Sobre Jobs e Da Vinci | Noah Mera | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Quarta-feira, 2/11/2011
Sobre Jobs e Da Vinci
Noah Mera
+ de 5000 Acessos

Diz a sabedoria convencional que todos viram santos depois de mortos. Assim foi com Steve Jobs, reconhecido ainda em vida como gênio criativo, visionário e ícone da cultura digital. Jobs depois de morto foi comparado com Leonardo da Vinci, Thomas Edison e até John Lennon, JFK e Martin Luther King (os três últimos por seu amigo e sócio o igualmente genial Steve Wozniak). As comparações - justas ou injustas - dão o tom dos lugares no imaginário coletivo ocupados por Steve Jobs.

O empreendedor criou um império a partir da garagem de casa, foi deposto para voltar triunfante anos depois e levar sua empresa de marca de nicho ao lugar que hoje ocupa no imaginário coletivo e no mundo dos negócios. Uma história de superação do inicio da era nerd no melhor estilo hollywoodiano. Falando em Hollywood, recomendo o filme Piratas da Informática para qualquer um que queira entender a importância de Jobs para o mundo da computação pessoal.

Mas assim como o ditado que abre esta coluna, existe também a figura folclórica das comadres/compadres aos cantos dos velórios que, diante da deselegância em falar mal do morto em voz alta, ficam a cochichar os pecados do defunto pelos cantos. E assim foi com Jobs e sua vigília virtual. Para cada usuário louvando as glórias de Jobs, havia outro comentando sua crueldade para com os funcionários, contestando a presença de Jobs no dia-a-dia do cidadão comum, sua genialidade, lembrando seus fracassos, a divida da Apple para com os explorados empregados chineses que fabricam seus produtos.

Como no antigo Egito, pesado o coração de Jobs contra a pena da verdade, sua alma parece merecer o esquecimento, largada aos crocodilos e não o altar ao qual está sendo alçado.

Claro que o empresário e inventor era humano, e tinha tantas falhas quanto qualidades, e deve ser lembrado por ambas.

Mas algo que incomoda nos elogios é o exagero. É um tanto caricato comparar Jobs com Martin Luther King por todas a questão da China e sua postura de negócios e personalidade agressiva sem falar na total separação de esferas de atuação. Thomas Edison registrou 2.332 patentes, enquanto Jobs tinha 313 patentes registradas em seu nome - é uma bela distância do maior inventor de todos os tempos (tenho cá pra mim que a figura excêntrica de Jobs e sua característica de visionário combinam mais com a do rival de Edison, Jobs seria um Tesla que deu certo).

E por fim a comparação que parece mais estapafúrdia - da Vinci. Leonardo da Vinci é considerado a pessoa dotada de talentos mais diversos a ter vivido, foi cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor arquiteto, botânico, poeta e músico - o arquétipo do homem renascentista. É no momento histórico que creio residir o ponto de contato de Jobs com da Vinci.

A renascença foi um período de profundas alterações nas mais diversas áreas da vida humana. Cultura, sociedade, política e religião foram profundamente alterados durante o renascimento na esteira do resgate dos ideais da antiguidade clássica como o antropocentrismo, hedonismo, racionalismo e individualismo. Ideais que a cultura digital potencializou até testar seus limites (principalmente no que tange ao hedonismo e ao individualismo, sobre o qual o Wellington Machado já discorreu aqui no digestivo) em uma época que ainda promete transformações tão profundas nas diferentes áreas da vida humana quanto aquelas da renascença.

Jobs era mais Visionário que gênio. Sua demasiada exigência que levava os empregados quase a loucura, a obsessão pelos detalhes, que o levou a fechar ao controle total do hardware e software de seus produtos, a despeito de todos os manuais de administração, mas ao serviço de um ideal de excelência e uma profunda percepção dos rumos da cultura. O lendário campo de distorção de realidade de Jobs não se aplica aos seus produtos. O que havia é uma profunda capacidade de criar necessidades (ou perceber a necessidade existente e a maneira correta de supri-la, deixando o papo de pós-graduação de marketing de lado).

Assim, não importa o veredito, boa pessoa ou não, Jobs e da Vinci são cada um o símbolo de sua época. Duas épocas que mudaram o mundo.


Noah Mera
Curitiba, 2/11/2011

Mais Noah Mera
Mais Acessadas de Noah Mera em 2011
01. Querem acabar com as livrarias - 17/1/2011
02. As Midias Sociais e a Intimidade Inventada - 11/5/2011
03. Anos 90, lado B - 15/6/2011
04. Informação, Redes Sociais e a Revolução - 9/3/2011
05. Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop - 5/10/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês