Abismos literários | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> The Jungle Book de Walt Disney pela Ladybird Books Limit (1996)
>>> Vibrações de Harmonia e Prosperidade de Antônio Carlos Rocha pela Pallas
>>> The Berenstain Bear Scouts and the Terrible Talking Termite de Stan & Jan Berenstain pela Scholastic Books (1996)
>>> Carassotaque de Alfredo Aquino pela Iluminuras (2008)
>>> Prevenção dos Problemas de Aprendizagem no Pré-escolar de Eny Léa Gass pela Enelivros (1994)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espíto Santo Neto - Espírirto Hammed pela Boa Nova (1997)
>>> Pelos Caminhos da Verdade de Márcio Fiorillo pelo Espírito Madalena pela Lúmen Editorial (2010)
>>> Os Grandes Líderes - Fidel Castro de John J. Vail pela Nova Cultural (1987)
>>> Playboy n60 Angelina Muniz - julho 1980 de Civita pela Abril (1980)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Olhar Acima do Horizonte de Luiz Alberto Py pela Rocco (2002)
>>> Psicanálises de Ontem e de Hoje - o Poder da Mente Humana 2 de Henri Gratton pela Loyola
>>> A Aparição de José Mauro Silva Dias pela Faer
>>> Nove Meses na Vida de uma Solteirona de Judith Rossner pela Record (1969)
>>> Homens Duas Sátiras e uma Fábula de Marilia Pacheco Fiorillo pela Arx (2004)
>>> Matemática 1 - Versão Beta de Edwaldo Bianchini e Herval Paccola pela Moderna (1995)
>>> Minha História : um Diário para Encontrar Sua Voz de Michelle Obama pela Objetiva (2019)
>>> Assis Brasil - um Diplomata da República Volume I de Alvaro da Costa Franco (org.) pela Fundação Alexandre Gusmão (2006)
>>> Fundamentos Socioantropologicos da Educação de Alexandre Vieira pela Fael (2013)
>>> Revista Guitar Player Janeiro de 2010 de N/d pela Melody
>>> Problemas Penais Concretos de Miguel Reale Júnior pela Malheiros (1997)
>>> Presentes da Natureza de Dione Mendes de Melo pela Do Autor (1998)
>>> Mães Confiantes, Filhos Realizados de Catherine Hickem pela Thomas Nelson Brasil (2010)
>>> Contabilidade para Concursos de Airto Ferronato pela Sagra (1989)
>>> Nações do Mundo - Israel de Vários Autores pela Cidade Cultural (1987)
COLUNAS

Terça-feira, 15/3/2005
Abismos literários
Luis Eduardo Matta

+ de 4100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Venho acompanhando com atenção o que se passa no mercado editorial brasileiro desde 1992, quando escrevi meu primeiro romance, Conexão Beirute-Teeran, publicado no ano seguinte. É uma seara muito interessante, repleta de contradições, controvérsias e muitos mistérios. Freqüentemente consulto os arquivos que formei durante todos esses anos, releio relatórios, entrevistas, artigos e resenhas; confronto os diferentes pontos de vista de autores, críticos, articulistas, agentes e editores, procuro desvendar as idéias e anseios que se escondem por trás de cada novo lançamento, de cada novo projeto literário. A Literatura como um mercado firme, como uma força cultural poderosa, de alcance longo e abrangente, é algo ainda para ser construído num país que precisa vencer sérios obstáculos educacionais, onde a maioria do povo é iletrada ou semiletrada e onde a qualidade de ensino nas escolas públicas, em geral, é sofrível. A produção de livros no Brasil é direcionada a uma minoria de 15% da população. São pequenas porções de um vasto contingente de pessoas, distribuídas, sobretudo, pelas cidades maiores, contempladas por livrarias, bibliotecas e eventos como as bienais e os salões do livro.

Ao escarafunchar esses meus arquivos de Literatura, tenho quase sempre a sensação de penetrar num mundo à parte, num mundo desvinculado da realidade do país. São textos que se debruçam sobre o último lançamento daquele escritor extraordinário, fazem defesas apaixonadas de um tipo de escrita ideal, promovem debates sobre a estética na Literatura, comparam os poetas e contistas desta e daquela geração, criticam, por vezes de maneira enfurecida, um determinado autor, como se ele fosse a própria encarnação do diabo e por aí vai. Aqui mesmo no Digestivo Cultural não faltam textos assim; esse artigo, inclusive, é um exemplo. Ao nos acostumarmos a falar de Literatura quase sempre teorizando sobre ela, nos esquecemos do mais fundamental, o seu aspecto prático. A Literatura não existe - ou ao menos não está completa - sem a leitura.

Adquiri essa noção muito cedo, ainda em 1992, e, paralelamente à formação e consulta dos meus arquivos, desenvolvi um outro hábito: o de conversar com leitores e compradores de livros, coisa que venho fazendo regularmente há bastante tempo. O aprendizado decorrente dessa experiência é inestimável, pois permite descobrir, nas ruas, o que as pessoas lêem habitualmente e com que freqüência. Em geral, alijada das páginas das publicações e suplementos literários e de cultura, é essa gente que sustenta o mercado editorial e livreiro. E acho importantíssimo, senão fundamental, conhecer as suas preferências quando o assunto é livro, para se ter uma idéia do tipo de público ao qual escritores e editores estão se dirigindo e, sobretudo, para se traçar um painel verdadeiro e objetivo sobre as razões pelas quais o mercado editorial é o que é.

Desde 1997, freqüento uma locadora de livros, localizada no coração de Ipanema. É uma espécie de biblioteca paga, um lugar alegre e acolhedor, um pequeno reduto de leitores, onde se respira Literatura. Como tenho comprado muitos livros e recebido outros tantos de presente, já faz algum tempo que não alugo nenhum; mesmo assim, todas as semanas faço uma visita à locadora para conversar e tomar um cafezinho. São sempre momentos muito agradáveis, onde aproveito para trocar idéias com as proprietárias e os demais associados, pessoas inteligentes e de todas as idades que, em sua maioria, lêem muito; algumas chegam a levar seis, oito, até dez livros por semana. Eu me arriscaria a dizer que elas constituem um microcosmo bastante representativo do universo de leitores brasileiros. Elas gostam do que a maioria gosta, lêem o que a maioria lê e buscam nos livros o que a maioria busca. Conversando com elas, têm-se uma amostra real e desmistificada de quem são os leitores brasileiros.

Uma das primeiras constatações que saltam aos olhos é o acentuado desprezo dispensado à Literatura nacional, a despeito da fartura de títulos distribuídos por estantes que tomam quase uma ala inteira da loja. Os escritores brasileiros são vistos como complicados, herméticos, demasiado auto-referentes, chatos, de prosa arrastada e enfadonha. Poucas são as vezes em que um cliente da locadora decide levar para casa o livro de um autor nacional; quando muito escolhe uma biografia, como a de Nelson Rodrigues, escrita por Ruy Castro ou um livro policial como os de Luiz Alfredo Garcia-Roza (que costuma ser elogiado pela ambientação das suas histórias e criticado pela construção da narrativa, considerada, pela maioria, fraca e previsível). Paulo Coelho quase não é procurado. Os livros de auto-ajuda, menos ainda. O conto, uma tradição na Literatura brasileira, é solenemente rejeitado, evidenciando sua alta impopularidade entre os leitores em geral. A razão principal talvez resida na proposta dos livros de contos que, a juízo de muita gente, são uma caixa de surpresas e padecem da falta de uma "cara" que os defina com clareza; seriam como vários pequenos livros reunidos num só volume, o que passa, muitas vezes, a falsa impressão de um saco de gatos feito sem qualquer critério, assinado por um autor preguiçoso, que não possui fôlego e talento para planejar e redigir um bom romance.

Por outro lado, os romances estrangeiros contemporâneos, sobretudo os de entretenimento - policiais, de suspense, de amor, de terror, de tribunais, as grandes sagas históricas - saem como água e são objeto de ardorosos comentários e discussões no balcão da locadora. Os autores de língua inglesa são os mais procurados, mas há também quem aprecie os italianos, como Andrea Camilleri e os latino-americanos, como Isabel Allende. Há títulos estrangeiros que contam, na locadora, com quase dez exemplares à disposição dos clientes, tamanha é a sua procura. O romance estrangeiro desperta nos leitores uma grande paixão e isso tem uma explicação bastante simples: a maioria das pessoas que lê livros, o faz em busca de momentos de lazer, e não de aprendizado, reflexão ou crescimento interior. Poderiam estar assistindo a filmes ou telenovelas, ouvindo o rádio ou um CD, ou mesmo navegando pela internet, mas preferem ler livros. Para horror dos intelectuais e da crítica acadêmica, esse é o leitor predominante, não só no Brasil, mas em todo o mundo ocidental. Pessoas comuns que desenvolveram o gosto pela leitura com naturalidade e olham para o livro sem qualquer vestígio de cerimônia ou reverência, como outros olham para um CD ou para um DVD.

Confrontando as centenas de textos contidos nos meus arquivos, assinados por puristas, defensores intransigentes da "Grande Literatura", com os depoimentos colhidos diretamente dos leitores, percebo que existem grandes abismos dentro do universo literário, que separam dois hemisférios distintos: o hemisfério ideal, do que seria o melhor e mais elevado em termos de Literatura e leitura; e o hemisfério real, do que ocorre de fato na relação entre livros e leitores. Às vezes tenho a impressão de que esses dois mundos, se não se desconhecem por completo, fingem se desconhecer. Há uma incompreensão mútua, que acaba produzindo equívocos, como a acusação recorrente de que o mercado é o grande inimigo do livro enquanto bem cultural. Ora, o mercado não é uma entidade sobrenatural, pérfida e imperialista, imbuída da missão de destruir a cultura e, sim, o conjunto dos consumidores de livros. Acusar cegamente o mercado é desqualificar sistematicamente um universo de pessoas que têm pleno direito de decidir que livro preferem comprar para ler ou dar de presente. Se os clássicos, se as obras dos maiores poetas e prosadores de todos os tempos não habitam os corações da maioria dessas pessoas, paciência. A curto prazo, há pouco o que ser feito para reverter esse quadro. De nada adiantarão protestos revoltados, medidas oficiais de incentivo, campanhas setoriais, aumento de tiragens, melhor distribuição e mais divulgação se os leitores simplesmente não se interessam por determinado tipo de livro. É claro que a "Grande Literatura" continuará a ser publicada. Seria um crime se ela fosse, de uma hora para outra, sumariamente riscada dos catálogos das editoras por questões mercadológicas e nem é isso o que está sendo debatido. No entanto, é preciso reduzir esses abismos entre os que pensam e os que consomem Literatura, até para que possam ser traçadas estratégias novas, realistas e eficazes de incremento da leitura no Brasil. É uma dica, sobretudo, para os aspirantes a escritor e editor, que, muitas vezes, ingressam no meio sem a menor noção do terreno em que estão pisando.

Costumo dizer que o problema da escassez de leitura no Brasil não se resolverá enquanto a forma como os livros entram em contato com os alunos nas escolas não for radicalmente modificada, transformando o ensino de Literatura, hoje maçante e burocrático, em algo prazeroso e atraente, que aproxime os jovens dos livros. Inclusive, tenho um artigo, publicado aqui no Digestivo Cultural, inteiramente dedicado a este tema. Entretanto, duvido muito que isso se concretize sem que os nossos abismos literários sejam reduzidos. Somente com menos utopia e mais pragmatismo conseguiremos superar esse desafio histórico e democratizar, de fato, o hábito de ler, tornando-o, para a maioria, um ato tão prosaico quanto ligar a televisão para assistir à novela das oito.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 15/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
02. A poeira do outros e o sabor da realidade de Fred Linardi
03. Superficiais de Guilherme Pontes Coelho
04. Quinze anos conversando com os leitores de Luis Eduardo Matta
05. Pastelão literário na terra do Nobel de Tais Laporta


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/3/2005
14h17min
LEM, voce ja pensou em dar um curso de literatura no segundo grau seguindo essa otima ideia? Concordo com voce que seria bem melhor do que a maioria dos cursos "me engana que eu gosto" que eu fiz: finge-se que o aluno se interessa em ler os livros indicados, e finge-se que o professor entende e explica as ideias por tras dos mesmos.
[Leia outros Comentários de Ram]
15/3/2005
14h57min
Ao ler o texto veio-me à lembrança os personagens de Alfred Musset: Dupuis e Cotonet que procuraram um sábio "que se gabava de conhecer literatura", para definir o que é romantismo. Listas de jornais e páginas de livrarias relacionam os livros mais vendidos. Será que é preciso ir a uma locadora de livros num bairro de classe média da cidade do Rio de Janeiro para se saber o que lêem os ipanemenses e daí concluir que tipo de literatura o brasileiro médio consome? Cito Elias Thomé Saliba - "quais os padrões mínimos de verdade num mundo onde os limites entre o possível e o impossível foram decisivamente abalados?" Por instantes deixei o século XXI e fui conduzido pela palavra "utopia" à França de 1836 - 1841, período da "construção das utopias"...
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
19/3/2005
08h50min
Estimado Lem, concordo plenamente com o que você escreveu. Aliás, tenho uma teoria bem clara a esse respeito. Acredito que há no Brasil e no mundo um grande número de leitores que se delicia com romances do tipo Ulisses de James Joyce ou Grande Sertão Veredas de Guimarães Rosa. Os dois romances citados, bem como os que seguem a linha da Grande Literatura, são romances para se ler sentado, com a atenção bem atilada, pois se perdermos uma palavra o sentido da obra se esfacela. Se pegarmos os últimos grandes sucessos de vendas no mundo, vamos nos deparar com Harry Potter e O Código Da Vinci. São livros que foram adaptados para o cinema depois de venderem muitos milhares de exemplares por todo o mundo, inclusive o Brasil. Tanto a série Harry Potter como o Código são livros para se ler na cama, antes de dormir ou a qualquer hora, pois a trama é tão boa, a linguagem tão acessível que não se perde o fio da meada.
[Leia outros Comentários de vera carvalho]
16/8/2006
08h04min
LEM, pena que poucos "intelectuais" pensem dessa forma. Bjs.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Melhorando Sua Memória
Janet Fogler
Madras
(2010)



Quando Chega a Hora
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(1999)



Das Pirâmides aos Ciborgs
Gilberto Chaves da Silva
Fraternidade do Amor
(1997)



20 Histórias Escolhidas
Luis Fernando Veríssimo
O Dia
(1998)



Descaso do Acaso
Andréa Perdigão
Europa Livro
(2013)



Nova Perspectiva Sistêmica 44 - Dezembro de 2012 - Ano XXI
Vários Autores
Revista Nps
(2012)



39 Lei 8.112/90 Regimento Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União
José Antônio Severino
Máaxxima
(2003)



Compreender e Transformar o Ensino
J. Gimeno Sacristan
Artmed
(2007)



Cartas a um Jovem Publicitário
Roberto Duailibi
Alta Books
(2017)



Da Ética à Ética - Minhas Dúvidas Sobre a Ciência Econômica
Cristovam Buarque
Ibpex
(2012)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês