Sobre Jobs e Da Vinci | Noah Mera | Digestivo Cultural

busca | avançada
31161 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Quarta-feira, 2/11/2011
Sobre Jobs e Da Vinci
Noah Mera

+ de 4000 Acessos

Diz a sabedoria convencional que todos viram santos depois de mortos. Assim foi com Steve Jobs, reconhecido ainda em vida como gênio criativo, visionário e ícone da cultura digital. Jobs depois de morto foi comparado com Leonardo da Vinci, Thomas Edison e até John Lennon, JFK e Martin Luther King (os três últimos por seu amigo e sócio o igualmente genial Steve Wozniak). As comparações - justas ou injustas - dão o tom dos lugares no imaginário coletivo ocupados por Steve Jobs.

O empreendedor criou um império a partir da garagem de casa, foi deposto para voltar triunfante anos depois e levar sua empresa de marca de nicho ao lugar que hoje ocupa no imaginário coletivo e no mundo dos negócios. Uma história de superação do inicio da era nerd no melhor estilo hollywoodiano. Falando em Hollywood, recomendo o filme Piratas da Informática para qualquer um que queira entender a importância de Jobs para o mundo da computação pessoal.

Mas assim como o ditado que abre esta coluna, existe também a figura folclórica das comadres/compadres aos cantos dos velórios que, diante da deselegância em falar mal do morto em voz alta, ficam a cochichar os pecados do defunto pelos cantos. E assim foi com Jobs e sua vigília virtual. Para cada usuário louvando as glórias de Jobs, havia outro comentando sua crueldade para com os funcionários, contestando a presença de Jobs no dia-a-dia do cidadão comum, sua genialidade, lembrando seus fracassos, a divida da Apple para com os explorados empregados chineses que fabricam seus produtos.

Como no antigo Egito, pesado o coração de Jobs contra a pena da verdade, sua alma parece merecer o esquecimento, largada aos crocodilos e não o altar ao qual está sendo alçado.

Claro que o empresário e inventor era humano, e tinha tantas falhas quanto qualidades, e deve ser lembrado por ambas.

Mas algo que incomoda nos elogios é o exagero. É um tanto caricato comparar Jobs com Martin Luther King por todas a questão da China e sua postura de negócios e personalidade agressiva sem falar na total separação de esferas de atuação. Thomas Edison registrou 2.332 patentes, enquanto Jobs tinha 313 patentes registradas em seu nome - é uma bela distância do maior inventor de todos os tempos (tenho cá pra mim que a figura excêntrica de Jobs e sua característica de visionário combinam mais com a do rival de Edison, Jobs seria um Tesla que deu certo).

E por fim a comparação que parece mais estapafúrdia - da Vinci. Leonardo da Vinci é considerado a pessoa dotada de talentos mais diversos a ter vivido, foi cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor arquiteto, botânico, poeta e músico - o arquétipo do homem renascentista. É no momento histórico que creio residir o ponto de contato de Jobs com da Vinci.

A renascença foi um período de profundas alterações nas mais diversas áreas da vida humana. Cultura, sociedade, política e religião foram profundamente alterados durante o renascimento na esteira do resgate dos ideais da antiguidade clássica como o antropocentrismo, hedonismo, racionalismo e individualismo. Ideais que a cultura digital potencializou até testar seus limites (principalmente no que tange ao hedonismo e ao individualismo, sobre o qual o Wellington Machado já discorreu aqui no digestivo) em uma época que ainda promete transformações tão profundas nas diferentes áreas da vida humana quanto aquelas da renascença.

Jobs era mais Visionário que gênio. Sua demasiada exigência que levava os empregados quase a loucura, a obsessão pelos detalhes, que o levou a fechar ao controle total do hardware e software de seus produtos, a despeito de todos os manuais de administração, mas ao serviço de um ideal de excelência e uma profunda percepção dos rumos da cultura. O lendário campo de distorção de realidade de Jobs não se aplica aos seus produtos. O que havia é uma profunda capacidade de criar necessidades (ou perceber a necessidade existente e a maneira correta de supri-la, deixando o papo de pós-graduação de marketing de lado).

Assim, não importa o veredito, boa pessoa ou não, Jobs e da Vinci são cada um o símbolo de sua época. Duas épocas que mudaram o mundo.


Noah Mera
Curitiba, 2/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. Só dói quando eu rio. de Marilia Mota Silva
04. Nerdcast e seu toque de Midas de Carla Ceres
05. Entre o Curtir e o Trollar de Noah Mera


Mais Noah Mera
Mais Acessadas de Noah Mera em 2011
01. As Midias Sociais e a Intimidade Inventada - 11/5/2011
02. Querem acabar com as livrarias - 17/1/2011
03. Anos 90, lado B - 15/6/2011
04. Informação, Redes Sociais e a Revolução - 9/3/2011
05. Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop - 5/10/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LA GRANDE HISTOIRE DE LA SECONDE GUERRE MONDIALE - 2 VOLUMES
PIERRE MONTAGNON
PYGMALION
(1999)
R$ 190,00



RAINHA DO LAR? UMA OVA!
ONILZA BRAGA
ROSA DOS TEMPOS
(1991)
R$ 10,00



CASÉ O JACARÉ QUE ANDA EM PÉ
CARLOS EDUARDO NOVAES
ÁTICA
(1994)
R$ 10,00



OS VINGATIVOS DJINN DESVENDADO OS DESIGNIOS OCULTO DOS GÊNIOS
ROSEMARY ELLEN GUILEY / PHILIP J IMBROGNO
MADRAS
(2012)
R$ 43,19



RITUAL
MO HAYDER
RECORD
(2011)
R$ 30,00



RITOS DA PAIXÃO EM LAVOURA ARCAICA
ANDRÉ LUIS RODRIGUES
EDUSP
(2006)
R$ 28,00



MATEMÁTICA NOS VESTIBULARES
ÁLVARO Z. ARANHA
POLICARPO
R$ 25,00



DIREITO INTERNACIONAL PUBLICO
EDUARDO CORREIA BAPTISTA
ALMEDINA MATRIZ
(2004)
R$ 208,00



NO BURACO
TONY BELLOTTO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2010)
R$ 10,57



SUPERFREAKONOMICS
STEVEN D. LEVITT STEPHEN J. DUBNER
PENGUIN BOOKS
(2009)
R$ 25,00





busca | avançada
31161 visitas/dia
1,3 milhão/mês