Os Clássicos e a Educação Sentimental | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Exel 2010 - Avançado de Richard Martelli e Maria Silvia Mendonça Barros pela Senac São Paulo (2013)
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 3 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Hellraiser: The Dark Watch nº 2 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2015)
>>> Gênios da Pintura Nº 12: Van Eyck/ A Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1967)
>>> Hellraiser - The Dark Watch n° 1 de Clive Barker pela Astral Comics (Boom!) (2014)
>>> Magia Das Flores - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Bosque Encantado - Para Colorir, Estimular A Imaginação e Relaxar de Vários pela Ediouro (2015)
>>> Devorados de Cirilo S. Lemos, Erick Santos Cardoso, Marcio R. Gotland pela Draco (2017)
>>> Marvel Heroes: Hulk #4 (Os Heróis Mais Poderosos da Marvel) de Vários pela Salvat (2015)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Terça-feira, 8/2/2005
Os Clássicos e a Educação Sentimental
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 6700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A discussão é recorrente. Sempre que o assunto é literatura, muita gente quer saber a respeito da influência das obras clássicas na formação do leitor. A propósito disso, criou-se inclusive o termo "romance de formação" a fim de designar as obras que seriam capitais tendo em vista o desenvolvimento intelectual. E não há como negar: a leitura dos clássicos é, por excelência, uma experiência a ser testada por todos aqueles que querem aprofundar seu conhecimento livresco. Pensando bem, arrisco dizer mais: trata-se de uma experiência tão rica que sua profundidade não se restringe apenas àqueles que buscam conhecimento e/ou erudição. É também uma forma de diversão franqueada a todos aqueles que decidirem (re)descobrir os limites do prazer da leitura.

Para o bem e para o mal, no entanto, o significado da palavra clássico assusta mais do que atrai os leitores de uma maneira geral. Com efeito, há quem não se considere preparado para encarar obras do calibre de Em busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust, ou Crime e Castigo, de Dostoievski, posto que são livros cuja complexidade (quem leu sabe disso) está acima da leitura que fazemos do mundo real - quando digo isso, me refiro aos jornais e às revistas. Ora, é justamente por ser mais complexa que a literatura clássica se mantém como tal, perene. As temáticas, os cenários e o contexto podem até parecer datados (uma situação como a apresentada por Henrik Ibsen em Casa de Bonecas seria impensável hoje, mas, ainda assim, a peça resiste como obra magistral), assim como sua linguagem muitas vezes é rebuscada ou arcaica, porém é seu páthos, o incômodo por ela provocado à primeira vista, que faz com que esses livros permaneçam e se renovem a cada leitura. Por outro lado, há aqueles que, malgrado essas dificuldades, encaram as obras e simplesmente não encontram aquela qualidade que a alta literatura supostamente teria, desestimulando este leitor a encarar outras obras "recomendadas pela crítica". Nesse caso, frustração não é o sentimento mais adequado, mas sim o prazer. Umas das riquezas da literatura é que sua interpretação nunca é a mesma para todos. Cada um faz sua leitura de acordo com o momento em que vive e com o mundo que o cerca. Como exemplo, posso não sentir a mesma reação que um amigo teve ao ler a Odisséia, porém isso não impede que eu venha a aproveitar o livro num outro momento.

Dois autores abordaram essas idéias de uma forma aprofundada, cada qual à sua maneira. Para Italo Calvino, a leitura dos clássicos é imprescindível porque "um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha de dizer". Ou porque "um clássico é uma obra que provoca incessantemente uma nuvem de discursos sobre si, mas continuamente as repele para longe". Essas são duas das 14 razões que o autor expõe no ensaio Por que ler os clássicos, um livro que pode ser considerado um clássico sobre o assunto. De uma maneira ainda mais sentimental e personalista, o crítico francês Roland Barthes explica que o prazer do texto está justamente na variedade de impressões que um clássico pode provocar no leitor, desde a repulsa até a admiração, porém um sentimento único e inalienável no que se refere à experiência de cada um.

De minha parte, posso afirmar que vivi um pouco de cada uma dessas versões no que se refere às minhas experiências com os clássicos. Houve uma época, logo quando comecei a me interessar por literatura, que os meus únicos interlocutores eram... os livros. Mais precisamente, a Enciclopédia Britânica, cujo último volume é um índice de assuntos com guia de estudos. Desse modo, autores como Kafka, Bergson e Kierkgaard apareceram naturalmente. E estes me levavam a outros autores, proporcionando uma descoberta fantástica a cada leitura. Tudo isso a partir de um verbete. Tempos depois, esse autodidatismo deu lugar para um outro tipo de educação, agora mais sentimental. E foi graças a professores e a amigos que conheci obras tão fascinantes quanto inesquecíveis.

Relatos

À primeira vista, o dia 31 de Dezembro de 2000 seria um réveillon fora do comum. Sem o agito dos outros anos, uma vez que, no dia seguinte, eu iria trabalhar como se fosse outro dia qualquer. Para piorar a situação, eu me recuperava de uma gripe fortíssima. Sozinho em casa, segui assistindo os filmes que havia alugado até que, por acaso, vi na estante o volume do Dom Casmurro. Comecei a ler sem qualquer pretensão, até porque, como muita gente, eu já havia lido esse livro no colegial. Ocorre que, desta vez, havia algo de diferente naquele romance. Alguns anos depois, as passagens se tornaram menos rebuscadas e mais requintadas, fazendo com que eu me reparasse em inúmeros detalhes que eu não havia notado na minha primeira leitura "adolescente". E então uma leitura descompromissada tornou-se uma das mais significativas de toda uma trajetória intelectual.

Pude compreender como Machado de Assis tratou, num romance que narrava um triângulo amoroso, de questões tão subjetivas quanto fundamentais não somente para a sociedade da época, mas também para o Brasil dos nossos dias. Tomando mais uma vez o exemplo de Ítalo Calvino, atestei como a leitura de um clássico traz interpretações novas a cada instante, como se fosse, de fato, uma nova leitura.

Dois anos mais tarde, após indicações incessantes de um colega, tive a mesma impressão de ler um livro inesquecível, ao encarar, pela primeira vez, Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Márquez. Foi no Carnaval de 2003, quando, novamente, fiquei em São Paulo. Folia melhor não houve. Tenho até hoje a sensação de ter sido absorvido pela história e, até hoje, me recordo de passagens inteiras como se acabara de ler o livro há pouco. As frases iniciais, que vez por outra reaparecem ao longo da história, como se iniciassem a obra outra vez, assim como o nome das personagens que se repetem. Detalhes que fazem a diferença e determinam a obra como peça fundamental a saga dos Aureliano Buendia, revisitando os acontecimentos da América Latina de maneira nostálgica, apaixonada e, sobretudo, literária.

Mais do que uma obrigação, a leitura dos clássicos deve ser encarada como uma outra forma de educação. De novo, não se trata apenas de erudição e diletantismo, mas também é o caminho que se tem a trilhar para conhecer mais este verdadeiro "universo" do ser humano. E a base de conhecimento desse novo mundo não é outro senão a literatura.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 8/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro
02. Liberdade de Ricardo de Mattos
03. Mente Turbinada e Brasil na Copa de Marilia Mota Silva
04. Toma! de Adriane Pasa
05. O risco de se tornar um sem-noção de Marta Barcellos


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
03. O século da canção - 5/4/2005
04. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005
05. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/2/2005
22h42min
O termo "romance de formação" não se refere às obras capitais para o desenvolvimento intelectual -- uma das qualidades atribuídas aos "clássicos". Romance de formação, ou de aprendizagem, é um subgênero do romance -- é como dizer, numa comparação meio boba, mas enfim, romance de aventura, ou de capa e espada... A característica principal desse tipo de romance é ter por tema o desenvolvimento de seu protagonista. A obra que "inaugura" o termo é o "Wilhelm Meister", de Goethe -- daí outro nome para a coisa ser alemão: "Bildungsroman". Outros exemplos conhecidos são "O retrato do artista quando jovem", de Joyce, e, no Brasil, obras como "Encontro marcado", de Fernando Sabino.
[Leia outros Comentários de Francesca ]
25/2/2005
10h58min
Bildung, expressão alemã que se traduz em português por "formação", é um conceito assaz complexo que envolve discussões sobre cultura, política, economia etc. A propósito, Kant, em Reflexões sobre a educação, entende que Bildung, como subdivisão da educação, abrange a instrução e a "conduta". Desse modo, faz sentido o significado atribuído ao termo de "romance de formação", isto é, o de desenvolvimento intelectual.
[Leia outros Comentários de Fabio S. Cardoso]
23/12/2005
05h19min
Dos chamados clássicos da literatura brasileira, eu recomendaria a Trilogia do Tempo e do Vento, do nosso Érico Veríssimo que, por alguns, é erroneamente denominado romance regionalista mas, a meu ver, é de todos os romances históricos brasileiros o que se pode considerar o mais universal pelos problemas ainda atuais que aborda e pelos tipos os mais inesquecíveis que constrói.
[Leia outros Comentários de R. Bogliolo Sirihal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PROBLEMA DO MAL NO ANTIGAMENTO TESTAMENTO
LUIZ SAYÃO
HAGNOS
(2016)
R$ 30,00



WATCH YOUR DREAMS
ANN REE COLTON
ARC PUBLISHING COMPANY
(1992)
R$ 30,00



ANTI-SEMITISMO, INTEGRALISMO, NEO-NAZISMO
WERNER NEHAB (COM DEDICATÓRIA DO AUTOR)
FREITAS BASTOS
(1988)
R$ 30,28



A SETE LEIS ESPIRITUAIS DO SUCESSO
DEEPAK CHOPRA
BEST SELLER
(2018)
R$ 15,00



JANGO (6641)
SILVIO TENDLER
L&PM
(1984)
R$ 12,00



MINHA VIDA DE GOLEIRO - COL. MEMÓRIA E HISTÓRIA
LUIZ SCHWARCZ; MARIA EUGENIA
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2008)
R$ 10,00



PSIUU...
GERDA BRENTANI
ATICA
(1998)
R$ 4,17



O DEMÔNIO E A SRTA. PRYM
PAULO COELHO
OBJETIVA
(2000)
R$ 10,00



O CIRCO DO AMANHÃ
LILIA MORITZ SCHWARCZ
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2014)
R$ 32,90



POBRE MENINA RICA
BARBARA HUTTON E C. DAVID HEYMANN
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 15,17





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês