Meus discos, meus livros, e nada mais | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival online reverencia mestres e mestras da cultura tradicional do Brasil
>>> Sesc Pinheiros recebe ‘Rio e também posso chorar - Fatal 50’, primeiro passo solo de Assucena
>>> Cia O Grito apresenta experimento cênico no Brás
>>> Amadores - com a Cia. Hiato
>>> Um dos maiores festivais de música do Rio chega para agitar os cariocas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marcelo Gleiser #EuMaior
>>> Falsos intelectuais
>>> Mosaico de Rancores, romance de Márcia Barbieri
>>> @mores bizarros
>>> Agonia
>>> PROCURA-SE
>>> 1 de Maio #digestivo10anos
>>> Chopin Andante Spianato
>>> Ideologia retrô
>>> 31 de Agosto #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Os 11 Sexos. As Multiplas Faces Da Sexualidade Humana de Ronaldo Pamplona da Costa pela Gente (1994)
>>> Os 11 Sexos. As Multiplas Faces Da Sexualidade Humana de Ronaldo Pamplona da Costa pela Gente (1994)
>>> Etiqueta Sem Frescura de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos (1995)
>>> A Vida Cotidiana de Freud e Seus Pacientes de Lydia Flem pela L&PM (1986)
>>> Medicina Holística: A harmonia do ser humano de Dr. Sérgio Teixeira pela Campus (2003)
>>> Hélio Pellegrino de Paulo Roberto Pires pela Relume Dumará (1998)
>>> Curando Corações de Dr. Roque Marcos Savioli pela Gente (2004)
>>> Os Que Partem Os Que Ficam de Evaldo Alves D'Assumpção pela Vozes (1991)
>>> O Corpo Tem Suas Razões: Antiginástica e Consciência de Si de Thérèse Bertherar e Carol Bernstein pela Martins Fontes (1977)
>>> A Competência ao Alcance de Todos de Laurence J. Peter pela José Olympio (1979)
>>> Quase Memória - Quase-Romance de Carlos Heitor Cony pela Companhia das Letras (1995)
>>> O Sucesso é Ser Feliz de Roberto Shinyashiki pela Gente (1997)
>>> O Mundo de Sofia: Romance da História da Filosofia de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (1995)
>>> Academia de Vampiros 1, 2 e 3 (O Beijo das Sombras, Aura Negra e Tocada pelas Sombras) de Richelle Mead pela Nova Fronteira (2009)
>>> Mundo das Sombras : Vampiro Secreto (Vol.1) de Lisa J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Desirée de Annemarie Selinko pela Abril Cultural (1975)
>>> Treblinka de Jean François Steiner pela Abril Cultural (1976)
>>> Sparkenbroke de Charles Langbridge Morgan pela Abril Cultural (1974)
>>> Em cada coração um pecado de Henry Bellamann pela Abril Cultural (1975)
>>> Marvel 97 lote do n.1 ao 10 de Vários pela Marvel Comics (1997)
>>> Sursis de Jean Paul Sartre pela Abril Cultural (1974)
>>> Por Dentro da Moda Definições e Experiências de Dinah Bueno pela Senac (2009)
>>> Grimório para Aprendiz de Feiticeiro - Magia para o dia a dia de Oberon Zell-ravenheart pela Madras (2011)
>>> Liberte o Poder do Seu Subconsciente de Joseph Murphy pela Best Seller (2017)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Ática (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/10/2007
Meus discos, meus livros, e nada mais
Adriana Carvalho

+ de 5600 Acessos

O que faço com os discos de vinil? Na casa nova não há espaço para guardá-los. Nem tenho toca-discos, só uma caixinha com uma agulha antiga. Mas é doloroso pensar em me desfazer deles. Alguns são amigos de infância, como este que traz na capa a Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo, vestida de noiva. Os da coleção Disquinho, que eram os meus preferidos, já se perderam faz tempo. Assim como a vitrolinha portátil azul e só minha. Adorava aqueles que eram coloridos: azuis, roxos. Dava vontade de morder. Ouvi até quase furar o da Estória da Baratinha, com fita no cabelo, dinheiro na caixinha, abandonada no altar pelo Dom João Ratão, aquele que caiu na panela do feijão. Felizmente os disquinhos foram relançados em CD e já tenho todos em MP3.

Eu ouvia os discos dos adultos também. Um dos meus preferidos era este aqui, com a orquestra filarmônica de Berlim interpretando Claude Debussy, Modest Mussorgsky e Maurice Ravel. Colocava para tocar e viajava na ilustração da capa enquanto imaginava histórias para os sugestivos títulos das peças do compositor russo: A cabana de Baba Yaga sobre pés de galinha, A grande porta de Kiev e O velho castelo. O Bolero de Ravel também me cativava, deixando Debussy para escanteio.

Aqui está um disco da Maria Bethânia, o Pássaro da Manhã, com a capa toda rabiscada de caneta. Na foto, as lágrimas borram a maquiagem da cantora e eu me lembro de, bem pequena, perguntar: "Vó, por que essa moça está chorando?", e dela, na falta de explicação melhor, responder: "Porque ela é muito feia". Outra capa da Bethânia que me impressionava era uma ilustração dela com um monte de bichos e insetos subindo por seus seios e mãos (Recital na Boite Barroco). Eu confesso que ela não estava entre meus preferidos da MPB. Até que fui ouvi-la em um show: ela é uma entidade sobrenatural no palco. Um monumento de voz. Não há como negar. Quem eu amava (e amo ainda) de verdade era o Chico Buarque. Pedia para ouvir os discos do "tio Chico" e achava que ele era meu tio de verdade. Quem dera...

Antes mesmo dos discos, quem primeiro se mudou para a casa nova foram os livros. Montanhas deles. Responsáveis pela falta de pragmatismo na hora da arrumação. Olho um por um, paro para ler um trecho. Assim não vou terminar essa mudança nunca. Fico orgulhosa de ver que já temos uma biblioteca razoável. Se eu fosse uma pessoa metódica e organizada, poderia até colocar plaquinhas nas prateleiras para dividir os assuntos: dicionários, literatura brasileira, literatura estrangeira, psicologia, economia, música, artes plásticas, quadrinhos e miscelânea. Se eu fosse.

Entre os pequenos tesouros está o volume autografado de O banqueiro dos pobres, de Muhammad Yunus, ganhador do prêmio Nobel da Paz em 2006. É o economista que desceu dos pedestais da academia para para constatar a velha máxima que diz que, na prática, a teoria é outra. Por essa disposição de espírito, conseguiu criar um sistema realmente inovador e eficiente de crédito para aqueles que mais precisam dele.

Na categoria miscelânea estão pérolas como Livro da Sabedoria, de Pedro de Lara, "presente" que dei para meu marido acompanhado de um autógrafo do autor em um folheto das casas Marabraz, no qual ele fez questão de acrescentar os dias ideais para eu engravidar(!), números da sorte e uma recomendação para obter desconto na loja de móveis. "O filho, quando não presta, é espermatozóide estragado", é uma das frases do livro. Pedro de Lara, que faleceu no último 13 de setembro, circulava no centro velho de São Paulo, onde eu trabalho. Sentava para conversar e tomar tubaína com os estudantes da faculdade de música que almoçam prato feito em uma lanchonete da região, arrumava caso nas filas de banco, na farmácia, mas era muito bem humorado. Um colega de trabalho certa vez revelou que começou na profissão escrevendo falsas cartas de ouvintes relatando "sonhos" que eram interpretados no rádio pelo humorista, jurado do Sílvio Santos, ator de pornochanchadas e professor Salsi-Fufu do programa do Bozo.

Em retribuição ao meu "presente", ganhei um CD autografado do Agnaldo Timóteo que, trajando ternos de cores, digamos, pouco usuais, ainda faz ecoar sua voz nos corredores da Câmara Municipal de São Paulo, onde é vereador. Ainda na categoria miscelânea está o Método Silva de controle mental, um clássico da auto-ajuda que a meu ver merece nota 5 em uma escala de 1 a 5 para avaliação de bizarrices. Foi também "presente", dessa vez de nosso amigo Ernesto, que teve a pachorra de ligar de Londres certa manhã-madrugada só para dizer que havia descoberto qual é o único alimento que encaixa na boca do Darth Vader: chocolate Toblerone.

Olhar meus livros me angustia quando dou conta da enorme fila de títulos que ainda esperam para ser lidos. Se eu tivesse espírito matemático, montaria uma estatística de volumes na estante versus volumes já lidos para observar a trajetória do indicador ao longo do tempo e verificar se minha capacidade de leitura está crescendo ou diminuindo. Mas tenho certeza que está diminuindo, infelizmente, dado que o tempo diário disponível para a atividade não ultrapassa a viagem de ida e volta de metrô casa-trabalho-casa, ao contrário de quando eu era adolescente e podia passar algumas tardes largada com os livros.

O primeiro da minha fila, porém, sumiu na mudança, misteriosamente. O homem e seus símbolos, de Carl G. Jung, não estava em nenhum dos pacotes de livros. Abri um por um com a certeza de que estaria no último só porque eu o estava procurando e a lei de Murphy é poderosa. Mas nem no último estava. O que me fez lembrar uma frase do Barão de Itararé: "De onde menos se espera é que não sai mesmo coisa nenhuma". Paciência, o jeito é procurar mais e eleger um substituto enquanto ele não aparece. Será que finalmente vou preencher algumas das lacunas da minha formação cultural e atacar Grande Sertão: Veredas? Ulisses, de Joyce, acho que ainda não é o momento. Coloquei-o no fundo da estante, o que é uma ótima desculpa para não pegá-lo. Vejo livros que foram grandes paixões e penso em relê-los, como alguns volumes de contos de Tchekhov, outros de Cortázar. Mas penso economicamente, porque dedicar tempo à releitura quando há tanta leitura ainda para ser feita. Analiso também a possibilidade de terminar grandes títulos que comecei, amei e não sei porque larguei, como o Decamerão. Bom, terei que decidir isso depois. Ainda temos uma pia para consertar, todos os móveis para transportar, pintura para fazer. Enfim, os outros detalhes menores da mudança.


Adriana Carvalho
São Paulo, 11/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amar é... de Adriana Baggio


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Meta-universo - 16/8/2007
02. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Meus discos, meus livros, e nada mais - 11/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Azeite de Oliva: Sabor, Estética e Saúde
Dr Marcio Bontempo
Alaúde
(2008)



A História de Jerusalém
Claudionor de Andrade
Cpad
(2012)



Aladim e a Lâmpada Maravilhosa
W. Buch
M M



A Evolução do Capitalismo
Maurice Dobb
Zahar
(1974)



Cause Celeb
Helen Fielding
Penguin Readers
(2002)



Os elefantes
Richard Carrington
Flamboyant
(1963)



Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda
J. M. Keynes
Relogio D'agua



Os Palestinos Judeus da 3ª Guerra Mundial
Fausto Wolff
Alfa-omega
(1986)



A Pata da Gazela. Grandes Leituras
José de Alencar
Ftd
(1996)



Caloria Limitada -receitas de Saude
Ligia Azevedo
Salamandra
(2012)





busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês