Sobre Jobs e Da Vinci | Noah Mera | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
Mais Recentes
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
COLUNAS >>> Especial Steve Jobs (1955-2011)

Quarta-feira, 2/11/2011
Sobre Jobs e Da Vinci
Noah Mera

+ de 4200 Acessos

Diz a sabedoria convencional que todos viram santos depois de mortos. Assim foi com Steve Jobs, reconhecido ainda em vida como gênio criativo, visionário e ícone da cultura digital. Jobs depois de morto foi comparado com Leonardo da Vinci, Thomas Edison e até John Lennon, JFK e Martin Luther King (os três últimos por seu amigo e sócio o igualmente genial Steve Wozniak). As comparações - justas ou injustas - dão o tom dos lugares no imaginário coletivo ocupados por Steve Jobs.

O empreendedor criou um império a partir da garagem de casa, foi deposto para voltar triunfante anos depois e levar sua empresa de marca de nicho ao lugar que hoje ocupa no imaginário coletivo e no mundo dos negócios. Uma história de superação do inicio da era nerd no melhor estilo hollywoodiano. Falando em Hollywood, recomendo o filme Piratas da Informática para qualquer um que queira entender a importância de Jobs para o mundo da computação pessoal.

Mas assim como o ditado que abre esta coluna, existe também a figura folclórica das comadres/compadres aos cantos dos velórios que, diante da deselegância em falar mal do morto em voz alta, ficam a cochichar os pecados do defunto pelos cantos. E assim foi com Jobs e sua vigília virtual. Para cada usuário louvando as glórias de Jobs, havia outro comentando sua crueldade para com os funcionários, contestando a presença de Jobs no dia-a-dia do cidadão comum, sua genialidade, lembrando seus fracassos, a divida da Apple para com os explorados empregados chineses que fabricam seus produtos.

Como no antigo Egito, pesado o coração de Jobs contra a pena da verdade, sua alma parece merecer o esquecimento, largada aos crocodilos e não o altar ao qual está sendo alçado.

Claro que o empresário e inventor era humano, e tinha tantas falhas quanto qualidades, e deve ser lembrado por ambas.

Mas algo que incomoda nos elogios é o exagero. É um tanto caricato comparar Jobs com Martin Luther King por todas a questão da China e sua postura de negócios e personalidade agressiva sem falar na total separação de esferas de atuação. Thomas Edison registrou 2.332 patentes, enquanto Jobs tinha 313 patentes registradas em seu nome - é uma bela distância do maior inventor de todos os tempos (tenho cá pra mim que a figura excêntrica de Jobs e sua característica de visionário combinam mais com a do rival de Edison, Jobs seria um Tesla que deu certo).

E por fim a comparação que parece mais estapafúrdia - da Vinci. Leonardo da Vinci é considerado a pessoa dotada de talentos mais diversos a ter vivido, foi cientista, matemático, engenheiro, inventor, anatomista, pintor, escultor arquiteto, botânico, poeta e músico - o arquétipo do homem renascentista. É no momento histórico que creio residir o ponto de contato de Jobs com da Vinci.

A renascença foi um período de profundas alterações nas mais diversas áreas da vida humana. Cultura, sociedade, política e religião foram profundamente alterados durante o renascimento na esteira do resgate dos ideais da antiguidade clássica como o antropocentrismo, hedonismo, racionalismo e individualismo. Ideais que a cultura digital potencializou até testar seus limites (principalmente no que tange ao hedonismo e ao individualismo, sobre o qual o Wellington Machado já discorreu aqui no digestivo) em uma época que ainda promete transformações tão profundas nas diferentes áreas da vida humana quanto aquelas da renascença.

Jobs era mais Visionário que gênio. Sua demasiada exigência que levava os empregados quase a loucura, a obsessão pelos detalhes, que o levou a fechar ao controle total do hardware e software de seus produtos, a despeito de todos os manuais de administração, mas ao serviço de um ideal de excelência e uma profunda percepção dos rumos da cultura. O lendário campo de distorção de realidade de Jobs não se aplica aos seus produtos. O que havia é uma profunda capacidade de criar necessidades (ou perceber a necessidade existente e a maneira correta de supri-la, deixando o papo de pós-graduação de marketing de lado).

Assim, não importa o veredito, boa pessoa ou não, Jobs e da Vinci são cada um o símbolo de sua época. Duas épocas que mudaram o mundo.


Noah Mera
Curitiba, 2/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. Meu Primeiro Livro de Julio Daio Borges
03. Como detectar MAVs (e bloquear) de Julio Daio Borges
04. O experimento de J. K. Rowling de Marta Barcellos
05. Para entender os protestos e o momento histórico de Julio Daio Borges


Mais Noah Mera
Mais Acessadas de Noah Mera em 2011
01. As Midias Sociais e a Intimidade Inventada - 11/5/2011
02. Querem acabar com as livrarias - 17/1/2011
03. Anos 90, lado B - 15/6/2011
04. Informação, Redes Sociais e a Revolução - 9/3/2011
05. Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop - 5/10/2011


Mais Especial Steve Jobs (1955-2011)
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATITUDE: UM JOVEM VENCEDOR
ÁRVORE DA VIDA
ÁRVORE DA VIDA
(2012)
R$ 5,00



ONDE NÃO HÁ DENTISTA
MURRAY DICKSON
PAULINAS
(1985)
R$ 39,00



MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO
VÁRIOS AUTORES
MASSP
(1970)
R$ 8,38



DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNI...
MEC
BRASILIA MEC
(2004)
R$ 5,00



UM BRASILEIRO EM TERRAS PORTUGUÊSAS - 780
GILBERTO FREYRE
JOSÉ OLYMPIO
(1953)
R$ 20,00



A ARCA DE NOÉ
REGINA CHAMLIAN
PAULINAS
(1999)
R$ 6,00



COMMENT RÉAMÉNAGER NOTRE RUSSIE? REFLEXIONS DANS LA MESURE DE ME
ALEXANDRE SOLJENITSYNE
FAYARD
(1990)
R$ 37,82



GIRL A REVISTA DA LUMA
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2006)
R$ 6,00



SONHOS DOURO - 1º VOLUME
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
(1960)
R$ 12,00



OS 12 TRABALHOS
CLÁUDIO YOSIDA E RICARDO ELIAS
IMPRENSA OF. ESTADO SP
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês