Schopenhauer sobre o ofício de escritor | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
>>> O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023)
>>> Digestivo empreendedor
Mais Recentes
>>> Do Sonho às Coisas de J. C. Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> A Turma do Pererê: O Mais Brasileiro de Ziraldo Alves Pinto pela Nova Didática (2000)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Tercero de G. Gurdjieff pela Hachette (1984)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Segundo de G. Gurdjieff pela Hachette (1985)
>>> Curso de desenho e pintura - A arte de ver: luz e movimento de Varios pela Globo (1996)
>>> Uma obsessão indecente de Coleen McCullough pela Difel (1981)
>>> O Canto Da Praça de Ana María Machado pela Atica (2002)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Pé Da Letra (2018)
>>> O flautista De Hamelin de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2014)
>>> Mahamudra Tantra de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa Brasil (2006)
>>> Sherlock Holmes As Aventuras de Sherlock Holmes 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Não é caso para rir de Joseph Heller & Speed Vogel pela Rocco (1987)
>>> Venha Ver o Pôr do Sol e Outros Contos de Lygia Fagundes Telles pela Atica (2003)
>>> Curso de desenho e pintura - Aquarela: Impacto da cor de Varios pela Globo (1996)
>>> Histórias à Brasileira 2 586 de Ana Maria Machado pela Companhia das Letrinhas (2020)
>>> As Mentiras Que Os Homens Contam de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2000)
>>> O moleiro e seus amigos de Eliane silva pela Prazer de Ler (2012)
>>> Sintaxe Da Linguagem Visual de Donis A. Dondis pela Martins Fontes (2015)
>>> Pragas e epidemias histórias de doenças infecciosas 586 de Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. pela Folium (2006)
>>> Livro Capa Dura Literatura Estrangeira O Grande Amigo de Deus de Taylor Caldwell pela Circulo do Livro (2023)
>>> As Flores Do Mar de André Moura, Eduardo Bordoni E Fábio Muniz pela Nova Didática (2002)
>>> Para Sempre 586 de Kim Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Sherlock Holmes O Signo Dos Quatro 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2020)
>>> O zollógico em festa de Evan bessa pela Imeph (2009)
>>> A Voz do Monte de Richard Simonetti pela Feb (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/9/2005
Schopenhauer sobre o ofício de escritor
Julio Daio Borges
+ de 15600 Acessos
+ 8 Comentário(s)

"A vida real de um pensamento dura apenas até ele chegar ao limite das palavras: nesse ponto, ele se lapidifica, morre, portanto, mas continua indestrutível, tal como os animais e as plantas fósseis dos tempos pré-históricos."
Arthur Schopenhauer

É moderna a moda de se falar de uma realização — antes, durante ou depois da própria. O tal do making-of. Segundo teóricos da história da arte, no século XX, os artistas, também para chamar atenção, implodiram a própria obra. Então passaram a se concentrar na sua estrutura, colocando-a, muitas vezes, à frente da própria realização. Portanto, nos 1900s, foi comum topar com edificações cujas vigas estavam em primeiro plano, com romances rompendo a linearidade e discutindo a própria feitura, com pintores e escultores questionando o suporte ou abandonando-o, em prol da arte conceitual, de todo. Numa época, como a nossa, em que a produção é mais esmerada do que seu resultado (feito para atingir a todos, assim não pode ser muito sofisticado — embora os métodos e as técnicas o sejam) é natural que os segredos, o behind the scenes, os bastidores despertem uma enorme curiosidade (quem sabe até maior do que a despertada pelo produto final).

Arthur Schopenhauer, que morreu em 1860, obviamente não sabia disso (e, mesmo que soubesse, não se interessaria). Mas, talvez numa crise pessoal, profissional ou de falta de assunto, compôs Sobre o ofício de escritor, dentro de Parerga e paralipomena, uma obra considerada menor, lançada em 1851. Schopenhauer ainda não era, evidentemente, o mestre precursor de Nietzsche, nem uma referência intelectual para Wagner (quando entre Friedrich e Richard havia amizade, eles discutiam longamente sobre Arthur). Amargava a falta de reconhecimento, o quase anonimato e as tentativas falhadas de lecionar na universidade. Ao contrário, porém, do que se poderia pensar, esses escritos menores, dos dez últimos anos antes de sua morte, chamaram a atenção para o seu nome, trouxeram-lhe os primeiros discípulos e consagraram, posteriormente, O mundo como vontade e representação (1819), sua obra magna.

Nietzsche também escreveu sobre o ofício de escritor, em seus derradeiros anos, mas, como os artistas dos 1900s que investigavam o próprio métier, seria esse um esforço comum entre filósofos? É provável que não; mas precisaríamos pesquisar para comprovar. O fato é que o leitor médio pode se assustar com as meditações aparentemente profundas, de escritores monumentais, sobre, em última instância, o próprio ato de filosofar. É um temor equivocado, no entanto. Schopenhauer, em Sobre o ofício de escritor, nunca soou tão acessível, talvez porque, revoltado com a vida, tenha decidido extravasar toda a sua frustração contra o establishment intelectual de então — sendo, inevitavelmente, mais rasteiro, a exemplo do objeto de suas preocupações. (Se você fala mal de alguém ruim, inevitavelmente vai ter de descer no mesmo nível e, em boa medida, se igualar.)

Sobre o ofício de escritor pode, portanto, ser lido como um ataque aos maus escritores. O título, inclusive, poderia ser mudado para Sobre o ofício de não-escritor, ou, mais inteligivelmente, para Sobre como não escrever ou apenas Como não escrever, mais enxuto e direto. Schopenhauer mira e atira de alto a baixo, atingindo boa parte do grand monde intelectual europeu e principalmente alemão. Ele não se conforma que o mundo seja tão injusto e que, no mainstream (para usar uma expressão anacrônica), os valores estejam totalmente invertidos. Se habitasse o século XXI, como nós, ele possivelmente se atiraria de uma ponte ou mandaria cortar a mão. Para que se tenha uma idéia de como pioramos (ou estivemos sempre igual), mesmo para alguém que praguejava tanto contra o seu tempo como ele, Schopenhauer combatia monstros como Hegel, Schiller e Fichte, enquanto se inspirava em Goethe, o amigo de sua mãe.

Schopenhauer abre o volume separando os escritores em duas categorias relativamente conhecidas: a dos que escrevem por dinheiro e a dos que escrevem por amor. Desenvolve seu raciocínio em torno desses dois, centrando fogo, conforme foi adiantado, no primeiro tipo de escritor. Quem escreve por amor, ele nos diz, o faz por necessidade — por ser para ele, escritor, algo urgente e inescapável. Não despeja, no papel, qualquer coisa que lhe venha à mente e, em geral (se pudermos extrapolar o que ele falou), pensa antes. Pois, como registra: "Poucos escrevem da maneira como um arquiteto constrói, esboçando anteriormente seu projeto e elaborando-o até nos detalhes; ao contrário, a maioria escreve da mesma maneira como se jogasse dominó". Dá para perceber, por essa mera sugestão, o quanto Nietzsche herdou da grande capacidade de Schopenhauer de evocar imagens (mais para frente, Wittgenstein, outro leitor seu fervoroso, especializou-se em símiles por ter a mesma poderosa habilidade).

Enfim, não há muito segredo sobre os bons escritores (ou há, mas talvez seja um segredo intangível, fora de alcance), então vamos nos concentrar, avisa Schopenhauer, nos ruins. Vale alertar que Arthur seria extremamente impopular se publicasse essas observações hoje. Afinal, ao perscrutar sobre os motivos daqueles que escrevem por dinheiro, não deixa muito espaço para os nossos escritores profissionais. Schopenhauer acha que, invariavelmente, quem escreve para ganhar algo com isso se corrompe de algum modo. Quem escreve por trabalho ou obrigação, às vezes se vê diante da iminência da página em branco, a ser preenchida, assim espreme pensamentos que não mereceriam, de outra forma, a posteridade e cumpre apenas um compromisso profissional. Para ele, o escrevinhador remunerado não acrescenta nada, por viver "tão somente da tolice do público" — o mesmo "que não quer ler nada além do que foi impresso no dia". Conseqüentemente, define os jornalistas (que também compara aos "diaristas", buscando na ocupação o que ela tem de mais pejorativo).

E Schopenhauer, seguindo essa lógica, acaba com os autores de best-sellers (se o termo já existisse). Arremata: "Ora, a maioria dos livros é ruim e não deveria ter sido escrita". Complementando, como não poderia deixar de ser, com um aviso aos críticos muito complacentes, literários principalmente, uma vez que "para aquele a quem nada é ruim, nada é igualmente bom". Schopenhauer perde até algumas páginas com as publicações do gênero, enxergando (num mercado livreiro ainda incipiente) uma espécie de conluio entre editores e autores que, sem escrúpulos quanto à qualidade, só pensariam em subtrair do público "tempo", extraindo-lhe, primeiramente, claro, "dinheiro". 150 anos depois, essas conclusões continuam pertinentes. Além de se antecipar nisso em mais de um século, combate inevitavelmente os adeptos de pseudônimos — que já na Alemanha e na Europa dos 1800s se valiam do anonimato para criticar ou desmoralizar, quando covardemente não tinham coragem de mostrar a cara. Soa familiar? Como se se dirigisse a um determinado ser dessa subespécie, conclama: "Nomeia-te, velhaco! Pois quem é honesto não ataca sob máscara e capuz pessoas que passeiam com a face descoberta". Encerrando: "Atacar anonimamente pessoas que não escrevem de forma anônima é evidentemente uma infâmia".

Saindo dos termos gerais, e entrando nos específicos, Schopenhauer — seguindo a máxima de Mencken, segundo a qual todo escritor tem a obrigação de falar mal de seu país e de seus compatriotas — aborda o caso de seus contemporâneos e de seu idioma. Para ele, "a língua alemã é a única na qual se pode escrever quase tão bem como em grego e em latim". No entanto, a seu ver: "O verdadeiro caráter nacional dos alemães é a inclinação para o estilo pesado". Mostra-se útil, sobretudo, àqueles que ainda acreditam que o imperativo de se filosofar em alemão seja uma sacada de algum compositor popular... Assinala o prazer que os alemães têm por "períodos longos, pesados e enredados, com os quais a memória, totalmente sozinha, aprende pacientemente, durante cinco minutos, a lição que lhe é apresentada, até que por fim, na conclusão do período, o entendimento esperta, e os enigmas são resolvidos". (Certa vez até houve um auto-intitulado filósofo que levantou a bandeira do português possuir essas mesmas propriedades, mas, como não parece ser uma idéia original, de novo, provavelmente não merece ser considerada.) Schopenhauer se bate com mais força, contudo, contra o que classifica como um empobrecimento da língua, ao assistir à supressão de vocábulos por parte de seus colegas escritores. Para quem conhece alemão, dá o exemplo da preposição "für", que, em inglês, poderia ser grosseiramente aproximada por "for" — quando existem outras muito similares (no uso) mas não iguais: "to", "about", "of", etc. (quem estudou sabe das dificuldades desse tópico). Schopenhauer lamenta que por preguiça ou acomodação os escrevinhadores tenham se rendido ao "für" (para), mais ao alcance da mão, quando, na verdade, deveriam procurar o sentido mais exato e amplo. Analogamente, aborda o caso do passado simples e do passado composto (sem equivalentes para nós).

E quais são os conselhos (entre aspas) de Schopenhauer para quem quer se lançar ao ofício de escritor, mesmo sabendo dos percalços, dos desenganos e das frustrações? (Vale lembrar que o livro não tem uma conclusão edificante.) Primeiro, ter estilo. É dele esta frase lapidar: "O estilo é a fisionomia do espírito". E o estilo, obviamente, se amarra à obrigatoriedade, tão ou mais importante, de se ter assunto: "a primeira regra do bom estilo, que por si só já é quase suficiente, é a de ter algo a dizer" (grifo dele). Schopenhauer condena, como todo mundo hoje, o estilo empolado (embora nem todo mundo hoje siga essa diretiva): "assim como se reconhece o plebeu por um certo luxo no modo de vestir [...], reconhece-se a cabeça comum pelo estilo precioso" (ou preciosista). Alerta: "não há nada mais fácil do que escrever de maneira que ninguém entenda". E coroa: "é sempre a onipresença do espírito em todas as partes que caracteriza a obra do gênio". Depois, ao contrário da vasta maioria dos conselheiros de plantão, não acha que ler muito seja necessariamente bom — e justifica essa assertiva: "quanto mais se lê, menos vestígios deixa no espírito aquilo que se leu: a mente transforma-se em algo semelhante a uma lousa, à qual encontram-se escritas muitas palavras, umas sobre as outras". E para os que reclamam da falta de tempo para ler (mas não para assistir televisão): "Seria bom comprar livros se, junto com eles, fosse possível comprar o tempo para lê-los". Como fecho, soam belas as suas colocações — mas cumpre voltar ao início e retomar o fato de que esse Schopenhauer, cansado da vida, tenha como impulso maior o desejo de calar os maus escritores e de incentivar o culto aos bons. Ele não era populista; era elitista. Ele não tinha uma atitude inclusiva; mas, sim, exclusivista. E por mais antipática que essa postura soe hoje — um tempo de escritores brotando pelos cantos, como fungos a partir do mofo —, é essa a maior lição a se tirar de Sobre o ofício de escritor.

"O que acontece na literatura não é diferente do que acontece na vida: para onde quer que se volte, depara-se imediatamente com a incorrigível plebe da humanidade, que se encontra por toda parte em legiões, preenchendo todos os espaços e sujando tudo, como as moscas no verão."
Arthur Schopenhauer

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 9/9/2005

Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/9/2005
10h52min
Schonpenhauer, Nietzsche, Mencken, e Paulo Francis, têm algo em comum? É o que resta ser respondido, não apenas pelo temperamento deles. Mas pelo conteúdo de sua obra. Na provocação de comparar o artista que vende sua obra com uma prostituta. Na coragem de navegar contra a corrente, apesar dos inimigos que foram acumulando ao longo dos anos. Na coragem de criticar com arrogância desde que o sentimento fosse verdadeiro. Na coragem de se mostrar como se é, derrubando a fronteira entre o público e o privado. Mostrando que a felicidade só é verdadeira se completa. E como não pode ser completa jamais será verdadeira. Sou obrigado a escrever que seu artigo é majestoso. Na forma e no conteúdo.
[Leia outros Comentários de Erwin Maack]
9/9/2005
00h23min
Um escritor pode escrever por dinheiro e, assim mesmo, produzir obras extraordinárias. Há inúmeros exemplos na história da Literatura, como Balzac e Dostoievski. Do mesmo modo, muitos que escrevem por amor, podem dar forma a textos abomináveis (como, aliás, costuma ocorrer e muito). O seu texto, que por sinal está muito bom, só me fez reforçar a tese de que quando o assunto é arte (incluindo aí a Literatura) não existem regras absolutas que valham para todos. Quando se tenta colocar todos os escritores sob o jugo de uma classificação única e abrangente, os resultados costumam ser temerários. Além do mais, creio que entre os novos escritores, há estilo até demais; o que falta é criatividade. Quanto à validade ou não dos best-sellers essa é uma discussão prematura e inútil num país como o Brasil, onde 75% da população, segundo dados recentemente divulgados, não é capaz de ler e/ou interpretar um texto escrito. Portanto, antes de enveredarmos por esse debate, precisamos formar um contingente maciço de leitores. E os best-sellers podem, sim, prestar um grande auxílio neste sentido.
[Leia outros Comentários de Luis Eduardo Matta]
9/9/2005
00h40min
Nao sei... Nem todo matematico precisa ser Gauss. Nem todo escritor precisa fazer um classico. Acho que as coisas se constroem e se complementam. Obviamente, certas coisas tem um valor maior, mas muitas vezes nao estamos preparados ainda para receber isto. Seria como aprender sobre curvatura gaussiana antes de ter brincado de Calculo num livro nada genial do Leithold. O livro de entretenimento, alem da funcao de entreter, serve sim como porta de entrada... Eu mesmo fui ler um monte de coisas legais, porque comecei jovem e lendo entretenimento. Talvez Schopenhauer tenha criticado nao a literatura de entretenimento, mas escrever por dinheiro. Ha' uma grande diferenca. Um Stephen King ou Agatha Christie podem amar o que escrevem. Pode nao ser fundamental, mas podem ter a paixao pelo oficio... Acho que muita gente imagina que escrever um livro seja sacrossanto so' porque se deixa um monte de volumes de papel para depois que nos morrermos. Nao ha' nada de mais nisso... Um livro e' plenamente ordinario. Talvez, se ele te tocar de alguma forma, ai' e' importante. Pode ser um Agatha Christie ou Fausto. Em engenharia muita gente pula pra cima e pra baixo sobre classicos. Mas como entender as ideias classicas de engenharia se voce nao tem a base? Ou se a pessoa escreve mal como Leibnitz? Sera que alguem quer aprender Calculo com o livro dele?
[Leia outros Comentários de Ram]
9/9/2005
15h18min
Prezado Julio, muitíssimo obigado por me fazer conhecer a obra de Schopenhauer, além do excelente comentário. J.D. Brito
[Leia outros Comentários de Brito ]
25/3/2006
19h57min
Amo schopenhauer e fiquei fascinada com tudo isso aí... Um grande abraço, neuza ladeira
[Leia outros Comentários de neuza ladeira]
8/7/2007
15h02min
Schopenhauer é realmente incrível! Um pensador que a maioria dos filósofos contemporâneos insiste em não compreender. Suas obras são magníficas; dignas de um pensador “atemporal”. Apesar de ter passado anos despercebido pelos pensadores “alienados” nas idéias de Kant e Hegel, Schopenhauer goza hoje, ainda, não obstante, o triste insulto do leigo-universitário: - de que seus pensamentos são pessimistas e de mau-gosto. Quem um dia puder ler a ARTE DE ESCREVER, maravilhar-se-á com as blagues deste polêmico pensador e poderá vislumbrar a riqueza de suas palavras, escondida no mundo das IDÉIAS (objetidade/objetividade da Vontade). Quem um dia puder ler A ARTE DE ESCREVER compreenderá por um distinto e sublime caminho, que o pessimismo de Schopenhauer está longe de materializar-se num “anátema filosófico/ideológico”.
[Leia outros Comentários de Henrique de Shivas]
6/1/2009
21h40min
Belíssimo texto, internamente coerente, com uma pitada exata de ironia entre forma e conteúdo, entre citação direta e paráfrase... Grande texto!
[Leia outros Comentários de isaque g. correa]
30/12/2013
13h09min
Ótimo texto Júlio. Você soube extrair um pouco do sumo do livro e seus comentários estão muito bem adequados. Foi extremamente prazerosa a leitura. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Pedro Henrique]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tragédias e Comédias Sombrias
William Shakespeare
Nova Aguilar
(2006)



Minha Alma nos Espaços Divinos
Rose Gribel
Pensamento
(1995)



Furacão Elis
Regina Echeverria
Nórdica
(1985)



/Pato Donald Nº 2167
Walt Disney
Abril
(1999)



Livro Literatura Estrangeira Ciao Bella Sex, Dante and How to Find Your Father in Italy
Helena Frith Powell
Gibson Square
(1988)



O Ciclo Da Auto-sabotagem
Stanley Rosner
Best Seller
(2009)



Crônicas de Los Angeles
Annette Levy-willard
Barcarolla
(2004)



O Último Adeus
Cynthia Hand
Darkside Books
(2016)



Mémoires Despoir
Charles de Gaulle- Le Renouveau- 1958- 1962
Plon
(1970)



Livro Infanto Juvenis Carta Errante, Avó Atrapalhada, Menina Aniversariante Volume 3 Novela Coleção Literatura em Minha Casa
Mirna Pinsky
Ftd
(2001)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês