Meus discos, meus livros, e nada mais | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
Mais Recentes
>>> A Loucura de Tristão (La Folie Tristan) de Anônimo Francês do Século XII(Trad.? Autografo): G. D. Leoni pela Rassegna Brasiliana/ SP. (1965)
>>> A Religião viva do Cristo de Cesar D' Almeida Campos pela Livraria Cultura (1951)
>>> Evangelho da Solidão de Eduardo de Oliveira pela Cupolo (1969)
>>> Villa-Rica de Alcibiades Delamare pela Nacional (1935)
>>> Revista do Arquivo Municipal Clxvii (167) de Nicanor Miranda/alceu Maynard Araújo pela Depart. de Cultura (1962)
>>> La Celestina de Fernando de Rojas pela Madrid (1959)
>>> Economia e Sociologia de Adolf Lowe pela Revista Forense (1956)
>>> Movimento Praieiro:imprensa, Ideologia e Poder Politico de Izabel Andrade Marson pela Contemporanea (1980)
>>> Perfil do Mercado Consumidor:de Santo André e da Grande São Paulo de Felicio P. Benatti pela Fund. Santo André (1969)
>>> A Força Invisível de Wayne W. Dyer pela Sextante (2007)
>>> Revista de Educação:AEC, A Atualidade do Começo. Ano. 35 julho / Se... de Olmira Bernadete Dassoler pela Salesianas (2006)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> XXll de Agosto de Nelson de Souza Carneiro pela Nacional (1933)
>>> São Francisco de Sales de Abbe Jacques Leclerq pela Vozes (1957)
>>> Os Dogmas do Espiritismo de Rosalina Calmon dos Santos pela Arte Moderna
>>> La puerta Cerrada de Simón H. pela Esoteria (1981)
>>> Os Galos da Aurora de Hélio Pólvora pela Civilização Brasileira (1958)
>>> O Triumpho das Forças Mentaes de O. S. Marden pela América Latina (1929)
>>> Anuário Militar 1987 de John Pimlott pela Globo (1987)
>>> Cannaviaes de Alberto Deodato pela Rio de Janeiro (1922)
>>> Introdução á Poesia de Augusto dos Anjos de Júlio de Oliveira Martins pela Livraria Brasil (1958)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> Um dia depois do outro de Antonio de Almeida Prado pela Clube do Livro (1965)
>>> As Tres Prosas: a Pobre, a Rica e a Nova- Rica (conferência...) de Agostinho de Campos pela Livr. Ailaud e Bertrand/ Lisboa (1923)
>>> Trinta Anos Depois da Volta de Octavio Costa pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> 2194 Giorni Di Guerra de Mondadori pela Ediouro (1979)
>>> Encyclopedia of the Vietnam War de Stanley I. Kutler pela Charles Scribners (1996)
>>> O Encontro Marcado de Fernando Sabino pela Record (1988)
>>> Foguetes e Mísseis da III Guerra Mundial de Robert Berman e Bill Gunston pela Livro Técnico S/A (1983)
>>> A Segunda guerra mundial (Vol. 2 Somente esse Volume) de Raymond Cartier pela Primor (1975)
>>> Os Aviões de Enzo Angelucci pela Arnoldo Mondadori (1975)
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/10/2007
Meus discos, meus livros, e nada mais
Adriana Carvalho

+ de 4800 Acessos

O que faço com os discos de vinil? Na casa nova não há espaço para guardá-los. Nem tenho toca-discos, só uma caixinha com uma agulha antiga. Mas é doloroso pensar em me desfazer deles. Alguns são amigos de infância, como este que traz na capa a Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo, vestida de noiva. Os da coleção Disquinho, que eram os meus preferidos, já se perderam faz tempo. Assim como a vitrolinha portátil azul e só minha. Adorava aqueles que eram coloridos: azuis, roxos. Dava vontade de morder. Ouvi até quase furar o da Estória da Baratinha, com fita no cabelo, dinheiro na caixinha, abandonada no altar pelo Dom João Ratão, aquele que caiu na panela do feijão. Felizmente os disquinhos foram relançados em CD e já tenho todos em MP3.

Eu ouvia os discos dos adultos também. Um dos meus preferidos era este aqui, com a orquestra filarmônica de Berlim interpretando Claude Debussy, Modest Mussorgsky e Maurice Ravel. Colocava para tocar e viajava na ilustração da capa enquanto imaginava histórias para os sugestivos títulos das peças do compositor russo: A cabana de Baba Yaga sobre pés de galinha, A grande porta de Kiev e O velho castelo. O Bolero de Ravel também me cativava, deixando Debussy para escanteio.

Aqui está um disco da Maria Bethânia, o Pássaro da Manhã, com a capa toda rabiscada de caneta. Na foto, as lágrimas borram a maquiagem da cantora e eu me lembro de, bem pequena, perguntar: "Vó, por que essa moça está chorando?", e dela, na falta de explicação melhor, responder: "Porque ela é muito feia". Outra capa da Bethânia que me impressionava era uma ilustração dela com um monte de bichos e insetos subindo por seus seios e mãos (Recital na Boite Barroco). Eu confesso que ela não estava entre meus preferidos da MPB. Até que fui ouvi-la em um show: ela é uma entidade sobrenatural no palco. Um monumento de voz. Não há como negar. Quem eu amava (e amo ainda) de verdade era o Chico Buarque. Pedia para ouvir os discos do "tio Chico" e achava que ele era meu tio de verdade. Quem dera...

Antes mesmo dos discos, quem primeiro se mudou para a casa nova foram os livros. Montanhas deles. Responsáveis pela falta de pragmatismo na hora da arrumação. Olho um por um, paro para ler um trecho. Assim não vou terminar essa mudança nunca. Fico orgulhosa de ver que já temos uma biblioteca razoável. Se eu fosse uma pessoa metódica e organizada, poderia até colocar plaquinhas nas prateleiras para dividir os assuntos: dicionários, literatura brasileira, literatura estrangeira, psicologia, economia, música, artes plásticas, quadrinhos e miscelânea. Se eu fosse.

Entre os pequenos tesouros está o volume autografado de O banqueiro dos pobres, de Muhammad Yunus, ganhador do prêmio Nobel da Paz em 2006. É o economista que desceu dos pedestais da academia para para constatar a velha máxima que diz que, na prática, a teoria é outra. Por essa disposição de espírito, conseguiu criar um sistema realmente inovador e eficiente de crédito para aqueles que mais precisam dele.

Na categoria miscelânea estão pérolas como Livro da Sabedoria, de Pedro de Lara, "presente" que dei para meu marido acompanhado de um autógrafo do autor em um folheto das casas Marabraz, no qual ele fez questão de acrescentar os dias ideais para eu engravidar(!), números da sorte e uma recomendação para obter desconto na loja de móveis. "O filho, quando não presta, é espermatozóide estragado", é uma das frases do livro. Pedro de Lara, que faleceu no último 13 de setembro, circulava no centro velho de São Paulo, onde eu trabalho. Sentava para conversar e tomar tubaína com os estudantes da faculdade de música que almoçam prato feito em uma lanchonete da região, arrumava caso nas filas de banco, na farmácia, mas era muito bem humorado. Um colega de trabalho certa vez revelou que começou na profissão escrevendo falsas cartas de ouvintes relatando "sonhos" que eram interpretados no rádio pelo humorista, jurado do Sílvio Santos, ator de pornochanchadas e professor Salsi-Fufu do programa do Bozo.

Em retribuição ao meu "presente", ganhei um CD autografado do Agnaldo Timóteo que, trajando ternos de cores, digamos, pouco usuais, ainda faz ecoar sua voz nos corredores da Câmara Municipal de São Paulo, onde é vereador. Ainda na categoria miscelânea está o Método Silva de controle mental, um clássico da auto-ajuda que a meu ver merece nota 5 em uma escala de 1 a 5 para avaliação de bizarrices. Foi também "presente", dessa vez de nosso amigo Ernesto, que teve a pachorra de ligar de Londres certa manhã-madrugada só para dizer que havia descoberto qual é o único alimento que encaixa na boca do Darth Vader: chocolate Toblerone.

Olhar meus livros me angustia quando dou conta da enorme fila de títulos que ainda esperam para ser lidos. Se eu tivesse espírito matemático, montaria uma estatística de volumes na estante versus volumes já lidos para observar a trajetória do indicador ao longo do tempo e verificar se minha capacidade de leitura está crescendo ou diminuindo. Mas tenho certeza que está diminuindo, infelizmente, dado que o tempo diário disponível para a atividade não ultrapassa a viagem de ida e volta de metrô casa-trabalho-casa, ao contrário de quando eu era adolescente e podia passar algumas tardes largada com os livros.

O primeiro da minha fila, porém, sumiu na mudança, misteriosamente. O homem e seus símbolos, de Carl G. Jung, não estava em nenhum dos pacotes de livros. Abri um por um com a certeza de que estaria no último só porque eu o estava procurando e a lei de Murphy é poderosa. Mas nem no último estava. O que me fez lembrar uma frase do Barão de Itararé: "De onde menos se espera é que não sai mesmo coisa nenhuma". Paciência, o jeito é procurar mais e eleger um substituto enquanto ele não aparece. Será que finalmente vou preencher algumas das lacunas da minha formação cultural e atacar Grande Sertão: Veredas? Ulisses, de Joyce, acho que ainda não é o momento. Coloquei-o no fundo da estante, o que é uma ótima desculpa para não pegá-lo. Vejo livros que foram grandes paixões e penso em relê-los, como alguns volumes de contos de Tchekhov, outros de Cortázar. Mas penso economicamente, porque dedicar tempo à releitura quando há tanta leitura ainda para ser feita. Analiso também a possibilidade de terminar grandes títulos que comecei, amei e não sei porque larguei, como o Decamerão. Bom, terei que decidir isso depois. Ainda temos uma pia para consertar, todos os móveis para transportar, pintura para fazer. Enfim, os outros detalhes menores da mudança.


Adriana Carvalho
São Paulo, 11/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Crise da música ― Parte 1/3 de Rafael Fernandes
02. Jovens blogueiros, envelheçam (extras) de Rafael Rodrigues
03. As mulheres de Rubem Fonseca de Gabriela Vargas
04. Sexo, drogas e rock’n’roll de Marcelo Spalding
05. Cinema 2005, cadê você? de Lucas Rodrigues Pires


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Meta-universo - 16/8/2007
02. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Meus discos, meus livros, e nada mais - 11/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IMIGRAÇÃO JAPONÉSA EM SÃO BERNARDO DO CAMPO
ADEMIR MEDICI
FAC
(1983)
R$ 100,00



MISTÉRIOS DA PINDORAMA
MARION VILLAS BOAS
BIRUTA
(2000)
R$ 21,59



CIDADE DOS ANJOS CAÍDOS (VOL.4 OS INSTRUMENTOS MORTAIS)
CASSANDRA CLARE
GALERA RECORD
(2014)
R$ 19,00



CRIATURA CONTRA CRIADOR
SARAH K.
SM
(2016)
R$ 10,00



UMA PROVA DE CORAGEM
RITA FOELKER
EME
(1993)
R$ 8,00



MEMORIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS
MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA
OBJETIVO
(1997)
R$ 5,00



LOUCURAS DE UMA PAIXÃO
MARIA ESTELA ORLANDELI
PETIT
(2018)
R$ 18,00



MORTE E VIDA POSITHIVA
BETO VOLPE
REALEJO
(2016)
R$ 46,00



TERAPIA DA SOLIDÃO
DANIEL GRIPPO
PAULUS
(2005)
R$ 6,90



GO GIRL - TODA HISTÓRIA TEM DOIS LADOS - VERDADE OU DESAFIO?
MEREDITH BADGER
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 34,50





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês