Querem acabar com as livrarias | Noah Mera | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
Mais Recentes
>>> Ensino-aprendizagem Com Modelagem Matemática de Rodney Carlos Bassanezi pela Contexto (2018)
>>> Segurança Contra Incendios de Aderson Guimaraes Pereira pela Ltr (2009)
>>> 180 Graus de Volta ao Primeiro Amor de Marcos G Nascimento pela M&l Publishing House (2017)
>>> Dinâmicas de Recreação e Jogos de Silvino José Fritzen pela Vozes (1991)
>>> Montagem, Manutenção e Instalação de Computadores de Guia como Se Faz pela escala
>>> Músculos provas e funçoes de Florence Peterson Kendalli pela Manoele (1995)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Contos de Paulo e Wilmar Vol 1 de Wilmar Soares Siqueira e Paulo S. Siqueira pela Happy Books (2018)
>>> Por Que a Bíblia é a Palavra de Deus? de Bruno Bertocco pela Do Autor
>>> Terminologia Jurídica IberoAmericana de Pablo Jiménez pela Uniban
>>> O Rato de Wanchai uma Aventura de Ava Lee de Iam Hamilton pela Benvira (2012)
>>> Fit 4 Gold - um Diário Olímpico - Vivendo Em Cores do Preto e Branco de Luciana Diniz pela Dba (2017)
>>> Como Conviver Com a Hipertensão: Saiba Como Controlar a Pressão Alta de Sarah Brewer pela Publifolha (2009)
>>> Humor nos Tempos de Collor de Luis Fernando Verissimo - Jô Soares - Millôr Ferna pela L&pm (1989)
>>> Circo Mirandus de Cassie Beasley pela Agir Now (2016)
>>> Restaurant Man de Joe Bastianich pela Edicoes Tapioca (2014)
>>> La Citta Dela Gioia de Dominique Lapierre pela Arnoldo Mondadori
>>> A Revolução dos Ebooks de Ednei Procópio pela Senai Sp (2013)
>>> Administração Financeira de A. A. Groppelli; Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2012)
>>> Do Confronto ao Diálogo de Nilo Tavares Silva pela Fonte Editorial (2013)
>>> Ação Rescisória de Sério Rizzi pela Revista dos Tribunais (1979)
>>> O Que é Pesquisa Em Educação? de Potiguara Ácacio Pereira pela Paulus (2005)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswaldo de Andrade pela Globo (1990)
>>> Polo - Yearbook 2011 - 2012 de Helvetia Polo Country Club pela Helvetia Polo Country Club
>>> A Morte de Aquiles de Boris Akunin pela Objetiva (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/1/2011
Querem acabar com as livrarias
Noah Mera
+ de 18200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Que vivemos em um país que lê muito pouco é consenso, e a solução para este problema, todos sabemos, é educação. A melhor política possível de democratização da leitura é melhorar principalmente nosso ensino fundamental, capacitando professores e investindo em bibliotecas. Até agora não disse nada de mais, não é mesmo? Qualquer pessoa que tenha tido a sorte de ter acesso a um mínimo de escolaridade sabe que a solução passa por estes passos (simples de observar e apontar, mas um desafio enorme para executar em um país como o nosso...).

Qualquer pessoa também sabe da triste situação da escola pública brasileira. E muitos de nós fomos até mesmo traumatizados durante a idade escolar por professores e programas incapazes de despertar o verdadeiro gosto pela leitura nos alunos (claro que há o fator cultural, são poucos os leitores que conheço que não vêm de famílias onde pelo menos um parente próximo cultivasse o hábito).

Apesar do exposto, o mercado livreiro fervilha de alguns anos para cá (se não em vendas, pelo menos em lançamentos). Feiras, bienais, prêmios e festas literárias pululam aos quatro cantos do país, novas editoras e autores surgem todos os dias. Não fosse o conhecimento comum da situação sobre a qual discorri nos dois primeiros parágrafos, poderíamos supor que jorra dinheiro no mercado literário brasileiro. Triste ilusão.

Grande parte dos títulos são lançados por editoras pequenas, com tiragens muito reduzidas e grande risco de pouco retorno do investimento. Sem contar que vários desses livros contam com a participação do autor no financiamento das tiragens.

Mas existe um modelo de negócio sem risco (pelo menos para uma das pontas): é um expediente estranho usado por algumas gráficas que montam selos e fazem "chamadas de autor" para coletâneas cujas tiragens são pagas integralmente pelos próprios em troca de uma parcela dos livros.

Esses autores, de posse do seu tão sonhado livro, ficam responsáveis também pela distribuição e comercialização dos mesmos. Acontece que estes autores amadores vendem uma meia dúzia de livros aos familiares, outra meia dúzia aos parentes e acabam com o resto da tiragem mofando em algum canto da casa. Independente da qualidade do autor, é muito difícil vender mais que estas duas dúzias de produtos (sim, caro autor, quando você pensa em venda deve dessacralizar o livro, ele torna-se um produto e segue as leis de marketing como qualquer outro bem de consumo) em condições como estas. O que estas gráficas fazem é ludibriar os aspirantes a best-seller com o sonho de ter seu livro publicado, mas sem um trabalho sério de editoração, distribuição e divulgação, assim vendem seu produto e deixam o cliente com um belo pepino (encalhe) nas mãos. Quem sabe o básico de marketing já viu que dos 4Ps (produto, preço, praça e promoção) dois ficam por conta de quem geralmente não tem o conhecimento e/ou condições para a correta execução das variáveis.

Mas quem leva a culpa?
Não é difícil encontrar pelas comunidades virtuais dedicadas aos aspirantes a autores quem culpe as livrarias pelo caso, e parece que esta parcela da população encontrou seu representante na figura de Sua Excelência Deputado Bonifácio de Andrada, que encaminhou o Projeto de Lei 7913/2010 que obriga as livrarias a comercializarem qualquer livro que for oferecido a elas.

O PL ainda define que "Toda livraria será considerada núcleo cultural de importância social protegida pelo Poder Público" ― um status interessante, mas que vem desacompanhado de qualquer benefício prático. Mais à frente, ainda advoga que "As livrarias e os pontos de venda não podem ficar submetidos ao jogo econômico e as preferências pessoais de certas empresas distribuidoras, sobretudo quando estas discriminam organizações gráficas ou de edição com menor expressão econômica e financeira" e (o grifo é meu) "É preciso, portanto, dar à livraria e ao ponto de vendas do livro um caráter público e social, pois não são meras casas comerciais, ou centros de manobras mercantilistas em favor de grupos econômicos, mas locais de transmissão de circulação de ideias e produtos intelectuais de interesse da cultura nacional". Não ficou claro, no trecho que destaquei, se o deputado gostaria de estatizar as livrarias, porque, caso contrário, as livrarias são, sim, casas comerciais que vendem produtos culturais e estão sujeitas às leis de mercado (demanda, oferta e procura) como qualquer outra atividade econômica.

O que Sua Excelência não percebe é que o Projeto de Lei não beneficia em nada o mercado livreiro brasileiro, pelo contrário! Cria enormes problemas para as livrarias. Vamos a uma rápida explanação sobre eles:

Problema de gestão de estoques: A maioria absoluta das livrarias utiliza softwares comerciais adaptados ― conheço apenas um software voltado exclusivamente para livrarias que dispõe de ferramenta para administração de múltiplas consignações, mas é um programa caro, a maioria das empresas não teria como arcar com o custo de implantação e mensalidades. Essa, aliás, é uma necessidade do setor livreiro (e uma oportunidade para os programadores), já que uma eficiente administração de consignações de vários distribuidores beneficiaria ― e muito ― a operacionalização de qualquer livraria, mesmo no cenário atual.

Outro problema neste tópico é que é impossível prever qual será a quantidade de livros enviados a cada livraria, e isto pode gerar um problema grave com um ponto de venda abarrotado de material.

Problema dos preços: Os livros geralmente têm um preço de capa dado pela editora e a livraria ganha um percentual deste (geralmente na faixa de 30%), mas o PL não prevê regulamentação para estes descontos, o que pode estreitar as margens já baixas das livrarias. Um problema grave e que pode inviabilizar muitos estabelecimentos. Sem contar que as livrarias físicas já sofrem com a concorrência desleal das livrarias virtuais, que conseguem grandes descontos por volume com as editoras e regularmente lançam promoções contra as quais as livrarias menores não conseguem competir.

Problema da venda: Este afeta as duas pontas. A disponibilidade do livro na prateleira não garante a venda. A venda de um livro depende de inúmeros fatores, entre os quais destaco o interesse do cliente (grande parte dos clientes vai à livraria em busca de um livro específico), o interesse do vendedor (e aqui entra até mesmo o conhecimento do vendedor deste mundo que é a literatura) e a necessidade do cliente. Como vendedor/atendente, meu último interesse é vender best-seller ― esse vende por si, o cliente já vai procurando e, se for a necessidade dele, dificilmente vai levar outra coisa que não um best-seller. Agora, se for outro tipo de leitor, com uma necessidade específica, aí entra o talento e o conhecimento do vendedor em encontrar o livro que o atenda ― sendo de uma grande distribuidora/editora ou não!

Quando eu tinha livraria e algum autor regional com potencial de venda nos procurava, nós aceitávamos o livro prontamente (tínhamos uma solução trabalhosa, mas satisfatória para o problema da consignação), mas, quando o livro não tinha potencial, não dava para aceitar, encalhe na estante significa prejuízo.

Conclusão
O Projeto tramita em caráter conclusivo, o que significa que não será votado no plenário, apenas por comissões designadas para analisá-lo. Mas pode perder o status no caso de parecer divergente entre as comissões, ou no caso de recurso quando da aprovação ou não pelas comissões. Acho difícil que um projeto desse passe, mas é uma grande oportunidade para colocar estas questões do mercado livreiro em discussão aproveitando o interesse de Sua Excelência (neste artigo mesmo há um bom punhado de problemas que mereceriam alguma atenção).

Você pode acompanhar o andamento do processo através deste link: [PL-7913/2010]. O e-mail do Deputado autor do PL é [email protected].

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog O surrealista insone. Leia também "Considerações sobre a leitura".


Noah Mera
Pato Branco, 17/1/2011

Mais Noah Mera
Mais Acessadas de Noah Mera em 2011
01. Querem acabar com as livrarias - 17/1/2011
02. As Midias Sociais e a Intimidade Inventada - 11/5/2011
03. Anos 90, lado B - 15/6/2011
04. Informação, Redes Sociais e a Revolução - 9/3/2011
05. Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop - 5/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/1/2011
09h44min
Noah, as editoras que publicam os livros com edições pagas não necessariamente iludem o autor, acenando com sucesso editorial. A outra face, que talvez você desconheça, é que as pessoas têm inúmeros motivos para publicar um livro - necessidade, no caso de um professor, por exemplo; sonho - e este é um fortíssimo e válido motivo; vontade de divulgar o que pensam; memórias que interessam a um grupo restrito... entre outros. Nada de promessas não cumpridas. A Ophicina de Arte & Prosa não faz promessas inalcançáveis, com certeza! Rachel Kopit Cunha - Fernando Poetta (Editores)
[Leia outros Comentários de Arte & Prosa]
26/1/2011
14h13min
Noah, eu concordo com seu ponto de vista. Acho que, de fato, muitas gráficas ludibriam, sim, os aspirantes a "best-seller" com o sonho de ter seu livro publicado, pois raríssimas têm um trabalho sério de editoração, distribuição e divulgação. Acredito também que muitos autores, como eu, recebam "chamadas" frequentes desses tipos de editoras para integrar nestes novos "projetos/selos", mas cabe a cada autor analisar com muitíssima cautela essas "chamadas"/propostas. Afinal, quais as chances de um autor desconhecido conseguir repassar seus livros para as livrarias? Bem, respondendo à minha própria pergunta, imagino que nenhuma, ou quase nenhuma. Por isso, eu preferi aguardar quase 7 anos para conseguir publicar meu primeiro livro ("Vítimas do Silêncio"), mas não me arrependi, não, pois, apesar de a editora que me contratou ainda pecar bastante na questão do marketing, o livro pode ser encontrado em várias livrarias em todo o país.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
26/1/2011
22h07min
Interessante este ponto tocado por você. De uma maneira geral, as pessoas não conseguem exergar um livro ou filme, por exemplo, como um produto. Não conseguem entender que existe uma cadeia de corporações e de pessoas que vivem disso e que precisam do dinheiro resultante dessas transações comerciais pra continuar produzindo. Mas tratar o problema como esse deputado propõe não é solução, não basta abraçar todos os livros/autores (é preciso, como em qualquer negócio, separar o joio do trigo) porque aí, sim, estaremos matando o que resta desse mercado.
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Glória Incerta
Jean Dreze, Amartya Sen
Companhia das Letras2
(2014)



Impresionismo
Phoebe Pool
Destino Esp
(1991)



Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?
Allan e Barbara Pease
Sextante
(2000)



Os Papéis do Inglês
Ruy Duarte de Carvalho
Companhia Das Letras
(2007)



Livro Literatura Estrangeira A Revolução dos Bichos
George Orwell
Globo
(1984)



Estudos de História Carioca
Prefeitura do Distrito Federal
Leitura



Para Sempre Contigo
Evanice Maria Pereira
Petit
(2012)



Coisas que Todo Garoto Deve Saber + Diário dos Garotos Espertos
Antonio Carlos Vilela; Martin Oliver
Melhoramentos; Lua de Papel
(2012)



Linguagens e Culturas Infantis
Adriana Friedmann
Cortez
(2013)



O Menino do Bolso Furado
Maria Helena Bazzo
Passarinho
(2017)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês