De como os medíocres atrapalham os bons | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
63094 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim das coisas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Oiti
>>> Uma certa inocência
>>> A TV é uma droga
>>> Arroz com rapa
>>> No TV
>>> A Onda de Protestos e o Erro de Jabor
>>> São Francisco Xavier I
>>> O Código de Defesa do Consumidor e Maradona
Mais Recentes
>>> A Sangue Frio - Grandes Sucessos de Truman Capote pela Abril (1980)
>>> Análise Do Caráter - Volume 4 de Wilhelm Reich pela Martins Fontes (1998)
>>> Curral Novo (Romance) de Adalberon Cavalcanti Lins pela São José (1958)
>>> Biodisponibilidade De Nutrientes de Silvia Maria Franciscato Cozzolino pela Manole (2005)
>>> Halo: Um Amor Que Ultrapassa As Barreiras Do Ceu E de Alexandra Adornetto pela Agir (2010)
>>> Principles of the theory of solids de J. M. Ziman pela Cambridge University Press (1969)
>>> 1968 O Ano Que Não Terminou: Aventura De Uma Geracão de Zuenir Ventura pela Objetiva (2013)
>>> Dinheiro: Os segredos de quem tem de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2024)
>>> Nuclear Physics de Irving Kaplan pela Addison-Wesley (1964)
>>> Coisas Maiores de Steven Furtick pela Inspire (2021)
>>> Oscar Wilde: A Biography de Richard Ellmann pela Penguin Canada (1988)
>>> Ordem e Progresso de Philip Murdoch pela Lan (2018)
>>> A Importância Do Ato Ler de Paulo Freire pela Cortez (1998)
>>> A Revolução Dos Bichos de George Orwell pela Companhia Das Letras (2007)
>>> Autoridade na Oração de Dutch Sheets pela Lan (2018)
>>> Profetas Modernos de Shawn Bolz pela Chara (2018)
>>> Peregrinos da eternidade de A.W.Tozer pela Hagnos (2021)
>>> A Vida Crucificada de A.W.Tozer pela Vida (2021)
>>> Honrando ao Senhor com nossos bens de Luciano Subirá pela Orvalho (2005)
>>> Descobrindo Crianças: Abordagem Gestáltica Com Crianças E Adolescentes de Violet Oaklander pela Summus (1980)
>>> Físico Química. Para As Ciências Químicas E Biológicas - Volume 1 de Raymond Chang pela Mc Graw Hill (2008)
>>> Laikos de Dag Heward-Mills pela Parchment House (2006)
>>> Mundos Invisíveis de Marcelo Gleiser / Frederico neves pela Globo (2024)
>>> Sinais E Sistemas Lineares de B.p. Lathi pela Bookman (2024)
>>> A Alma Do Líder de Ken Blanchard pela Garimpo (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 17/3/2009
De como os medíocres atrapalham os bons
Rafael Rodrigues
+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Querer ignorar, substituir ou menosprezar o passado é burrice, principalmente se o assunto for literatura.

Não posso falar pelo resto do mundo, mas, ao menos aqui no Brasil, a quantidade de escritores, críticos e leitores que simplesmente esquecem livros e autores de mais de quatro décadas atrás é assustadora. Em contrapartida, professores do ensino médio tentam, em vão, obrigar seus alunos a lerem José de Alencar, Machado de Assis, Raul Pompéia, Joaquim Manuel de Macedo etc. Os autores mais "novos" nas listas de colégio são Jorge Amado, Carlos Drummond de Andrade e Clarice Lispector. Talvez estes dois últimos se salvem, mas qualquer coisa antes deles gera uma espécie de trauma nos estudantes, que passam a ter asco de qualquer autor que não seja blogueiro e não fale de sexo, drogas e rock'n'roll.

(Supondo-se, claro, que os jovens estudantes brasileiros leem a literatura produzida no nosso país. Algo difícil de acreditar, mas peço ao leitor que não encare este texto como parte da ficção fantástica.)

Se isso acontecesse apenas com os jovens, tudo bem, seria compreensível. Mas o pior é que os próprios escritores estão renegando os clássicos. Você não vê um autor contemporâneo afirmando que tem influência de Machado. Nenhum deles leu Alencar e malmente sabem quem é Raul Pompéia. (Não que seja obrigação de todo autor nacional colocar estes nomes na sua lista de influências, mas se mentem tanto dizendo que leram Shakespeare, Cervantes, Nabokov, Faulkner etc., por que não colorir a mentira de verde e amarelo?)

Se formos falar em poesia, pior ainda. São batidas as referências. Porque existem os clássicos pop, como Fernando Pessoa, Florbela Espanca, Pablo Neruda, Drummond e por aí vai. Difícil é ver alguém dizer que leu Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos, Olavo Bilac.

Entendam: não estou pregando aqui que devemos todos correr para as bibliotecas, procurar os livros de páginas mais amarelas e empoeiradas e começar a lê-los. Nem que deixemos de ler os autores modernos, contemporâneos. Particularmente, leio bastante coisa nova. Talvez mais até do que deveria. Mas nem por isso esqueço quem já passou e fez história.

É triste ver a obra de determinados autores ficar restrita a leituras obrigatórias no colégio e a questões de vestibular. Principalmente alguns citados acima. Mais triste ainda é ver escritores contemporâneos que escrevem nada com coisa nenhuma serem incensados a promessas, revelações e indispensáveis.

Esses autores terminam por ofuscar verdadeiros talentos que estão na ativa, escrevendo e publicando. São os medíocres atrapalhando os bons. Enquanto a praga dos "novos autores" (entre aspas porque eles não são mais tão novos assim) medíocres se alastra dia após dia, os bons autores, os verdadeiros autores contemporâneos de valor (alguns jovens, inclusive), são colocados em segundo plano (em vez de serem colocados no segundo caderno ― do jornal, no caso).

Os bons escritores contemporâneos é que deveriam ter seus livros resenhados e festejados. Não que eles não sejam. É possível encontrar boas análises de suas obras em jornais como o Rascunho, em sites como o próprio Digestivo ― e a revista eletrônica Trópico, por exemplo ―, e em cadernos como o "Prosa & Verso" do O Globo e no "Ideias e Livros" do JB. Mas ainda são poucas as resenhas, é pouca a atenção dispensada à "velha guarda" ― ou à boa "nova guarda". O relançamento de toda a obra de Charles Kiefer pela Record é que deveria ser destaque nos jornais e blogs (seu estupendo romance Valsa para Bruno Stein, reeditado em 2006 e adaptado em 2007 para o cinema não teve nem metade da repercussão que merecia). A reedição de toda a obra de Flávio Moreira da Costa (e seu novo livro Alma-de-gato) é que deveria ser comentada. O altar das montanhas de Minas, romance de Jaime Prado Gouvêa (autor do excelente livro de contos Fichas de vitrola) que será reeditado nos próximos meses é que deveria estar sendo aguardado por leitores ansiosos.

Felizmente, alguns bons sinais estão aparecendo. Galiléia, mais recente livro de Ronaldo Correia de Brito, teve uma boa divulgação nos jornais e na internet. Meu destino é ser onça, novo ― e excelente ― livro de Alberto Mussa, foi também amplamente divulgado. Em 2008 o veterano Cristovao Tezza abocanhou tudo quanto foi prêmio literário, com o romance O filho eterno. (Abro um parêntese para deixar claro que escrevo "divulgação" no sentido de que tais obras e autores tiveram a atenção da mídia, independente de receberem elogios efusivos ou críticas ferrenhas.) Mas ainda falta muito para chegarmos ao patamar norte-americano, por exemplo, onde os livros de Philip Roth são verdadeiros acontecimentos; o mesmo ocorre com os livros de Paul Auster ― apesar de ele não ter lá o mesmo prestígio que tem em outros lugares ―, e com os de Ian McEwan, entre outros.

É certo que não podemos comparar o mercado editorial do país do Tio Sam com o nosso. Mas temos autores tão bons quanto eles e devemos valorizá-los. Infelizmente, muitos de nós sofrem de um mal que Nelson Rodrigues chamava de "complexo de vira-lata". Nas palavras dele: "por 'complexo de vira-lata' entendo eu a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo". Então, o que acontece: tirando as Havaianas, boa parte dos brasileiros acha que só é bom o que vem de fora, inclusive a literatura. Não obstante a qualidade indiscutível da literatura estrangeira (representada neste texto pela de língua inglesa), da qual me abasteço constantemente e que compõe cerca de 45% da minha biblioteca, nossa literatura é também valorosa. Uma pena ser tão subestimada. Mas, como diria Renato Russo, temos todo o tempo do mundo para resolver isso. Basta darmos mais chances à prata da casa.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 17/3/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès de Wellington Machado
02. Em defesa das calçadas de Eduardo Carvalho
03. Era uma vez uma verdade de Ram Rajagopal


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009
05. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/3/2009
13h05min
Todos nós entendemos que o caminho literário é aberto a críticas. A busca da ficção é poder falar o que normalmente calamos em relação ao aspecto científico. A arte, no Brasil, não iniciou apenas com Drummond, mas teve este poeta como o melhor do século XX, porém encantei-me com Ana Cristina Cesar, pela liberdade de escrever, pela profecia de tentar voar ou colocar um navio no espaço, assim como um João Cabral de Melo Neto, que ensinou-me que ao catar feijão, que ao olhar e entender que um galo faz o fio das manhãs de cada brilho do sol. Assim como Vinicius de Moraes cantou o amor e foi o trovador urbano, com suas métricas, rimas perfeitas e versos setesilábicos, e um ótimo senhor dos sonetos; ou então nomes como Sonia Santos, Cuti, Walter Roberto Merlotto, Eunice de Arrudas, todos excelentes autores que merecem respeito: suas obras falam ao coração.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
17/3/2009
13h52min
Acho que você tem razão. Os autores contemporâneos acham bonito desprezar os caras do passado e conhecem pouco de sua obra. Acho que existe boa literatura ou não. Os cânones estão sendo desmerecidamente substituídos por autores sofríveis. Leio o que me chega às mãos ou quando me sinto inclinada por uma curiosidade, por uma crítica. Confiro e faço a avaliação. Predominantemente tenho lido os contemporâneos. Quando são bons, é uma descoberta maravilhosa. Você citou Jaime Prado Gouvêa, cujo livro de sua autoria "Fichas de vitrola" é sensacional. "O altar das montanhas de Minas" já li e é um grande romance, vale a pena conferir. Entre Shakeaspeare e os beats, entre os clássicos e os contemporâneos há verdadeiras obras-primas, independente da classificação. Reforçando: em todos os períodos pode se extrair o que há de melhor, sem rótulos, sejam autores nacionais ou estrangeiros. Gostei de seu texto, Rafael.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
17/3/2009
21h16min
Adriana e Manoel, obrigado pelos comentários. Willian, dia desses peguei um livro de estreante - o cara é experiente na área de marketing, se não me engano, e resolveu se aventurar na ficção - aqui na estante (rimou!) e bastou ler algumas páginas para concluir duas coisas: I) o livro é muito ruim; II) eu não tenho estômago pra ler um lixo desses. E como para criticar é preciso ler a obra inteira, eu prefiro me poupar e ficar com a primeira impressão que tive. Daí a falta de críticas ruins: nem todo mundo tem estômago e coragem para ler livros ruins. Mas o pior não é isso: o pior, e é a isto que me refiro no texto, são os embustes, as resenhas compradas ou escritas na base da amizade, que promovem livros que são porcarias quase que a obras-primas. Mas sua sugestão é oportuna, só não sei se consigo colocá-la muito em prática, mas veremos.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Princípios Místicos En La Vida Cotidiana
Thomas Hübl
Alura Lepik
(2017)



Os Melhores Contos de Mário de Andrade
Mário de Andrade
Global
(2000)



Erks - Mundo Interno
Trigueirinho
Pensamento
(1997)



Etiqueta sem Frescura
Claudia Matarazzo
Melhoramentos
(2002)



Niterói e a fotografia: 1858-1958
Pedro Vasquez
Niterói Livros
(1994)



Livro Literatura Brasileira Dama de Paus
Eliana Cardoso
Nova Fronteira
(2019)



Crescer Através do Sofrimento
Zilma Gurgel Cavalcante
Cia dos Livros
(2011)



O Menino que Sobreviveu
Rhiannon Navin
Leya
(2019)



Código Dos Homens Honestos
Balzac
Nova Fronteira
(2005)



Odisseia
Ruth Rocha
Salamandra
(2011)





busca | avançada
63094 visitas/dia
2,3 milhões/mês