O 4 (e os quatro) do Los Hermanos | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
>>> Misturando música, filosofia e psicanálise, Poisé lança seu primeiro single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
>>> Mojo 159 February 2007 de Joy Division pela Mojo (2007)
>>> Mojo 170 January 2008 de Amy Whinehouse pela Mojo (2008)
>>> Mojo 229 December 2012 de Led Zeppelin pela Mojo (2012)
>>> Retrato do Artista Quando Velho de Joseph Heller pela Cosac & Naify (2002)
>>> No Tempo das Catástrofes de Isabelle Stengers; Eloisa Araújo pela Cosac & Naify (2015)
>>> Manual de esquemas de Klöckner- Moeller pela Do autor (1971)
>>> Inesgotáveis Enigmas do Passado de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Evidências dos Ovnis - As Ciências Proibidas de Vários pela Século Futuro (1987)
>>> Características de Deus que chamam a nossa atenção. de Silas Malafaia pela Central Gospel (2012)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Sexta-feira, 30/12/2005
O 4 (e os quatro) do Los Hermanos
Julio Daio Borges

+ de 17200 Acessos
+ 5 Comentário(s)


Rodrigo Amarante e Marcelo Camelo em foto de Tiago Quiroga

Em 2000, eu não pulava mais carnaval mas fui daqueles que ouviu, até a exaustão, uma versão carnavalesca de "Anna Júlia". Eu já vinha escaldado do axé, que eu tive de suportar porque tocava quando eu pulava carnaval, de modo que, quando entraram as águas de março, eu não quis nem ouvir falar de Los Hermanos. "Deve ser mais uma dessas bandinhas de rock nacional", pensei. A adesão, até, de George Harrison, já nas últimas, a uma versão em inglês tampouco me emocionou. Devo ter pensado que era armação da Globo (embora eu, graças a Deus, nunca assista ao Fantástico.)

O axé enojou muita gente da minha geração desde a explosão da Daniela Mercury no início dos anos 90. Mas temos de reconhecer e convir: a explosão do hardcore brasileiro, via 89 FM, foi tão ou mais danosa, para os ouvidos nacionais, do que o lobby da Bahia durante o carnaval. Meus amigos decoravam e cantavam abraçados, no início da faculdade, em geral bêbados, "Selim" dos Raimundos ("Eu queria ser/ O banquinho da bicicleta..."), e eu não achava a menor graça - embora reconheça hoje que o primeiro disco é bom. Outros amigos, mais novos, entoavam as piadas sem graça do Mamonas Assassinas ("Mina, 'seus cabelo' é da hora...") - que encerrou tragicamente sua carreira mas que, nem por isso, no meu juízo, melhorou. Em resumo: eu não gostava do rock brasileiro dos anos 90.

Isso explica porque, em 2003, eu deixei passar um texto do Mario Marques em que ele desancava toda a cena roqueira oriunda do final dos anos 90, começando pelo Los Hermanos. Era exagerado, mas era também engraçado e, pelo bem da polêmica, eu acabei publicando. Lembro que o texto foi lincado pelos principais sites de fãs do Los Hermanos e, em um blog dedicado a eles, o Bruno Medina - tecladista da banda - orientava seus fãs a não responderem ao texto do Mario Marques no Digestivo Cultural...

Reconheço que não foi uma boa maneira de o Bruno tomar contato com o Digestivo. O Mario se envolveu em outras polêmicas depois - a mais notória por causa de uma discografia do Guinga - e, com o passar do tempo, eu notei que havia algo de pessoal nos seus ataques ao Los Hermanos. Afinal, ele não perdia a oportunidade de falar mal da banda e sustentava algumas teses meio absurdas como a de que tudo o que o Los Hermanos queria era uma nova "Anna Júlia" - sendo que eles próprios, é sabido e notório, têm horror à onda de beatlemania que o hit provocou e, ao vivo, se recusam a tocar essa canção... Enfim: eu fui me arrependendo de ter publicado o texto do Mario Marques.

No ano passado, eu estava entrando ou saindo da casa da Carol quando ouvi "Samba a Dois" na rádio Eldorado (sim, eu ouvia rádio antes do advento dos podcasts). Foi um choque: a batida, o andamento, as guitarras, a voz... Fiquei escutando até acabar para depois anotar o nome. Não era possível, era Los Hermanos! Mas eles fazem samba? Como é que pode? Eu estava chocado... No mesmo final de semana, ou depois, eu e a Carol fomos ao Espaço Unibanco e, numa das nossas descobertas da Neto Discos, eu adquiri o Ventura (2003) por um preço módico.

Nessa altura, eu não havia me divorciado apenas do rock nacional mas não tinha a menor idéia do que acontecia na cena rocker do final dos anos 90, início dos 2000 - cujo maior expoente, vimos ao vivo agora, é o The Strokes. Logo, para mim, as guitarras do Los Hermanos com som de enceradeira eram uma completa novidade em termos de timbre. Depois, claro, os arranjos de sopro, os vocais roucos e arrastados, as letras tão boas...! Eles eram roqueiros alfabetizados. Na realidade, eram tão sofisticados e sutis que, em Ventura, já extrapolavam o gênero rock'n'roll.

Antes disso - antes da minha descoberta do Ventura -, eu esqueci de contar, eu havia ido ao um show, com a Carol, do Moreno+2 (ou do Domenico+2, eles mudam toda hora de nome...). Todo mundo sabe que eu não tenho mais paciência para o Caetano Veloso, sobretudo quando ele não canta, mas o Moreno tinha me parecido simpático - veja só - numa versão de uma música do carnaval da Bahia...! Pois é, também pela Carol - que ainda gosta do Caetano -, corri atrás das entradas para o Moreno+2 no ex-Directv Hall. Não foi um show nem ruim nem bom, eu não lembro de nenhuma música - eles não tocaram nenhuma que eu conhecesse -, mas teve uma coisa boa: lá pelo meio do espetáculo, eles chamaram ao palco o Los Hermanos. Não me impressionou nem deixou de impressionar, mas eu desfiz a imagem ruim da época de "Anna Júlia"...

A imprensa, desatualizada para variar, falava muito pouco do Los Hermanos. O máximo que fazia era engrossar o coro da idolatria à la Beatles querendo criar um "auê" em torno de, por exemplo, Marcelo Camelo. Lembro de uma matéria sobre ele querendo alçá-lo ao status de o compositor da nova geração. Ele quase se escondia na foto e a razão da matéria com tanto destaque era nada mais nada menos que... Maria Rita. Ela havia gravado Camelo em seu primeiro CD e, na imposição do marketing da gravadora, pipocavam pautas relacionadas a ela em toda parte. Era artificial e falso porque mesmo eu fiquei com a impressão - errônea - de que o Marcelo Camelo era "o mais importante" da banda...

Por isso o meu segundo choque quando eu descobri o Rodrigo Amarante. Eu e a Carol tentamos ir ao show do Ventura, mas como eles estavam no final da turnê, as datas eram escassas e os ingressos estavam sempre esgotados. Nosso consolo foi o DVD, que logo saiu, Los Hermanos no Cine Iris (2004-5). Dei de presente pra Carol e fomos assistir, curiosos, na mesma noite. Quase caí de costas: todas as músicas de que eu mais gostava eram cantadas pelo (ou composições do) Amarante. Reconheço que o Camelo é mais compositor, é mais complexo e mais elaborado, mas, para mim, a veia roqueira do Amarante sempre falou mais alto: "Último Romance", "Do Sétimo Andar", "O Velho e o Moço", "Deixa o Verão" e "Um Par".

Nesse ponto, eu vivia a minha fase Kazaa e, desconfiado de que os dois primeiros álbuns do Los Hermanos não fossem tão bons, baixei-os, faixa a faixa, pela internet mesmo. De maneira equivocada, atribuí a baixa qualidade sonora das faixas à falta de cuidado das primeiras gravações de uma banda iniciante... Um amigo me gravara, antes, "Quem Sabe", e junto com "Sentimental", eram as minhas duas preferidas, respectivamente, de Los Hermanos (1999) e Bloco do eu sozinho (2001). Rodrigo Amarante, compositor e intérprete, em ambos os casos, mais uma vez.

Essas constatações, a partir da "descoberta" do Amarante, explicam a Nota enviesada que produzi, este ano, para o "Digestivo nº 227" sobre o DVD. Eu quase dei como certa a separação da banda, supondo um conflito semelhante ao que ocorreu entre Frejat (Amarante) e Cazuza (Camelo), a partir do Rock in Rio (1985) e de Maior Abandonado (do mesmo ano). Corri um risco enorme ao assumir esse ponto de vista e, de certa forma, me arrependi - principalmente quando encontrei, em maio deste ano, em pleno Rio de Janeiro, o próprio Rodrigo Amarante, em pessoa...

Eu e a Carol estávamos esperando para almoçar no restaurante Celeiro, no Leblon, que havíamos descoberto no dia anterior, quando ela olhou e, de repente, disparou: "Ué, aquele ali não é o cara do Los Hermanos?" "Que cara? Onde? Cadê? (...) É ele mesmo! Vamos lá falar com ele?". A Carol, nesse momento, travou. No casal, sou eu quem mais tem a mania de falar com "famosos", embora ela os reconheça sempre a quilômetros de distância... "Ah, vamos depois"; "Vamos esperar ele almoçar"; "O que é que vamos falar?". Com todo o nervosismo, puxei ela pelo braço e fomos. A Carol tinha retrocedido, aparentemente, à época em que era fã do RPM e do Paulo Ricardo. Só conseguiu sorrir o tempo todo e falar pro Amarante: "Nossa, a gente ouve vocês direto...! Nossa, a gente adora...!".

"Oi, você não é o Rodrigo Amarante do Los Hermanos?". Ele foi muito cortês e estava acompanhado de duas moças que tiveram muita paciência, enquanto eu perguntava coisas que as pessoas deveriam parar pra perguntar toda hora. Confirmei o que o Maroldi havia dado em sua Coluna - o fato de que eles gravavam o quarto disco desde o começo do ano -, e eu ousei perguntar: "É o Kassin que vai produzir?" "Já está produzindo!", Amarante respondeu com um sorriso no rosto. Eu contei, ainda, que estávamos muito impressionados com a sua performance no DVD (com a performance dele, Amarante) e que não entendíamos porque a imprensa - sempre desatualizada - dava tão pouco destaque a ele, sendo que, comparado ao Marcelo Camelo, ele tinha a mesma importância. O Amarante, então, foi muito generoso e insistiu que o grande lance do Los Hermanos era que ninguém ali tentava ser "alguém" e que eles eram, mais do que tudo, uma banda. Ficou a promessa de ir ao seu próximo show em São Paulo - ele concordou que viviam lotados - e, na saída, eu lhe entreguei o meu cartão do Digestivo Cultural. Avisei que havia escrito sobre o DVD mas que achava que ele não iria concordar... Rodrigo Amarante fechou o encontro com chave de ouro: "Ah, mas eu não preciso concordar, não...!".

O 4 foi um dos discos de rock que eu mais esperei. Entrava no site só para ouvir uma versão meio poluída do primeiro single, "O Vento" (de Amarante!). Tive a manha de aderir à pré-venda do CD, para que o meu chegasse antes, e adquiri, oficialmente, os dois primeiros discos que faltavam (porque quando eu gosto, eu compro). O 4 me pareceu meio melancólico, como a todo mundo aliás, à primeira vista. Não entendi direito, desde que escutei a primeira faixa, "Dois Barcos", em primeira mão, no podcast É Batata, do Fred Leal (as rádios acho que, até hoje, não tocaram essa canção...). O Camelo, assumidamente acústico, me soava ao Caetano de Qualquer coisa (1975, ele de novo); e o Amarante, também meio triste pós-exílio, produzia versos como "sorte é preciso tirar pra ter". Como o Ventura, que eu não processei em primeira instância e fiquei esperando para escrever alguma coisa depois, o 4 acabou passando e eu acabei não dando no Digestivo Cultural. Portanto, é mais do que justo que ele entre, aqui, neste Especial Melhores do Ano.

Eu e a Carol ainda fomos, finalmente, ao show e eu nunca vi tanto respeito, por parte de uma platéia, a uma banda de rock nacional. Nos degraus do ex-Directv Hall, dois garotos entoavam "Pierrot", em duas vozes, como na versão original, e outras tantas que eles queriam que tocassem naquela noite. O set abriu, óbvio, com "Dois Barcos", e o público, majoritariamente de universitários com a camisa polo igual à do Los Hermanos, balbuciava as letras como se estivesse numa missa, num transe religioso. Às vezes, alguém mais exaltado gritava: "Amarante gostoso!" (Esse alguém era homem...) Me incomodou um pouco a maneira excessivamente despojada com que eles executaram suas peças, mas talvez fosse uma reação defensiva ao mainstream e ao horror que ele, hoje, desperta. Não chego a achar, como o Guilherme - que também estava naquele show - que o Amarante é o maior letrista desde o Chico Buarque, mas sou, como tantos milhares de outras pessoas, orgulhosamente fã do Los Hermanos.


Julio Daio Borges
São Paulo, 30/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Expurgo, de Sofi Oksanen de Ricardo de Mattos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
02. Melhores Blogs - 20/5/2005
03. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
04. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/1/2006
13h05min
Eu, nas minhas andaças pelo mundo cibernético, achei esse texto do los hermanos (banda que tem minha total admiração!). Bom, não me espantei com o seu olhar crítico precipitado incial, todos cometem esse erro! Mas o seu reconhecimento (mesmo que tardio) me deixou muito feliz. Adoro ver o nome dos meus queridos hermanos num bom texto! E quanto ao transe do público, tenho que concordar: é realmente um momento de transe. Não perco sequer um show, estou indo daqui a pouco comprar o ingresso pro show do Canecão, turnê do cd 4... E mais uma vez, farei parte da plateia que canta as músicas no mais profundo amor e total paixão pelas grandes composições de Camelo e Amarante! Quero parabenizar a coluna, é uma grande obra! Qualquer coisa, informações sobre os shows, se quiser que eu faça um relatório sobre a banda, o respectivos shows, mande-me um e-mail! Farei com imenso prazer. Um grande abraço de uma admiradora.
[Leia outros Comentários de Amanda Weber]
1/2/2006
09h38min
Eu devo dizer que li este texto só depois de ter lido o Mario Marques e, como mais uma fã que idolatra Los Hermanos, quase fiquei com raiva da coluna.. A sorte foi ter visto este outro aqui logo depois! Você foi impressionante ao assumir e falar tudo isso da banda, que realmente é incrível, e fiquei feliz em ver que você não concorda com a opinião – que eu acho absurda – do Mário. Eu de início tbm não gostei de Los Hermanos. Ouvi por conta de uns amigos que adoravam e demorei a aceitar que gostava do "Los". Era estranho pensar que agora simpelsmente amava o que antes tinha achado ruim. Mas acho que isso é o mais incrível deles: o som é irresistível!!! Fiquei muito feliz em encontrar mais um alguém que valoriza o maravilhoso trabalho dos caras, principalmente no dia que tbm escrevi um texto sobre como eles fazem parte de tudo na minha vida! Obrigada por dizer que o Mário está errado!!! Ah! E eu concordo com vc! O Amarante é, sem dúvida, do caral**!!!
[Leia outros Comentários de Dani San Sebastian]
14/2/2006
14h57min
Gostei muito da coluna, que englobou os quatro álbuns da banda, particularizando detalhes de cada um. Também não "nasci" gostando dos Hermanos, não... (mas também me orgulho de não o ter feito logo após Anna Julia!), lembro que assim que ouvi "Último Romance" na versão acústica (Luau MTV), percebi a beleza da música e comecei (também na fase Kazaa) a baixar músicas da banda... e, pronto, depois veio Sentimental, O velho e o moço... e a própria Primavera, que passei a escutar já com os ouvidos "hermaníacos". O CD "4" realmente foi (ou ainda é) assunto polêmico! Mas como a própria banda diz, a idéia era fazer diferente mesmo! O "Los Hermanos" segue a linha do "Bloco"? Não! Este até vai no mesmo rumo do Ventura..., e o "4" difere de tudo (claro que exceções existem... "Condicional", por exemplo, não destoa dos outros trabalhos). Amarante deixa bem claro quando diz (no DVD Luau MTV) que a banda não quer ser rotulada! E isso q td mundo que curte, LH também quer!
[Leia outros Comentários de Patrícia]
2/9/2006
17h02min
Eu também tive essa idéia de que o fim dos Hermanos seria provocado, justamente, por conta de uma divergência entre Camelo e Amarante. Tive, e continuo tendo. Isso vai acontecer, mais cedo ou mais tarde. Eu brinco com um amigo que, como eu, é fanático pela banda, de que dou mais dois anos pra eles. Não é mau agouro. Eu adoro a banda. Tenho pra mim - não importa se é ou não verdade - que fui o primeiro baiano a comprar o primeiro disco deles, pois estava em Brasília na época, e comprei lá mesmo. Acho que não havia chegado aqui na cidade ainda. O caso é que Marcelo e Rodrigo apontam para direções distintas. Enquanto um está indo pro lado Radiohead da coisa, o outro vai prum lado Muse. Se for analisar, a diferença é grande. Não tenho dúvidas da amizade dos dois, mas acho que suas crenças musicais ainda vão se chocar.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
29/9/2006
16h42min
Caro Julio, seu artigo é muito bom, sincero. Lembro que aconteceu comigo algo parecido, a minha descoberta do Los Hermanos pós-Anna Julia também começou com o Ventura. Também sou mais fã do Amarante, principalmente do jeito meio apavorado de suas interpretações. Gosto de cantá-las ao violão. Mas esses caras não param de me surpreender positivamente. Depois de ganhar ontem o prêmio no VMB e não comparecer na festa "bombante" da Cicarelli para receber a homenagem, eis que hoje me deparei com uma "coluna" do Marcelo Camelo no site do G1 (portal de notícias da globo.com). E o texto (A casa:) é manuscrito... Muito bom. Vale conferir e quem sabe pautar uma novo artigo aí do Digestivo. Forte abraço. Mauro Noleto.
[Leia outros Comentários de Mauro Almeida Noleto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACT MATH FOR DUMMIES
MARK ZEGARELLI
FOR DUMMIES
(2011)
R$ 17,50



PERSPEKTIVLEHRE
ERHARD GULL
ND
R$ 58,36



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 5,00



A REPÚBLICA BRASILEIRA 1964- 1984
EVALDO VIEIRA
MODERNA
R$ 5,00



SERESTA MINEIRA
LAR DE PAULA
LAR DE PAULA
R$ 40,00



É PROIBIDO CHORAR
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
R$ 5,00



REUNIAO DE PAIS: SOFRIMENTO OU PRAZER? - 2ª ED.
BEATE G. ALTHUON / CORINNA H. ESSLE / ISA S. STOEB
CASA DO PSICÓLOGO
R$ 11,00



VALA CLANDESTINA DE PERUS
VARIOS AUTORES
INSTITUTO MACUCO
(2012)
R$ 5,12



AÇÕES INSTITUCIONAIS DE AVALIAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCAC
RICARDO AZAMBUJA SILVEIRA
DO AUTOR
R$ 5,00



O CARNÊ DOURADO
DORIS LESSING (A MAIOR ESCRITORA VIVA DE LÍNGUA INGLESA)
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês