Documentado errado | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/6/2003
Documentado errado
Eduardo Carvalho

+ de 5800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Começa assim, na fila do cinema: "Quero dois ingressos para Bowling for Columbine". Vocês não ouviram: digo "Columbine" mesmo, pronunciada em português, com "i" tônico, e não "columbaine", em inglês, como se convencionou chamar por aqui. Esse é o espírito do filme - e do espectador. Só o que resta é torcer para, na sala, o sujeito não sentar ao meu lado.

Mas não adianta. Ele senta. E, durante o filme inteiro, conversa com o amigo, espantado com a ousadia e a perspicácia de Micheal Moore. O que me espanta em Michael Moore, porém, desde o começo, é outra coisa: é o seu completo descaso em se apresentar razoavelmente arrumado. Ele já é gordo e feio. Poderia se vestir melhor. Ou não: porque assim está, convenhamos, muito engraçado. E o conjunto - com os óculos, a barba e o boné - é imprescindível: tudo compõe um estilo. Não fossem as aparências, Michael Moore e o seu filme não agradariam nem o mais ferrenho anti-americano. Sua estratégia publicitária é, na essência, idêntica à da Coca-Cola: Bowling for Columbine é uma estudada seqüência de imagens com a intenção de vender um produto. Só que com uma pequena diferença: Moore não identifica claramente o produto que anuncia. Acaba revelando sua própria desonestidade.

Bowling for Columbine - ou, para quem preferir, Tiros em Columbine - pretende descobrir a origem da fascinação americana por armas de fogo. E encontra diversos motivos: a violenta história americana; a paranóia da classe média; a carnificina dos filmes e jogos; o interesse de grandes empresas; etc. A conclusão de Moore é nebulosa, ou confusa - intencionalmente, talvez. Mas suas acusações são fortes e diretas. Num desenho animado, por exemplo, que Moore encaixa no filme, e atravessa rapidamente a história americana, uma mesma classe de homens brancos é acusada de "roubar homens na África" e, depois, fundar a Ku Klux Klan. Esses mesmos brancos são os que, para Moore, estão hoje trancados em casa e armados até os dentes, para se protegerem de negros e hispânicos. Ora, pois. Ou isso é uma absurda simplificação da história ou uma mentira grotesca. Ninguém razoavelmente educado cai num golpe tão bobo. Moore deveria trabalhar melhor as suas enganações.

O que, na verdade, ele até fez, em outras situações, descritas minuciosamente na Spin Sanity, na Forbes e na The New Republic. A começar pelo título do filme, que sugere que os estudantes de Columbine, antes de atacarem a escola, participaram de uma aula de boliche. Só que eles não jogaram: policiais confirmam que, naquela manhã, eles cabularam a aula. Quando Moore apresenta uma série de dados sobre a política externa norte-americana, diz que, de 2000 para 2001, os Estados Unidos doaram ao Taliban 245 milhões de dólares: mas esse dinheiro não foi diretamente para a organização, senão para programas apoiados pela ONU e por ONG´s que tentavam acabar com a fome no Afeganistão. Numa passagem, no começo do filme, Moore entra num banco, abre uma conta, e sai de lá carregando uma arma: só que a arma que o banco oferece não é entregue naquele lugar. Em outra ocasião, Moore visita uma fábrica que supostamente produz armas de destruição em massa, e insinua uma relação entre a produção de armamentos na cidade e o assassinato cometido por adolescentes. A fábrica visitada por Moore, porém, não produz mísseis nem coisa parecida, mas sim bases para lançamento de satélites de televisão. E por aí vai. Moore procura uma resposta que já sabe qual é - e a divulga para quem sabe o que vai ouvir. Não é preciso, nesse caso, nenhuma preocupação estatística.

Moore se acha muito inteligente. Sugere a um caipira alucinado que os Estados Unidos devessem se proteger de outros países adotando a estratégia de Ghandi, e resistir pacificamente a eventuais ataques estrangeiros ou terroristas. O público se diverte com a ignorância do caipira em relação a Ghandi. Essa é mais uma sutil jogada de Moore: dialogar com seus entrevistados no nível de compreensão de seu espectador. Moore, assim, reafirma a sua inteligência, elogiando implicitamente a cultura do seu público. Existe, entre Moore e o seus fãs, uma bajulação disfarçada e recíproca. Sai todo mundo da sala de cinema se achando muito mais inteligente - simplesmente porque talvez não seja tão idiota quanto o personagem ridicularizado por Michael Moore. Sinceramente - o que isso significa? Provavelmente a mesma coisa que o documentário inteiro: nada.

Não é que Michael Moore tenha escolhido a profissão errada. Na verdade, ele nem poderia ser outra coisa: seu talento publicitário é evidente. Cineasta é, para ele, a profissão ideal. Mas Moore errou na categoria: em vez de se dedicar inutilmente ao documentário, deveria preferir a comédia. E se eleger como principal ator. Moore tem ritmo e criatividade. Desconfio, porém, do motivo de sua insistência: dificilmente ele faria tanto dinheiro se parasse de divulgar sua agenda política.

Do outro lado do mundo

Nelson Freire, no piano

Esta última geração de filmes brasileiros - O Invasor, Cidade de Deus, Carandiru, etc. -, que se aproveitou de avançados recursos técnicos e de incentivos estatais à cultura, conseguiu quase somente "sensibilizar" o espectador recorrendo à pobreza caricaturada e à violência exagerada. É essa uma fórmula garantida de sucesso internacional, e, portanto, nacional também. Porque o espectador brasileiro, quando ignorante assumido, engole enlatados, ou, quando metido a intelectual, procura "alternativos". E só o que se encontra são filminhos repetidos, com uma ou outra fórmula, uma para cada estilo. Extinguindo-se, assim, o prazer da variedade. E a beleza, enfim, de um filme bom. Isso cansa.

É estranho que o espectador brasileiro - saturado, no cotidiano, de pobreza e de violência - agüente mais uma vez o espetáculo da grosseria quando sai de casa para se divertir. A tensão da realidade basta. Não é consumindo feiúras que se aprende a contemplar a beleza. Não se esculpe um espírito entupindo-o com lixo. O cinema brasileiro até pode, e deve, de vez em quando, retratar essa "outra realidade" - que nem é, para os bem informados, uma novidade surpreendente. Mas não pode ficar só nisso. Existe, afinal, digamos assim, outra realidade, e o erro sempre é, no Brasil, o de negar a diversidade - enquanto afirma descobri-la.

Por isso, e por muito mais, que Nelson Freire, o documentário de João Moreira Salles, é - para o brasileiro educado - imperdível. Porque, o que é raro, não nos trata como "burgueses alienados", e não propõe uma lição infantil. É simplesmente entretenimento, de alta categoria, que nos desliga de preocupações cotidianas transpondo-nos, suavemente, para uma atmosfera civilizada. Pode-se chamar de arte. Eu não gosto: é diversão mesmo, ou, se quiser, situa-se, equilibradamente, naquela fina fronteira, onde se encontram o prazer estético e o refinamento intelectual. Nelson Freire não é exclusividade de barbudos ou boiolas, que, saindo não sei de onde, entopem as salas de cinema de São Paulo. Sem ofensas. Mas o documentário de João Moreira Salles pode ser perfeitamente compreendido e apreciado por pessoas normais. Não se sinta excluído.

Eu, pelo menos, não me senti. Porque o próprio Nelson Freire é normal. Normal assim: ele é, incontestavelmente, um talento extraordinário, no piano, mas fuma e bebe, tímido, e assiste a musicais clássicos, na televisão, imune ao deslumbramento que afeta muitos de seus companheiros de profissão. É desarticulado no discurso e desajeitado nos modos, mas, e sempre, silenciosamente simpático. Sua calculada velocidade, no entanto, quando assume o teclado, é impressionante - e contrasta com seu temperamento pacato. Não me lembro quem, certa vez, comentou que nunca havia conversado de forma tão agradável como quando rodeado por músicos. Talvez por isto: porque alguns instrumentistas nem precisam falar. Nelson Freire corta suas frases no meio, de vez em quando. E, no documentário, ninguém sente falta: sua música, no fundo, intervêm - e é o suficiente.

A figura do pianista erudito ainda assusta, no Brasil. Enquanto traficantes são, muitas vezes - e, que eu me lembre, pelo próprio João Moreira Salles -, considerados mais interessantes, como pessoas ou personagens. Pois não são. E não são interessantes porque lhes falta humanidade. Não há como se identificar com personagens vazios. Nelson Freire humaniza Nelson Freire, e, conseqüentemente, a figura do pianista clássico, mesmo sendo ele, em certo sentido, uma exceção. Hector Babenco, em Carandiru, aproveitou os recursos dos contribuintes para mostrar que o Estado - que bancou, em parte, o seu filme -, e, portanto, a Polícia, não vale nada; e que bandidos, assassinos e traficantes também têm coração. É o que o povo, última e curiosamente, gosta de ouvir. Nelson Freire, entretanto, reconhecido no mundo inteiro, continuaria esquecido, aqui, não fosse a iniciativa de João Moreira Salles. É justamente o erudito que, nessa onda toda, quase desapareceu, entre tanto preconceito: e é afastando esse preconceito que Nelson Freire acerta o seu tom.

É verdade que, como documentário, Nelson Freire é pouco informativo, em relação à carreira do pianista, o que, para alguns espectadores, pode ser desagradável, ou decepcionante. Sua estrutura é bagunçada, os depoimentos dispersos, as cenas aleatórias. Pois não é esse necessariamente um problema técnico, senão mesmo um de catalogação. Nelson Freire é considerado um documentário por falta de opção: não pode ser uma aventura, um faroeste, uma comédia-romântica. A atenção com a beleza superou a preocupação documental. Restaram falhas. Mas, enfim, sobrou aquilo que, na confusão urbana que nos rodeia, mais nos falta: o aliviante impacto do que é bonito.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 2/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Qual o melhor narrador de uma história bandida? de Marcelo Spalding
02. Tristes junhos de Marcelo Barbão
03. Cornos e burros de Adriana Baggio


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/6/2003
15h18min
Falou e disse! Abração,
[Leia outros Comentários de Fabio]
11/6/2003
15h29min
Dois ótimos textos, Eduardo. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Claudio]
14/6/2003
13h14min
Preferindo comentar sobre o nosso cinema, tenho que concordar sobre o gosto atual dos cineastas. Só realidade criminosa na telona fere, não só os olhos e ouvidos, mas principalmente - e perigosamente - a alma. Um pouco de beleza e refinamento nos roteiros, não seria nada mal.
[Leia outros Comentários de Danilo Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mistério 1 - Veneno
Alan Scholefield
Abril
(1981)



Dossiê Super Interessante Nº 386 a - Gravidez, o Antes o Durante
Editora Abril
Abril
(2018)



Da Figura do Mestre
Marlene de Souza Dozol
Autores Associados
(2003)



Análise da Estrutura dos Vertebrados
Milton Hildebrand
Atheneu
(1995)



Tdah Inclusão na Escola
Chary A. Alba Castro
Moderna
(2009)



O Livro dos nomes
Regina Obata
Nobel
(1994)



O Dom do Amor
Viviane Claudia Florencio
Panorama
(2002)



As Aventuras do Sr. Pickwick Volume 1 e 2
Charles Dickens
Abril Cultural
(1982)



O Túnel de Pombos
John Le Carré
Record
(2018)



Aprendendo Sobre los Juegos Olímpicos
Roberta Amendola
Santillana
(2014)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês