Documentado errado | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> Leituras Indispensáveis 1 de Aziz Ab'Sáber pela Ateliê (2008)
>>> O Tango da Velha Guarda de Arturo Pérez-reverte pela Record (2013)
>>> O Decimo Inferno e Luna Caliente de Mempo Giardinelli pela Record (2003)
>>> Nefrologia de M. Legrain et Al. pela Masson (1983)
>>> Paraíso de Tatiana Salém Levy pela Foz (2014)
>>> A Chave da casa de Tatiana Salém Levy pela Record (2007)
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/6/2003
Documentado errado
Eduardo Carvalho

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Começa assim, na fila do cinema: "Quero dois ingressos para Bowling for Columbine". Vocês não ouviram: digo "Columbine" mesmo, pronunciada em português, com "i" tônico, e não "columbaine", em inglês, como se convencionou chamar por aqui. Esse é o espírito do filme - e do espectador. Só o que resta é torcer para, na sala, o sujeito não sentar ao meu lado.

Mas não adianta. Ele senta. E, durante o filme inteiro, conversa com o amigo, espantado com a ousadia e a perspicácia de Micheal Moore. O que me espanta em Michael Moore, porém, desde o começo, é outra coisa: é o seu completo descaso em se apresentar razoavelmente arrumado. Ele já é gordo e feio. Poderia se vestir melhor. Ou não: porque assim está, convenhamos, muito engraçado. E o conjunto - com os óculos, a barba e o boné - é imprescindível: tudo compõe um estilo. Não fossem as aparências, Michael Moore e o seu filme não agradariam nem o mais ferrenho anti-americano. Sua estratégia publicitária é, na essência, idêntica à da Coca-Cola: Bowling for Columbine é uma estudada seqüência de imagens com a intenção de vender um produto. Só que com uma pequena diferença: Moore não identifica claramente o produto que anuncia. Acaba revelando sua própria desonestidade.

Bowling for Columbine - ou, para quem preferir, Tiros em Columbine - pretende descobrir a origem da fascinação americana por armas de fogo. E encontra diversos motivos: a violenta história americana; a paranóia da classe média; a carnificina dos filmes e jogos; o interesse de grandes empresas; etc. A conclusão de Moore é nebulosa, ou confusa - intencionalmente, talvez. Mas suas acusações são fortes e diretas. Num desenho animado, por exemplo, que Moore encaixa no filme, e atravessa rapidamente a história americana, uma mesma classe de homens brancos é acusada de "roubar homens na África" e, depois, fundar a Ku Klux Klan. Esses mesmos brancos são os que, para Moore, estão hoje trancados em casa e armados até os dentes, para se protegerem de negros e hispânicos. Ora, pois. Ou isso é uma absurda simplificação da história ou uma mentira grotesca. Ninguém razoavelmente educado cai num golpe tão bobo. Moore deveria trabalhar melhor as suas enganações.

O que, na verdade, ele até fez, em outras situações, descritas minuciosamente na Spin Sanity, na Forbes e na The New Republic. A começar pelo título do filme, que sugere que os estudantes de Columbine, antes de atacarem a escola, participaram de uma aula de boliche. Só que eles não jogaram: policiais confirmam que, naquela manhã, eles cabularam a aula. Quando Moore apresenta uma série de dados sobre a política externa norte-americana, diz que, de 2000 para 2001, os Estados Unidos doaram ao Taliban 245 milhões de dólares: mas esse dinheiro não foi diretamente para a organização, senão para programas apoiados pela ONU e por ONG´s que tentavam acabar com a fome no Afeganistão. Numa passagem, no começo do filme, Moore entra num banco, abre uma conta, e sai de lá carregando uma arma: só que a arma que o banco oferece não é entregue naquele lugar. Em outra ocasião, Moore visita uma fábrica que supostamente produz armas de destruição em massa, e insinua uma relação entre a produção de armamentos na cidade e o assassinato cometido por adolescentes. A fábrica visitada por Moore, porém, não produz mísseis nem coisa parecida, mas sim bases para lançamento de satélites de televisão. E por aí vai. Moore procura uma resposta que já sabe qual é - e a divulga para quem sabe o que vai ouvir. Não é preciso, nesse caso, nenhuma preocupação estatística.

Moore se acha muito inteligente. Sugere a um caipira alucinado que os Estados Unidos devessem se proteger de outros países adotando a estratégia de Ghandi, e resistir pacificamente a eventuais ataques estrangeiros ou terroristas. O público se diverte com a ignorância do caipira em relação a Ghandi. Essa é mais uma sutil jogada de Moore: dialogar com seus entrevistados no nível de compreensão de seu espectador. Moore, assim, reafirma a sua inteligência, elogiando implicitamente a cultura do seu público. Existe, entre Moore e o seus fãs, uma bajulação disfarçada e recíproca. Sai todo mundo da sala de cinema se achando muito mais inteligente - simplesmente porque talvez não seja tão idiota quanto o personagem ridicularizado por Michael Moore. Sinceramente - o que isso significa? Provavelmente a mesma coisa que o documentário inteiro: nada.

Não é que Michael Moore tenha escolhido a profissão errada. Na verdade, ele nem poderia ser outra coisa: seu talento publicitário é evidente. Cineasta é, para ele, a profissão ideal. Mas Moore errou na categoria: em vez de se dedicar inutilmente ao documentário, deveria preferir a comédia. E se eleger como principal ator. Moore tem ritmo e criatividade. Desconfio, porém, do motivo de sua insistência: dificilmente ele faria tanto dinheiro se parasse de divulgar sua agenda política.

Do outro lado do mundo

Nelson Freire, no piano

Esta última geração de filmes brasileiros - O Invasor, Cidade de Deus, Carandiru, etc. -, que se aproveitou de avançados recursos técnicos e de incentivos estatais à cultura, conseguiu quase somente "sensibilizar" o espectador recorrendo à pobreza caricaturada e à violência exagerada. É essa uma fórmula garantida de sucesso internacional, e, portanto, nacional também. Porque o espectador brasileiro, quando ignorante assumido, engole enlatados, ou, quando metido a intelectual, procura "alternativos". E só o que se encontra são filminhos repetidos, com uma ou outra fórmula, uma para cada estilo. Extinguindo-se, assim, o prazer da variedade. E a beleza, enfim, de um filme bom. Isso cansa.

É estranho que o espectador brasileiro - saturado, no cotidiano, de pobreza e de violência - agüente mais uma vez o espetáculo da grosseria quando sai de casa para se divertir. A tensão da realidade basta. Não é consumindo feiúras que se aprende a contemplar a beleza. Não se esculpe um espírito entupindo-o com lixo. O cinema brasileiro até pode, e deve, de vez em quando, retratar essa "outra realidade" - que nem é, para os bem informados, uma novidade surpreendente. Mas não pode ficar só nisso. Existe, afinal, digamos assim, outra realidade, e o erro sempre é, no Brasil, o de negar a diversidade - enquanto afirma descobri-la.

Por isso, e por muito mais, que Nelson Freire, o documentário de João Moreira Salles, é - para o brasileiro educado - imperdível. Porque, o que é raro, não nos trata como "burgueses alienados", e não propõe uma lição infantil. É simplesmente entretenimento, de alta categoria, que nos desliga de preocupações cotidianas transpondo-nos, suavemente, para uma atmosfera civilizada. Pode-se chamar de arte. Eu não gosto: é diversão mesmo, ou, se quiser, situa-se, equilibradamente, naquela fina fronteira, onde se encontram o prazer estético e o refinamento intelectual. Nelson Freire não é exclusividade de barbudos ou boiolas, que, saindo não sei de onde, entopem as salas de cinema de São Paulo. Sem ofensas. Mas o documentário de João Moreira Salles pode ser perfeitamente compreendido e apreciado por pessoas normais. Não se sinta excluído.

Eu, pelo menos, não me senti. Porque o próprio Nelson Freire é normal. Normal assim: ele é, incontestavelmente, um talento extraordinário, no piano, mas fuma e bebe, tímido, e assiste a musicais clássicos, na televisão, imune ao deslumbramento que afeta muitos de seus companheiros de profissão. É desarticulado no discurso e desajeitado nos modos, mas, e sempre, silenciosamente simpático. Sua calculada velocidade, no entanto, quando assume o teclado, é impressionante - e contrasta com seu temperamento pacato. Não me lembro quem, certa vez, comentou que nunca havia conversado de forma tão agradável como quando rodeado por músicos. Talvez por isto: porque alguns instrumentistas nem precisam falar. Nelson Freire corta suas frases no meio, de vez em quando. E, no documentário, ninguém sente falta: sua música, no fundo, intervêm - e é o suficiente.

A figura do pianista erudito ainda assusta, no Brasil. Enquanto traficantes são, muitas vezes - e, que eu me lembre, pelo próprio João Moreira Salles -, considerados mais interessantes, como pessoas ou personagens. Pois não são. E não são interessantes porque lhes falta humanidade. Não há como se identificar com personagens vazios. Nelson Freire humaniza Nelson Freire, e, conseqüentemente, a figura do pianista clássico, mesmo sendo ele, em certo sentido, uma exceção. Hector Babenco, em Carandiru, aproveitou os recursos dos contribuintes para mostrar que o Estado - que bancou, em parte, o seu filme -, e, portanto, a Polícia, não vale nada; e que bandidos, assassinos e traficantes também têm coração. É o que o povo, última e curiosamente, gosta de ouvir. Nelson Freire, entretanto, reconhecido no mundo inteiro, continuaria esquecido, aqui, não fosse a iniciativa de João Moreira Salles. É justamente o erudito que, nessa onda toda, quase desapareceu, entre tanto preconceito: e é afastando esse preconceito que Nelson Freire acerta o seu tom.

É verdade que, como documentário, Nelson Freire é pouco informativo, em relação à carreira do pianista, o que, para alguns espectadores, pode ser desagradável, ou decepcionante. Sua estrutura é bagunçada, os depoimentos dispersos, as cenas aleatórias. Pois não é esse necessariamente um problema técnico, senão mesmo um de catalogação. Nelson Freire é considerado um documentário por falta de opção: não pode ser uma aventura, um faroeste, uma comédia-romântica. A atenção com a beleza superou a preocupação documental. Restaram falhas. Mas, enfim, sobrou aquilo que, na confusão urbana que nos rodeia, mais nos falta: o aliviante impacto do que é bonito.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 2/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bit, o papel e você no meio de Ram Rajagopal
02. Os livros que eu ganhei de Ana Elisa Ribeiro
03. Confissões de uma ex-podcaster de Tais Laporta
04. Chomsky ontem e hoje de Ram Rajagopal
05. Filmes maduros e filmes imaturos de Marcelo Miranda


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/6/2003
15h18min
Falou e disse! Abração,
[Leia outros Comentários de Fabio]
11/6/2003
15h29min
Dois ótimos textos, Eduardo. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Claudio]
14/6/2003
13h14min
Preferindo comentar sobre o nosso cinema, tenho que concordar sobre o gosto atual dos cineastas. Só realidade criminosa na telona fere, não só os olhos e ouvidos, mas principalmente - e perigosamente - a alma. Um pouco de beleza e refinamento nos roteiros, não seria nada mal.
[Leia outros Comentários de Danilo Amaral]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERCLASSE: A ELITE QUE INFLUENCIA A VIDA DE MILHÕES DE PESSOAS AO...
DAVID ROTHKOPF
AGIR (RJ)
(2008)
R$ 19,28



HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO OCIDENTAL - GERAL E BRASIL - INTEGRADA
ANTONIO PEDRO
FTD
(1997)
R$ 8,00



O GUIA DO MOCHILERO DAS GALÁXIAS (VOLUME UM DA SÉRIE O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS)
DOUGLAS ADAMS
SEXTANTE
(2009)
R$ 21,00



ZONEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE A DESLIZAMENTO
CELSO HENRIQUE LEITE SILVA JUNIOR
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CONTROVÉRSIAS EM DIREITO E PROCESSO DO TRABALHO
DAMIR VRCIBRADIC
RENOVAR (RJ)
(1996)
R$ 28,82



TOULOUSE-LAUTREC
RICHARD SHONE
THAMES AND HUDSON LONDON
(1977)
R$ 15,00



USABILIDADE NA WEB
ÍTALO JOSÉ B. GUIMARÃES UND JORGE DE O. GOMES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



DESENVOLVIMENTO DE LINHA DE ADUBAÇÃO PARA SEMEADORAS-ADUBADORAS
EDSON LAMBRECHT, ÂNGELO V. DOS REIS UND MAURO F. FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



AÇÕES DE SAÚDE EM ÁREAS IMPACTADAS PÓS DESASTRES AMBIENTAIS:
DANIELLE PERDIGÃO OLIVEIRA E RIBEIRO UND LÍCIA MARIA O PINHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



REVISTA DISCUTINDO LÍNGUA PORTUGUESA Nº 6
AUTORES DIVERSOS
ESCALA EDUCACIONAL
R$ 6,89





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês