Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Senac São Paulo abre as portas para atividades voltadas ao protagonismo juvenil
>>> Ribeirão Preto recebe o Teatro Portátil no Dia das Crianças
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA INCENTIVA A ARTE NA REGIÃO COM O GRANJA CULTURAL
>>> Turnê Babi Jaques e Lasserre (PE)
>>> Samantha Dalsoglio e Dan Rosseto protagonizam comédia Relação a Dois dirigida por Hudson Glauber
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dentro da Baleia
>>> 2006, o ano que não aconteceu
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> E-lovelados
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Real tédio
>>> Revolução dos sexos
>>> Entrevista com o poeta Augusto de Campos
>>> Querem proibir as palavras
Mais Recentes
>>> Os Enamoramentos de Javier Marías pela Companhia das Letras (2015)
>>> Tex Almanaque do Faroeste Nº 1 de Bonelli pela Globo (1996)
>>> Persépolis - Completo de Marjane Satrapi pela Quadrinhos Na Cia (2018)
>>> Até Que a Morte os Separe de Nero Blanc pela Ediouro (2005)
>>> Getúlio 1882-1930: Dos Anos de Formação à Conquista do Poder de Lira Neto pela Companhia das Letras (2012)
>>> A Rainha Ginga de José Eduardo Agualusa pela Quetzal (2014)
>>> Escritos - Campo Freudiano no Brasil de Jacques Lacan pela Jorge Zahar (1998)
>>> Star Wars: A Trilogia - Special Edition de George Lucas pela DarkSide (2014)
>>> Squid: The Definitive Guide de Duane Wessels pela O"Reilly (2004)
>>> Tex e os Aventureiros Nº 3 de Bonelli pela Mythos (2005)
>>> O Ritual de Bordeaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2008)
>>> Genetic Algorithms in Search, Optimization and Machine Learning de David E. Goldberg pela Addison Wesley (1997)
>>> 1822 - Edição Juvenil Ilustrada de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2011)
>>> Nem Sempre é Assim de Shunryu Suzuki pela Religare (2003)
>>> O Mundo Emocionante do Romance Policial de Paulo M. E Albuquerque pela Francisco Alves (1979)
>>> Corpo Humano: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia de Gerard J. Tortora, Bryan Derrickson pela Artmed (2017)
>>> Os Segredos da Mente Milionária de T. Harv Eker pela Sextante (2020)
>>> Public-Key Cryptography de Arto Salomaa pela Springer-Verlag (1996)
>>> Rainha do Inverno de Boris Akunin pela Objetiva (2003)
>>> A Travessia de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Coleção 70º Aniversário da 2ª Guerra Mundial - 30 Volumes de Abril Coleções pela Abril Coleções (2009)
>>> Desvendando Margaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2007)
>>> Bio-Inspired Credit Risk Analysis: Computational Intelligence with Support Vector Machines de Lean Yu; Shouyang Wang; Kin Keung Lai; Ligang Zhou pela Springer-Verlag (2010)
>>> A VIda é Cheia de Curvas de Eugenio Mussak pela Abril (2014)
>>> Action Coaching de David L. Dotlich pela Jossey Bass (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 7/5/2019
Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4400 Acessos



Nenhum mistério. A poesia em sua crueza. A vida, também, crua e nua. O destino (ou o acaso), é impuro, duro e, no entanto, como não aceitá-lo? Tudo visto de trás para frente parece destino. A poesia, no presente, repensa a existência, em seu duplo valor, de ter sido e de poder ser pensada.

Editado pela Companhia das Letras, em 2018, Nenhum Mistério, de Paulo Henriques Britto, traz uma nota pessimista para seu livro logo na epígrafe da primeira página, da autoria de Emily Dickson: “Não tivesse eu visto o sol/ Sofrível a sombra seria/ Mas a luz de meu deserto/ Terra ainda mais baldia”.

Poemas carregados de reflexões sobre a existência e sua ilusão como campos de possibilidades, com um traço marcado por um rigor perceptível, o do poeta que não se deixa levar na correnteza dos sentimentos, mantendo, a cada verso, a contensão necessária para a sedimentação desses sentimentos e ideias que deles brotam em poemas fortemente concentrados, marcados pelo cinzelamento da linguagem.

O último poema do livro, “Ao sair da sala”, revela a ilusão de um murmúrio discreto, possibilidade da presença, que imediatamente é desvelado em “silêncio quebradiço” numa sala “onde não há o que se ouça” e “não há nada”. Se a ilusão da presença existe é para “desdizer a certeza” do murmúrio que soa ilusoriamente ao ouvido. Esse conjunto de versos vai se ramificando num jogo espelhado de presença e ausência, também existente em outros poemas do livro.

É o que ocorre no primeiro poema, “Nenhuma arte”, onde os deuses dão alguma espécie de presente, que será retirado em seguida, e o jogo de ter, não ter, esperar, não esperar, o que foi, o que não foi, vai criando uma quebradiça linha de esperança- desesperança, mesmo quando já se sabe que “uma solidão/ completa era o capítulo final”. A aceitação de uma espécie de destino se fecha entre os dois primeiros versos do poema e o final do último verso: “Os deuses do acaso dão, a quem nada/ lhes pediu, o que um dia levam embora;/ (...) Os deuses são assim.”

Um dos lastros da consciência da incomunicabilidade (ou impossibilidade de salvação?) como essência da modernidade artística, e do consequente registro apenas dessa impossibilidade (como em Beckett), aparece no poema XIII, onde o “jeito de dizer”, “antes que se esboce”, “já resvalou para o nada”. Vale reproduzir o poema inteiro:

XIII

Como se fosse fácil

achar o jeito de dizer

a frase justa que encerrasse

o que urge tanto esquecer



que antes mesmo que se esboce

a sílaba tão esperada

a palavra – fosse qual fosse –

já resvalou para o nada.



Em vários poemas, o aspecto filosófico e meditativo, concentrado em versos de agudo pessimismo, partem de uma ideia positiva (mesmo que se anunciando como crise) para depois desvelar no descontentamento ou numa ideia de que o mínimo pode ser o máximo. O poema “Da metafísica” é o mais marcante nesse sentido. Os versos “Ser parte de alguém ou algo/ tão grande que não se entenda”, chamam nossa atenção para a fusão de seres, que imediatamente é tachada de “crença’ e/ou “lenda”. Mas essa crença é que “eleva ao sumo quilate/ o caco mais reles da vida.”

Da metafísica



Ser parte de alguém ou algo

tão grande que não se entenda:

toda crença, ao fim e ao cabo,

se resume a essa lenda –



o mais rematado dislate,

coisa jamais entendida,

que eleva ao sumo quilate

o caco mais reles da vida.

O acúmulo de experiências, memórias e seu imediato naufragar existencial marca boa parte dos poemas, mesmo quando se fala diretamente de um caso que nos faz pensar em algum aspecto pessoal ou quando se trata de um objeto do mundo ao qual o poeta se relaciona. A memória, como no poema “Spleen 21/2”, permanecerá não como elemento de preenchimento da alma do homem, mas como algo de que “acumula indiferente”, guardada numa “gaveta emperrada,/ ao qual só será aberta/ na hora errada.”

Entre a esperança e o ridículo, como um hiato constante, há a espera, ou a pressuposição de sua existência. Mas quem vive entre a esperança e o ridículo, sabe que “já não espera mais nada”. É o que o poeta formula em seu poema “Pa(r)químetro”.

As falhas entre o vivido e o lembrado, o não sentido de alguns acontecimentos e a vontade (frustrada) de tornar os afetos algo palpável, a memória cambiante que não firma a experiência – são dessas pequenas erupções de contradições que a poesia de Paulo Henriques Britto se constrói, num exercício entre o dilacerado do existencial e a construção de uma linguagem capaz de suportar as contradições dentro do poema.

Vale encerrar com um poema marcado pelos sinais desse desajuste irrefreável e, ao mesmo tempo, consciente, que sua poesia acumula de verso a (re)verso.

IV



Pode não dar em nada, no final,

mas ao menos não dói. O que é melhor

que nada – fazer nada faz mais mal

do que fazer o mal. (Nada é pior

que o nada.) E se a coisa cansa, não

reclama, que o descanso cansa mais

ainda. Faz das tripas coração

ou coração das tripas – tanto faz,

desde que saia alguma coisa dessa

desgraça, mesmo sem pé nem cabeça,

sem graça, só uma frase de efeito,

um negócio que não queira dizer

nada – nada além do que não puder

não ser dito, por ninguém. (Dito e feito.)



Para ir além:

BRITTO, Paulo Henriques. Nenhum mistério (poemas). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/5/2019


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour - 17/9/2019
02. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
03. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito - 8/10/2019
04. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019
05. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cristianismo - Fraude Ou Fato Histórico?
Josh Mcdowell
Candela
(1999)



Abelhas e Mel - Criação - Extração
Nelson Mello da Lima
Ediouro



No Verão, a Primavera
Lucília J de Almeida Prado
Melhoramentos
(1980)



O Mundo Mágico de Harry Potter
David Colbert
sextante
(2001)



Bandeirismo: Dominacão e Violência
Julio Jose? Chiavenato
Moderna
(1991)



Aristóteles para Todos
Mortimer J. Adler
Realizações
(2010)



Livro - Sequestrado
Robert L. Stevenson
Nova Alexandria
(1996)



Meu Nome não é Johnny
Guilherme Fiuza
record
(2004)



Alma Paulista
Arnaldo Antunes
Abooks



O Livro Vermelho do Sexo sem Vergonha
Rose Villela
Novo Século
(2019)





busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês