Feminista? Eu? Claro que sim! | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> The impact of the Internet
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Tributo a Paul McCartney
>>> Começos Inesquecíveis
>>> Entrevista com Spacca
Mais Recentes
>>> Orgias de Luis Fernando Verissimo pela Lpm (1989)
>>> Mulheres de 50 Anos Como Viver Plenamente esta Nova Idade de Suzanne Képès e Michèle Thiriet pela Lpm (1994)
>>> Mahabharata de William Buck pela Círculo do Livro (1992)
>>> Aventuras do Bravo Soldado Schweik de Jaroslav Hašek pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 8º ano Ciências, Língua Portuguesa e Geografia de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Sur La Photographie de Susan Sontag pela Titre
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Matemática 9º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 6º ano Ciências e Língua Portuguesa de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Cuentos Populares de León Tolstoi pela Longseller (2004)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Arte 6º e 7º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> O Mordomo do Imperador - Coleção General Benício de Américo Jacobina Lacombe pela Biblioteca do Exército (1994)
>>> Aunt Dimity, Vampire Hunter de Nancy Atherton pela Viking (2008)
>>> Der Domino Killer de Kate Pepper pela Thriller
>>> Mal Secreto Inveja - Coleção: Plenos Pecados de Zuenir Ventura pela Objetiva (1998)
>>> Conferência dos pássaros de Farid Ud-Din Attar pela Círculo do Livro (1991)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Operação Impensável de Vanessa Barbara pela Intrínseca (2015)
>>> O Momento Mágico de Jeffrey Zaslow pela Novo Conceito (2013)
>>> Cadernos do Silêncio 1990-2002 Pequeno Itinerário de Sobrevivência de Beatriz Araujo Lima Coelho pela Relume Dumará (2005)
>>> Na Toca dos Leões de Fernando Morais pela Planeta (2005)
>>> Escuta Só - do Clássico ao Pop de Alex Ross pela Companhia das Letras (2011)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2007)
>>> Johnny Depp de Danny White pela Best Seller (2012)
>>> Opostos Que Se Atraem de Julie Gilbert pela Record (1998)
>>> O Coronel Chabert de Honoré De Balzac pela Saraiva (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/9/2012
Feminista? Eu? Claro que sim!
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos

Em época de campanha para prefeitos e julgamento do mensalão, se posicionar politicamente se tornou tão natural nestes dias quanto comentar a novela das nove. Mesmo aqueles que dizem desprezar a política são capazes de engrenar uma conversa fiada sobre o seu provável voto, o candidato menos pior, talvez o melhor, ou comentar a votação no Supremo Tribunal Federal. Por que então, em meio ao saudável debate sobre o noticiário, sinto que minha frase gera algum desconforto?

─ ... é por essas e outras que sou feminista.

As mulheres não me endossam, como seria de esperar. Os homens parecem tentar imaginar a que tipo de feminismo eu me refiro. É curioso notar que, dependendo da roda, um homem se declarar feminista parece mais apropriado do que uma mulher.

Mas vamos ao contexto. O "essas e outras" que motivou a ratificação da minha condição feminista foi uma daquelas notícias que de tempos em tempos refletem a precariedade da situação da mulher no mundo. Não, a história em questão não dizia respeito a uma vítima de chibatadas em plena primavera árabe, mas se referia às estúpidas declarações de um deputado republicano. Todd Akin afirmou que casos de gravidez depois de estupros são muito raros, porque as mulheres teriam defesas biológicas para evitar a gravidez quando se trata de um "estupro legítimo" (legitimate rape, em inglês).

Não é para sair empunhando a bandeira do feminismo, se houvesse uma à mão? Pode ser que o termo feminista tenha ficado um tanto institucionalizado, como se pressupusesse a ligação com algum movimento formal, ou então que tenha simplesmente envelhecido - daí o preconceito. Mas não tem jeito: as mulheres ainda são vítimas de muitas desigualdades, não por culpa de nossos bem intencionados colegas de trabalho, namorados ou maridos - que se dizem sinceramente feministas na mesa do bar -, mas de uma condição histórica e cultural. Se simplesmente ligarmos o "automático", se deixarmos que nossas opiniões e atitudes se influenciem por um suposto "bom senso" relacionado à convivência em sociedade, corremos o sério risco de endossar ingenuamente desigualdades que serviram a séculos de dominação.

Assim como os direitos da criança precisam ser defendidos - a relação de poder dos adultos (inclusive dos maus pais) sobre elas é óbvia -, também é preciso ficar atento aos direitos da mulher, em função dessa dominação histórica. Não é difícil achar mulheres que trabalham, se sustentam, se julgam bem informadas e sensatas e no entanto aceitam injustiças e violências relacionadas à condição feminina. Não conheço, é verdade, nenhuma capaz de desconfiar da "legitimidade" de um estupro porque a vítima engravidou - isso parece mesmo o auge da ignorância. Mas não é difícil encontrar quem, diante da constatação de que uma mulher foi atacada, critique a roupa que ela usava. "Também, né, com aquela minissaia..."

Por isso, além de defender "o aprimoramento e a ampliação do papel e dos direitos das mulheres na sociedade" (feminismo segundo o Houaiss), eu também apoio iniciativas como a recente "Marcha das vadias". Do ponto de vista de estratégia política, nem sei se o termo "vadia" é o melhor para angariar simpatias mais conservadoras, mas talvez somente o choque sacoleje mentes e dissolva os últimos resquícios da cultura machista entranhada em todos nós.

Pois a mulher tem todo o direito de ser uma "vadia", ou seja lá o que se entenda por isso em atitudes e vestimentas. Pode ser mesmo uma prostituta. Nada disso a torna culpada de sofrer um estupro. E ponto. Esse é o espírito do movimento que surgiu no Canadá, e se espalhou em passeatas pelo mundo, depois que um policial de Toronto pediu que as mulheres não se vestissem como vadias para não serem estupradas.

Talvez estejamos precisando de imagens assim - jovens seminuas exigindo respeito pelas ruas -, semelhantes às dos movimentos de contracultura dos anos 1960, para fazer frente às cruzadas moralistas que espocam pelo mundo. Como se não bastasse os absurdos "científicos" pregados pelos líderes do Tea Party americano, da Rússia e dos países árabes também chegam notícias de retrocessos. Parece que os políticos, na falta de ideologias ou saídas econômicas para a crise global, decidiram defender "a família". Caramba, qual "família"? Vamos combinar assim: se você vir algum candidato, nessas eleições de outubro, defender os "valores da família", saia correndo e vote em seu adversário!

A tal família, à moda antiga, não era boa coisa para a mulher. Ainda hoje, não precisamos ir muito longe (talvez exista um exemplo bem a seu lado) para encontrar algum tipo de violência doméstica tolerada em nome do "bem estar da família". Mulheres humilhadas, mulheres que se submetem, mulheres que acham que é assim mesmo. Pegue as estatísticas - qualquer uma, incluindo as brasileiras - para verificar que as mulheres ainda têm remuneração bem menor que a dos homens, exercendo as mesmas funções.

No seu ambiente de trabalho e na sua casa não é assim? Ao contrário, as mulheres estão dominando? Que ótimo. Tomara que um dia essas exceções se tornem regra, e não precisemos mais ficar tão vigilantes. Enquanto isso, mantenha-se desconfiado, inclusive quando alguém repetir algo do "senso comum", como "feministas eram aquelas mulheres que queimavam sutiãs".



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 14/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tecnologias e borboletas de Ana Elisa Ribeiro
02. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. A difícil arte de saber mais um pouco de Ana Elisa Ribeiro
04. Quem tem medo de Gerald Thomas? (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Diário da Guerra do Corpo de Vicente Escudero


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Inglês Prático para o Dia a Dia 9 + Dvd
Vários
Editorial Sol 90
(2010)



O Amigo Secreto
Meco Filho
21
(2003)



Tecnicas Minimamente Invasivas de Rejuvenescimento Oculofacial
Stephen Bosniak
Santos
(2007)



Sociologia Ambiental do Direito - 1ª Edição - Análise Sociojurídica,..
Marcio Henrique Pereira Ponzilacqua
Vozes
(2015)



Romance Supremo Resgate
Antonieta V. Meyer
Instituto de Difusão Espírita
(1997)



Caminhos da Reconstrução
Antonio Dias Leite
Pioneira
(1984)



O Grande Segredo do Dia Em Que Você Nasceu - 1ª Edição
Jeanclaude Marie
Pensamento
(2005)



Persuasion
Jane Austen
Barne & Noble Classics
(2004)



Ary Fontoura Coleção Aplauso
Rogério Menezes
Imprensa Oficial
(2006)



O Aprendiz de Crítica 1955 1959
Joel Pontes
Inl
(1960)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês