a cinco criminosos com facas, me espantei por nenhum passageiro ter tido a idéia de um ataque corporal, pois com certeza 50 passageiros contra 5 trouxas com facas seria moleza. Mas parece agora que o avião que caiu na floresta pode ter sido derrubado por uma revolta dos passageiros, se realmente não foi abatido pela Força Aérea.

Fico por aqui, pois nessa altura tenho tanta certeza sobre o resto quanto vocês.

Se você discorda de tudo, envie um email para essa coluna.


Juliano Maesano
São Paulo, 13/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pintura do caos, de Kate Manhães de Jardel Dias Cavalcanti
02. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
03. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
04. Amor, sublime Amor de Isabella Ypiranga Monteiro
05. Os ventos finais do inverno de Elisa Andrade Buzzo


Mais Juliano Maesano
Mais Acessadas de Juliano Maesano em 2001
01. Anos Incríveis - 21/6/2001
02. Filmes de Natal - 13/12/2001
03. Harry, Rony e Hermione - 22/11/2001
04. O Papel do Produtor - 5/2/2001
05. Paraguai - 10/5/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS TEMPLARIOS - IRMÃOS EM CAVALARIA
FREDERICK SMYTH
MADRAS
(1991)
R$ 29,00



A TÉCNICA DA REDAÇÃO JURÍDICA OU A ARTE DE CONVENCER
VICENTE DE PAULO SARAIVA
CONSULEX
(2002)
R$ 14,00



BOM-CRIOULO
ADOLFO CAMINHA
ÁTICA
(1999)
R$ 20,00



PENSAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO Á BASE DE CARNE E A PAZ MUNDIAL I - 1ª ED.
SEICHO-NO-IE
SEICHO-NO-IE
(2014)
R$ 10,99



MÃE E MESTRA
MARIA PIA GIUDICI
MONTE ESTORIL
(1964)
R$ 6,90



O CÉU É UM ESPELHO LÁ LONGE
GUILHERME FIGUEIREDO
ATUAL
(1988)
R$ 10,00



O DESENVOLVIMENTO DOS POVOS - CARTA ENCÍCLICA POPULORUM PROGRESSIO
PAULO VI
VOZES
(1968)
R$ 5,00



PRETÉRITO IMPERFEITO
AFONSO FELIX DE SOUSA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1976)
R$ 7,90



ROBINSON CRUSOÉ
DEFOE, DANIEL
GARNIER - ITATIAIA
(2007)
R$ 15,00



PARA EMERGIR NASCEMOS &ESTUDOS EM REMEMORAÇÃO DE JORGE DE SENA
FRANCISCO COTA FAGUNDES E PAULA GÂNDARA
SALAMANDRA
(2000)
R$ 61,41





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês