O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
>>> MAB FAAP recebe a exposição Ensaios de Inclusão
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pink Floyd 1972
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> The Book of Souls
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Depressão
>>> Útil paisagem
>>> Tradução e acesso
>>> A proposta libertária
>>> Francis Ford Coppola
Mais Recentes
>>> Exegese Logosófica de Carlos Bernardo González Pecorche pela Logosófica (2006)
>>> Linha Convergentes - Poesia de Vs Andersen pela Thesaurus (2015)
>>> Ver de Novo - História Sobre o Meio Ambiente de Alberto Caeiro e Outros pela Ática (2013)
>>> Fio de Salma Silva pela Cânone (2003)
>>> Organize Sua Vida de Donald Weiss pela Nobel (1992)
>>> Mulheres Ambiciosa Caminham Mais de Debra Condren pela Gente (2007)
>>> A Teoria das Janelas Quebradas de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2010)
>>> O Zaratustra de Nietzsche de Pierre Héber Suffrin pela Zahar (1991)
>>> Quenco, o Pato de Ana Maria Machado pela Ática (2006)
>>> Gerenciando sem Recorrer a Soluções Paliativas de Ralph H Kilman pela Qualymark (1991)
>>> Bianco Clara, Karina-um Só Caminho de Elly da Costa Capalbo pela Ide (2014)
>>> De Asas, Espelhos e Princessas de Maria da Glória Barbosa pela não consta (2010)
>>> A Noiva da Esplanada de Jô Pessoas pela Do Autor (2009)
>>> Travessura da Menina má - Edição de bolso de Mario Vargas Llosa pela Bestbolso (2010)
>>> Gerência deProdutos de Fauze Jajib Mattar pela Atlas (2003)
>>> O Rei Branco de Gyorgy Dragoman pela Intrínseca (2005)
>>> Crespúsculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Anotomia do Poder de J Kenneth BGalbraith pela Pioneira (1984)
>>> Afonso Arino na Unb de Unb pela Unb (1981)
>>> Seis Regras Subversivas para Fazer um Relacionamento Durar de William Nagler e Anna Sndroff pela Nobel (1993)
>>> Gestão de Custo de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> A Arte de Superar Problemas de Charles Stanley pela Thamas Nelson Brasil (2007)
>>> 7 volumes da Obra Completa do Padre Antônio Vieira de Padre Antônio Vieira pela Loyola (2018)
>>> Empresários Vencedores e Suas Historia de Sucesso de Sebrae pela Sebrae (2002)
>>> As Parábolas de Jesus de Elio Guerreiro e Maria Steiner pela Paulinas (2010)
COLUNAS

Terça-feira, 22/11/2005
O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 6800 Acessos

O professor Renato Janine Ribeiro é persona corriqueira na TV, tanto na aberta como na fechada (ou a cabo). A seu favor, pode-se dizer que, entre seus pares, é um dos poucos a encarar o debate político frente às câmeras em atrações como Globonews Painel, quando trata de política internacional e política doméstica, e também no Café Filosófico, da TV Cultura, no qual, se não me engano, já palestrou sobre Maquiavel, entre outros temas. Tais aparições não devem ser recebidas com descrédito, principalmente porque, hoje em dia, há uma longa fila de intelectuais que prefere o silêncio em vez da discussão. Nesse sentido, à primeira vista, a coletânea de textos reunida em O Afeto Autoritário (Ateliê Editorial, 2005, 215 págs.) seria leitura obrigatória a todos aqueles que pretendem analisar a TV sob uma perspectiva crítica e criteriosa de um pensador presente nas telas. Entretanto, não é isso o que acontece. Num texto impecável do ponto de vista retórico, Janine faz da TV um trampolim para suas interpretações políticas e/ou sociológicas, mas deixa de lado o objeto primeiro de sua análise.

O livro é dividido em três partes. A primeira traz os artigos escritos por Janine para o suplemento "Telejornal", d'O Estado de S.Paulo, entre 2000 e 2001. Em seguida, ainda sob o recorte da "imprensa", há alguns artigos escritos para a revista Bravo!. Por último, ainda há um longo ensaio, este mais acadêmico, em que Janine analisa a cultura e a democracia com foco na TV. Já nessa divisão nota-se, para o bem e para o mal, uma diferença na natureza dos artigos.

Na primeira seção, Janine se volta à crítica mais ligeira, quase como analista em tempo real, uma vez que seus textos são produzidos no calor da hora ou, mais apropriadamente, no momento em que os respectivos programas comentados estão no ar. Aqui, é patente como Janine tenta construir um raciocínio em seqüência, seja ao fazer referência às colunas anteriores publicadas no mesmo espaço (que, à época, ele dividia com Gabriel Priolli, em regime quinzenal), seja ao escrever artigos tratando os temas em série. Ao remeter às colunas anteriores, o autor não só era redundante e caía não só nos assuntos da moda, mas também referendava as opiniões da moda.

Exemplo disso é quando ele escreve que a Rede Globo tem como estratégia principal contratar as estrelas de outras emissoras para, então, congelá-los em horários pouco nobres. Ou que a mesma Rede Globo não conseguia interagir com o novo e que, por isso, o programa de Cazé, à época saído da MTV, não tinha dado certo. Já nos temas em série, o professor da USP repetia sempre a cantilena antiamericana, antiimperialista e anticapitalista ao abordar a relação entre Cultura e entretenimento da TV. Chega a ser até risível, tendo em vista os acontecimentos nos subúrbios de Paris, a maneira como ele se dispõe a relacionar os europeus, os franceses em especial, a uma certa tolerância "à preservação das culturas nacionais, regionais, locais". Não é isso que as notícias e os debates acerca da Constituição da União Européia mostram. As folhas do jornal não perdoam nem mesmo os filósofos.

A propósito, no que se refere aos artigos selecionados da revista Bravo!, há mais consistência naquilo que Janine escreve. Talvez a razão seja o fato de Janine poder dissertar sem a necessidade de arrematar tão logo o artigo por falta de espaço, sem mencionar que os temas na revista eram um pouco mais perenes do que no jornal. Entretanto, mesmo nesses artigos Janine prefere esconder seus argumentos por trás da polarização extremista direita/esquerda. Para o autor, direita e esquerda concordam em criticar a superexposição da sexualidade na TV: mas enquanto a direita faz isso porque acha que falar de sexo é um mal, a esquerda, sempre progressista, enxerga que o problema jaz justamente em não trazer o debate à tona.

Em verdade, essa não é a única vez em que ele traz o debate político para a esfera televisiva. É possível afirmar, com efeito, que a raiz de suas teses reside na sociologia e na ciência política. É com esse olhar estrangeiro que ele determina a qualidade (ou a falta) de alguns programas. Ao refletir sobre o comportamento dos telejornais, por exemplo, Janine escreve que os noticiários da TV passam mal na prova de ética. Quem lê um pouco dos argumentos do autor, logo observa que, se os telejornais não passam nessa prova, é mais porque o professor - no caso, o próprio Janine - faz uma prova absolutamente subjetiva, e com base em critérios particulares para analisar um universo efêmero por excelência.

Na última parte, o autor dedica um longo espaço para a reflexão do papel do Estado em relação à televisão. Em outras palavras, Janine ataca o fato de o Poder público estar ausente na, digamos, organização dos meios de comunicação. Se o leitor acompanhou esta resenha com atenção, logo percebe que este argumento estava ensaiado em outro artigo, lá atrás. Constata-se, assim, que o autor possui as mesmas idéias fixas que serviriam, a um só tempo, à inovação, ao aprimoramento da ética, à regulação da TV e a melhora da qualidade da programação, sempre tendo como pedra fundamental a perspectiva ideológica. Se a TV é, de fato, um espaço público, conforme sugerem os adeptos da Escola de Frankfurt, Renato Janine Ribeiro utiliza a crítica como trincheira de batalha.

Em contrapartida, ao longo do livro são poucas as vezes em que o autor se propõe a observar e a analisar a linguagem televisiva (câmera e edição), tendo como base de comparação a dinâmica européia ou norte-americana. Quando ele decide falar da estética do videoclipe, falta-lhe parâmetro para fazer um comentário sólido, sobram-lhe os achismos; do mesmo modo ocorre quando ele decide analisar a minissérie Os Maias, levada ao ar em 2001 por Luiz Fernando Carvalho. Nesta última, por sinal, ele repete os mesmos chavões dos bem-pensantes: "vejo Os Maias, e pergunto porque essa linda série, certamente um dos pontos altos da TV este ano, não emplaca como deveria". Em vez de tentar explicar o "fracasso de audiência" (coloco as aspas porque a média de audiência da minissérie foi de 22 pontos, acima de todos os outros concorrentes no mesmo horário naquela época), ele poderia ter se debruçado um pouco no aspecto técnico, um dos grandes destaques daquela atração, por sinal.

Em que pese a dedicação, o estilo e o método empreendidos pelo autor, O Afeto Autoritário peca justamente naquilo que identifica como fator preponderante na influência de corações e mentes de telespectadores Brasil afora. Ao acusar o autoritarismo na TV, Janine reputa que sua interpretação do fenômeno televisivo estaria correta porque ele, e mais ninguém, vê como e por que a TV oprime a maioria (basicamente, porque não é regulada pelo Estado, e está nas mãos do mercado, refletindo uma tendência americana que é, por extensão, imperialista). Contudo, é preciso observar que ele mesmo pode exercer, ainda que sem querer, um olhar autoritário em relação à TV.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 22/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tristes junhos de Marcelo Barbão
02. Busca ao Santo Graal de Juliano Maesano


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. O século da canção - 5/4/2005
03. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tantas Histórias no Escurinho da Escola
Edson Gabriel Garcia
Ftd
(1996)



Do éden ao éden
Gil Felippe
Senac
(2008)



Capitão Cueca e o ataque das privadas falantes
Dav Pilkey
Companhia das Letrinhas
(2013)



O Coyote Magazine - 141 à 150
J. Mallorqui
Monterrey
(1964)



O Orçamento
Eric Parloe; Raymond Wrigth
Nobel
(2001)



Desbravando o Pic
David josé de souza
Érica
(2006)



Alzheimer: exercícios para estimular o cérebro
Fundamento
Fundamento
(2021)



Três Tesouros e Três Piratas
Malgorzata Strzalkowska
Salvat
(2011)



A Moreninha
Renata Pallottini
Scipione
(2003)



Doutrina Secreta Gnóstica
Karl Bunn
Edisaw
(2012)





busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês