Feminista? Eu? Claro que sim! | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/9/2012
Feminista? Eu? Claro que sim!
Marta Barcellos

+ de 2800 Acessos

Em época de campanha para prefeitos e julgamento do mensalão, se posicionar politicamente se tornou tão natural nestes dias quanto comentar a novela das nove. Mesmo aqueles que dizem desprezar a política são capazes de engrenar uma conversa fiada sobre o seu provável voto, o candidato menos pior, talvez o melhor, ou comentar a votação no Supremo Tribunal Federal. Por que então, em meio ao saudável debate sobre o noticiário, sinto que minha frase gera algum desconforto?

─ ... é por essas e outras que sou feminista.

As mulheres não me endossam, como seria de esperar. Os homens parecem tentar imaginar a que tipo de feminismo eu me refiro. É curioso notar que, dependendo da roda, um homem se declarar feminista parece mais apropriado do que uma mulher.

Mas vamos ao contexto. O "essas e outras" que motivou a ratificação da minha condição feminista foi uma daquelas notícias que de tempos em tempos refletem a precariedade da situação da mulher no mundo. Não, a história em questão não dizia respeito a uma vítima de chibatadas em plena primavera árabe, mas se referia às estúpidas declarações de um deputado republicano. Todd Akin afirmou que casos de gravidez depois de estupros são muito raros, porque as mulheres teriam defesas biológicas para evitar a gravidez quando se trata de um "estupro legítimo" (legitimate rape, em inglês).

Não é para sair empunhando a bandeira do feminismo, se houvesse uma à mão? Pode ser que o termo feminista tenha ficado um tanto institucionalizado, como se pressupusesse a ligação com algum movimento formal, ou então que tenha simplesmente envelhecido - daí o preconceito. Mas não tem jeito: as mulheres ainda são vítimas de muitas desigualdades, não por culpa de nossos bem intencionados colegas de trabalho, namorados ou maridos - que se dizem sinceramente feministas na mesa do bar -, mas de uma condição histórica e cultural. Se simplesmente ligarmos o "automático", se deixarmos que nossas opiniões e atitudes se influenciem por um suposto "bom senso" relacionado à convivência em sociedade, corremos o sério risco de endossar ingenuamente desigualdades que serviram a séculos de dominação.

Assim como os direitos da criança precisam ser defendidos - a relação de poder dos adultos (inclusive dos maus pais) sobre elas é óbvia -, também é preciso ficar atento aos direitos da mulher, em função dessa dominação histórica. Não é difícil achar mulheres que trabalham, se sustentam, se julgam bem informadas e sensatas e no entanto aceitam injustiças e violências relacionadas à condição feminina. Não conheço, é verdade, nenhuma capaz de desconfiar da "legitimidade" de um estupro porque a vítima engravidou - isso parece mesmo o auge da ignorância. Mas não é difícil encontrar quem, diante da constatação de que uma mulher foi atacada, critique a roupa que ela usava. "Também, né, com aquela minissaia..."

Por isso, além de defender "o aprimoramento e a ampliação do papel e dos direitos das mulheres na sociedade" (feminismo segundo o Houaiss), eu também apoio iniciativas como a recente "Marcha das vadias". Do ponto de vista de estratégia política, nem sei se o termo "vadia" é o melhor para angariar simpatias mais conservadoras, mas talvez somente o choque sacoleje mentes e dissolva os últimos resquícios da cultura machista entranhada em todos nós.

Pois a mulher tem todo o direito de ser uma "vadia", ou seja lá o que se entenda por isso em atitudes e vestimentas. Pode ser mesmo uma prostituta. Nada disso a torna culpada de sofrer um estupro. E ponto. Esse é o espírito do movimento que surgiu no Canadá, e se espalhou em passeatas pelo mundo, depois que um policial de Toronto pediu que as mulheres não se vestissem como vadias para não serem estupradas.

Talvez estejamos precisando de imagens assim - jovens seminuas exigindo respeito pelas ruas -, semelhantes às dos movimentos de contracultura dos anos 1960, para fazer frente às cruzadas moralistas que espocam pelo mundo. Como se não bastasse os absurdos "científicos" pregados pelos líderes do Tea Party americano, da Rússia e dos países árabes também chegam notícias de retrocessos. Parece que os políticos, na falta de ideologias ou saídas econômicas para a crise global, decidiram defender "a família". Caramba, qual "família"? Vamos combinar assim: se você vir algum candidato, nessas eleições de outubro, defender os "valores da família", saia correndo e vote em seu adversário!

A tal família, à moda antiga, não era boa coisa para a mulher. Ainda hoje, não precisamos ir muito longe (talvez exista um exemplo bem a seu lado) para encontrar algum tipo de violência doméstica tolerada em nome do "bem estar da família". Mulheres humilhadas, mulheres que se submetem, mulheres que acham que é assim mesmo. Pegue as estatísticas - qualquer uma, incluindo as brasileiras - para verificar que as mulheres ainda têm remuneração bem menor que a dos homens, exercendo as mesmas funções.

No seu ambiente de trabalho e na sua casa não é assim? Ao contrário, as mulheres estão dominando? Que ótimo. Tomara que um dia essas exceções se tornem regra, e não precisemos mais ficar tão vigilantes. Enquanto isso, mantenha-se desconfiado, inclusive quando alguém repetir algo do "senso comum", como "feministas eram aquelas mulheres que queimavam sutiãs".



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 14/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
03. Do primeiro dia ao dia D de Rennata Airoldi


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVOS ESTUDOS CEBRAP 88
VARIOS
EDIÇÕES CEBRAP
(2010)
R$ 14,90



DEMOLIDOR: FIM DOS DIAS - VOLUME 1
BRIAN MICHAEL BENDIS & DAVID MACK
PANINI COMICS / MARVEL
(2015)
R$ 20,00



C++ PARA UNIVERSITÁRIOS (AUTOGRAFADO)
LINCOLN CÉSAR ZAMBONI E SERGIO VICENTE PAMBOUKIAN
PÁGINAS E LETRAS
(2006)
R$ 35,00



MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO CADERNO DE APOIO
JOSÉ MANUEL ZORRO MENDES
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 24,97



PESQUISAS SOBRE O SENTIDO DA VIDA
PAULO FINOTTI
DO AUTOR
R$ 6,90



A HISTÓRIA DE DORA VOADORA LACRADO
TONI BRANDÃO
STUDIO NOBEL
(2003)
R$ 14,00



SIGNO SOLAR SIGNO LUNAR
CHARLES HARVEY E SUZI HARVEY
NOVA ERA
(1998)
R$ 12,00



DISCOURSES VOL 2
MEHER BABA
SUFISM REORIENTED
(1971)
R$ 29,82



A VERDADE DE CADA UM
AMIR LABAKI (ORG.)
COSAC NAIFY
(2015)
R$ 149,90



A ROMANA
ALBERTO MORAVIA
ABRIL
(1972)
R$ 15,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês