Computadores, iPads e colheres de pau | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
>>> HORA MARCADA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 14 de Outubro #digestivo10anos
>>> Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
>>> O primeiro parágrafo
>>> O prazer da literatura em perigo
>>> Aulas de filosofia on-line
>>> Mezzo realidade, mezzo ficção
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Esquema Dilma opta por Russomano
>>> Chiaroscuro
>>> Internet e Videocasts
Mais Recentes
>>> Criando Filhos em Tempos Difíceis (capa. dura) de Dr Benjamin Spock pela Círculo do Livro (1976)
>>> A Investigação (capa. dura) de Dorothy Uhnak pela Círculo do Livro (1981)
>>> A Arte de Educar de Flávio Gikovate pela Nova Didática (2001)
>>> Zugaib Obstetrícia de Marcelo Zugaib pela Manole (2012)
>>> Educação Para o Trabalho no Ensino de 1º Grau - série ensino fundamental 16 de Ministério da Educação e Cultura pela Departamento Comunicação (1976)
>>> Colposcopia - Patologia e Tratamento do Trato Genital Inferior de Adhemar Longatto Filho pela Revinter Ltda. (2002)
>>> Livro História Geral A Enxada e a Lança a África Antes dos Portugueses de Alberto da Costa e Silva pela : Nova Fronteira (2006)
>>> A Saúde da Mulher baseada em Evidências de Adriana Bittencourt Campaner et al. pela Limay (2019)
>>> Livro História Da Pedagogia de Franco Cambi pela Unesp (2024)
>>> Livro História Geral Teorias da Historia de Patrick Gardiner pela Calouste Gulbenkian
>>> Livro História Geral Colapso Como as Sociedades Escolhem o Fracasso Ou o Sucesso de Jared Diamond pela Record (2005)
>>> Livro Capa Dura História Geral 365 Dias Que Mudaram o Mundo de Não Encontrado pela Planeta do Brasil (2014)
>>> Ginecologia de Manoel João Batista Castello Girão pela Manole (2009)
>>> Livro Economia de Paul e Ronald Wonnacott pela Willey (1994)
>>> Livro Saúde Manual de Medicina Legal de Delton Croce e Delton Croce Filho pela Saraiva (1998)
>>> Mal dos Séculos: o melhor da literatura clássica brasileira e tiras de Álvares de Azevedo-Luiz Gê pela Melhoramentos (1988)
>>> Livro Comportamento O Investidor Inteligente de Benjamin Graham pela Harper Collins (2017)
>>> Livro Capa Dura Literatura Estrangeira La Fiesta del Chivo de Mario Vargas Llosa pela Alfaguara
>>> Livro Literatura Estrangeira Musashi Volume 1 de Eiji Yoshikawa pela Liberdade (1999)
>>> O Desafio do Pantanal de Silvia Cintra Franco pela Ática (1991)
>>> Vogue The Shoe de Harriet Quick pela Conran (2018)
>>> Endocrinologia Feminina e Andrologia de Ruth Clapauch pela AC Farmacêutica (2012)
>>> Livro Literatura Estrangeira Musashi Volume II de Eiji Yoshikawa pela Estação Liberdade (1999)
>>> Livro Literatura Brasileira Casa-grande, Senzala de Joaquim Pedro de Andrade pela Aeroplano (2001)
>>> Livro Linguística Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa de Não Encontrado pela Global (2009)
COLUNAS >>> Especial iPad

Sexta-feira, 28/5/2010
Computadores, iPads e colheres de pau
Ana Elisa Ribeiro
+ de 4500 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

"Naquela época, a gente decorava a tabuada e as regras de vígula e aprendia tudo com perfeição. Era muito melhor". É assim que algumas pessoas descrevem o sensacional método de ensino que conhecemos por "decoreba", nos tempos atuais. Note-se o julgamento positivo que se faz da antiga proposta, conforme o relato de uma memória provavelmente misturada a sentimentos em relação ao mundo atual. É impossível lembrar de algo com isenção, ao menos para humanos. A memória é uma espécie de caldeirão de experiências misturadas a um tempero de sentimentos e sensações.

É com algum horror que ouço relatos como o que inicia este texto. Decoreba é a última coisa que alguém quer proliferar na escola da atualidade (ou ao menos em algumas). Há muita coisa para saber, entender, correlacionar e criticar em lugar de apenas decorar. Bem, nada contra saber datas, eventos, poemas ou equações de cor. É bem natural que, de tanto procurar e usar algo, decoremos sua forma. Símbolos, códigos, números, ordens são decoráveis. Mas a compreensão dos eventos (ou episódios ou textos ou problemas) só acontece quando se pode transar operações com a mente, nem sempre só relacionadas à memória.

Uma outra estirpe de pessoas, em geral, jovens, tem a síndrome contrária: tudo o que é novo é mais bacana do que as coisas "velhas". Nem sempre conscientes, creem (porque quase sempre se trata de crença) que um dispositivo B ou C, que se liga à tomada ou que se carrega com baterias, traz vantagens indubitáveis à vida da humanidade. Por exemplo, outro dia um esclarecido palestrante disse que as redações jornalísticas convencionais passavam longe da generosidade e da inteligência coletiva. Achei a afirmação deveras interessante e corajosa, mas matutei mais sobre seus pressupostos. Ao que parece, também se está dizendo que as redações ditas digitais, em que os jornalistas atuam para e sobre plataformas novíssimas e de alta tecnologia, são recheadas de pessoas generosas, que, juntinhas, fazem emergir muito mais inteligência. Bem, não conheço exemplos práticos nem de uma coisa nem de outra, nem uma relação de causa/efeito com tecnologias assim ou assado. Conheço pessoas que se acham mais do que as outras porque têm na mão um carro (em geral uma caminhonete), uma arma ou um iPhone.

O nome disso (ou desse tipo de síndrome) é determinismo tecnológico. Há disso em todos os tempos e em todas as áreas. Padecemos desse negócio atualmente, o que transforma o cenário em algo embaçado atrás de uma espécie de nuvem de fumaça (ou de poeira). As questões são: escrevo melhor porque tenho um computador? Leio melhor porque comprei um iPad? Faço melhor jornalismo porque atuo em uma redação digital ou integrada?

Em geral, não lidamos com certezas e nem com causações. É tudo muito probabilístico e cheio de, no máximo, correlações. Consulte o estatístico mais próximo para ver no que dá. A ideia é que podemos correlacionar coisas, mas apenas mais raramente definir suas causas. Exemplo: o tempo de escolaridade costuma ser uma variável utilizada para medir várias coisas, como habilidade de leitura e mesmo desenvolvimento humano de uma população. Muitos estudos mostram que há, sim, correlações entre a quantidade de anos que alguém ficou na escola e, por exemplo, sua competência para ler (e mesmo para falar uma língua padrão). Nem sempre, no entanto, é possível atribuir a leitura competente de alguém apenas à escola. Há muito mais variáveis envolvidas nisso.

Quem leu o romance Vidas Secas, de Graciliano Ramos, sabe que Fabiano era um personagem chucro, ignorante e que mal conseguia se comunicar. Em dado momento da narrativa, ele demonstra ter raiva dos passarinhos que revoam céu afora. Fabiano atribui a causa da seca aos pássaros, inferindo que toda vez que aqueles animais passam, trazem consigo a desgraça. Ou seja, se matássemos os pássaros, estaria resolvido o problema. Bem, há correlação entre seca e a fuga dos pássaros. Também há causação, já que, de fato, os animais debandam antes que a seca chegue. Funcionariam, então, para o homem, como um sinal, e não exatamente como os culpados. O que ocorre é que os bichos fogem da seca. Fabiano percebe correlação, mas atribui a causa errada ao evento.

Em grande parte dos estudos sobre, por exemplo, tecnologias e educação (especialmente leitura e escrita, sem excluir outros), tenta-se estabelecer correlações e causações a fatos como: crianças e adolescentes que escrevem melhor, que aprendem a redigir, que leem mais, que se tornam bons leitores, etc. e máquinas digitais. Lendo atentamente trabalhos e dados, é muito difícil encontrar, de fato, causações. O fato de se encher a escola de computadores tem relação de causa com uma melhoria bastante rápida da qualidade da leitura desses meninos e meninas? Pode haver correlação? Deve poder. Estabelecer a tecnologia como causa das melhoras são outros quinhentos. Assim como estabelecer pioras extremas à educação de alguém por conta da televisão, da Internet, dos jogos ou de outros aparatos.

Aqui não se implica com a tecnologia. De forma alguma se quer dizer que ela não possa, efetivamente, melhorar algo. Certamente, escrever num editor de texto facilita bem as coisas. Só não sei se escrever bem tem relação de causa com a compra do equipamento. Implica-se com o determinismo tecnológico que subjaz às afirmações de muita gente bacana, que pode ter os olhos tapados e prestar o desserviço de tapar os olhos dos outros. Isso sempre existiu. É o que nos pode tranquilizar. Técnicas e tecnologias sempre se passaram por messiânicas ou aterradoras. Grande parte de nossas discussões atuais é apenas reedição. Muita coisa inédita acontece também, mas nossa fome não depende tanto de a colher ser de pau ou de aço inox.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 28/5/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
03. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos de Humberto Pereira da Silva
05. Preconceitos de Daniel Bushatsky


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010
05. Palavrão também é gente - 26/2/2010


Mais Especial iPad
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Totalmente Amável
Ardis Dick Stenbakken
Casa Publicadora Brasileira
(2016)



Mobilização Social
José Bernardo Toro e Nísia Maria Duarte Werneck
Autêntica
(2007)



Livro História Geral An Introduction to Greek Tragedy
Ruth Scodel
Cambridge
(2010)



Como Educar Seus Pais
Obrigado Esparro
Objetiva
(2001)



Bençãos de Outono 2022 Capa Dura Gospel
R. R. Soares
Graça
(2021)



A mulher que escreveu a Bíblia
Moacyr Scliar
Companhia das Letras
(2003)



Cleophas e seus Milênios
Renato Benevides
Revan
(2006)



Marketing Basico: uma Perspectiva Brasileira
Marcos Cobra
Atlas
(1985)



O Cronista da América
Francis Ford Coppola
Voa
(2015)



Métodos e Técnicas de Pesquisa Em Turismo
Ada de Freitas Maneti Dencker
Futura
(1998)





busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês