Sobreviver à quarentena | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Cegueira
>>> Blog da Petrobras como Napster
>>> Menos fé e mais razão
>>> Aluga-se um escritório
>>> Para gostar de ler
>>> A resistência é vermelha
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
Mais Recentes
>>> Caminho Suave - Comunicação e Expressão - 4ª série de Branca Alves de Lima pela Caminho Suave (1990)
>>> São Paulo Visto de Cima de Cássio Vasconcelos pela World Publisher (2020)
>>> Rio Visto de Cima de Cássio Vasconcelos pela Estudio Logos (2020)
>>> Avaliações em educação: novas perspectivas de Albano Estrela e Antônio Nóvoa pela Porto (1993)
>>> Amazonas Pátria da Água de Thiago de Mello pela Boccato (2007)
>>> Retorno à Amazônia de Jean-Michel Cousteau pela Guascor
>>> Introdução ao Design Gráfico de Renata Krusser pela UnisulVirtual (2011)
>>> Todas as Copas de 1930 a 1998 de Vários autores pela Lance! (1999)
>>> Para Sempre: Amor e Tempo de Ana Maria Machado pela Record (2001)
>>> Casamento Blindado de Ranato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Análise das Demonstrações Financeiras de John N. Myer pela Atlas S.A (1972)
>>> Memórias das Trevas de João Carlos Teixeira Gomes pela Geração Editorial (2022)
>>> O Livro De São Cipriano: Tratado Completo Da Verdadeira Magia de Vários Autores pela Pallas (2013)
>>> Marketing de Guerra de Al Ries e Jack Trout pela Mcgrawhill (2009)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Dcl (2013)
>>> Eles continuam entre nos de Zibia Gasparetto pela Vida E Consciencia (2008)
>>> Sara Says No! - Confira! de Norman Whitney pela Heinemann (1992)
>>> Comédia Em Pé - o Livro de Vários Autores pela Mirabolantre (2009)
>>> Miss Bronte de Juliet Gael pela Lafonte (2011)
>>> A dama da fé de Ester Bezerra pela Planeta Do Brasil (2016)
>>> O Poder da Esperança de Julián Melgosa pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> Reencarnação de Swami Tilak pela Feeu (1974)
>>> Andarilha de Núbia Feitosa pela Cbje (2011)
>>> Gestação: Tratamento Em Dose Única das Infecções Não Complicadas Das Vias Urinárias de Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A pela Zambon Laboratórios Farmacêuticos S.A (2022)
>>> Crimes Hediondos de Antonio Lopes Monteiro pela Saraiva (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/5/2020
Sobreviver à quarentena
Luís Fernando Amâncio

+ de 2000 Acessos

Todo mundo gostaria que sua vida fosse um filme. Emoção, trilha sonora, reviravoltas empolgantes e, sobretudo, final feliz. Mesmo que não fosse uma obra-prima da sétima arte, uma vida-filme provavelmente seria mais saborosa do que nossa vida real.

Imaginem, nossa rotina editada, só os melhores momentos. Seria muito conveniente. Afinal, vamos combinar, um dia regular conta com momentos inglórios, entediantes e que, enfim, poderiam muito bem ser cortados. - quem quer nos ver indo ao banheiro?, cortando a unha?, lavando a louça?, tendo câimbras matinais?


Flashbacks seriam adequados para resolver discussões: “eu fiz isso!”, “fez nada, fui eu”, “você nem estava lá!”. De repente, surge o flashback e nós descobrimos, com tecnologia de rejuvenescimento ou com o trabalho de atores mais jovens, quem, afinal, fez seja lá o que for. Por outro lado, um flashforward seria formidável para o pessoal mais ansioso.

Em meados de março, quando notícias informavam que a pandemia do coronavírus se instalava no Brasil, a minha sensação era de estar em um filme. Uma produção de baixo orçamento, é verdade, mas de tema apocalíptico. As ruas vazias, o comércio fechado, pessoas de máscara conversando à distância. Parecia filme de ataque zumbi, ou meteoro vindo em direção à Terra. Até trilha sonora surgiu na minha cabeça.



O momento mais dramático foi ir ao supermercado. Pessoas com carrinhos de compra abarrotados com todo tipo de enlatados e macarrão. As prateleiras esvaziadas. Senti como se a qualquer momento alguém pudesse gritar "já chegou o disco voador!" e o terror iria se instalar.

Chamou a minha atenção a dramática ausência de dois itens nos supermercados: papel higiênico e leite. Se a ideia das pessoas de ficar em casa tem essa prioridade, leite e papel higiênico, acredito que muita gente tem intolerância a lactose e não sabe.

Em portais de notícias e redes sociais, relatos de desespero. Mais do que o medo do vírus, percebi que o pânico das pessoas era pensar em ficar em casa, isolados. Como assim, teríamos que sobreviver sem butecos, sem academia, sem pegar ônibus lotado para ir ao trabalho? Há vida sem encontrar com os amigos? Para alguns, vamos falar a verdade, o mais desesperador seria suportar o longo confinamento com suas famílias.


Novamente, minha vida-filme soltou um refrão musical: “you were born to be my baby/ And, baby, I was made to be your man”. Essa foi a sensação que tive em relação ao isolamento social. O que as pessoas viam como pesadelo, um sacrifício, pra mim era a programação de um fim de semana prolongado. Ou, minhas férias regulares quando não tenho dinheiro para viajar. Não era um bicho de sete cabeças para mim.



Foi aí que meu filme de apocalipse mudou o gênero e se tornou película de super herói. Toda uma trajetória de marginalização, de críticas sofridas por ter um estilo de vida antissocial, ocultavam, na verdade, meu poder oculto. Eu fui feito para viver essa quarentena. Talvez eu seja parte da evolução da espécie, uma variação genética que vai dominar o mundo após a metade da população mundial morrer entediada nessa quarentena. Misantropos do mundo, uni-vos – simbolicamente, é claro: o momento agora é nosso.

Hoje, nós somos uma elite. Enquanto a humanidade está em total desespero ao lidar com o isolamento social, zerando o Netflix, fazendo exercícios na sala para liberar endorfina, assistindo lives para se sentir na balada, nós, os antissociais, estamos tranquilos. Salvando o mundo sendo nós mesmos.


Foi a reviravolta da minha vida-filme. Se, por longos anos, eu me achava aberração por estar em casa em um sábado à noite (enquanto as outras pessoas tinham certeza disso), agora, eu dou risadas. Parece que o jogo virou.

Mas como a vida não é cinema, logo superaremos a pandemia e eu retornarei para o meu lugar: o de pessoa introvertida e impopular. Por isso, usarei esse texto como flashback, um registro de que um dia eu fui tendência. Aquele que já vivia em isolamento social antes de ser modinha.

***

Se você chegou até aqui, obrigado. E seguem duas informações. A primeira, menos relevante, é que tenho publicado minicontos no meu Instagram. Pretendo utilizar essa rede social para divulgar textos a partir de agora, além das minhas tradicionais fotos mal batidas. Quem quiser acompanhar, é só acessar o link.


A outra informação é que, apesar deste texto brincar com um assunto sério, é um momento de, mais do que antes, ter empatia com o próximo e buscar atitudes solidárias. A pandemia e seu impacto é coisa séria. Por isso, ao longo do texto, aproveitei para divulgar projetos que atuam em favor daqueles que estão sofrendo com o impacto do coronavírus. Se tiver condições, ajude.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 8/5/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida de Jardel Dias Cavalcanti
02. Projeto Itália ― Parte II de Eduardo Mineo
03. Anauê de Bruno Garschagen


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2020
01. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena - 5/6/2020
03. A desgraça de ser escritor - 31/7/2020
04. O fim dos livros físicos? - 20/11/2020
05. Cabelo, cabeleira - 23/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arquitetura e Engenharia Consultiva no Brasil uma História Em Projetos e Obras
Sindicato da Arquitetura e da Engenharia
Bb
(2013)



Ame e Dê Vexame
Roberto Freire
Guanabara
(1990)



Cuca Fundida
Woody Allen
L&PM
(2006)



Genoma Empresarial
Ernesto Haberkorn; Fernando Cicero
Gente
(2001)



Resgatem o Titanic!
Clive Cussler
Círculo do Livro



De Malas Prontas
Danuza Leão; Filipe Jardim
Companhia das Letras
(2009)



Ensaios
Michel de Montaigne
Abril Cultural
(1972)



Fisiologia da Nutrição - Vol. 2
Rebeca C. de Angelis
Edusp
(1979)



Pense Grande
Multiplic
Multiplic
(1989)



Branco Neve, Vermelho Rússia
Dorota Maslowska
Record
(2007)





busca | avançada
49395 visitas/dia
1,9 milhão/mês