Aluga-se um escritório | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/6/2011
Aluga-se um escritório
Ricardo de Mattos

+ de 3600 Acessos

"Esta expressão 'Leitura', há cem anos, sugeria logo a imagem de uma livraria silenciosa, com bustos de Platão e de Sêneca, uma ampla poltrona almofadada, uma janela aberta sobre os aromas de um jardim: e neste retiro austero de paz estudiosa, um homem fino, erudito, saboreando linha a linha o seu livro, num recolhimento quase amoroso" (Eça de Queiróz).

Nossa reflexão foi estimulada pela reportagem publicada, semanas atrás, a respeito da venda do apartamento do escritor norte-americano Normam Mailer. Apesar de nunca alimentamos grande interesse pelo que diz respeito à vida pessoal de escritores, filósofos, músicos e outros artistas, sempre fomos cativados pelo locus operandi o local onde suas obras foram criadas ou tiveram orientação definitiva. Deveras, informações colhidas ao longo da vida revelam que si Nietzsche buscava inspiração em escaladas pelos Alpes suíços, Rousseau perambulava a ponto de escrever um livro sobre suas andanças - tendo um falso anúncio de morte festejado por Voltaire -, Maquiavel vagava por bosques e florestas antes de recolher-se para estudar os clássicos, e descontadas as obras nascidas em bares e tavernas, focamos nossa atenção no local onde eles finalmente acomodavam-se e escreviam.

Identificamos a origem particular deste gosto no escritório-biblioteca de nosso avô materno, assistente social e bacharel em Direito. O aposento, no qual se alojou certa vez até um mico fugitivo, possuía o conforto do cômodo destinado primeiro ao uso e depois ao contato social. Cadeiras de estofado macio - a sua com almofada extra -, gavetas cheias de coisas interessantes, como as aranhas, baratas e lagartixas de borracha utilizadas para assustar as empregadas e prateleiras cheias de livros. Entre estes, diversos números da antiga coleção Saraiva, brochuras de capas coloridas e intrigantes. Bem pouco ficou-nos de seu acervo material, pois doou-se o grosso para a faculdade de Serviço Social local, da qual foi co-fundador e professor. A essência, contudo, a atração pelo "ambiente doméstico de trabalho", a expressão ambiental de um recolhimento que é espiritual, isso herdamos e cultivamos.


Teto do gabinete de Montaigne

Nosso caro Montaigne recolhia-se a sua torre, na qual tanto ditava quanto escrevia de próprio punho. Tanto lia seus livros quanto as sentenças dos antigos gravadas nas traves e colunas de madeira. Imaginamos o trabalho de seu secretário. O ditado era fluente, ou devia ficar com a pena no ar por tempo indefinido? Pascal e Descartes preferiam a cama. O primeiro pela fragilidade da saúde. O segundo, por gostar do conforto. Cogitou-se ser a quebra deste costume a causa da pneumonia que o levou à morte. Mudando-se para a gélida corte de Cristina da Suécia, era requisitado logo cedo pela rainha.

A maior parte das descrições é feita por terceiros, visto que o dono e principal usuário está preocupado mais com o trabalho que com a disposição do tinteiro - ou do notebook. O inglês Kipling legou-nos o inventário de sua escrivaninha: porta-caneta em forma de canoa, caixa de madeira, estojo de madeira e de metal, pesos para papel, régua e outros "pequenos fetiches". Quem o relata é o argentino Alberto Manguel nOs livros e os dias, e a seu turno revela o que dispõe sobre sua mesa: caixa de pedra vietnamita, suporte de incenso, descanso de copos, pêra de vidro, etc. Em que pese o valor afetivo dos badulaques, bem como a função arquivística de cada um - também os tivemos -, deter-se em demasia sobre eles remete-nos àquelas revistas de sala de espera. Até onde lemos os textos borgeanos, não nos lembramos de descrições autógrafas de seus gabinetes de trabalho, quer o doméstico, quer na biblioteca em que trabalhou. Inobstante, a versão digital do periódico inglês The Guardian possui uma seção destinada às salas de trabalho de escritores, músicos e artistas gráficos (http://www.guardian.co.uk/books/series/writersrooms).

Manguel, pelo que se lê nos livros Uma história da leitura, Os livros e os dias, e A biblioteca à noite, tem especial sensibilidade para observar, descrever e criar o setting da leitura e da escrita. Sensibilidade com a qual devem aprender os prudentes. Tendo ficado sob nossa responsabilidade direta a biblioteca do centro espírita que trabalhamos, é nossa preocupação constante manter o ambiente acolhedor e aconchegante, ao mesmo tempo que aplicamos quanto possível as disposições de Allan Kardec.


Reconstituição do local de trabalho de Baruch Spinosa

De fato, um excelente trabalho de bibliofilia resgatou e fez publicar o Catálogo racional - Obras para se fundar uma biblioteca espírita. Conhecemo-lo poucos meses antes de assumir a referida biblioteca, numa incidência de fatos que não nos é mais estranha. Nele, Kardec sugeria obras de esclarecimento do leitor a respeito da Doutrina nascente, entregando ao indivíduo o arbítrio da aceitação ou da rejeição. Sugeriu também que as obras sejam organizadas em quatro categorias: (I) obras fundamentais; (II) obras complementares; (III) obras escritas fora do Espiritismo, incluindo aqui produções a respeito do budismo, do islamismo e o que mais havia de atualizado em obras científicas; (IV) obras contra o Espiritismo. Trata-se do último opúsculo do Codificador. No dia de seu desencarne, ele conferia as brochuras que seriam entregues com a edição do mês da Revista Espírita. É pouquíssimo conhecido mesmo nos meios espíritas.

A esta altura da vida, permeamos a herança avoenga com nossas próprias expectativas e aquisições. Entretanto, a configuração do local definitivo está adiada. Futuramente, almejamos um local maior e melhor, onde possamos, por exemplo, organizar todos os nossos livros, e rogamos a Deus por construção térrea que abra para um jardim. "Si temos uma biblioteca e um jardim, temos tudo", teria afirmado Cicerus. A leitura da matéria sobre o apartamento de Mailler lembrou-nos que a fase de transição hoje vivenciada torna necessário desfazermo-nos de nosso atual escritório. Considerando que internet facilitou as consultas forenses; que a maior parte do trabalho dispensa a presença em local determinado; e que a faculdade ocupa-nos boa parte do dia, não há porque mantê-lo fechado e ocioso. Não fosse o custo de reforma chata, aliado à necessidade de acompanhá-la in loco, já o teríamos encaminhado à imobiliária. Sentimos falta do lugar onde pudemos parar e silenciar o corpo e o espírito e encontrar a tranqüilidade momentânea que permitia tanto o fluir do trabalho quanto a igualmente importante reflexão.

Não é negada certa resistência, pois uma década transcorreu entre suas paredes. Estávamos ali no terrível "onze de setembro" - prestes a repetir-se - quando uma vizinha entrou correndo para avisar que "os Estados Unidos estavam sendo bombardeados". Naquele ambiente escrevemos despreocupadamente a coluna que nos vinculou ao Digestivo Cultural e quase todas as demais. Foi nosso local de trabalho, mas foi também onde lemos grandes obras e refletimos sobre elas em meio à fumaça de pretensiosos charutos e cachimbos. Lá também fizemos a transição do catolicismo para o kardecismo. Lá obtivemos os meios que permitissem a atual mudança de rumo existencial, não apenas no aspecto financeiro, mas principalmente em relação ao estofo espiritual que sustentasse o passo seguinte.

Não esquecíamos do caráter público do local, mas relaxamos as fronteiras entre o público e o privado. Antes entrávamos pela manhã, saíamos para almoçar, voltávamos à tarde e ficávamos até o começo da noite, caso não houvesse serviço externo. Começamos a entrar mais tarde, não almoçar em casa e sair com a noite avançada. Logo, procuramos incluir certo conforto doméstico que não chocasse os clientes. Música ininterrupta e variada, luz de abajur, um ou outro saquinho de biscoito. No mais forte do inverno, uma manta para as pernas. Lanche não, por preferirmos a padaria e não querermos visita de baratas e formigas.

Em termos de tranqüilidade, as diferenças tornam-se explícitas durante a escrita desta coluna. O pai acaba de arrastar metade dos móveis da sala em busca de uma tomada. O fato dele propor-se a aparar a grama da calçada incomoda-nos, pois para trabalhar um metro quadrado ele destrói outros cinco. Sabendo que iriam ao jardim, as duas cachorras latem com plena potência, e basta alguém aproximar-se do portão para recomeçarem. Enquanto não latem, dizimam lagartos. O escândalo incomodou a arara da vizinhança, que começou a gritar como si estivessem a arrancar-lhas asas. Segue-se quietude enganadora, quebrada pelo chamado do telefone. Só falta atender e escutar: sete dias. Não tocava o telefone do escritório? Sim, mas lá esperava-se que ele tocasse. Nos últimos anos, o barulho nos corredores aumentou significativamente, mas uma porta fechada restaurava a paz sem fazer-nos perder o contato com o mundo.



Ricardo de Mattos
Taubaté, 6/6/2011



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
03. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
04. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
05. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECONOMIA DA ENERGIA: FUNDAMENTOS ECONÔMICOS, EVOLUÇÃO HISTÓRICA E ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL
HELDER QUEIROZ PINTO JUNIOR (ORG.), EDMAR FAGUNDES DE ALMEIDA, JOSÉ VITOR BOMTEMPO, MARIANA IOOTTY, RONALDO GOULART BICALHO
CAMPUS / ELSEVIER
(2007)
R$ 40,00



PRIMEIRA ANTOLOGIA DA ORDEM DOS VELHOS JORNALISTAS
ANTONIO CARLOS TORTORO; E OUTROS
OUTROS
(2005)
R$ 5,00



PRÁTICA DIREITO DE FAMÍLIA E REGISTRO CIVIL DA PESSOA NATURAL
OZÉIAS J SANTOS
VALE DO MOGI
(2008)
R$ 200,00



PRINCIPE PEDRO E O URSINHO
MCKEE, DAVID
MARTINS
R$ 37,40



VIDA AMOR RISO
OSHO
GENTE
R$ 12,00



A HORA DAS SOMBRAS
LUIZ ANTONIO AGUIAR
ATUAL
(1995)
R$ 18,00



A VOZ DO MERCADO
VINCENT P. BARBOSA / GERALD ZALTMAN
MAKRON BOOKS / HBS PRESS
(1992)
R$ 10,00



MINHAS GALERIAS E MEUS PINTORES - 3994
DANIEL_HENRY KAHNWEILER / FRANCIS CRÉMIEUX
L&PM
(1989)
R$ 10,00



MANUEL DE PHYSIOLOGIE 2 VOLS 1 E 2
J. MUELLER
CHEZ J B BAILLIÉRE
(1851)
R$ 337,00



VISUALIZING PROJECT MANAGEMENT
KEVIN FORSBERG, HAL MOOZ, HOWARD COTTERMAN
WILEY
(2000)
R$ 60,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês