Feminista? Eu? Claro que sim! | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O chá do imperador
>>> Papa Francisco
>>> Pequena notável
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> USP: 75 anos de histórias várias
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Minicursos na PUC Minas
>>> 7 de Setembro
>>> Dublinenses
Mais Recentes
>>> As Pupilas do Senhor Reitor – Tomo II de Júlio Diniz pela Revista Minha
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nacional (2004)
>>> Contos de Alexandre Herculano pela Cultrix (1985)
>>> O Bobo de Alexandre Herculano pela Ediouro / Tecnoprint
>>> O Monge de Cister – 1º Volume de Alexandre Herculano pela Saraiva (1964)
>>> Notas de Um Diarista – 2ª Série de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Vida E Morte de M. J. Gonzaga de Sá de Lima Barreto pela Ediouro / Tecnoprint
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Ática (1990)
>>> Audaciosas ações de Otto Skorzeny: o Capitão que resgatou Mussolini (Tomo I) de O. Skorzeny pela Biblioteca do Exército (1976)
>>> Vida de um Homem: Francisco de Assis de Chiara Frugoni pela Companhia das letras (2008)
>>> Integralismo e Catolicismo de Gustavo Barroso pela ABC Ltda. (1937)
>>> História do Brasil (7 volumes) de Pedro Calmon pela José Olympio (1961)
>>> Elogio da Intolerância de Slavoj Zizek pela Relogio Dagua (1999)
>>> História do Brasil (6 volumes) de Robert Southey pela Obelisco (1965)
>>> História do Brasil (5 volumes) de Rocha Pombo pela W. M. Jackson (1959)
>>> Harmonia e improvisação I de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Português para convencer de Moreno e Martins pela Ática (2011)
>>> As Raízes do Rock de Florent Mazzoleni pela Companhia Ed. Nacional (2012)
>>> Os Melhores Jogos do Mundo de Diversos Autores pela Abril
>>> A jornada da alma de Jhon A. Sanford pela Paulus (1998)
>>> Cristãos ricos em tempos de fome de Ronald J. Sider pela Sinodal (1984)
>>> O pecado e o medo. A culpabilização no Ocidente (séculos 13-18) 2 vol. de Jean Delumeau pela Edusc (2003)
>>> História das missões de Stephen Neill pela Vida Nova (1998)
>>> História das missões de Stephen Neill pela Vida Nova (1998)
>>> História das missões de Stephen Neill pela Vida Nova (1998)
>>> Mil anos de felicidade. Uma História do Paraíso de Jean Delumeau pela Companhia das Letras (1997)
>>> Revista de História da Biblioteca Nacional Nº 122 de Diversos Autores pela Biblioteca Nacional (2015)
>>> Revista de História da Biblioteca Nacional Nº 116 de Diversos Autores pela Biblioteca Nacional (2015)
>>> A empresa júnior no Brasil e no mundo de Franco de Matos pela Martin claret (1997)
>>> Revista de História da Biblioteca Nacional Nº 112 de Diversos Autores pela Biblioteca Nacional (2015)
>>> Limites da Utopia de Isaías berlin pela Companhia das letras (1999)
>>> As culturas e o tempo de Paul Ricoeur e outros pela Vozes (1975)
>>> Estratégias da arte em uma era catástrofes de Maria Angelica melendi pela Cobogo (2017)
>>> Estratégias da arte em uma era catástrofes de Maria Angelica melendi pela Cobogo (2017)
>>> O Último Coyote de Michael Connelly pela Círculo do Livro (1997)
>>> A voz do passado. História oral de Paul Thompson pela Paz e Terra (1992)
>>> A Última Grande Lição - O Sentido da Vida de Mitch Albom pela Sextante (2008)
>>> De religião e de homens de Jean Delumeau pela Loyola (2000)
>>> E Deus disse: Do que eu gosto é de política, não de religião de Padre Mário de Oliveira pela Campo das letras (2003)
>>> Movimentos messiânicos no tempo de Jesus de Donizete Scardelai pela Paulus (1998)
>>> Literatura: De Homero á contemporaneidade de Ronaldo Alves Mousinho pela Independente (2002)
>>> Historia dos índios no Brasil de Manuela Carneiro da Cunha pela Companhia das letras (2006)
>>> A casa das Máscaras (trilogia dos Aincourt - Livro 3) de Candace Camp pela Harlequin Books (2007)
>>> Analogia de Umbanda - Ponto riscado de Josef Ronton pela Tríade (1985)
>>> O livro dos Exús de Antonio de Alva pela Eco (1973)
>>> As Valkirias de Paulo Coelho pela Gold (2020)
>>> Vida sempiterna de Marie Corelli pela Biblioteca Rosacruz (1990)
>>> A Quintessência sagrada de Starhawk pela Record (1995)
>>> Hatha Yoga - Paz e saúde de Indra Devi pela Civilização Brasileira (1962)
>>> Curso adiantado de Filosofia Yogue de Yogue Ramacharaca pela Pensamento (1977)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/9/2012
Feminista? Eu? Claro que sim!
Marta Barcellos

+ de 2900 Acessos

Em época de campanha para prefeitos e julgamento do mensalão, se posicionar politicamente se tornou tão natural nestes dias quanto comentar a novela das nove. Mesmo aqueles que dizem desprezar a política são capazes de engrenar uma conversa fiada sobre o seu provável voto, o candidato menos pior, talvez o melhor, ou comentar a votação no Supremo Tribunal Federal. Por que então, em meio ao saudável debate sobre o noticiário, sinto que minha frase gera algum desconforto?

─ ... é por essas e outras que sou feminista.

As mulheres não me endossam, como seria de esperar. Os homens parecem tentar imaginar a que tipo de feminismo eu me refiro. É curioso notar que, dependendo da roda, um homem se declarar feminista parece mais apropriado do que uma mulher.

Mas vamos ao contexto. O "essas e outras" que motivou a ratificação da minha condição feminista foi uma daquelas notícias que de tempos em tempos refletem a precariedade da situação da mulher no mundo. Não, a história em questão não dizia respeito a uma vítima de chibatadas em plena primavera árabe, mas se referia às estúpidas declarações de um deputado republicano. Todd Akin afirmou que casos de gravidez depois de estupros são muito raros, porque as mulheres teriam defesas biológicas para evitar a gravidez quando se trata de um "estupro legítimo" (legitimate rape, em inglês).

Não é para sair empunhando a bandeira do feminismo, se houvesse uma à mão? Pode ser que o termo feminista tenha ficado um tanto institucionalizado, como se pressupusesse a ligação com algum movimento formal, ou então que tenha simplesmente envelhecido - daí o preconceito. Mas não tem jeito: as mulheres ainda são vítimas de muitas desigualdades, não por culpa de nossos bem intencionados colegas de trabalho, namorados ou maridos - que se dizem sinceramente feministas na mesa do bar -, mas de uma condição histórica e cultural. Se simplesmente ligarmos o "automático", se deixarmos que nossas opiniões e atitudes se influenciem por um suposto "bom senso" relacionado à convivência em sociedade, corremos o sério risco de endossar ingenuamente desigualdades que serviram a séculos de dominação.

Assim como os direitos da criança precisam ser defendidos - a relação de poder dos adultos (inclusive dos maus pais) sobre elas é óbvia -, também é preciso ficar atento aos direitos da mulher, em função dessa dominação histórica. Não é difícil achar mulheres que trabalham, se sustentam, se julgam bem informadas e sensatas e no entanto aceitam injustiças e violências relacionadas à condição feminina. Não conheço, é verdade, nenhuma capaz de desconfiar da "legitimidade" de um estupro porque a vítima engravidou - isso parece mesmo o auge da ignorância. Mas não é difícil encontrar quem, diante da constatação de que uma mulher foi atacada, critique a roupa que ela usava. "Também, né, com aquela minissaia..."

Por isso, além de defender "o aprimoramento e a ampliação do papel e dos direitos das mulheres na sociedade" (feminismo segundo o Houaiss), eu também apoio iniciativas como a recente "Marcha das vadias". Do ponto de vista de estratégia política, nem sei se o termo "vadia" é o melhor para angariar simpatias mais conservadoras, mas talvez somente o choque sacoleje mentes e dissolva os últimos resquícios da cultura machista entranhada em todos nós.

Pois a mulher tem todo o direito de ser uma "vadia", ou seja lá o que se entenda por isso em atitudes e vestimentas. Pode ser mesmo uma prostituta. Nada disso a torna culpada de sofrer um estupro. E ponto. Esse é o espírito do movimento que surgiu no Canadá, e se espalhou em passeatas pelo mundo, depois que um policial de Toronto pediu que as mulheres não se vestissem como vadias para não serem estupradas.

Talvez estejamos precisando de imagens assim - jovens seminuas exigindo respeito pelas ruas -, semelhantes às dos movimentos de contracultura dos anos 1960, para fazer frente às cruzadas moralistas que espocam pelo mundo. Como se não bastasse os absurdos "científicos" pregados pelos líderes do Tea Party americano, da Rússia e dos países árabes também chegam notícias de retrocessos. Parece que os políticos, na falta de ideologias ou saídas econômicas para a crise global, decidiram defender "a família". Caramba, qual "família"? Vamos combinar assim: se você vir algum candidato, nessas eleições de outubro, defender os "valores da família", saia correndo e vote em seu adversário!

A tal família, à moda antiga, não era boa coisa para a mulher. Ainda hoje, não precisamos ir muito longe (talvez exista um exemplo bem a seu lado) para encontrar algum tipo de violência doméstica tolerada em nome do "bem estar da família". Mulheres humilhadas, mulheres que se submetem, mulheres que acham que é assim mesmo. Pegue as estatísticas - qualquer uma, incluindo as brasileiras - para verificar que as mulheres ainda têm remuneração bem menor que a dos homens, exercendo as mesmas funções.

No seu ambiente de trabalho e na sua casa não é assim? Ao contrário, as mulheres estão dominando? Que ótimo. Tomara que um dia essas exceções se tornem regra, e não precisemos mais ficar tão vigilantes. Enquanto isso, mantenha-se desconfiado, inclusive quando alguém repetir algo do "senso comum", como "feministas eram aquelas mulheres que queimavam sutiãs".



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 14/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
02. Minha biblioteca de sobrevivência de Julio Daio Borges
03. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
04. Predadores humanos de Gian Danton
05. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DONO DO MAR
JOSÉ SARNEY
LEYA CASA DA PALAVRA
(2014)
R$ 6,90



REVISTA PÁTIO EDUCAÇÃO INFANTIL. Nº 31
VÁRIOS
GRUPO A
(2012)
R$ 37,00



TEM TUPI NA OCA E EM QUASE TUDO O QUE SE TOCA
WALTHER MOREIRA SANTOS
AUTÊNTICA
(2011)
R$ 27,06



AS TARDES DE UM PINTOR OBRAS IMORTAIS DA NOSSA LITERATURA
TEIXEIRA E SOUSA
TRÊS
(1973)
R$ 8,00



OS EFEITOS HALL QUÂNTICOS: ELÉTRONS BIDIMENSIONAIS EM CAMPO MAGNÉ
PASCAL LEDERER E MARK OLIVER GOERBIG
UNB
(2014)
R$ 38,82



TASTE IT !
WANG SHAOQIANG
PROMOPRESS
(2012)
R$ 50,00



MANUAL DE FITOPATOLOGIA
FERDINANDO GALLI (COORD)
AGRONÔMICA CERES LTDA
(1980)
R$ 40,00



SCENÁRIOS NORTE-RIOGRANDENSES
AMPHILÓQUIO CÂMARA
SEBO VERMELHO
(2016)
R$ 60,00



UM NOVO IMPULSO ASTROLÓGICO
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1998)
R$ 14,00



STRUCTURES ÉTYMOLOGIQUES DU LEXIQUE FRANÇAIS
PIERRE GUIRAUD
LAROUSSE
(1967)
R$ 47,82





busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês