O brilho do sangue | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/9/2007
O brilho do sangue
Rafael Rodrigues

+ de 4100 Acessos

Todo homem, ou a maior parte da espécie, deseja ter total controle sobre a própria vida. Mesmo aqueles que crêem em destino e pouco agem, preferindo esperar tudo acontecer sem nenhuma interferência sua. Não agir é também uma ação. Optar por não decidir é, querendo ou não, tomar uma decisão.

É esse tipo de homem que vemos na maioria dos contos de O brilho do sangue (Record, 2006, 144 págs.), estréia de Diter Stein nas prateleiras das livrarias (não se engane com o nome estrangeiro: Diter é brasileiro, descendente de alemães, nasceu em Petrópolis, em 1952). Um livro de contos que, ao contrário do que diz a orelha escrita por José Castello (crítico que respeito e muito admiro, é bom deixar claro), não pode ser lido como um romance. O fato de um personagem, um prédio negro, estar presente em mais de uma história, não faz do livro uma narrativa única. Nem mesmo o fato de um personagem de um conto lembrar ou mesmo ser o protagonista de outro. As histórias são independentes. Juntas, elas não formam uma só história. Portanto, não podem ser lidas como capítulos de um romance, mesmo que não-linear.

Nos contos, os personagens criados por Diter são colocados em situações, no mínimo, absurdas. Esse "absurdo" pode ser chamado de "fantástico". Mas, a rigor, a classificação dos contos não é relevante. O importante é eles serem bons. E são.

São histórias bem escritas, bem desenvolvidas e que se encerram no momento certo. O conto, ao contrário do que dizem alguns, não é um gênero fácil de ser escrito. Nada pode sobrar ou faltar em um conto. Num romance, as faltas e sobras podem ser compensadas e ofuscadas por qualidades outras em trechos maiores da história. Em uma história curta, é difícil esconder as falhas. Elas são mais fáceis de serem notadas, e qualquer pequeno deslize põe um conto a perder. Diter Stein conseguiu encontrar o meio-termo para todas as dez histórias que compõem O brilho do sangue.

"O gráfico", conto que abre o livro, reúne quatro personagens peculiares. Um Homem, que se comunica por "gráficos, tabelas ou uma curva qualquer que achasse adequada. Ouvi-lo e entendê-lo eram coisas para poucos"; uma Mulher sensual, cujos "pensamentos, idéias e certezas eram suas nádegas e peitos"; uma Menina, "de movimentos suaves e lentos"; e um prédio negro, onde os três outros personagens moram. Um dia, se encontram na calçada e olham, ao mesmo tempo, para o prédio. Esse encontro casual muda a vida de todos. Já o prédio, "continua impassível, no mesmo lugar". É um conto original e bem escrito. Arrisco dizer que foi um dos contos mais "estranhos" que já li. Mas de uma "estranheza" elogiável, pois é notável que o autor se preocupou em bem escrevê-lo.

No segunto conto, "A auditoria", temos contato com um jovem empresário que cometera suicídio. Após sua morte, a empresa que dirigia, herança do pai, é alvo de uma auditoria. O auditor responsável, ao investigar as decisões do jovem empresário, percebe que quase todas foram brilhantemente calculadas, a fim de gerar lucro para a empresa. Mas, a partir de determinado momento, decisões estranhas eram tomadas pelo jovem empresário, e precisavam ser esclarecidas. O fim da história pode até ser decifrado ao chegarmos perto do ponto final, mas o impacto que a auditoria tem sobre o auditor é, talvez, a história escondida do conto.

"O grande crash", história bem mais extensa que as outras, nos apresenta a um homem que, certo dia, resolve deixar a esposa, com a esperança de tornar-se padre. "Não gostava da coisa em si, mas via grandes vantagens. Pelo que sabia, padres não tinham família como todo mundo tem." A justificativa para a mudança radical é a de que ele queria tomar sozinho suas próprias decisões, coisa que já não conseguia fazer, após tantos anos com sua mulher decidindo tudo por ambos. Jamais teria forças para se impor. Ele queria ser só, ser dono de si. E é o que acontece, depois de ir a um mosteiro e saber que não existe possibilidade de ele ser padre. Sua nova vida segue tranqüila, exatamente como ele planejara - ele cria uma rotina, que seguia à risca todos os dias, e até uma espécie de Bíblia, que o ajuda nos momentos mais angustiantes. Até o dia em que conhece Lílian, uma prostituta, e novamente ele precisa agir de maneira radical, ou mais uma vez estará perdido, dependente de alguém.

Outro conto longo, "O médio", é o melhor do livro, na minha opinião. Nele, conhecemos "Ox, o médio": "Era uma vez um homem. Não era bonito nem feio, nem alto nem baixo, nem velho nem moço. Era eficiente, era discreto, era silencioso. Era um médio. Cauteloso, estava sempre atento a não deixar dúvidas quanto à sua imagem de pessoa média." A obsessão de Ox em passar despercebido era tão grande, que preocupava-se até em "não se destacar dos outros médios pelo fato de ser tão médio". O maior perigo, para Ox, eram as mulheres. Constantemente se apaixonava por alguma e a conquistava. Se assim continuasse, não conseguiria ser "médio". Afinal, um sedutor pode ser tudo, menos um "médio". Para tal problema, encontrou a seguinte solução: faria com que um colega de trabalho se apaixonasse pelas mulheres que ele quisesse e o ajudaria a conquistá-las. Dessa forma teria seus desejos realizados, através do colega. Ox leva sua obsessão a tal nível que o outro não faz outra coisa a não ser servir de escape para seus desejos carnais. Até o dia em que isso chega ao fim, e a esperança de um recomeço surge para apenas um deles.

O brilho do sangue é um livro diferente, original. Não há inovações de linguagem ou de estrutura (e precisa?). Mas é um livro peculiar em nossa literatura recente. De qualidade literária difícil de ser encontrada, hoje. Sem floreios ou exageros. Um livro corajoso, porque vai até o limite da criatividade, quase chegando ao nonsense. Mas não chega, pois todas as histórias têm algo a dizer. E dizem.

Uma pena que um livro tão bom não chame tanto a atenção dos leitores nas livrarias. A capa, feita pelo próprio autor, poderia ser mais chamativa e mais bem trabalhada. Aproveitando o título e caindo até num clichê, poderia ser uma mancha vermelha e brilhante, sobre um fundo negro ou branco.

Mas nada que ofusque a qualidade de O brilho do sangue, um livro que merece um lugar especial em nossa literatura.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/9/2007


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REPENSANDO O SOCIALISMO
JOSÉ GENOINO (2ª EDIÇÃO)
BRASILIENSE
(1991)
R$ 23,00



MONSEHOR QUIXOTE 4ªED.
GRAHAM GRENE
RECORD
(1982)
R$ 17,00
+ frete grátis



TEORIAS DA PERSONALIDADE
C. S. HALL E G. LINDZEY
E. P. U.
(1973)
R$ 10,00



POESIA-II 1930-1933
ANTONIO QUADROS
IB437
R$ 20,00



POLÍTICAS PÚBLICAS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO 1945-1964
LUIZ EDUARDO SIMÕES DE SOUZA
LCTE
(2011)
R$ 22,28



A SÉTIMA PROFECIA
ORIZA MARTINS PINTO
RAZÃO CULTURAL
(2003)
R$ 7,50



THE LAST PLANTAGENETS
THOMAS B COSTAIN (CAPA DURA)
DOUBLEDAY E COMPANY (NEW YORK)
(1962)
R$ 25,82



RITOS E MISTÉRIOS SECRETOS DO WICCA - O ESTUDO ESOTÉRICO DO WICCA
GILBERTO DE LASCARIZ
MADRAS
(2017)
R$ 84,90



LEITE DERRAMADO
CHICO BUARQUE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 10,00



ENSAIO ESPECULATIVO SOBRE O TESTAMENTO DE UM ASTRÔNOMO
LUIZ C. MARASCO
DO AUTOR
(2012)
R$ 35,90





busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês