Imaginação capturada: uma caloura na Berlinale | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 11/2/2004
Imaginação capturada: uma caloura na Berlinale
Daniela Sandler

+ de 4300 Acessos

Cenário: uma cidade alemã, domingo de manhã, a avenida quase deserta. Chove granizo, o vento cospe a chuva no rosto dos passantes, uma senhora quase escorrega. O céu escuro pesa sobre a catedral em ruína. A cena é de um silêncio sinistro, cortado apenas pelo ruído de fundo das pedrinhas de granizo batendo na calçada. Os transeuntes apressados fitam o chão, soturnos, sonolentos. Entram no prédio ainda deserto e meio escuro, onde mais de meia centena de pessoas já se refugia. Carrancudas, esparramam-se pelo chão, provavelmente há horas, sobre colchonetes, cobertores, travesseiros. As pessoas estão organizadas em fileiras, e os recém-chegados não escondem a irritação ao ter de tomar lugar no fim. Os poucos que conversam o fazem em voz baixa.

Fitando a cena, eu me pergunto: O que fazem essas pessoas? Qual a razão de sua espera? Suponho que poderia ser uma fila para a ração de comida, parte da vida no pós-guerra. Ou poderiam ser desabrigados – assim como a catedral, a guerra arruinara muitas casas. Dou tratos à bola sem resolver o mistério, até ser despertada de meu devaneio pela mulher atrás de mim, cutucando sem querer com seu guarda-chuva. E então, como num passe de mágica, os guichês abrem, iluminam-se, e a nossa fila começa a andar. Tenho de andar também, há vinte pessoas na minha frente e umas trinta atrás de mim. Essa cena não estava na tela, mas esteve, sim, no Festival de Berlim. Todos os dias a cena se repete nos pontos de venda de ingressos. Tem algo mesmo de guerra essa luta por um lugar nas sessões desejadas, e confesso sentir uma excitação de vitória quando, de posse de meus ingressos, conquisto também o espaço precioso de um assento de cinema.

Não é de surpreender esse auê. O Festival de Berlim, ou Berlinale, está entre os três maiores festivais competitivos de cinema do mundo, junto a Cannes e Veneza. E é o maior em termos de participação do público. Por um lado isso é uma beleza, pois possibilita que gente anônima como eu e você possa assistir às estréias badaladas e roçar ombros com o diretor ou a atriz principal. Por outro lado, essa abertura traduzida em imensa popularidade significa também imensa concorrência por entradas.

É preciso compreender as regras do sistema de vendas, programar com antecedência os dias certos para a compra de cada ingresso desejado, acampar nas filas das bilheterias, contabilizar o tempo de ir e voltar de cada cinema que faz parte do festival, programar a chegada com antecedência para garantir um bom lugar, desmarcar compromissos posteriores porque as sessões muitas vezes atrasam (embora espectadores atrasados não entrem), e estudar a programação cuidadosamente para coordenar os horários e locais dos filmes que se quer ver. No meio de tudo isso, é necessário achar tempo para ler as sinopses dos cerca de 400 filmes divididos entre mostras paralelas e competição principal, na esperança de conseguir escolher os filmes com alguma dose de informação e gosto pessoal...

Mais que a soma de todos os filmes

Acompanhar a Berlinale toma o corpo e o espírito durante os dez dias do festival, mesmo entre uma sessão e outra. Para quem, como eu, não se incomoda de respirar cinema, é uma maravilha – que pode virar fácil uma obsessão, como no caso das pessoas que se postam às oito da manhã diante da bilheteria que só abre às dez. Vale a pena todo esse tempo e esforço? Afinal, um filme é só um filme. Vários dos filmes, certamente todos os mais concorridos, acabam entrando em cartaz mais cedo ou mais tarde – alguns, até mesmo durante o próprio festival. Por que não esperar para vê-los com calma, no cinema mais perto de casa, sem o clima de histeria coletiva da multidão e com ingresso mais barato? Ou mesmo em casa, em DVD, quando aquele alemão altão e pescoçudo certamente não vai sentar na cadeira da frente?

Porque, simplesmente, não é a mesma coisa. Eu mesma, por exemplo, desde que me entendo por cinéfila acompanho o Festival de Berlim nas notícias e resenhas de jornal. Depois de todos esses anos o festival soa pra mim quase mítico, e é um sonho acontecer de eu estar em Berlim por um ano e poder participar. Tomar parte na Berlinale é muito mais do que a simples soma de todos os filmes assistidos individualmente. A participação começa na aventura das filas, claro; e se estende ao clima elétrico dos saguões de espera e tapetes vermelhos. Dentro das salas lotadas, em meio ao burburinho de centenas de outros fãs igualmente imersos no mundo do festival – a cabeça cheia de títulos, imagens, expectativas, boatos –, a sensação de assistir ao próximo sucesso mundial em primeira mão, a emoção diante de um filme particularmente belo, e até mesmo a decepção com uma fita ruim são exaltadas, devolvendo a magia à experiência de ver um filme.

Além disso, a mostra é um evento da cidade, que irrompe para além das salas de cinema e toma Berlim física e simbolicamente. A constelação de cinemas, situados principalmente ao redor de dois focos urbanos principais, esparrama o público do festival pelas calçadas, ruas laterais, estações de metrô, restaurantes e barraquinhas de salsicha. Jornalistas e outros profissionais credenciados passeiam pela cidade ainda com o crachá oficial esquecido no pescoço; espectadores carregam a sacolinha do festival a tiracolo, ou empunham o catálogo diante dos olhos. Num café, na mesa ao meu lado, um homem fala ao celular, em inglês, sobre o filme que irá ver à tarde. Em cada canto da cidade há algo do festival. Pôsteres e cartazes nas ruas; jornais e revistas que estampam fotos das estrelas no tapete vermelho; cobertura ao vivo pela televisão. O festival toma a cidade, e a cidade faz do festival ponto de honra e de autopromoção, é claro, que ninguém é besta.

Cabe a cada espectador também fazer da Berlinale o seu próprio uso. Muitos madrugam, estapeiam-se e pagam mais caro para ver o filme de estúdio hollywoodiano que uma semana depois vai entrar em cartaz em cinemas pela cidade inteira – por exemplo, Cold Mountain, de Anthony Minghella, superprodução estelar com Nicole Kidman e Jude Law. Depois, saem decepcionados, dizendo que o filme foi mais ou menos. Talvez o gosto seja esse mesmo – desdenhar a superprodução? Para outros, o encanto está em assistir ao filme com a presença da equipe – atores, diretor, roteirista, etc. Não há muita interação com a platéia, mas dá para ver de perto e em carne e osso os rostos que há pouco iluminavam a tela. E, no caso de um filme bom, é bacana aplaudir os realizadores. Dependendo da sessão, o diretor responde a perguntas dos espectadores, o que, se nem sempre explica o filme, em geral suscita outras questões interessantes. E, finalmente, o festival também oferece a chance de ver filmes independentes, às vezes experimentais, que dificilmente serão exibidos fora de mostras especiais.

A primeira vez na Berlinale a gente nunca esquece

Chega a hora de ir para o meu primeiro filme: a estréia de um dos títulos da mostra competitiva, no cinema principal, o Palácio da Berlinale – um edifício projetado pelo arquiteto-estrela italiano Renzo Piano, que contém teatro, cassino e restaurante. A face principal do prédio anguloso é uma fachada de vidro, que separa o saguão de pé-direito quíntuplo da praça côncava. No meio da praça estende-se o tapete vermelho, vermelhão-fosforescente, cercado por barreiras baixas. A montagem é festiva: um globo metálico, de discoteca, espalha reflexos prateados pela praça e pelas ruas ao redor. Um telão mostra entrevistas e cenas de festivais passados, e pela fachada enorme do Palácio jorra a luz ofuscante dos holofotes do saguão.

A platéia começa a chegar cedo, quase uma hora antes, e de novo se espreme em fila. Quando o acesso é aberto, as pessoas saem correndo pelas escadas, sem pudor, como rebanho em disparada. Eu tento manter a dignidade enquanto caminho para a minha seção, no topo do auditório, que tem cinco andares. Dentro do auditório gigante, lotado, há equipes de filmagem, e a iluminação sobre o palco é possante. A apresentadora anuncia o filme e também parte da equipe, que desfila sob aplausos antes do início do filme.

Em geral eu sou cética diante dessas encenações e comoções coletivas, mas desta vez eu me emociono, com a sensação de fazer parte de algo especial. Não adianta repetir a mim mesma que um filme é apenas um filme, que eu poderia assisti-lo aqui como ali, em Berlim ou em São Paulo, no Belas-Artes ou no vídeo, e não faria diferença. Não, nada disso me convence, nem mesmo o meu desconforto, encarapitada no poleiro do auditório e esticando o pescoço para enxergar a tela. Pois esse clima inebriante também me envolveu, e restituiu o encantamento quase ingênuo diante dos feixes de luz faiscando na tela – a imaginação capturada.

Sim, sinto-me um pouco besta de admitir... foi preciso mesmo tudo isso para fazer minha experiência especial? Um pensamento então me conforta: na época áurea de Hollywood, ir ao cinema também era um ritual e a encenação festiva fazia parte da experiência. Sinto-me reaproximada um pouco dessa história. Hoje em dia, não há mais como fazer do cinema de domingo um acontecimento: o público é tão grande, o número de filmes também, ninguém tem mesmo mais tempo, e nossa cultura é muito menos formal. Mas o rito sobrevive nessas ilhas de fantasia que são os festivais – não apenas para quem, como eu neste ano, pode participar. Também para você, aí, lendo este texto, ou acompanhando o festival pela tevê ou pelo jornal – como eu sempre fazia –, o festival cumpre um pouco dessa função de encantamento, nos fazendo esperar ansiosamente pela estréia deste ou daquele filme, projetando títulos e artistas como objetos do nosso fascínio, e nos fazendo esquecer, pelo menos por um momento, que um filme é apenas um filme.


Daniela Sandler
Berlim, 11/2/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho
02. É, não ser vil, que pena de Guga Schultze
03. Se um dia, uma culta viajante... de Ana Elisa Ribeiro
04. Blogs, livros e blooks de Vicente Escudero
05. Um Paulo Francis ainda desconhecido de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RENASCIMENTO FILOSOFICO A FILOSOFIA COLIGIDA
NELSON DO AMARAL DA SILVA
DO AUTOR
(2006)
R$ 5,00



PAULO E ESTEVÃO - ESPÍRITO EMMANUEL
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
FEB
(2001)
R$ 32,00



PANDEMÔNIO
GERALDO CARNEIRO
ART
(1993)
R$ 12,00



FÍSICA E QUÍMICA - 43ª EDIÇÃO
CARLOS BARROS
ÁTICA
(1995)
R$ 8,00



O INCRIVEL MUNDO DAS FADAS
JORDI BUSQUETS
GIRASSOL
(2010)
R$ 12,00



O CLUBE DOS BACANAS
ODETTE DE BARROS MOTT
BRASILIENSE
(1977)
R$ 6,90



HISTÓRIA GERAL PRIMEIRO GRAU
OSVALDO R. DE SOUZA
ÁTICA
(1972)
R$ 10,00



A CAMINHO DE CABUL E BAGDÁ - RELATOS DOS CONFLITOS NO MUNDO ISLÂMICO /// ORIENTE MÉDIO. PAQUISTÃO. RELATOS.
JASON BURKE / TRADUÇÃO: ROBERTO FRANCO VALENTE
ZAHAR
(2008)
R$ 20,00



O SEQUESTRO DO SANTA MARIA
LUDENBERGUE GÓES
CIA DOS LIVROS
(2011)
R$ 21,00



A CIDADE E AS SERRAS
EÇA DE QUEIRÓS
BESTBOLSO
(2012)
R$ 6,00





busca | avançada
61941 visitas/dia
1,8 milhão/mês