Projetando um leitor | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/7/2009
Projetando um leitor
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Os discos de vinil eram mais charmosos. Nem todo mundo concorda com isso, mas sabem bem do que estou falando as pessoas que colecionaram vinis azuis, amarelos e vermelhos, com historinhas narradas por atores. Ainda hoje as capas quadradas me vêm à lembrança, assim como a voz de quem narrava a história do Pica-Pau.

Um pouco mais tarde, a coleção de discos de vinil perdeu as cores. Todos eram pretos, brilhantes e tocavam rock. Há alguns meses, ao descobrir minha coleção (guardada na casa dos meus pais, onde ainda há picapes de som), um aluno me ofereceu dinheiro farto em troca de minha edição importada do Nevermind, do Nirvana. Se havia espaço para o leitor-fã, imagine-se para os designers, que se esbaldavam no trabalho de fazer capas e encartes de "bolachões".

Mas não choro à-toa. Os discos de vinil são apenas lembrança. Embora ainda possa ouvi-los, incluindo-se aí o gesto memorável de colocar, manualmente, a agulha nos primeiros sulcos, sem arranhar o disco, não faço isso há tempos. Escuto meus CDs em paz, dirigindo pelas ruas, o que torna, me parece, a cidade menos árida. Ultimamente, ando às voltas com o Lenine mais novo (Labiata), que me deixa arrepiada, mesmo durante engarrafamentos e chuvas de verão torrenciais.

Diz minha mãe (e eu confirmo) que investiu pesado para que os filhos gostassem de ler. Deu muitos discos de vinil coloridos, com histórias encantadas; comprou quase todas as obras que a escola indicou (escola pública, frise-se); nos presenteou com as carteirinhas das bibliotecas públicas mais próximas e até com a da central, na Praça da Liberdade; não ofereceu nunca qualquer resistência aos títulos que trazíamos para casa (ganhados ou emprestados); e ela mesma contou muita história para todos os pimpolhos, na esperança de que gostássemos daquele ritual das palavras.

Deu 25% certo. Dos quatro que somos, apenas eu enveredei com força pelas sendas da leitura e da escrita, inclusive fazendo disso meu modo de vida, de sobrevivência e, mais, meu estilo de vida, algo absolutamente incorporado ao meu cotidiano. Meus três irmãos se apegaram menos à ideia. O segundo lê sem problemas, mas não se tornou um viciado completo. Os dois mais novos leem com certa raridade, embora não tenham nojo de leitura.

Não sei até que ponto essas coisas se transmitem, mas rezam as estatísticas (inclusive as mais bem-feitas e confiáveis) que as chances de leitores proliferarem e gerarem outros leitores é grande, ao menos bem maior do que a de não-leitores convencerem alguém de que ler é legal. Meus pais não eram leitores contumazes. Meu pai, médico clínico, raramente era visto com livros entre as mãos. Até hoje, lá em casa, há apenas uma estante em que ficam dispostos livros de medicina, provavelmente muito desatualizados, em apenas uma das estreitas prateleiras. Minha mãe, assistente social, vivia lendo textos técnicos, mas raramente a víamos entretida com alguma leitura diferente dessa. Tinha uma atitude interessante quanto aos poucos títulos que tinha: guardava-os trancados em estantes com portas. E mais: falava mal de minha avó, sua mãe, que vivia afundada entre as páginas dos clássicos e, segundo a filha primogênita, alheia às carências dos filhos. A despeito de certa distância dos livros, meus pais assinavam revistas e jornais. Estes, sim, artigo obrigatório na casa, o que formou quatro vorazes leitores de diários de papel.

O professor Élie Bajard, um dos criadores do projeto Pró-Leitura no Brasil, tem um livro bacanérrimo e baratinho chamado Da escuta de textos à leitura (Cortez, 2007, 120 págs.). Em algumas de suas cento e vinte páginas, o autor menciona o fato de que é importante que as crianças identifiquem as histórias e as leituras aos livros (ou aos objetos de ler). Isso me deixou uns dias bem pensativa. Os discos de vinil traziam muitas histórias, assim como a voz de minha mãe, e isso foi certamente importante para que eu formasse meu gosto pela literatura, mas não me fez identificar, diretamente, histórias e livros, prazer de ouvir e prazer de ler. Com isso, Bajard me fez observar melhor o que venho fazendo com meu filho, um sério candidato a leitor.

Sim, candidato a leitor porque, primeiramente, não forçamos nada, nem eu nem meu marido jornalista. O garoto, desde que nasceu, anda pela casa em meio aos carrinhos Hot Wheels, mamadeiras, almofadas e livros. Muitos livros, pilhas pesadas deles, enfileirados em todo canto, prontos para serem lidos. Depois, desde bebê, Eduardo ganha livros. Não apenas os que herdou da mãe, mas os que ganha dos amigos da família. Além dos meus, conservados desde pequena, dei a ele os livros que foram fruto do meu trabalho em editoras de obras infantis. Os amigos escritores enviam livros autografados e o menino acha tudo isso normal. Sinal tênue de que esse investimento vem dando certo aconteceu quando, há alguns meses, uma tia perguntou a ele o que Eduardo queria de aniversário. A timidez o impediu de dar resposta mais exata. A tia, então, passou a apostar e a brincar com ele: "Uma roupa?". Ele disse um pronto "não". "Um brinquedo?". Ele disse um inequívoco "sim". "Um livro?". Ele não respondeu, apenas fez cara de coisa boa.

Com esse acervo de infantis em casa, preciso cumprir, quase todos os dias, o ritual da leitura em voz alta, já que o garoto ainda não sabe ler. É analfabeto, vejam, embora já tenha dado suas voltinhas pela internet. Bem mais recentemente, numa dessas noites de contar histórias, percebi que meu cansaço talvez me impedisse de ler o livrinho até o fim. Tentei negociar, deixar para amanhã, mas não teve jeito. "Tem que ler uma história pra mim, só uma". Fui vencida pelo tom de quem implora e pela minha responsabilidade de formadora. Mas achei uma solução menos cansativa: "Deixa eu te contar uma história da minha cabeça, então, sem livro". Pensei em gastar um dos mais de duzentos contos da literatura oral que aprendi no Vale do Jequitinhonha. Para minha surpresa, a proposta não foi aceita. "Não quero. Tem que contar história de dentro do livro". O professor Bajard me veio à lembrança imediatamente.

Contei uma historinha curtinha, de um livro ruinzinho, sobre um pequeno tubarão que aprendia a ser ameaçador. Quando terminei as cinco ou seis páginas, fui interpelada: "Por que só tem um pouco de livro?". E, em seguida, a ordem: "Quero que você leia um livro grande, de um tamanho que batesse nas nuvens". Vamos lá, outro livro, desta vez, mais convincente.

Depois desse episódio, resolvi tomar um pedaço de papel e uma lapiseira que ficam a postos no criado-mudo. Era preciso anotar essas coisas para escrever uma crônica. Deitei de bruços e comecei a redigir anotações sobre as falas dele e tudo isto que escrevi aqui. Ele deitou-se ao meu lado e ficou observando, interessado, o que eu estava fazendo. E disse, com o queixo apoiado nas mãozinhas: "Eu queria saber fazer letras e números igual a você". Ele ainda não diferencia 5 de S. Boa coisa, não? Eu disse a ele que muito em breve ele aprenderia a escrever.

Impaciente para o meu "em breve", ele pegou a lousa mágica de brinquedo (dessas que apagam com um pauzinho) e passou a fingir que escrevia. Quando eu chamei a lousa de "brinquedo", ele me corrigiu severo: "Não é brinquedo. Isto é lápis". O professor Bajard, mais uma vez, parecia surgir ali, entre nós, sentado em nossa cabeceira. Tomara, professor, tomara.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2009
16h43min
Rs... Lá em casa tínhamos hábitos diferentes. Minha mãe sempre lia contos e fabulas pela manhã. Achava estranho, porque as outras mães liam para os seus filhos antes de dormir. Um dia eu perguntei e ela disse que livros devem ser lidos para despertar, e não para adormecer!
[Leia outros Comentários de Tâmara]
10/7/2009
23h26min
Ana, eu também me formei leitora na infância. Minha influência, na época, foi a falta da televisão e o acesso à biblioteca do colégio, onde eu era muito assídua! Leitura pra mim é necessidade, costume, hobby, é tudo de bom. Inclusive a expectativa de ler você aqui no Digestivo. Deus abençoe você com o Dudu, invista, vale a pena (disso nós duas num temos dúvida né?)!
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
20/7/2009
09h45min
Meus pais tiveram muitos filhos, morávamos na roça, sem acesso a livros. No entanto, com todo um espaço para a imaginação. Comecei lendo romances antigos do meu pai, na biblioteca do internato, nas histórias contadas pela minha avó. E preencho tudo isso até hoje, os vazios da memória, com minha fantasia. O diálogo, as conversas, a presença física, humana e dos livros, constitui a construção maior da leitura/escritura, talvez o livro pessoal da vida.
[Leia outros Comentários de Sebastião A Braga]
20/7/2009
16h04min
Quando pequena sempre ouvia histórias. Papai gostava de lê-las para nós e mamãe de contá-las. Cresci, casei-me e quando meu caçula estava com seis anos fui fazer Magistério, e depois de sete anos fiz Letras... Como já era difícil conseguir aulas naquela época, eu dava aulas como eventual. E eu gostava de ler algum texto e trabalhar sempre dentro de um contexto. Um dia, li uma das histórias de Malba Tahan para uma turma do primeiro ano do Ensino Médio. Qual não foi a minha surpresa, no final da aula, ao receber uma carta de um dos alunos relatando que eu havia realizado um sonho dele, pois desde a infância nunca ninguém havia lido uma história para ele. Confesso que fiquei muito emocionada e aquilo me deu forças para continuar lutando contra os obstáculos da minha carreira... Hoje sou efetiva na Rede Estadual de Ensino, na disciplina de Língua Portuguesa e continuo lendo muitas histórias para meus alunos e desenvolvendo projetos de leitura...
[Leia outros Comentários de Cátia Lopes Ribeiro]
24/7/2009
13h57min
Comeci bem cedo na arte da leitura. Existia, algum tempo atrás, aqueles romances "Julia e Sabrina", e eu lia até quando não podia. Mamãe me chamava, eu dizia que estava indo, mas só aparecia para atendê-la quando terminava. Ficava horas pela madrugada e outras no banheiro trancada. Foi uma época muito feliz. Sonhava com tudo o que lia e sentia prazer em ler cada capítulo. Fui na casa de uma vizinha por ocasião do aniversário de sua filha e vi em sua prateleira milhares destes livros e quando perguntei sobre os romances, ela começou a rir e disse que estava emprestando para sua vizinha. Os meus não sei que fim tiveram, creio que mamãe os doou, pois era professora e lia bantante também. Tenho três filhos, mas somente uma gosta de ler e somos parceiras nas leituras. Quando escrevo minhas poesias e contos, divido este prazer com ela.
[Leia outros Comentários de Solange Boy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINQUEMOS COM O CORPO E A IMAGINAÇÃO
LIDIA VAZQUEZ
PAULUS
(2000)
R$ 8,28



LEIS 8.112/90 E 8.666/93 COLEÇÃO CONCURSOS PÚBLICOS O PASSO DECISIVO PARA SUA APROVAÇÃO
ISABEL MORAES (COORD)
GOLD
(2008)
R$ 10,00



A FERA NA SELVA
HENRY JAMES
ROCCO
(1985)
R$ 18,00



REALISTIC ILLUSTRATIONS IN JAPAN 2
G. SHA
BOOKS NIPPAN
(1987)
R$ 85,00



UM CASAMENTO SEM AMOR
DORIS LESSING
RECORD
(1964)
R$ 7,00
+ frete grátis



DA RECONVENÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO
OSÍRIS ROCHA
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1965)
R$ 19,28



OS DOZE MANDAMENTOS
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2011)
R$ 3,00



ISRAEL DO SONHO À REALIDADE
CHAIM WEIZMANN
IBRASA
(1969)
R$ 5,00



THE ADVENTURES OF HUCKLEBERRY FINN - COM CD
MARK TWAIN
PEARSON
R$ 25,00



SEXO E DESTINO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER & WALDO VIEIRA
FEB
(1972)
R$ 20,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês