Projetando um leitor | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Oficina do diabo
>>> Rosa dos ventos
>>> Pelagem de flor II: NEGRO
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os escritores jovens
>>> Guinga e sua Casa de Villa
>>> Pascal e a condição humana
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> O Jovem e o Mar
>>> Luz em agosto
>>> Palestra de Guilherme Wisnik
>>> Jobs e o Macintosh
>>> Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
>>> Um Furto
Mais Recentes
>>> Parcelamento Tributário & Moratória de Fábio Junqueira - Maria Inês Murgel pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Tratado de Infectologia de Ricardo Veronesi & Roberto Focaccia pela Atheneu (2009)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Estrela da Manhã de Manuel Bandeira pela Global (2012)
>>> El Mito de Faeton en La Literatura Española (ilustrações Fcs. Fora do de A. Gallego Morell pela Madrid (1961)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Pregão Nas Licitações Municipais de Marcelo Palavéri pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> La Cancion Petrarquista en La Lirica Española del Siglode Oro:... de E. Segura Covarsi pela Madrid (1949)
>>> Evolução Política do Brasil e Outros Estudos de Caio Prado JR. pela Cia. das Letras (2012)
>>> La Transcripcion Castellana de los Nombres Proprios Griecos de Manuel F. Galiano pela Soc. de Estudios Clasicos/ Madrid (1961)
>>> A Condição Espacial de Ana Fani Alessandri Carlos pela Contexto (2015)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Manual de Gramática Histórica Española de R. Menéndez Pidal (Ramón) pela Espasa- Calpe/ Madrid (1944)
>>> Um ano para enriquecer - 52 mensagens de otimismo e motivação de Napoleon Hill pela Record (2019)
>>> Controles Internos nas Organizações de Paulo N. Migliavacca pela Edicta (2004)
>>> Dante Vivo de Giovanni Papini pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> A nova dependência (dívida externa e monetarismo) de Celso Furtado pela Paz e Terra (1983)
>>> Sans Frontieres 1 - méthode de français de Michele Verdelhan, Michel Verdelhan, Philippe Dominique pela Clé international (1982)
>>> Tom Jones (encadernado.- Completo Em 01 Volume) de Henri Fielding pela Circulo do Livro/ SP. (1985)
>>> Cozinha Prática - Massas de Cristian Muniz pela Pae (2015)
>>> Chico Buarque do Brasil de Rinaldo de Fernandes. Organizador pela Garamond (2004)
>>> A Religiosa/ Capa Dura de Diderot (denis) pela Circulo do Livro (2019)
>>> Sursis/ Classicos Modernos/ Encadernado de Jean- Paul Sartre / Tradução: Sergio Milliet pela Abril (1974)
>>> MacWEEK Guide to desktop video - cd rom included de Erik Holsinger pela ZIff-Davis Press (1993)
>>> Ação Cominatória e Outras Peculiares - Doutrina, Jurisprudência ... de Ulderico Pires dos Santos pela Paumape (1989)
>>> O líder em você. Como fazer amigos, influenciar pessoas e ter sucesso em um mundo em mutação de Stuart R. Levine e Michael A. Crom pela Record (1997)
>>> El Genio Latino de Anatole France pela Ed. Grandes Autores/ B. Aires (1943)
>>> Nacha Regules (novela) de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ B. Aires (1933)
>>> O Direito Como Fato Social de José Florentino Duarte pela Sergio Antonio Fabris (1982)
>>> A Tributação Sobre Consumo de Bens e Serviços de Alessandra Machado Brandão Teixeira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Lições preliminares de direito de Miguel Reale pela Saraiva (1995)
>>> Seguro: Teoria e Prática - Doutrina - Jurisprudência - Prática Forens de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2004)
>>> Manual Prático do Horóscopo Chinês de Minami Keizi pela Traço (1988)
>>> Reiki - Amor, Saúde e Transformação de Johnny de Carli pela Alfabeto (2017)
>>> As Novelas de Torquemada de Benito Pérez Galdós pela Paz e Terra (1989)
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen de Eugen Herrigel pela Pensamento (1990)
>>> Umanesimo Positivo e Emacipazione Marxista de Galvano Della Volpe pela Sugar Editore (1964)
>>> Ciência e Tecnologia Hoje de Nicolas Witkowski pela Ensaio (1995)
>>> Luvas Brancas de John Kotre pela Mandarim (1997)
>>> I-Ching - A Alquimia dos Números de Wu Jyu Cheng pela Objetiva (1993)
>>> Computer Crimes de Maria Helena Junqueira Reis pela Del Rey/ Belo Horizonte (1997)
>>> O Budismo vivo e o mundo contemporâneo de Lama Anagarika Govinda pela Siciliano (1994)
>>> Luxúria. Coleção Sete Pecados Capitais de Simon Blackburn pela Arx (2005)
>>> Mundo, Vida e Esperança de Angela Coutinho ditado por Emmanuel pela Elevação (1999)
>>> O Budismo e o Caminho da Vida de Christmas Humphreys pela Cultrix (1995)
>>> Avareza. Coleção Sete Pecados Capitais de Phillis A. Tickle pela Arx (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/7/2009
Projetando um leitor
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Os discos de vinil eram mais charmosos. Nem todo mundo concorda com isso, mas sabem bem do que estou falando as pessoas que colecionaram vinis azuis, amarelos e vermelhos, com historinhas narradas por atores. Ainda hoje as capas quadradas me vêm à lembrança, assim como a voz de quem narrava a história do Pica-Pau.

Um pouco mais tarde, a coleção de discos de vinil perdeu as cores. Todos eram pretos, brilhantes e tocavam rock. Há alguns meses, ao descobrir minha coleção (guardada na casa dos meus pais, onde ainda há picapes de som), um aluno me ofereceu dinheiro farto em troca de minha edição importada do Nevermind, do Nirvana. Se havia espaço para o leitor-fã, imagine-se para os designers, que se esbaldavam no trabalho de fazer capas e encartes de "bolachões".

Mas não choro à-toa. Os discos de vinil são apenas lembrança. Embora ainda possa ouvi-los, incluindo-se aí o gesto memorável de colocar, manualmente, a agulha nos primeiros sulcos, sem arranhar o disco, não faço isso há tempos. Escuto meus CDs em paz, dirigindo pelas ruas, o que torna, me parece, a cidade menos árida. Ultimamente, ando às voltas com o Lenine mais novo (Labiata), que me deixa arrepiada, mesmo durante engarrafamentos e chuvas de verão torrenciais.

Diz minha mãe (e eu confirmo) que investiu pesado para que os filhos gostassem de ler. Deu muitos discos de vinil coloridos, com histórias encantadas; comprou quase todas as obras que a escola indicou (escola pública, frise-se); nos presenteou com as carteirinhas das bibliotecas públicas mais próximas e até com a da central, na Praça da Liberdade; não ofereceu nunca qualquer resistência aos títulos que trazíamos para casa (ganhados ou emprestados); e ela mesma contou muita história para todos os pimpolhos, na esperança de que gostássemos daquele ritual das palavras.

Deu 25% certo. Dos quatro que somos, apenas eu enveredei com força pelas sendas da leitura e da escrita, inclusive fazendo disso meu modo de vida, de sobrevivência e, mais, meu estilo de vida, algo absolutamente incorporado ao meu cotidiano. Meus três irmãos se apegaram menos à ideia. O segundo lê sem problemas, mas não se tornou um viciado completo. Os dois mais novos leem com certa raridade, embora não tenham nojo de leitura.

Não sei até que ponto essas coisas se transmitem, mas rezam as estatísticas (inclusive as mais bem-feitas e confiáveis) que as chances de leitores proliferarem e gerarem outros leitores é grande, ao menos bem maior do que a de não-leitores convencerem alguém de que ler é legal. Meus pais não eram leitores contumazes. Meu pai, médico clínico, raramente era visto com livros entre as mãos. Até hoje, lá em casa, há apenas uma estante em que ficam dispostos livros de medicina, provavelmente muito desatualizados, em apenas uma das estreitas prateleiras. Minha mãe, assistente social, vivia lendo textos técnicos, mas raramente a víamos entretida com alguma leitura diferente dessa. Tinha uma atitude interessante quanto aos poucos títulos que tinha: guardava-os trancados em estantes com portas. E mais: falava mal de minha avó, sua mãe, que vivia afundada entre as páginas dos clássicos e, segundo a filha primogênita, alheia às carências dos filhos. A despeito de certa distância dos livros, meus pais assinavam revistas e jornais. Estes, sim, artigo obrigatório na casa, o que formou quatro vorazes leitores de diários de papel.

O professor Élie Bajard, um dos criadores do projeto Pró-Leitura no Brasil, tem um livro bacanérrimo e baratinho chamado Da escuta de textos à leitura (Cortez, 2007, 120 págs.). Em algumas de suas cento e vinte páginas, o autor menciona o fato de que é importante que as crianças identifiquem as histórias e as leituras aos livros (ou aos objetos de ler). Isso me deixou uns dias bem pensativa. Os discos de vinil traziam muitas histórias, assim como a voz de minha mãe, e isso foi certamente importante para que eu formasse meu gosto pela literatura, mas não me fez identificar, diretamente, histórias e livros, prazer de ouvir e prazer de ler. Com isso, Bajard me fez observar melhor o que venho fazendo com meu filho, um sério candidato a leitor.

Sim, candidato a leitor porque, primeiramente, não forçamos nada, nem eu nem meu marido jornalista. O garoto, desde que nasceu, anda pela casa em meio aos carrinhos Hot Wheels, mamadeiras, almofadas e livros. Muitos livros, pilhas pesadas deles, enfileirados em todo canto, prontos para serem lidos. Depois, desde bebê, Eduardo ganha livros. Não apenas os que herdou da mãe, mas os que ganha dos amigos da família. Além dos meus, conservados desde pequena, dei a ele os livros que foram fruto do meu trabalho em editoras de obras infantis. Os amigos escritores enviam livros autografados e o menino acha tudo isso normal. Sinal tênue de que esse investimento vem dando certo aconteceu quando, há alguns meses, uma tia perguntou a ele o que Eduardo queria de aniversário. A timidez o impediu de dar resposta mais exata. A tia, então, passou a apostar e a brincar com ele: "Uma roupa?". Ele disse um pronto "não". "Um brinquedo?". Ele disse um inequívoco "sim". "Um livro?". Ele não respondeu, apenas fez cara de coisa boa.

Com esse acervo de infantis em casa, preciso cumprir, quase todos os dias, o ritual da leitura em voz alta, já que o garoto ainda não sabe ler. É analfabeto, vejam, embora já tenha dado suas voltinhas pela internet. Bem mais recentemente, numa dessas noites de contar histórias, percebi que meu cansaço talvez me impedisse de ler o livrinho até o fim. Tentei negociar, deixar para amanhã, mas não teve jeito. "Tem que ler uma história pra mim, só uma". Fui vencida pelo tom de quem implora e pela minha responsabilidade de formadora. Mas achei uma solução menos cansativa: "Deixa eu te contar uma história da minha cabeça, então, sem livro". Pensei em gastar um dos mais de duzentos contos da literatura oral que aprendi no Vale do Jequitinhonha. Para minha surpresa, a proposta não foi aceita. "Não quero. Tem que contar história de dentro do livro". O professor Bajard me veio à lembrança imediatamente.

Contei uma historinha curtinha, de um livro ruinzinho, sobre um pequeno tubarão que aprendia a ser ameaçador. Quando terminei as cinco ou seis páginas, fui interpelada: "Por que só tem um pouco de livro?". E, em seguida, a ordem: "Quero que você leia um livro grande, de um tamanho que batesse nas nuvens". Vamos lá, outro livro, desta vez, mais convincente.

Depois desse episódio, resolvi tomar um pedaço de papel e uma lapiseira que ficam a postos no criado-mudo. Era preciso anotar essas coisas para escrever uma crônica. Deitei de bruços e comecei a redigir anotações sobre as falas dele e tudo isto que escrevi aqui. Ele deitou-se ao meu lado e ficou observando, interessado, o que eu estava fazendo. E disse, com o queixo apoiado nas mãozinhas: "Eu queria saber fazer letras e números igual a você". Ele ainda não diferencia 5 de S. Boa coisa, não? Eu disse a ele que muito em breve ele aprenderia a escrever.

Impaciente para o meu "em breve", ele pegou a lousa mágica de brinquedo (dessas que apagam com um pauzinho) e passou a fingir que escrevia. Quando eu chamei a lousa de "brinquedo", ele me corrigiu severo: "Não é brinquedo. Isto é lápis". O professor Bajard, mais uma vez, parecia surgir ali, entre nós, sentado em nossa cabeceira. Tomara, professor, tomara.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/7/2009


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/7/2009
16h43min
Rs... Lá em casa tínhamos hábitos diferentes. Minha mãe sempre lia contos e fabulas pela manhã. Achava estranho, porque as outras mães liam para os seus filhos antes de dormir. Um dia eu perguntei e ela disse que livros devem ser lidos para despertar, e não para adormecer!
[Leia outros Comentários de Tâmara]
10/7/2009
23h26min
Ana, eu também me formei leitora na infância. Minha influência, na época, foi a falta da televisão e o acesso à biblioteca do colégio, onde eu era muito assídua! Leitura pra mim é necessidade, costume, hobby, é tudo de bom. Inclusive a expectativa de ler você aqui no Digestivo. Deus abençoe você com o Dudu, invista, vale a pena (disso nós duas num temos dúvida né?)!
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
20/7/2009
09h45min
Meus pais tiveram muitos filhos, morávamos na roça, sem acesso a livros. No entanto, com todo um espaço para a imaginação. Comecei lendo romances antigos do meu pai, na biblioteca do internato, nas histórias contadas pela minha avó. E preencho tudo isso até hoje, os vazios da memória, com minha fantasia. O diálogo, as conversas, a presença física, humana e dos livros, constitui a construção maior da leitura/escritura, talvez o livro pessoal da vida.
[Leia outros Comentários de Sebastião A Braga]
20/7/2009
16h04min
Quando pequena sempre ouvia histórias. Papai gostava de lê-las para nós e mamãe de contá-las. Cresci, casei-me e quando meu caçula estava com seis anos fui fazer Magistério, e depois de sete anos fiz Letras... Como já era difícil conseguir aulas naquela época, eu dava aulas como eventual. E eu gostava de ler algum texto e trabalhar sempre dentro de um contexto. Um dia, li uma das histórias de Malba Tahan para uma turma do primeiro ano do Ensino Médio. Qual não foi a minha surpresa, no final da aula, ao receber uma carta de um dos alunos relatando que eu havia realizado um sonho dele, pois desde a infância nunca ninguém havia lido uma história para ele. Confesso que fiquei muito emocionada e aquilo me deu forças para continuar lutando contra os obstáculos da minha carreira... Hoje sou efetiva na Rede Estadual de Ensino, na disciplina de Língua Portuguesa e continuo lendo muitas histórias para meus alunos e desenvolvendo projetos de leitura...
[Leia outros Comentários de Cátia Lopes Ribeiro]
24/7/2009
13h57min
Comeci bem cedo na arte da leitura. Existia, algum tempo atrás, aqueles romances "Julia e Sabrina", e eu lia até quando não podia. Mamãe me chamava, eu dizia que estava indo, mas só aparecia para atendê-la quando terminava. Ficava horas pela madrugada e outras no banheiro trancada. Foi uma época muito feliz. Sonhava com tudo o que lia e sentia prazer em ler cada capítulo. Fui na casa de uma vizinha por ocasião do aniversário de sua filha e vi em sua prateleira milhares destes livros e quando perguntei sobre os romances, ela começou a rir e disse que estava emprestando para sua vizinha. Os meus não sei que fim tiveram, creio que mamãe os doou, pois era professora e lia bantante também. Tenho três filhos, mas somente uma gosta de ler e somos parceiras nas leituras. Quando escrevo minhas poesias e contos, divido este prazer com ela.
[Leia outros Comentários de Solange Boy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MONITORAMENTO DE MAMÍFEROS COM CÂMERAS-TRAPPS EM ÁREA MANEJADA
SHELIANE NASCIMENTO UND MARILUCE MESSIAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



DOM CASMURRO - COLEÇÃO LITERATURA BRASILEIRA - NOVA ORTOGRAFIA
MACHADO DE ASSIS
CIRANDA CULTURAL
(2008)
R$ 10,00



ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA
MICHAEL A. HITT
THOMSON
(2008)
R$ 30,00



CHEGA DE SAUDADE
RICARDO AZEVEDO
ED. MODERNA
(1984)
R$ 4,00



E SE... HITLER TIVESSE VENCIDO
REVISTA SUPERINTERESSANTE
ABRIL
(2015)
R$ 12,00



ELEMENTOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA
N. EFIMOV
LIVRARIA CULTURA BRASILEIRA
(1972)
R$ 14,00



SEARA BENDITA
MARIA JOSÉ C. DE OLIVEIRA / WANDERLEY SOARES DE O
INEDE
(2000)
R$ 22,00



O ANO EM QUE SÓ NÓS TIVEMOS LUCRO
ALEXANDRE CAMARGO
MATRIX
(2010)
R$ 6,30



EVOLUÇÃO BIOLÓGICA CONTROVÉRSIAS
CELSO PIEDEMONTE DE LIMA
ATICA
(1988)
R$ 5,00



OBRAS-PRIMAS DO CONTO HUMORÍSTICO
SÉRGIO MILLET SELEÇÃO / NOTAS
MARTINS
(1956)
R$ 22,00





busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês