Abismos literários | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS

Terça-feira, 15/3/2005
Abismos literários
Luis Eduardo Matta
+ de 5000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Venho acompanhando com atenção o que se passa no mercado editorial brasileiro desde 1992, quando escrevi meu primeiro romance, Conexão Beirute-Teeran, publicado no ano seguinte. É uma seara muito interessante, repleta de contradições, controvérsias e muitos mistérios. Freqüentemente consulto os arquivos que formei durante todos esses anos, releio relatórios, entrevistas, artigos e resenhas; confronto os diferentes pontos de vista de autores, críticos, articulistas, agentes e editores, procuro desvendar as idéias e anseios que se escondem por trás de cada novo lançamento, de cada novo projeto literário. A Literatura como um mercado firme, como uma força cultural poderosa, de alcance longo e abrangente, é algo ainda para ser construído num país que precisa vencer sérios obstáculos educacionais, onde a maioria do povo é iletrada ou semiletrada e onde a qualidade de ensino nas escolas públicas, em geral, é sofrível. A produção de livros no Brasil é direcionada a uma minoria de 15% da população. São pequenas porções de um vasto contingente de pessoas, distribuídas, sobretudo, pelas cidades maiores, contempladas por livrarias, bibliotecas e eventos como as bienais e os salões do livro.

Ao escarafunchar esses meus arquivos de Literatura, tenho quase sempre a sensação de penetrar num mundo à parte, num mundo desvinculado da realidade do país. São textos que se debruçam sobre o último lançamento daquele escritor extraordinário, fazem defesas apaixonadas de um tipo de escrita ideal, promovem debates sobre a estética na Literatura, comparam os poetas e contistas desta e daquela geração, criticam, por vezes de maneira enfurecida, um determinado autor, como se ele fosse a própria encarnação do diabo e por aí vai. Aqui mesmo no Digestivo Cultural não faltam textos assim; esse artigo, inclusive, é um exemplo. Ao nos acostumarmos a falar de Literatura quase sempre teorizando sobre ela, nos esquecemos do mais fundamental, o seu aspecto prático. A Literatura não existe - ou ao menos não está completa - sem a leitura.

Adquiri essa noção muito cedo, ainda em 1992, e, paralelamente à formação e consulta dos meus arquivos, desenvolvi um outro hábito: o de conversar com leitores e compradores de livros, coisa que venho fazendo regularmente há bastante tempo. O aprendizado decorrente dessa experiência é inestimável, pois permite descobrir, nas ruas, o que as pessoas lêem habitualmente e com que freqüência. Em geral, alijada das páginas das publicações e suplementos literários e de cultura, é essa gente que sustenta o mercado editorial e livreiro. E acho importantíssimo, senão fundamental, conhecer as suas preferências quando o assunto é livro, para se ter uma idéia do tipo de público ao qual escritores e editores estão se dirigindo e, sobretudo, para se traçar um painel verdadeiro e objetivo sobre as razões pelas quais o mercado editorial é o que é.

Desde 1997, freqüento uma locadora de livros, localizada no coração de Ipanema. É uma espécie de biblioteca paga, um lugar alegre e acolhedor, um pequeno reduto de leitores, onde se respira Literatura. Como tenho comprado muitos livros e recebido outros tantos de presente, já faz algum tempo que não alugo nenhum; mesmo assim, todas as semanas faço uma visita à locadora para conversar e tomar um cafezinho. São sempre momentos muito agradáveis, onde aproveito para trocar idéias com as proprietárias e os demais associados, pessoas inteligentes e de todas as idades que, em sua maioria, lêem muito; algumas chegam a levar seis, oito, até dez livros por semana. Eu me arriscaria a dizer que elas constituem um microcosmo bastante representativo do universo de leitores brasileiros. Elas gostam do que a maioria gosta, lêem o que a maioria lê e buscam nos livros o que a maioria busca. Conversando com elas, têm-se uma amostra real e desmistificada de quem são os leitores brasileiros.

Uma das primeiras constatações que saltam aos olhos é o acentuado desprezo dispensado à Literatura nacional, a despeito da fartura de títulos distribuídos por estantes que tomam quase uma ala inteira da loja. Os escritores brasileiros são vistos como complicados, herméticos, demasiado auto-referentes, chatos, de prosa arrastada e enfadonha. Poucas são as vezes em que um cliente da locadora decide levar para casa o livro de um autor nacional; quando muito escolhe uma biografia, como a de Nelson Rodrigues, escrita por Ruy Castro ou um livro policial como os de Luiz Alfredo Garcia-Roza (que costuma ser elogiado pela ambientação das suas histórias e criticado pela construção da narrativa, considerada, pela maioria, fraca e previsível). Paulo Coelho quase não é procurado. Os livros de auto-ajuda, menos ainda. O conto, uma tradição na Literatura brasileira, é solenemente rejeitado, evidenciando sua alta impopularidade entre os leitores em geral. A razão principal talvez resida na proposta dos livros de contos que, a juízo de muita gente, são uma caixa de surpresas e padecem da falta de uma "cara" que os defina com clareza; seriam como vários pequenos livros reunidos num só volume, o que passa, muitas vezes, a falsa impressão de um saco de gatos feito sem qualquer critério, assinado por um autor preguiçoso, que não possui fôlego e talento para planejar e redigir um bom romance.

Por outro lado, os romances estrangeiros contemporâneos, sobretudo os de entretenimento - policiais, de suspense, de amor, de terror, de tribunais, as grandes sagas históricas - saem como água e são objeto de ardorosos comentários e discussões no balcão da locadora. Os autores de língua inglesa são os mais procurados, mas há também quem aprecie os italianos, como Andrea Camilleri e os latino-americanos, como Isabel Allende. Há títulos estrangeiros que contam, na locadora, com quase dez exemplares à disposição dos clientes, tamanha é a sua procura. O romance estrangeiro desperta nos leitores uma grande paixão e isso tem uma explicação bastante simples: a maioria das pessoas que lê livros, o faz em busca de momentos de lazer, e não de aprendizado, reflexão ou crescimento interior. Poderiam estar assistindo a filmes ou telenovelas, ouvindo o rádio ou um CD, ou mesmo navegando pela internet, mas preferem ler livros. Para horror dos intelectuais e da crítica acadêmica, esse é o leitor predominante, não só no Brasil, mas em todo o mundo ocidental. Pessoas comuns que desenvolveram o gosto pela leitura com naturalidade e olham para o livro sem qualquer vestígio de cerimônia ou reverência, como outros olham para um CD ou para um DVD.

Confrontando as centenas de textos contidos nos meus arquivos, assinados por puristas, defensores intransigentes da "Grande Literatura", com os depoimentos colhidos diretamente dos leitores, percebo que existem grandes abismos dentro do universo literário, que separam dois hemisférios distintos: o hemisfério ideal, do que seria o melhor e mais elevado em termos de Literatura e leitura; e o hemisfério real, do que ocorre de fato na relação entre livros e leitores. Às vezes tenho a impressão de que esses dois mundos, se não se desconhecem por completo, fingem se desconhecer. Há uma incompreensão mútua, que acaba produzindo equívocos, como a acusação recorrente de que o mercado é o grande inimigo do livro enquanto bem cultural. Ora, o mercado não é uma entidade sobrenatural, pérfida e imperialista, imbuída da missão de destruir a cultura e, sim, o conjunto dos consumidores de livros. Acusar cegamente o mercado é desqualificar sistematicamente um universo de pessoas que têm pleno direito de decidir que livro preferem comprar para ler ou dar de presente. Se os clássicos, se as obras dos maiores poetas e prosadores de todos os tempos não habitam os corações da maioria dessas pessoas, paciência. A curto prazo, há pouco o que ser feito para reverter esse quadro. De nada adiantarão protestos revoltados, medidas oficiais de incentivo, campanhas setoriais, aumento de tiragens, melhor distribuição e mais divulgação se os leitores simplesmente não se interessam por determinado tipo de livro. É claro que a "Grande Literatura" continuará a ser publicada. Seria um crime se ela fosse, de uma hora para outra, sumariamente riscada dos catálogos das editoras por questões mercadológicas e nem é isso o que está sendo debatido. No entanto, é preciso reduzir esses abismos entre os que pensam e os que consomem Literatura, até para que possam ser traçadas estratégias novas, realistas e eficazes de incremento da leitura no Brasil. É uma dica, sobretudo, para os aspirantes a escritor e editor, que, muitas vezes, ingressam no meio sem a menor noção do terreno em que estão pisando.

Costumo dizer que o problema da escassez de leitura no Brasil não se resolverá enquanto a forma como os livros entram em contato com os alunos nas escolas não for radicalmente modificada, transformando o ensino de Literatura, hoje maçante e burocrático, em algo prazeroso e atraente, que aproxime os jovens dos livros. Inclusive, tenho um artigo, publicado aqui no Digestivo Cultural, inteiramente dedicado a este tema. Entretanto, duvido muito que isso se concretize sem que os nossos abismos literários sejam reduzidos. Somente com menos utopia e mais pragmatismo conseguiremos superar esse desafio histórico e democratizar, de fato, o hábito de ler, tornando-o, para a maioria, um ato tão prosaico quanto ligar a televisão para assistir à novela das oito.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 15/3/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. Livrarias de Ricardo de Mattos
04. Educando as velhas gerações de Carla Ceres
05. Teoria dos jogos perdidos de Vicente Escudero


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/3/2005
14h17min
LEM, voce ja pensou em dar um curso de literatura no segundo grau seguindo essa otima ideia? Concordo com voce que seria bem melhor do que a maioria dos cursos "me engana que eu gosto" que eu fiz: finge-se que o aluno se interessa em ler os livros indicados, e finge-se que o professor entende e explica as ideias por tras dos mesmos.
[Leia outros Comentários de Ram]
15/3/2005
14h57min
Ao ler o texto veio-me à lembrança os personagens de Alfred Musset: Dupuis e Cotonet que procuraram um sábio "que se gabava de conhecer literatura", para definir o que é romantismo. Listas de jornais e páginas de livrarias relacionam os livros mais vendidos. Será que é preciso ir a uma locadora de livros num bairro de classe média da cidade do Rio de Janeiro para se saber o que lêem os ipanemenses e daí concluir que tipo de literatura o brasileiro médio consome? Cito Elias Thomé Saliba - "quais os padrões mínimos de verdade num mundo onde os limites entre o possível e o impossível foram decisivamente abalados?" Por instantes deixei o século XXI e fui conduzido pela palavra "utopia" à França de 1836 - 1841, período da "construção das utopias"...
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
19/3/2005
08h50min
Estimado Lem, concordo plenamente com o que você escreveu. Aliás, tenho uma teoria bem clara a esse respeito. Acredito que há no Brasil e no mundo um grande número de leitores que se delicia com romances do tipo Ulisses de James Joyce ou Grande Sertão Veredas de Guimarães Rosa. Os dois romances citados, bem como os que seguem a linha da Grande Literatura, são romances para se ler sentado, com a atenção bem atilada, pois se perdermos uma palavra o sentido da obra se esfacela. Se pegarmos os últimos grandes sucessos de vendas no mundo, vamos nos deparar com Harry Potter e O Código Da Vinci. São livros que foram adaptados para o cinema depois de venderem muitos milhares de exemplares por todo o mundo, inclusive o Brasil. Tanto a série Harry Potter como o Código são livros para se ler na cama, antes de dormir ou a qualquer hora, pois a trama é tão boa, a linguagem tão acessível que não se perde o fio da meada.
[Leia outros Comentários de vera carvalho]
16/8/2006
08h04min
LEM, pena que poucos "intelectuais" pensem dessa forma. Bjs.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor e Orgasmo
Alexander Lowen
Summus
(1988)



Deuses Desterrados
J. J. Van Der Leeuw
Enciclopédica Internacional
(1936)



A Revolução Mexicana
Héctor Alimonda
Atica
(1995)



Grande Sertão: Veredas
João Guimarães Rosa
Nova Fronteira
(2010)



Vencendo Limites 344
Marcelo Bulk
Brahma Kumaris
(2008)



Livro Religião O Amor Venceu
Zibia Gasparetto
Vida



Livro Literatura Estrangeira Noites de Tormenta
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2008)



Globalização, Democracia e Ordem Internacional: Ensaios Sobre Teo
Sebastião C. Velasco e Cruz
Unesp
(2004)



De Mão em Mão
Guto Lins
Ftd
(2012)



100 Jogos Cooperativos
Christine Fortin
Ground
(2011)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês