Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
30052 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Camuflagem para e-readers
>>> Poesia nunca é best-seller
>>> Gryphus Editora
>>> Cidades do Algarve
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Para quem acha que conhece de tudo na vida
>>> Música é coração, computadores, não?
>>> Lecto-escritura esquizofrénica
>>> Quase uma despedida
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
Mais Recentes
>>> Sacrament of Sexuality - The Spirituality and Psychology of Sex de Morton T. Kelsey, Barbara Kelsey pela Element Books (1991)
>>> Perry Rhodan de Kurt Mahr pela Edições de Ouro (1976)
>>> Perry Rhodan #12 - O Segredo do Cofre de Tempo de Clark Darlton pela Ediouro (1976)
>>> Novo Lobo Solitário - Volume 02 de Kazuo Koike pela Panini (2017)
>>> Odalisca: Dançando com o Diabo numa noite de lua cheia de Yuri Belov pela Novo Século (2015)
>>> Gantz - Volume 18 de Hiroya Oku pela Panini (2009)
>>> Os Mortos - Vivos - Volume 02 de Robert Kirkman pela Hqm (2006)
>>> Os Mortos - Vivos - Volume 01 de Robert Kirkman pela Hqm (2006)
>>> Cânticos de Amor ao Amado de ly Vieitez Lanes pela Mania de Livros (1996)
>>> The Occult Fiction of Dion Fortune de Gareth Knight pela Thoth Publications (2008)
>>> Campeões do Mundo de Dias Gomes pela Bertrand Brasil (2015)
>>> Camille Claudel - Auguste Rodin: La Passion à Quatre Mains de Bernard Lehembre pela Acropole (1999)
>>> Traição em Londres de Len Deighton pela Best Seller (1989)
>>> Brujería y reconstrucción de identidades entre los Africanos y sus descendientes en la Nueva Granada, Siglo XVII de Luz Adriana Maya Restrepo pela Imprenta Nacional de Colombia (2005)
>>> Radiestesia Clássica e Cabalística de António Rodrigues pela Fábrica de Letras (2000)
>>> Ancient Astrology de Tamysn Barton pela Routledge (1994)
>>> Justine de Lawrwncw Durrel pela Verbo (1972)
>>> A Varanda do Frangipani de Mia Couto pela Cia. das Letras (2016)
>>> Sete Novelas Fantásticas de Isak Dinesen pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Gnosticismo - uma Nova Interpretação da Tradição Oculta de Stephan A. Hoeller pela Nova Era (2005)
>>> Às portas da revolução: Escritos de Lenin de 1917 de Slavoj Zizek pela Boitempo (2005)
>>> Arte e Sociedade - Escritos estéticos (1932 - 1967) de György Lukács pela Ufrj (2009)
>>> Um Hino de Natal de Charles Dickens - Tradução de Cecília Meirelles pela Reade's Digest
>>> Qabalah, Tarot & the Western Mystery Tradition - the 22 Connecting Path on the Tree of Life de Clifford Bias (sobre Cabala) pela Samuel Weiser (1997)
>>> A Representação Feminina na Obra de Virginia Woolf: Um Diálogo Entre o Projeto Político e o Estético de Maria A. de Oliveira pela Paco Editorial (2017)
>>> A Queda de Albert Camus pela Best Bolso (2007)
>>> Sublime Obessão de Lloyde C. Douglas pela Record (1980)
>>> A Política e as Letras - Entrevistas da New Left Review de Raymond Williams pela Unesp (2013)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Círculo do Livro (1975)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Círculo do Livro (1975)
>>> A década de 50: Populismo e metas desenvolvimentistas no Brasil de Marly Rodrigues pela Ática (1996)
>>> Vontade de Viver - A Bicicleta Azul vol. 2 de Régine Deforges pela Best Seller (1985)
>>> Vontade de Viver - A Bicicleta Azul vol. 2 de Régine Deforges pela Best Seller (1985)
>>> O Vôo Imperial 109 de Richard Doyle pela Record (1977)
>>> Superman #18 (Universo DC Renascimento) de Patrick Gleason, Peter J. Tomasi, Jaime Mendoza, Doug Mahnke pela Panini (2018)
>>> Os Conspiradores (Coleção Saraiva) de Barbey D'Aurevilly pela Saraiva (1950)
>>> Genshiken - Volume 02 de Kio Shimoku pela Jbc (2013)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Record (1995)
>>> A Questão Agrária no Brasil. O Debate na Década de 1990 - volume 6 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2013)
>>> Genshiken - Volume 01 de Kio Shimoku pela Jbc (2013)
>>> A Questão Agrária no Brasil. História e Natureza das Ligas Camponesas: 1954-1964 - volume 4 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2012)
>>> David Copperfield 2 vols. de Charfles Dickens pela Cered/Objetivo (1997)
>>> A Questão Agrária no Brasil. Programas de Reforma Agrária: 1946-2003 - volume 3 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2012)
>>> Aço e Arquitetura: Estudo de Edificações no Brasil de Luís Andrade de Mattos Dias pela Zigurate (2019)
>>> Innocent - Volume 5 de Shinichi Sakamoto pela Panini (2018)
>>> Ich Schenk dir cine Geschichte de wlttag des Buches pela Omnibus (2007)
>>> A Questão Agrária no Brasil. O debate tradicional: 1500-1960 - volume 1 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2011)
>>> Conspiração Violenta de Peter Driscoll pela Record (1972)
>>> Marcos Acayaba de Hugo Segawa, Julio Katinsky e Guilherme Wisnik pela Cosac Naify (2007)
>>> Gênios da Pintura Nº 64: Caravaggio/ (1ª Ed. sem Grampo)/ a Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1968)
COLUNAS

Terça-feira, 7/5/2019
Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 800 Acessos



Nenhum mistério. A poesia em sua crueza. A vida, também, crua e nua. O destino (ou o acaso), é impuro, duro e, no entanto, como não aceitá-lo? Tudo visto de trás para frente parece destino. A poesia, no presente, repensa a existência, em seu duplo valor, de ter sido e de poder ser pensada.

Editado pela Companhia das Letras, em 2018, Nenhum Mistério, de Paulo Henriques Britto, traz uma nota pessimista para seu livro logo na epígrafe da primeira página, da autoria de Emily Dickson: “Não tivesse eu visto o sol/ Sofrível a sombra seria/ Mas a luz de meu deserto/ Terra ainda mais baldia”.

Poemas carregados de reflexões sobre a existência e sua ilusão como campos de possibilidades, com um traço marcado por um rigor perceptível, o do poeta que não se deixa levar na correnteza dos sentimentos, mantendo, a cada verso, a contensão necessária para a sedimentação desses sentimentos e ideias que deles brotam em poemas fortemente concentrados, marcados pelo cinzelamento da linguagem.

O último poema do livro, “Ao sair da sala”, revela a ilusão de um murmúrio discreto, possibilidade da presença, que imediatamente é desvelado em “silêncio quebradiço” numa sala “onde não há o que se ouça” e “não há nada”. Se a ilusão da presença existe é para “desdizer a certeza” do murmúrio que soa ilusoriamente ao ouvido. Esse conjunto de versos vai se ramificando num jogo espelhado de presença e ausência, também existente em outros poemas do livro.

É o que ocorre no primeiro poema, “Nenhuma arte”, onde os deuses dão alguma espécie de presente, que será retirado em seguida, e o jogo de ter, não ter, esperar, não esperar, o que foi, o que não foi, vai criando uma quebradiça linha de esperança- desesperança, mesmo quando já se sabe que “uma solidão/ completa era o capítulo final”. A aceitação de uma espécie de destino se fecha entre os dois primeiros versos do poema e o final do último verso: “Os deuses do acaso dão, a quem nada/ lhes pediu, o que um dia levam embora;/ (...) Os deuses são assim.”

Um dos lastros da consciência da incomunicabilidade (ou impossibilidade de salvação?) como essência da modernidade artística, e do consequente registro apenas dessa impossibilidade (como em Beckett), aparece no poema XIII, onde o “jeito de dizer”, “antes que se esboce”, “já resvalou para o nada”. Vale reproduzir o poema inteiro:

XIII

Como se fosse fácil

achar o jeito de dizer

a frase justa que encerrasse

o que urge tanto esquecer



que antes mesmo que se esboce

a sílaba tão esperada

a palavra – fosse qual fosse –

já resvalou para o nada.



Em vários poemas, o aspecto filosófico e meditativo, concentrado em versos de agudo pessimismo, partem de uma ideia positiva (mesmo que se anunciando como crise) para depois desvelar no descontentamento ou numa ideia de que o mínimo pode ser o máximo. O poema “Da metafísica” é o mais marcante nesse sentido. Os versos “Ser parte de alguém ou algo/ tão grande que não se entenda”, chamam nossa atenção para a fusão de seres, que imediatamente é tachada de “crença’ e/ou “lenda”. Mas essa crença é que “eleva ao sumo quilate/ o caco mais reles da vida.”

Da metafísica



Ser parte de alguém ou algo

tão grande que não se entenda:

toda crença, ao fim e ao cabo,

se resume a essa lenda –



o mais rematado dislate,

coisa jamais entendida,

que eleva ao sumo quilate

o caco mais reles da vida.

O acúmulo de experiências, memórias e seu imediato naufragar existencial marca boa parte dos poemas, mesmo quando se fala diretamente de um caso que nos faz pensar em algum aspecto pessoal ou quando se trata de um objeto do mundo ao qual o poeta se relaciona. A memória, como no poema “Spleen 21/2”, permanecerá não como elemento de preenchimento da alma do homem, mas como algo de que “acumula indiferente”, guardada numa “gaveta emperrada,/ ao qual só será aberta/ na hora errada.”

Entre a esperança e o ridículo, como um hiato constante, há a espera, ou a pressuposição de sua existência. Mas quem vive entre a esperança e o ridículo, sabe que “já não espera mais nada”. É o que o poeta formula em seu poema “Pa(r)químetro”.

As falhas entre o vivido e o lembrado, o não sentido de alguns acontecimentos e a vontade (frustrada) de tornar os afetos algo palpável, a memória cambiante que não firma a experiência – são dessas pequenas erupções de contradições que a poesia de Paulo Henriques Britto se constrói, num exercício entre o dilacerado do existencial e a construção de uma linguagem capaz de suportar as contradições dentro do poema.

Vale encerrar com um poema marcado pelos sinais desse desajuste irrefreável e, ao mesmo tempo, consciente, que sua poesia acumula de verso a (re)verso.

IV



Pode não dar em nada, no final,

mas ao menos não dói. O que é melhor

que nada – fazer nada faz mais mal

do que fazer o mal. (Nada é pior

que o nada.) E se a coisa cansa, não

reclama, que o descanso cansa mais

ainda. Faz das tripas coração

ou coração das tripas – tanto faz,

desde que saia alguma coisa dessa

desgraça, mesmo sem pé nem cabeça,

sem graça, só uma frase de efeito,

um negócio que não queira dizer

nada – nada além do que não puder

não ser dito, por ninguém. (Dito e feito.)



Para ir além:

BRITTO, Paulo Henriques. Nenhum mistério (poemas). São Paulo: Companhia das Letras, 2018.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/5/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem Não Lê Não É Humano de Alexandre Soares Silva


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
04. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARA SEGUIR MINHA JORNADA CHICO BUARQUE (1308)
REGINA ZAPPA
NOVA FRONTEIRA
(2011)
R$ 18,00



LONGEVIDADE - UM NOVO DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO
VITÓRIA KACHAR
CORTEZ
(2001)
R$ 14,00



BOLÍVIA, ONTEM E HOJE
BRUNO MIRANDA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



MAÇONARIA NA UNIVERSIDADE 2
FREDERICO GUILHERME COSTA
A TROLHA
(1996)
R$ 29,90



O PODER DA AURA (4535)
MARK L. PROPHET E ELIZABETH C. PROPHET
SUMMIT LIGHTHOUSE DO BRASIL
(2001)
R$ 44,00



MATEMÁTICA - 2º GRAU - 1ª SÉRIE
BENEDITO CASTRUCCI E OUTROS
FTD
(1977)
R$ 9,00



O ANALISTA E A CLÍNICA
REVISTA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE VOL 33 Nº 2
RBP
(1999)
R$ 19,82



UMA BREVE HISTÓRIA DO MUNDO
GEOFFREY BLAINEY
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 10,80



OBRAS COMPLETAS - VOLUME 3 - A DIVINA COMÉDIA - O INFERNO
DANTE ALIGHIERI
DAS AMÉRICAS
R$ 10,00



HISTÓRIAS PARA AQUECER O CORAÇÃO 50 HISTÓRIAS DE VIDA, AMOR, SABEDORIA
JACK CANFIELD/ MARK VICTOR H/ HEATHER MCNAMARA
SEXTANTE
(2001)
R$ 6,00





busca | avançada
30052 visitas/dia
922 mil/mês