A desgraça de ser escritor | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Sexta-feira, 31/7/2020
A desgraça de ser escritor
Luís Fernando Amâncio

+ de 3000 Acessos

O mundo ficou chato – para ser escritor. No passado já houve algum glamour no ofício. Éramos respeitados, vistos como intelectuais, parte da nata pensante. É verdade que muitos sucumbiam à tuberculose, se perdiam nos insinuantes caminhos da boemia e coisas assim. Mas valia a pena. Havia o respeito.

Isso, entretanto, foi antes da cloroquina. Hoje em dia, intelectuais e cientistas reviram a lixeira do desdém em tempos de mamadeira de piroca. Só que os escritores, na contramão do bom senso, ignoram a realidade. Afinal, são sonhadores por natureza.


Ludibriado com a possibilidade de se tornar um autor consagrado comercialmente, com duas iniciais e sobrenome pomposo, o aspirante a Stephen King sonha em viver dos royalties de seus livros. Ser traduzido para os mais inusitados idiomas. Vender uma adaptação para Hollywood, quem sabe? E viver em uma mansão no sul da França, com um Golden retriever e um veleiro ancorado por ali.

O escritor contemporâneo é, acima de tudo, um iludido. E de tanto sonhar com a glória, vai absolvendo as chibatadas do mundo cão com o sorriso dos abobados. A cabeça nas nuvens, ele não repara que as únicas editoras que respondem ao envio do seu livro genial são as que cobram pela publicação. “Deve ter caído no spam da Cia das Letras”, ele se convence.

Então, o escritor direciona sua estratégia para os concursos literários. “São tantos, em algum terei sucesso”. São mesmo, mas não é bem por aí. Quando sai o resultado, nada do seu nome na lista dos laureados. Só um número: trocentos participantes, sem premiação em dinheiro. “Essas bancas devem ser parciais ou desatentas”, o escritor se defende. Afinal, ele é um grande pensador contemporâneo.

Com o tempo, até aparecem algumas menções honrosas. O escritor se empolga: agora vai. Nada. São tantos os concursos que um prêmio desses lhe dá zero visibilidade. E sem holofote, suas ideias revolucionárias passam despercebidas.

E eis a nova tragédia do escritor contemporâneo: tentar criar seu público leitor. Embebido pelo espírito do tempo, a nova moda é tentar ser a Pugliesi das letras. Aparecer no Instagram, em discussões no Facebook, comentar os assuntos do momento no Twitter. Fotos de gatinhos, tenho percebido, também são uma estratégia recorrente nos jovens escritores almejando ser influencers. A guerra pela visibilidade permite armamento pesado.

É uma batalha inglória. Pois em algum momento, o pobre autor encara sua triste sorte: é tanta oferta de obras geniais que a sua, no fim das contas, só importa para ele mesmo. E, com sorte, para uma meia dúzia de amigos, que no fim das contas, talvez estejam ali só pelas fotos de gatinhos, mesmo. Ele sempre será seu próprio fã número único.

Enfim, ser escritor é uma desgraça, mas a aceitação é uma etapa necessária. Nos resta a diversão e buscar gastar nosso tempo no ofício com dignidade. Acredito que boa parte dos autores que participam da comunidade EntreContos passou por isso. Com origens que remontam ao Orkut, o site promove célebres desafios literários, que colocam os escritores no papel de competidores e jurados. E o exercício de avaliar os colegas com critérios técnicos e ver o seu conto submetido ao rigor dos pares é um aprendizado e tanto. Todo ano, os contos com as melhores avaliações são reunidos na antologia Devaneios Improváveis. O formato dos desafios, bem como a motivação dos participantes de tentar aperfeiçoar sua escrita, fazem essas coletâneas ter um alto nível de qualidade. Participei dessa escola em 2019 e pude colocar um conto meu no sétimo livro, por incrível que pareça. A sétima antologia Devaneios Improváveis está disponível para download neste link.

A leitura vale a pena. E se todo esse meu discurso sobre a tragédia que é escrever literatura não sensibilizou o leitor a nos prestigiar com a leitura da antologia, olha, só me resta ir adotar um gato ali na rua...



Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 31/7/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
03. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
04. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti
05. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2020
01. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena - 5/6/2020
03. A desgraça de ser escritor - 31/7/2020
04. O fim dos livros físicos? - 20/11/2020
05. Cabelo, cabeleira - 23/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Reconciliação
M. Maryan
Empresa
(1942)



Doze Visões de Duas Cidades Maravilhosas Rio/são
Nirlando Beirao e Outros
Formarte
(2003)



Búfalo Estudo e Comportamento
Walter Fonseca
Ícone
(1987)



Kick Boxing o Início de Tudo
Prof. Sergio A. Silva
Blue Star
(2001)



Publicações da Biblioteca Nacional
Xavier Placer Nellie Figueira
Biblioteca Nacional
(1978)



Formaturas Infernais
Meg Cabot - Stephanie Meyer
Record
(2009)



Projeto de Ciência Integrada Vol. I a Terra Em Que Vivemos
Rodolpho Caniato
Papirus
(1987)



Contabilidade Avançada- Textos, Exemplos e Exercícios Resolvidos
Marcelo Cavalcanti Almeida
Atlas
(1997)



Diante do Espelho
Ricky Medeiros
Vida & Consciência



Educação Preventiva Integral Perspectivas
Benedito Roque da Silveira Campos
Argo





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês