Apocalípticos, disléxicos e desarticulados | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
>>> Performer e dançarina Morgana Apuama apresenta a obra 'Risko'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e o amor virtual
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Outra Praia, de Swami Jr.
>>> Minha formatura
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A extraordinária Nina
>>> Pensamentos & Pedidos
Mais Recentes
>>> Dark City Jogo de Gustavo Barreto pela Funbox (2021)
>>> Naruto Guia Oficial de Personagens o Livro Secreto da Formação de Masashi Kishimoto pela Panini (2021)
>>> O Pistoleiro a Torre Negra Vol I de Stephen King pela Objetiva (2004)
>>> Gabriela Cravo e Canela de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> Abc de Castro Alves de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> O Que as Mulheres Querem ? de Paco Underhill pela Campus (2010)
>>> Dona Flor e Seus Dois Maridos de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> Historia da criação do ensino superior no Acre de Áulio Gélio Alves de Souza pela Thesaurus (2006)
>>> O Mundo Fantástico dos Bonecos de Claudia Zarvos Consultoria e Design pela Sesc (2010)
>>> Médico de homens e de almas - a história de São Lucas de Taylor Caldwell pela Record (2018)
>>> Corpo Fala: A Linguagem Silenciosa Da Comunicação Não Verbal de Vozes pela Vozes (2021)
>>> Correio Fraterno de Feb pela Feb (2021)
>>> Um Longo Caminho para Casa de Danielle Steel pela Record Altaya (2001)
>>> Corrida Da Vida de Leader pela Leader (2021)
>>> Fora de Ordem de Woody Allen pela Agir (2007)
>>> A Ilusão de Scorpio de Robert Ludlum pela Rocco (1995)
>>> Cortázar de Dsop pela Dsop (2021)
>>> Cotidianos Educacionais de Autografia pela Autografia (2021)
>>> Falou e Disse de Francisco Cândido Xavier - Augusto Cezar Neto pela Geem (1978)
>>> Crepúsculo de Intrínseca pela Intrínseca (2021)
>>> Crepúsculo - Serie Branca de Intrínseca pela Intrínseca (2021)
>>> Criando Adolescentes de Fundamento pela Fundamento (2021)
>>> Garoto Linha Dura de Stanislaw Ponte Preta pela Círculo do Livro
>>> Criando Aulas Multimídia Com Visual Class de Giz pela Giz (2021)
>>> Criando moda de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2021)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/2/2005
Apocalípticos, disléxicos e desarticulados
Julio Daio Borges

+ de 6300 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Por uma dessas razões que até a própria razão desconhece, eu acabei conhecido, na internet, também por causa das minhas opiniões sobre blogs. Não muito favoráveis, digamos. Tudo começou com um texto, pelo qual eu recebo comentários até hoje. Na verdade, houve antes uma nota e depois, bem depois, uma outra com base numa notícia de jornal. Ultimamente, andei escrevendo sobre isso e até publicando no Globo e no Estadão. E, recentemente, quem leu sabe, voltei a falar dos "blogueiros em fúria".

De uns tempos pra cá, porém, andei percebendo, sem que ninguém me dissesse, que muitos dos problemas que eu atribuo aos blogueiros são, no fundo, defeitos de fábrica da minha própria geração, e das posteriores. Somos quase todos, sem exceção, um bando de disléxicos e desarticulados. O fato, por exemplo, do blogueiro ficar na nota ou na frase e não conseguir extrapolar para o texto e para a análise é menos uma falha dele do que uma marca da geração X, Y ou Z — a atual, internauta. Essas pessoas que vivem soltando frases de efeito, mas que invariavelmente se embaralham quando têm de colaborar com uma publicação virtual ou real, são meros produtos do meio e particularmente não escolheram esse ou aquele formato — estão, simplesmente, condenados a ele.

Para quem não sabe entender o que é "disléxico", vou contar a história de um colega meu de faculdade. O nome dele não importa (e eu nem sei se posso revelar). Enfim, inteligentíssimo, muito hábil com números, ele tinha um pequeno problema com as palavras: trocava-as. Assim, no dia em que um professor faltou e eu me dirigia para a sala de aula, esse colega me interpelou no corredor e falou: "O professor faltou. Não veio. Está machucado". Não era uma justificativa comum e, de fato, ele não queria dizer "machucado" e, sim, "doente", gripado ou resfriado. Meu colega era disléxico. E não que isso o afetasse, ele trocava as palavras muito de vez em quando. Mas eu, com 5 ou 6 anos de convivência, já havia notado. Minha tese, resumindo, é a seguinte: à mesma maneira desse meu colega, em maior ou menor grau, hoje somos todos disléxicos e desarticulados.

Desarticulados mais até do que disléxicos. Eu já escrevi mas posso contar que fiz um curso na Casa do Saber e, embora seja um lugar de elite (ou supostamente), como os alunos se embananavam para perguntar qualquer coisa ao professor! E não era apenas os jovens; muita gente de meia-idade, senhores e senhoras. A maioria se perdia no enunciado: repetindo, na verdade, o que o professor acabara de dizer, acrescentando uma ou outra discordância e, quando terminava a preleção,... havia se esquecido completamente da pergunta (!). Alguns até se lançavam diretamente no tom interrogativo como se, em espanhol, a fala tivesse principiado justo por um ponto de interrogação, mas davam tantas voltas, em considerações para demonstrar conhecimento ou erudição, que acabavam perguntando alguma bobagem — do tipo relacionada ao último best-seller ou então carregada de intenções ideológicas ou religiosas escusas. Eu sei que sou um pouco abstrato nesse trecho, assim, vamos lá: o curso era, basicamente, sobre História dos Estados Unidos e um sujeito inquiriu a respeito da relação entre as guerras de conquista dos EUA e a paixão de Cristo (não sei se estava falando do filme do Mel Gibson); enquanto outra, uma americana, queria saber se o termo "ideologia" e o termo pejorativo "ideólogo" guardavam alguma relação com os referidos illuminati... informação quentíssima extraída de O Código Da Vinci, de Dan Brown. Nem precisa comentar.

Como editor de um site (eu sempre uso esse exemplo e sei que vocês estão cansados), eu tenho topado com as coisas mais variadas — afinal, como vocês sabem, por escrito é muito pior. Para começar que, muito mais que os blogueiros, quase ninguém sabe a diferença entre, por exemplo, conto, crônica, artigo ou ensaio. É óbvio que as pessoas na rua não têm de saber isso de cor, pois não é coisa que se ensina na escola, mas quem se mete a escrever deveria tentar trabalhar melhor essas definições. Exemplo prático: 99,99% dos "contos" que eu encontro na World Wide Web, principalmente em blogs, não passam de crônicas mal disfarçadas. (O Polzonoff, aliás, notou também esse fato.) Se o sujeito acorda e descreve, mal e porcamente, o dia que passou, não pode estar escrevendo um conto. Literatura não é isso. Literatura não é boletim de ocorrência policial. Literatura é descolamento.

Outro exemplo prático: 99,99% dos ditos "ensaios" de internet não o são — incluindo os deste Digestivo Cultural. Quando eu criei a seção "Ensaios" aqui, sabia que não teria condições de efetivamente publicá-los na WWW, tirando talvez os do Sérgio Augusto. Ensaios, de verdade, são longos e intrincados, feitos para se publicar em livro e não para cansar a vista de quem navega na Rede Mundial. Pessoalmente, para ir mais longe, até acho que a grande maioria dos chamados "artigos" de internet, também, não o são. Quando você escreve um artigo, você tem uma tese na manga e tem, obrigatoriamente, de conduzir o leitor de maneira cartesiana: apresentação ou introdução; argumentação ou desenvolvimento; fechamento ou conclusão. Sem querer desfazer da minha geração, e já desfazendo também das outras, alguém acha que o adolescente blog-maníaco, quando vai escrever seu diário virtual, ou o recém-formado jornalista, debutante na redação, tem essas noções muito claras na mente ou então tem alguém que o oriente nessa direção? Eu acho que não.

O exemplo mais gritante de como somos atrapalhados com as palavras, e não só com os gêneros, é a estrutura das frases e dos parágrafos e o que eu, aqui, chamo de formatação. Eu não sei bem por quê, mas temos uma mania tremenda de inverter os períodos e de complicar as coisas. Em vez de escrever: "Meu tio matou um cara, na noite passada, em plena BR e fugiu apressado", escrevemos: "Fugiu apressado — depois de ter matado um cara —, o meu tio, quando estava na BR (ontem à noite)". É uma verdadeira tara por voz passiva, parênteses, travessões e vírgulas, na maior parte das vezes, desnecessários. Sou uma eterna vítima dessa situação e procuro limpar meu texto de quando em quando. Volta e meia, submerso num exagero de sinais gráficos, sou alertado por algum leitor atento. Isso sem mencionar negritos e itálicos, relativamente raros em impressos em geral mas tipicamente abundantes na WWW. É um caos total.

Eu atribuo essa nossa "formação" à alardeada, e fomentada pela mídia, indústria cultural. (Será que é esse o termo exato? Acho que não. Enfim...) Absorvemos, hoje, tudo em migalhas. Muitas migalhas, milhões de migalhas. São toneladas de informação bruta, mas muito pouca informação aprofundada. Somos, digamos, craques em ler manchetes, em acompanhar os destaques da edição, em amontoar links — mas, quando vamos explicar o que aconteceu, destrinchar um conceito ou uma definição, transcrever aquilo nas nossas próprias palavras, nós nos perdemos e não nos encontramos nunca mais. Somos os reis do título, do slogan, da gíria de significado pseudoprofundo — mas, ao mesmo tempo, somos incapazes de transmitir uma emoção em palavras, somos muito maus contadores de histórias (relatamos o dia por meio de palavras-chave) e somos, no limite, pobres de conteúdo e infestados de "vazios" que refletem vazios interiores reais (como um dicionário cheio de definições que apontam para outras definições, mas que, no extremo, não define nunca nada).

Eu não sei de quem é a culpa por essa situação e seria, na verdade, muito fácil atribuir culpados aleatórios, como "o capitalismo", "a modernidade", "o ceticismo" — mas são todos, esses e outros, conceitos hoje tão abrangentes e tão vagos quanto os que eu acabei de abordar... Como já disse em outro texto, penso que nossa época é muito mais de fazer perguntas do que de vir com respostas prontas. Talvez por isso, quando escrevo, eu saiba muito bem como começar, e até muito bem como levar a coisa adiante, mas não saiba nunca como o negócio vai terminar. (Outra característica da minha geração, que conclui mal ou preferencialmente não conclui nada.) Penso ainda que a época contemporânea (onde os "tempos" são simultâneos), por conviver com períodos muito variados da História, produziu seres humanos bastante hábeis em investigar, em arquivar, em inventariar... mas fracos, ou — de novo — pobres, em se situar, em se localizar e em tirar, também sobre si, conclusões. Mas estou divagando.

Pessoalmente, para mitigar esse fato, procuro trabalhar as definições. Sou o melhor amigo dos dicionários (dos bons). Tudo bem que as palavras mudam com o contexto e tudo bem que, numa era relativa, não existe absoluto (maldito Nietzsche, maldito Einstein). Outra coisa que aconselho aos que me perguntam é trabalhar o que o Nêumanne chamou de "texto zero". Veja se consegue escrever com o mínimo de recursos, primeiro. Veja se consegue se expressar com o mínimo de recursos. Cursos de oratória vêm depois. Até imaginei uma oficina de textos em que eu ensinaria, justamente, as pessoas a simplificarem o que vem escrevendo — e a simplificar o próprio pensamento, na verdade (apesar da minha pretensão). E ler os mestres. E ouvir os mestres. E não ficar só nos flashes piscando... É duro se orientar no meio dessa bagunça, no meio dessa confusão. Tantos os charlatães, tantos os "sabe-tudo", tantos os falsos profetas. Os passos são dados no escuro e percebemos, às vezes atônitos, que nem no nosso próprio juízo podemos confiar mais. É a tal da travessia do Guimarães Rosa. E um passarinho me contou que nos sabermos "apocalípticos, disléxicos e desarticulados" já é um grande passo. Tomara.


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
02. Novos velhos e lagostas de Carla Ceres
03. Negrinha e os donos do sentido de Gian Danton
04. Feminista? Eu? Claro que sim! de Marta Barcellos
05. O livro digital Toy Story para iPad: revolução? de Marcelo Spalding


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
04. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/2/2005
16h50min
Oi, Julio! Mais uma vez leio teu texto com grande prazer. E vou contar que houve uma identificação com a parte "somos pobres de conteúdo", pois me deparei com uma situação minha assim há um tempo atrás. Despertei para a procura de um entendimento mais profundo sobre o meio e sobre mim há pouco tempo, aos 17 anos, tarde não? Pois é, foi quando pude entrar em um cursinho particular, e me encantar com Aulas (com letra maíscula, porque só o aluno que vive sabe a grande diferença entre uma aula ministrada por um professor que tem uma boa capacitação e disposição e os que não tem -sem esquecer neste caso o estímulo da remuneração e bom local de trabalho-) e a existência do extraordinário conhecimento me deu um banho, e passei, pelo que observo hoje, por estágios comuns dessa procura. A Filosofia, idealismos, entre outros interesses, tiveram efeitos vazios em um primeiro momento, pois não encontraram algum respaldo de noções que pudessem direcioná-los. E estive como "mero produto do meio". No entanto, a melhor coisa foi que continuei caminhando, e num sinal percebi como estava vazia, como era falso achar que tinha e emitia opiniões minhas, quando parava para pensar, e encontrava pouca bagagem intelectual (também por ler pouco). Não que esperava ter uma compreenssão incrível de algo, nem maturidade para perceber o mundo como é, mas tinha muito pouco, tanto que sentia que havia um potencial, pois havia vontade, mas me sentia presa a uma restrição de informações que poderiam enveredar para conhecimentos. Enfim, não que pense que hoje já cheguei em algum lugar, pois percebo que é uma inclinação a um exercício constante, de ler, ver, refletir, viver, e cada vez mais reconhecer o quão pouco é diante do que existe. Mas como é bom na passagem do ano, parar e sentir que o tempo não simplesmente passou, mas sim ele aconteceu, ele foi produtivo e analisando entendimentos de ontem, percerber que eles estão mudando, sendo acrescentados, transformados. Penso hoje que, não sei se todos, mas em momentos na vida o mais importante não é onde está, mas para onde se está indo... Um abraço
[Leia outros Comentários de Beatriz]
21/2/2005
12h29min
Suas palavras são apropriadas para o momento em que estamos vivendo. Louvo sua perceptível formação filosófica, evidenciada pelas citações de autores clássicos. Gostaria apenas de acrescentar que, se a minoria letrada dos jovens deste país possui os relatados sintomas, isso é resultado do desmonte da formação humanística neste país. Uma sociedade tecnicista, formada para fornecer matéria-prima barata e abundante em troca de kits eletro-eletrônicos de alta tecnologia, não precisa pensar, ou melhor, não deve pensar. O stress de informação age como um desorientador e paralisa qualquer possível articulação política, anulando uma eventual reação contra o papel que nos é imposto pelas nossas elites, completamente vendidas ao interesse estrangeiro por migalhas que as permitam acessar os shopping centers, outlets e malls. Seria uma versão atualizada das miçangas e espelhos oferecidos aos índios na época do "achamento". Nossas peruas e venais caciques manipulam as informações na mass media em prol de seu privilegiado status de amigos dos saqueadores. Sempre foi assim. Assim será até que a última gota de água do Aquífero Guarani seja transportada e então nada mais restará deste espoliado continente.
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
1/3/2005
17h20min
Julio, eu digo que pelo menos saber que somos assim, é realmente uma grande coisa. Há até quem saiba, mas quantos dão, ou querem dar, o próximo passo?
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
4/3/2005
17h12min
Julio, admiro a coragem daqueles que com banquinhos, "blogs", livros ou filmes colocam seus "blocos" na rua. Escrevo, como Artaud, para aplacar um vulgão em erupção na minha cabeça. São cadernos do meu cárcere neste mundo. Portanto, não saberia classificá-los: contos, crônicas, aforismos, cartas, bilhetes, prosa. Acompanha-me um leitor/crítico, que trago em mim, que espreita meus textos e faz com que eu os conserve nas páginas desses cadernos enfileirados numa prateleira qualquer. Por ler muito, não me sinto em condições de produzir textos como os de Celine, Cioran, Thomas Bernhard, Schopenhauer, Nietzsche, o mesmo Artaud, Bowles, Proust, Machado de Assis, Lima Barreto, Raduan. Cheguei a um número de anos que me dão uma única certeza: não os poderei vivê-los em igual número. Entretanto, questiono-me, como Silvano Santiago e Lars Von Trier e tantos outros, se ao escrever ou produzir uma peça teatral ou um filme devemos fazê-los para o autor ou para o povo, a massa? Recorro a Gadamer em "Verdade e Método" que afirma ser mais difícil questionar do que responder. Por isto quedo-me na dúvida. Acabei enredando-me... Tudo isso para concluir que há duas maneiras de interpretarmos o holocauto: uma na visão do Primo Levy e outra na do Imre Kertész.
[Leia outros Comentários de luiz fernando c.]
7/3/2005
08h18min
Julio. Após o envio da primeira mensagem, continuei com a pensar na questão colocada por você. Você cita "sociedade do espetáculo", acredito que tenha lido o livro do Debord. Mas, por outro lado, há a questão tão bem colocada pelo Enrique Vila-Matas, dos "Bartleby...", que por preferir não fazer, como eu, abrimos espaços para os aventureiros. Ou ainda a questão colocada pelo Richard Senneth em "O Declínio do Homem Público", por que há tantos poetas e menos leitores de poesia? Ou será que "é preciso inventar novas técnicas impossíveis de reconhecer que não se pareçam com nenhuma técnica precedente... para evitar a puerilidade do ridículo... para construir um mundo próprio... sem confrontação possível... para que não existam precedentes de julgamento... que devem ser novos como técnica..."? (Citado por Pasolini, em Teorema.) Evidentemente, que não tenho a resposta, mas coloco a seguinte questão: não seria o caso de pensarmos mais sobre o tema? Fica aqui a sugestão para aqueles que se interessarem façam as suas colocações...
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
10/3/2005
08h30min
Ufa! Ainda bem que não sou a única que se sente meio perdida, que não encontra nas salas da Academia a fórmula para escrever e pensar de forma coerente. Continue divagando, Julio Borges, você não imagina como isso é maravilhoso (vc sabe disso, não é?).
[Leia outros Comentários de Ednar Costa]
24/3/2005
16h06min
Precisamos, primeiramente, estudar lógica e dialética. É a base. E pronto. O resto vem com a prática.
[Leia outros Comentários de Sidney Vida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Homem do Chapeu Vermelho
Hervé Guibert
Jose Olympio
(1992)



Mediunidade e Caminho
Carlos A. Baccelli
Ide
(2008)



Peripheral Vascular Disease
Alvaro Alonso / David D. Mcmanus
Jones and Bartlett



A History of Education in American Culture
R Freeman Butts/lawrence a Cremin
Henry Holt and Company
(1954)



Os Humanos - 1ªedição
Matt Haig
Jangada
(2016)



Para Ter um Bom Dia Hoje e Amanhã
Israel Belo de Azevedo
Hagnos
(2010)



Kalusha
Bruno Cattoni
7 Letras
(2002)



Pontes Brasileiras Viadutos e Passarelas Notaveis
Augusto Carlos de Vasconcelos
Pini
(1993)



Hp 12 C Owners Handbook and Problem Solving Guide
Hewlett Packard
Hp
(1982)



O curioso caso de Benjamin Button
Francis Scott Fitzgerald
Folha de S. Paulo
(2016)





busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês