Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta novos episódios do projeto Música Fora da Curva
>>> Quarador de imagens partilha experiências em música, teatro e cinema
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Temporada Alfa Criança estreia Zazou, um amor de bruxa dia 24 de abril
>>> Operilda na Orquestra Amazônica Online tem temporada grátis pela Lei Aldir Blanc
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A morte da Gazeta Mercantil
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Blogging+Video=Vlogging
>>> In London
>>> Mil mortes de Michael Jackson
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Dalton Trevisan revisitado
>>> Who killed the blogosphere?
Mais Recentes
>>> Metanoia - A Chave Está Em Sua Mente de JB Carvalho pela Chara (2018)
>>> 8 Hábitos Do Líder Eficaz De Grupos Pequenos de Dave Earley pela Ministério Igreja em Células (2013)
>>> Final Da Tempestade de Deive Leonardo pela Quatro Ventos (2020)
>>> Enquanto Isso (journal) de Fernanda Witwytzky pela Quatro Ventos (2020)
>>> A caminho do Sótão de Denis Mattar pela Livraria Cultura (1978)
>>> Devocional Simplificando O Secreto (Capa Dura) de Vários pela Quatro Ventos (2020)
>>> A santa sem véu de Tibério Vargas Ramos pela Age (2013)
>>> Danuza & sua visão de mundo sem juízo de Danuza Leão pela Agir (2012)
>>> Fora de mim de Martha Medeiros pela Objetiva (2010)
>>> Contos de Voltaire pela Abril Cultural (1983)
>>> O assassino de Evelyn Anthony pela Martins (1974)
>>> O condenado de Gabriel Lacerda pela Lacerda Ed. (1998)
>>> Curso de Aperfeiçoamento Em Betão Armado - livro de J. Darga e Lima e Outros pela Lnec (1969)
>>> O dinheiro de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1975)
>>> A insurreição de Antonio Skármeta pela Francisco Alves (1983)
>>> Era Uma Vez o Amor, Mas Tive Que Matá-lo de Efraim Medina Reyes pela Planeta (2006)
>>> Dominó de Ross King pela Record (2010)
>>> Jogos Surrealistas de Robert Irwin pela Record (1998)
>>> Revista Planeta 11 - Julho 1973 - a Psicologia Pode Melhorar o Mundo de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1997)
>>> Livro Alegria e triunfo de Lourenço Prado pela Pensamento (2021)
>>> Perigos Que Rondam o Ministério de Richard Exley pela Ucb (2003)
>>> Revista Planeta 12 - Agosto 1973 - Para que serve a Ioga de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> Predestinação e Livre-arbítrio de John Feinberg pela Mundo Cristão (1989)
>>> Cartas de João Guia de Estudos Práticos de Laudir e Sonia Pezzatto pela Sepal (1989)
COLUNAS

Terça-feira, 7/5/2019
Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3600 Acessos



Nenhum mistério. A poesia em sua crueza. A vida, também, crua e nua. O destino (ou o acaso), é impuro, duro e, no entanto, como não aceitá-lo? Tudo visto de trás para frente parece destino. A poesia, no presente, repensa a existência, em seu duplo valor, de ter sido e de poder ser pensada.

Editado pela Companhia das Letras, em 2018, Nenhum Mistério, de Paulo Henriques Britto, traz uma nota pessimista para seu livro logo na epígrafe da primeira página, da autoria de Emily Dickson: “Não tivesse eu visto o sol/ Sofrível a sombra seria/ Mas a luz de meu deserto/ Terra ainda mais baldia”.

Poemas carregados de reflexões sobre a existência e sua ilusão como campos de possibilidades, com um traço marcado por um rigor perceptível, o do poeta que não se deixa levar na correnteza dos sentimentos, mantendo, a cada verso, a contensão necessária para a sedimentação desses sentimentos e ideias que deles brotam em poemas fortemente concentrados, marcados pelo cinzelamento da linguagem.

O último poema do livro, “Ao sair da sala”, revela a ilusão de um murmúrio discreto, possibilidade da presença, que imediatamente é desvelado em “silêncio quebradiço” numa sala “onde não há o que se ouça” e “não há nada”. Se a ilusão da presença existe é para “desdizer a certeza” do murmúrio que soa ilusoriamente ao ouvido. Esse conjunto de versos vai se ramificando num jogo espelhado de presença e ausência, também existente em outros poemas do livro.

É o que ocorre no primeiro poema, “Nenhuma arte”, onde os deuses dão alguma espécie de presente, que será retirado em seguida, e o jogo de ter, não ter, esperar, não esperar, o que foi, o que não foi, vai criando uma quebradiça linha de esperança- desesperança, mesmo quando já se sabe que “uma solidão/ completa era o capítulo final”. A aceitação de uma espécie de destino se fecha entre os dois primeiros versos do poema e o final do último verso: “Os deuses do acaso dão, a quem nada/ lhes pediu, o que um dia levam embora;/ (...) Os deuses são assim.”

Um dos lastros da consciência da incomunicabilidade (ou impossibilidade de salvação?) como essência da modernidade artística, e do consequente registro apenas dessa impossibilidade (como em Beckett), aparece no poema XIII, onde o “jeito de dizer”, “antes que se esboce”, “já resvalou para o nada”. Vale reproduzir o poema inteiro:

XIII

Como se fosse fácil

achar o jeito de dizer

a frase justa que encerrasse

o que urge tanto esquecer



que antes mesmo que se esboce

a sílaba tão esperada

a palavra – fosse qual fosse –

já resvalou para o nada.



Em vários poemas, o aspecto filosófico e meditativo, concentrado em versos de agudo pessimismo, partem de uma ideia positiva (mesmo que se anunciando como crise) para depois desvelar no descontentamento ou numa ideia de que o mínimo pode ser o máximo. O poema “Da metafísica” é o mais marcante nesse sentido. Os versos “Ser parte de alguém ou algo/ tão grande que não se entenda”, chamam nossa atenção para a fusão de seres, que imediatamente é tachada de “crença’ e/ou “lenda”. Mas essa crença é que “eleva ao sumo quilate/ o caco mais reles da vida.”

Da metafísica



Ser parte de alguém ou algo

tão grande que não se entenda:

toda crença, ao fim e ao cabo,

se resume a essa lenda –



o mais rematado dislate,

coisa jamais entendida,

que eleva ao sumo quilate

o caco mais reles da vida.

O acúmulo de experiências, memórias e seu imediato naufragar existencial marca boa parte dos poemas, mesmo quando se fala diretamente de um caso que nos faz pensar em algum aspecto pessoal ou quando se trata de um objeto do mundo ao qual o poeta se relaciona. A memória, como no poema “Spleen 21/2”, permanecerá não como elemento de preenchimento da alma do homem, mas como algo de que “acumula indiferente”, guardada numa “gaveta emperrada,/ ao qual só será aberta/ na hora errada.”

Entre a esperança e o ridículo, como um hiato constante, há a espera, ou a pressuposição de sua existência. Mas quem vive entre a esperança e o ridículo, sabe que “já não espera mais nada”. É o que o poeta formula em seu poema “Pa(r)químetro”.

As falhas entre o vivido e o lembrado, o não sentido de alguns acontecimentos e a vontade (frustrada) de tornar os afetos algo palpável, a memória cambiante que não firma a experiência – são dessas pequenas erupções de contradições que a poesia de Paulo Henriques Britto se constrói, num exercício entre o dilacerado do existencial e a construção de uma linguagem capaz de suportar as contradições dentro do poema.

Vale encerrar com um poema marcado pelos sinais desse desajuste irrefreável e, ao mesmo tempo, consciente, que sua poesia acumula de verso a (re)verso.

IV



Pode não dar em nada, no final,

mas ao menos não dói. O que é melhor

que nada – fazer nada faz mais mal

do que fazer o mal. (Nada é pior

que o nada.) E se a coisa cansa, não

reclama, que o descanso cansa mais

ainda. Faz das tripas coração

ou coração das tripas – tanto faz,

desde que saia alguma coisa dessa

desgraça, mesmo sem pé nem cabeça,

sem graça, só uma frase de efeito,

um negócio que não queira dizer

nada – nada além do que não puder

não ser dito, por ninguém. (Dito e feito.)



Para ir além:

BRITTO, Paulo Henriques. Nenhum mistério (poemas). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/5/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
03. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
04. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour - 17/9/2019
02. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
03. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito - 8/10/2019
04. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
05. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Política X Técnica No Planejamento Perspectivas Críticas
Ray Bromley / Eduardo S. Bustelo Orgs.
Brasiliense
(1982)



Acesso aos Direitos Socias: Infância, saúde, educação, trabalho
Paulo Sérgio Pinheiro e Regina Pahim Pinto
Contexto
(2010)



O Segundo Círculo
Patsy Rodenburg
Best Seller
(2009)



Bons Mots & Facéties des Pères Du Désert
Piero Gribaudi
Oeil
(1987)



Justiça, Direito e Cidadania
Marcelo Ribeiro Uchoa
Lumen Juris
(2014)



Teatro Mexicano: Teatro Mexicano del Siglo XX
Antonio Magaña-Esquivel
Fondo de Cultura Económica
(1970)



Matar por Prazer
Linda Howard
Bertrand Brasil
(2019)



Pedagogia e Comunicaçao no Registro da Liberdade
Sandra de Fátima Pereira Tosta
Puc Minas
(2006)



Quando a vida escolhe
Zíbia Gasparetto
Vida
(1997)
+ frete grátis



O livreiro de Cabul
Asne Seierstad
Record
(2006)





busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês