Projetando um leitor | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Mapa da sala de aula
>>> Gostar de homem
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O chá do imperador
>>> Papa Francisco
>>> Pequena notável
Mais Recentes
>>> O pastor que Deus usa de Eugene H. Peterson pela Textus (2003)
>>> As Idéias da Álgebra de Arthur F. Coxford, Albert P. Shulte pela Atual (1995)
>>> Buso Renkin volume 2 de Nobuhiro Watsuki pela Jbc Mangás (2003)
>>> Caminhos da Justiça de John Grisham pela Rocco (2010)
>>> Fullmetal Alchemist volume 28 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2006)
>>> Fullmetal Alchemist volume 27 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2006)
>>> Fullmetal Alchemist volume 5 de Hiromu Arakawa pela Jbc Mangás (2002)
>>> Da reforma protestante á pentecostalidade da igreja de Bernardo Campos pela Sinodal (2002)
>>> Vampire Kisses Laços de sangue de Ellen Schreiber e Rem pela Tokyo Pop (2008)
>>> De Repente nas Profundezas do Bosque de Amóz Oz pela Seguinte (2007)
>>> Onegai Twins volume 2 de Please1 e Akikan pela Jbc Mangás (2008)
>>> Nana volume 2 de Ai Yazawa pela Jbc Mangás (2008)
>>> Regras de Cortesia de Amor Towles pela Rocco (2012)
>>> Paradise kiss volume 2 de Ai Yazawa pela Conrad (2007)
>>> Comentário de Romanos versículos por versículo de C. E. B Granfield pela Vida Nova (2005)
>>> Omega complex volume 3 de Shonen Izu pela Astral comics (2014)
>>> Tenho Tenge volume 1 de Oh Great pela Jbc Mangás (2009)
>>> Ainda Sou Eu de Jojo Moyes pela Intrínseca (2018)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Estruturas de Dados e Algoritmo em Java de Michael T. Goodrich e Roberto Tamassia pela Bookman (2001)
>>> Pablo Escobar: Meu Pai - As Histórias que Não Deveríamos Saber de Juan Pablo Escobar pela Planeta do Brasil (2015)
>>> Dom Hélder Câmara: Entre o Poder e a Profecia de Nelson Piletti; Walter Praxedes pela Ática (1997)
>>> O Andarilho das Estrelas de Jack London pela do Conhecimento (2004)
>>> Kill la Kill volume 3 de Ryo Akizuki e Trigger/ Kazuki Nakashima pela Jbc Mangás (2015)
>>> O Homem que Comeu de tudo de Jeffrey Steingarten pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela Agir (2015)
>>> Doos Of Chaos volume 1 de Ryoko Mitsuki pela Tokyo Pop (2008)
>>> Kanpai volume 1 de Maki Murakami pela New pop (2008)
>>> Aprender Depois dos 50 de Ivonne Assunta Cortelletti; Miriam Bonho Casara; Isabel Aurora Marrachinho Toni pela Educs (2007)
>>> Bleach volume 7 de Tite Kubo pela Panini comics (2007)
>>> À Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón pela Suma de Letras (2017)
>>> A Bolsa Amarela de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (2003)
>>> Naruto volume 18 de Masashi Kishimoto pela Panini comics (2008)
>>> Senhor Gelado e Outras Histórias de Igor Natusch pela Zouk (2016)
>>> Hunter x Hunter VOLUME 14 de Yoshihiro Togashi pela Jbc Mangás (2009)
>>> The lost Canvas Os Cavaleiros do Zodíaco a Saga de Hades volume 11 de Masami Kurumada e Shiori Teshirogi pela Jbc Mangás (2008)
>>> Death Note volume 3 de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata pela Jbc Mangás (2004)
>>> Death Note volume 2 de Tsuneo Takano e Takeshi Obata pela Jbc Mangás (2004)
>>> Death Note volume 1 de Tsuneo Takano e Takeshi Obata pela Jbc Mangás (2004)
>>> O estrangeiro de Albert Camus pela Record (2004)
>>> O governo Kubitschek de Maria Victoria de Mesquita Benevides pela Paz e Terra (1975)
>>> Fairy Tail volume 1 de Hird Nahima pela Jbc Mangás (2010)
>>> Death Note volume 7 de Tsuneo Takano e Takeshi Obata pela Jbc Mangás (2007)
>>> Mistério Magazine(16=17=18=19=20) de Ellery Queen pela Globo (1950)
>>> Death Note volume 6 de Tsuneo Takano e Takeshi Obata pela Jbc Mangás (2007)
>>> Death Note volume 4 de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata pela Jbc Mangás (2007)
>>> Mamãe & Eu & Mamãe de Maya Angelou pela Rosa dos Tempos (2018)
>>> Mistério Magazine(7=8=9=10=11=12=13) de Ellery Queen pela Globo (1977)
>>> Poemas Coronários de Cyro dos Anjos pela Globo (2009)
>>> Hunter x Hunter de Yoshihiro Togashi pela Jbc Mangás (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/7/2009
Projetando um leitor
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Os discos de vinil eram mais charmosos. Nem todo mundo concorda com isso, mas sabem bem do que estou falando as pessoas que colecionaram vinis azuis, amarelos e vermelhos, com historinhas narradas por atores. Ainda hoje as capas quadradas me vêm à lembrança, assim como a voz de quem narrava a história do Pica-Pau.

Um pouco mais tarde, a coleção de discos de vinil perdeu as cores. Todos eram pretos, brilhantes e tocavam rock. Há alguns meses, ao descobrir minha coleção (guardada na casa dos meus pais, onde ainda há picapes de som), um aluno me ofereceu dinheiro farto em troca de minha edição importada do Nevermind, do Nirvana. Se havia espaço para o leitor-fã, imagine-se para os designers, que se esbaldavam no trabalho de fazer capas e encartes de "bolachões".

Mas não choro à-toa. Os discos de vinil são apenas lembrança. Embora ainda possa ouvi-los, incluindo-se aí o gesto memorável de colocar, manualmente, a agulha nos primeiros sulcos, sem arranhar o disco, não faço isso há tempos. Escuto meus CDs em paz, dirigindo pelas ruas, o que torna, me parece, a cidade menos árida. Ultimamente, ando às voltas com o Lenine mais novo (Labiata), que me deixa arrepiada, mesmo durante engarrafamentos e chuvas de verão torrenciais.

Diz minha mãe (e eu confirmo) que investiu pesado para que os filhos gostassem de ler. Deu muitos discos de vinil coloridos, com histórias encantadas; comprou quase todas as obras que a escola indicou (escola pública, frise-se); nos presenteou com as carteirinhas das bibliotecas públicas mais próximas e até com a da central, na Praça da Liberdade; não ofereceu nunca qualquer resistência aos títulos que trazíamos para casa (ganhados ou emprestados); e ela mesma contou muita história para todos os pimpolhos, na esperança de que gostássemos daquele ritual das palavras.

Deu 25% certo. Dos quatro que somos, apenas eu enveredei com força pelas sendas da leitura e da escrita, inclusive fazendo disso meu modo de vida, de sobrevivência e, mais, meu estilo de vida, algo absolutamente incorporado ao meu cotidiano. Meus três irmãos se apegaram menos à ideia. O segundo lê sem problemas, mas não se tornou um viciado completo. Os dois mais novos leem com certa raridade, embora não tenham nojo de leitura.

Não sei até que ponto essas coisas se transmitem, mas rezam as estatísticas (inclusive as mais bem-feitas e confiáveis) que as chances de leitores proliferarem e gerarem outros leitores é grande, ao menos bem maior do que a de não-leitores convencerem alguém de que ler é legal. Meus pais não eram leitores contumazes. Meu pai, médico clínico, raramente era visto com livros entre as mãos. Até hoje, lá em casa, há apenas uma estante em que ficam dispostos livros de medicina, provavelmente muito desatualizados, em apenas uma das estreitas prateleiras. Minha mãe, assistente social, vivia lendo textos técnicos, mas raramente a víamos entretida com alguma leitura diferente dessa. Tinha uma atitude interessante quanto aos poucos títulos que tinha: guardava-os trancados em estantes com portas. E mais: falava mal de minha avó, sua mãe, que vivia afundada entre as páginas dos clássicos e, segundo a filha primogênita, alheia às carências dos filhos. A despeito de certa distância dos livros, meus pais assinavam revistas e jornais. Estes, sim, artigo obrigatório na casa, o que formou quatro vorazes leitores de diários de papel.

O professor Élie Bajard, um dos criadores do projeto Pró-Leitura no Brasil, tem um livro bacanérrimo e baratinho chamado Da escuta de textos à leitura (Cortez, 2007, 120 págs.). Em algumas de suas cento e vinte páginas, o autor menciona o fato de que é importante que as crianças identifiquem as histórias e as leituras aos livros (ou aos objetos de ler). Isso me deixou uns dias bem pensativa. Os discos de vinil traziam muitas histórias, assim como a voz de minha mãe, e isso foi certamente importante para que eu formasse meu gosto pela literatura, mas não me fez identificar, diretamente, histórias e livros, prazer de ouvir e prazer de ler. Com isso, Bajard me fez observar melhor o que venho fazendo com meu filho, um sério candidato a leitor.

Sim, candidato a leitor porque, primeiramente, não forçamos nada, nem eu nem meu marido jornalista. O garoto, desde que nasceu, anda pela casa em meio aos carrinhos Hot Wheels, mamadeiras, almofadas e livros. Muitos livros, pilhas pesadas deles, enfileirados em todo canto, prontos para serem lidos. Depois, desde bebê, Eduardo ganha livros. Não apenas os que herdou da mãe, mas os que ganha dos amigos da família. Além dos meus, conservados desde pequena, dei a ele os livros que foram fruto do meu trabalho em editoras de obras infantis. Os amigos escritores enviam livros autografados e o menino acha tudo isso normal. Sinal tênue de que esse investimento vem dando certo aconteceu quando, há alguns meses, uma tia perguntou a ele o que Eduardo queria de aniversário. A timidez o impediu de dar resposta mais exata. A tia, então, passou a apostar e a brincar com ele: "Uma roupa?". Ele disse um pronto "não". "Um brinquedo?". Ele disse um inequívoco "sim". "Um livro?". Ele não respondeu, apenas fez cara de coisa boa.

Com esse acervo de infantis em casa, preciso cumprir, quase todos os dias, o ritual da leitura em voz alta, já que o garoto ainda não sabe ler. É analfabeto, vejam, embora já tenha dado suas voltinhas pela internet. Bem mais recentemente, numa dessas noites de contar histórias, percebi que meu cansaço talvez me impedisse de ler o livrinho até o fim. Tentei negociar, deixar para amanhã, mas não teve jeito. "Tem que ler uma história pra mim, só uma". Fui vencida pelo tom de quem implora e pela minha responsabilidade de formadora. Mas achei uma solução menos cansativa: "Deixa eu te contar uma história da minha cabeça, então, sem livro". Pensei em gastar um dos mais de duzentos contos da literatura oral que aprendi no Vale do Jequitinhonha. Para minha surpresa, a proposta não foi aceita. "Não quero. Tem que contar história de dentro do livro". O professor Bajard me veio à lembrança imediatamente.

Contei uma historinha curtinha, de um livro ruinzinho, sobre um pequeno tubarão que aprendia a ser ameaçador. Quando terminei as cinco ou seis páginas, fui interpelada: "Por que só tem um pouco de livro?". E, em seguida, a ordem: "Quero que você leia um livro grande, de um tamanho que batesse nas nuvens". Vamos lá, outro livro, desta vez, mais convincente.

Depois desse episódio, resolvi tomar um pedaço de papel e uma lapiseira que ficam a postos no criado-mudo. Era preciso anotar essas coisas para escrever uma crônica. Deitei de bruços e comecei a redigir anotações sobre as falas dele e tudo isto que escrevi aqui. Ele deitou-se ao meu lado e ficou observando, interessado, o que eu estava fazendo. E disse, com o queixo apoiado nas mãozinhas: "Eu queria saber fazer letras e números igual a você". Ele ainda não diferencia 5 de S. Boa coisa, não? Eu disse a ele que muito em breve ele aprenderia a escrever.

Impaciente para o meu "em breve", ele pegou a lousa mágica de brinquedo (dessas que apagam com um pauzinho) e passou a fingir que escrevia. Quando eu chamei a lousa de "brinquedo", ele me corrigiu severo: "Não é brinquedo. Isto é lápis". O professor Bajard, mais uma vez, parecia surgir ali, entre nós, sentado em nossa cabeceira. Tomara, professor, tomara.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
02. Inimigos da política de Celso A. Uequed Pitol
03. Fake na art e a pet humana de Gian Danton
04. O cavalo branco de Elisa Andrade Buzzo
05. Conselho ou Informação de Daniel Bushatsky


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2009
16h43min
Rs... Lá em casa tínhamos hábitos diferentes. Minha mãe sempre lia contos e fabulas pela manhã. Achava estranho, porque as outras mães liam para os seus filhos antes de dormir. Um dia eu perguntei e ela disse que livros devem ser lidos para despertar, e não para adormecer!
[Leia outros Comentários de Tâmara]
10/7/2009
23h26min
Ana, eu também me formei leitora na infância. Minha influência, na época, foi a falta da televisão e o acesso à biblioteca do colégio, onde eu era muito assídua! Leitura pra mim é necessidade, costume, hobby, é tudo de bom. Inclusive a expectativa de ler você aqui no Digestivo. Deus abençoe você com o Dudu, invista, vale a pena (disso nós duas num temos dúvida né?)!
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
20/7/2009
09h45min
Meus pais tiveram muitos filhos, morávamos na roça, sem acesso a livros. No entanto, com todo um espaço para a imaginação. Comecei lendo romances antigos do meu pai, na biblioteca do internato, nas histórias contadas pela minha avó. E preencho tudo isso até hoje, os vazios da memória, com minha fantasia. O diálogo, as conversas, a presença física, humana e dos livros, constitui a construção maior da leitura/escritura, talvez o livro pessoal da vida.
[Leia outros Comentários de Sebastião A Braga]
20/7/2009
16h04min
Quando pequena sempre ouvia histórias. Papai gostava de lê-las para nós e mamãe de contá-las. Cresci, casei-me e quando meu caçula estava com seis anos fui fazer Magistério, e depois de sete anos fiz Letras... Como já era difícil conseguir aulas naquela época, eu dava aulas como eventual. E eu gostava de ler algum texto e trabalhar sempre dentro de um contexto. Um dia, li uma das histórias de Malba Tahan para uma turma do primeiro ano do Ensino Médio. Qual não foi a minha surpresa, no final da aula, ao receber uma carta de um dos alunos relatando que eu havia realizado um sonho dele, pois desde a infância nunca ninguém havia lido uma história para ele. Confesso que fiquei muito emocionada e aquilo me deu forças para continuar lutando contra os obstáculos da minha carreira... Hoje sou efetiva na Rede Estadual de Ensino, na disciplina de Língua Portuguesa e continuo lendo muitas histórias para meus alunos e desenvolvendo projetos de leitura...
[Leia outros Comentários de Cátia Lopes Ribeiro]
24/7/2009
13h57min
Comeci bem cedo na arte da leitura. Existia, algum tempo atrás, aqueles romances "Julia e Sabrina", e eu lia até quando não podia. Mamãe me chamava, eu dizia que estava indo, mas só aparecia para atendê-la quando terminava. Ficava horas pela madrugada e outras no banheiro trancada. Foi uma época muito feliz. Sonhava com tudo o que lia e sentia prazer em ler cada capítulo. Fui na casa de uma vizinha por ocasião do aniversário de sua filha e vi em sua prateleira milhares destes livros e quando perguntei sobre os romances, ela começou a rir e disse que estava emprestando para sua vizinha. Os meus não sei que fim tiveram, creio que mamãe os doou, pois era professora e lia bantante também. Tenho três filhos, mas somente uma gosta de ler e somos parceiras nas leituras. Quando escrevo minhas poesias e contos, divido este prazer com ela.
[Leia outros Comentários de Solange Boy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ON TRACK 2
ANGELA LLANAS LIBBY MARCELO
MACMILLAN
(2012)
R$ 9,90



TABELIONATO DE NOTAS - A ASCENSÃO JURÍDICA
N/D
NÃO INFORMADA
(2010)
R$ 40,90



PROJETO DOWN - ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE
AURENI MARTINS BENATTI E OUTROS
PROJETO DOWN
(1994)
R$ 5,00



MISTICA E ESPIRITUALIDADE
LEONARDO BOFF; BETTO
VOZES
(2010)
R$ 35,90



EM LOUVOR DO NEPOTISMO: UMA HISTÓRIA NATURAL
ADAM BELLOW
GIRAFA
(2006)
R$ 9,90



ALICE NO FUNDO DO ESPELHO
LEWIS CARROLL
DO BRASIL
R$ 6,90



THE SPIRIT OF CHEMISTRY AN INTRODUCTION TO CHEMISTRY FOR STUDENTS O...
ALEXANDER FINDLAY
LONGMANS
(1934)
R$ 52,53



TÁ SE ACHANDO GAROTA?
J. M. VERÍSSIMO
DO AUTOR
(2013)
R$ 6,50



BUSCAI AS COISAS DO ALTO
PE. LÉO
CANÇÃO NOVA
(2006)
R$ 10,00



CATALOG OF MUSIC: 1974 DISTINGUISHED EDITIONS
INTERNATIONAL MUSIC COMPANY
511 FIFTH AVENUE (NEW YORK)
(1974)
R$ 19,28





busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês