Meus discos, meus livros, e nada mais | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/10/2007
Meus discos, meus livros, e nada mais
Adriana Carvalho
+ de 6200 Acessos

O que faço com os discos de vinil? Na casa nova não há espaço para guardá-los. Nem tenho toca-discos, só uma caixinha com uma agulha antiga. Mas é doloroso pensar em me desfazer deles. Alguns são amigos de infância, como este que traz na capa a Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo, vestida de noiva. Os da coleção Disquinho, que eram os meus preferidos, já se perderam faz tempo. Assim como a vitrolinha portátil azul e só minha. Adorava aqueles que eram coloridos: azuis, roxos. Dava vontade de morder. Ouvi até quase furar o da Estória da Baratinha, com fita no cabelo, dinheiro na caixinha, abandonada no altar pelo Dom João Ratão, aquele que caiu na panela do feijão. Felizmente os disquinhos foram relançados em CD e já tenho todos em MP3.

Eu ouvia os discos dos adultos também. Um dos meus preferidos era este aqui, com a orquestra filarmônica de Berlim interpretando Claude Debussy, Modest Mussorgsky e Maurice Ravel. Colocava para tocar e viajava na ilustração da capa enquanto imaginava histórias para os sugestivos títulos das peças do compositor russo: A cabana de Baba Yaga sobre pés de galinha, A grande porta de Kiev e O velho castelo. O Bolero de Ravel também me cativava, deixando Debussy para escanteio.

Aqui está um disco da Maria Bethânia, o Pássaro da Manhã, com a capa toda rabiscada de caneta. Na foto, as lágrimas borram a maquiagem da cantora e eu me lembro de, bem pequena, perguntar: "Vó, por que essa moça está chorando?", e dela, na falta de explicação melhor, responder: "Porque ela é muito feia". Outra capa da Bethânia que me impressionava era uma ilustração dela com um monte de bichos e insetos subindo por seus seios e mãos (Recital na Boite Barroco). Eu confesso que ela não estava entre meus preferidos da MPB. Até que fui ouvi-la em um show: ela é uma entidade sobrenatural no palco. Um monumento de voz. Não há como negar. Quem eu amava (e amo ainda) de verdade era o Chico Buarque. Pedia para ouvir os discos do "tio Chico" e achava que ele era meu tio de verdade. Quem dera...

Antes mesmo dos discos, quem primeiro se mudou para a casa nova foram os livros. Montanhas deles. Responsáveis pela falta de pragmatismo na hora da arrumação. Olho um por um, paro para ler um trecho. Assim não vou terminar essa mudança nunca. Fico orgulhosa de ver que já temos uma biblioteca razoável. Se eu fosse uma pessoa metódica e organizada, poderia até colocar plaquinhas nas prateleiras para dividir os assuntos: dicionários, literatura brasileira, literatura estrangeira, psicologia, economia, música, artes plásticas, quadrinhos e miscelânea. Se eu fosse.

Entre os pequenos tesouros está o volume autografado de O banqueiro dos pobres, de Muhammad Yunus, ganhador do prêmio Nobel da Paz em 2006. É o economista que desceu dos pedestais da academia para para constatar a velha máxima que diz que, na prática, a teoria é outra. Por essa disposição de espírito, conseguiu criar um sistema realmente inovador e eficiente de crédito para aqueles que mais precisam dele.

Na categoria miscelânea estão pérolas como Livro da Sabedoria, de Pedro de Lara, "presente" que dei para meu marido acompanhado de um autógrafo do autor em um folheto das casas Marabraz, no qual ele fez questão de acrescentar os dias ideais para eu engravidar(!), números da sorte e uma recomendação para obter desconto na loja de móveis. "O filho, quando não presta, é espermatozóide estragado", é uma das frases do livro. Pedro de Lara, que faleceu no último 13 de setembro, circulava no centro velho de São Paulo, onde eu trabalho. Sentava para conversar e tomar tubaína com os estudantes da faculdade de música que almoçam prato feito em uma lanchonete da região, arrumava caso nas filas de banco, na farmácia, mas era muito bem humorado. Um colega de trabalho certa vez revelou que começou na profissão escrevendo falsas cartas de ouvintes relatando "sonhos" que eram interpretados no rádio pelo humorista, jurado do Sílvio Santos, ator de pornochanchadas e professor Salsi-Fufu do programa do Bozo.

Em retribuição ao meu "presente", ganhei um CD autografado do Agnaldo Timóteo que, trajando ternos de cores, digamos, pouco usuais, ainda faz ecoar sua voz nos corredores da Câmara Municipal de São Paulo, onde é vereador. Ainda na categoria miscelânea está o Método Silva de controle mental, um clássico da auto-ajuda que a meu ver merece nota 5 em uma escala de 1 a 5 para avaliação de bizarrices. Foi também "presente", dessa vez de nosso amigo Ernesto, que teve a pachorra de ligar de Londres certa manhã-madrugada só para dizer que havia descoberto qual é o único alimento que encaixa na boca do Darth Vader: chocolate Toblerone.

Olhar meus livros me angustia quando dou conta da enorme fila de títulos que ainda esperam para ser lidos. Se eu tivesse espírito matemático, montaria uma estatística de volumes na estante versus volumes já lidos para observar a trajetória do indicador ao longo do tempo e verificar se minha capacidade de leitura está crescendo ou diminuindo. Mas tenho certeza que está diminuindo, infelizmente, dado que o tempo diário disponível para a atividade não ultrapassa a viagem de ida e volta de metrô casa-trabalho-casa, ao contrário de quando eu era adolescente e podia passar algumas tardes largada com os livros.

O primeiro da minha fila, porém, sumiu na mudança, misteriosamente. O homem e seus símbolos, de Carl G. Jung, não estava em nenhum dos pacotes de livros. Abri um por um com a certeza de que estaria no último só porque eu o estava procurando e a lei de Murphy é poderosa. Mas nem no último estava. O que me fez lembrar uma frase do Barão de Itararé: "De onde menos se espera é que não sai mesmo coisa nenhuma". Paciência, o jeito é procurar mais e eleger um substituto enquanto ele não aparece. Será que finalmente vou preencher algumas das lacunas da minha formação cultural e atacar Grande Sertão: Veredas? Ulisses, de Joyce, acho que ainda não é o momento. Coloquei-o no fundo da estante, o que é uma ótima desculpa para não pegá-lo. Vejo livros que foram grandes paixões e penso em relê-los, como alguns volumes de contos de Tchekhov, outros de Cortázar. Mas penso economicamente, porque dedicar tempo à releitura quando há tanta leitura ainda para ser feita. Analiso também a possibilidade de terminar grandes títulos que comecei, amei e não sei porque larguei, como o Decamerão. Bom, terei que decidir isso depois. Ainda temos uma pia para consertar, todos os móveis para transportar, pintura para fazer. Enfim, os outros detalhes menores da mudança.


Adriana Carvalho
São Paulo, 11/10/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que mata o prazer de ler? de Duanne Ribeiro
02. Máximas de Ana Elisa Ribeiro
03. Tom's Bar de Gian Danton


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Meta-universo - 16/8/2007
02. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Meus discos, meus livros, e nada mais - 11/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Erico Verissimo
Erico Verissimo
Globo



O Lorde Supremo
Trudi Canavan
Novo Conceito
(2013)



LIvro Esoterismo Textos Tibetanos Inéditos
Alexandra David-neel
Kier
(1976)



The Moral Life: An Introduction Reader in Ethics and Literature
Louis P. Pojman
Oxford University Press
(2000)



Livro Pedagogia Docência Memoria e Gênero Estudos Sobre Formação
Denice Barbara e Outros
Escrituras
(1997)



Livro Literatura Estrangeira Coleção Negra A Última Dança um Romance do 87º Dp
Ed Mcbain
Record
(2003)



Ama. Manual de Gerenciamento de Projetos
Paul C. Dinsmore
Brasport
(2009)



Livro Literatura Estrangeira Diários do Vampiro o Despertar
L. J. Smith
Record
(2009)



Insight
Daniel C. Luz
Dvs
(2001)



Livro Crítica Literária Figurações do Oitocentos
Paulo Motta Oliveira
Ateliê





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês