O brilho do sangue | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
Mais Recentes
>>> Chamado ás Nações de Shoghi Effendi pela Bahai do Brasil (1979)
>>> Jesus Cristo de Karl Adam pela Vozes (1950)
>>> Mi Filosofia y Mi Religion de Rodolfo Waldo Trine pela Antonio Roch
>>> Análise das Cousas de Paul Gibier pela Federação Espírita Brasileira (1934)
>>> Doctrina del Conocimiento de Franz Hartmann pela Juan Torrents Y Coral
>>> Força Interior de Carlos França pela Círculo do Livro S.A. (1988)
>>> Dizionario di Scienze Occulte e Lessico Ultrafanico de Cesira Corti pela Ceschina (1962)
>>> O Cardial Cerejeira no Brasil de Federação das Associação Portuguesas do Brasil pela Alba (1934)
>>> Apologies des Religions Apologie du Bouddhisme de Carlo Formichi pela Nilsson
>>> Histoire de la Frane Maçonnerie Universelle ( Vol. 03 Somente este) de G. Serbanesco pela S.A.I.E. Moriame (1966)
>>> Histore de la Franc Maconnerie Universelle Volume 2 de G. Serbanesco pela S.A.I.E. Moriame (1964)
>>> Historia de las Creencias ( Em 02 volumes) de Fernando Nicolay pela Anaconda (1946)
>>> Simplicidade e Plenitude de Sarah Ban Breathnach pela Ediouro (2000)
>>> A Sciencia Secreta ( Em 02 volumes) de Henri Durville pela Pensamento (1926)
>>> Il Nuovo Catechismo Olandese de Elle Di Ci pela Torino Leumann (1969)
>>> Magnetismo Pessoal de Heitor Durville pela Pensamento
>>> Orfeo los misterios de Dionysos de Eaduardo Schuré pela Orintalista (1929)
>>> La curacion por la Magia de C.J.S. Thompson pela Ahr (1955)
>>> Biografia de Joaquim Gonçalves Lêdo de Nicola Aslan pela Maçonaria
>>> Christus Manual de historia de las religiones de José Huby pela Angelus (1952)
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/9/2007
O brilho do sangue
Rafael Rodrigues

+ de 3900 Acessos

Todo homem, ou a maior parte da espécie, deseja ter total controle sobre a própria vida. Mesmo aqueles que crêem em destino e pouco agem, preferindo esperar tudo acontecer sem nenhuma interferência sua. Não agir é também uma ação. Optar por não decidir é, querendo ou não, tomar uma decisão.

É esse tipo de homem que vemos na maioria dos contos de O brilho do sangue (Record, 2006, 144 págs.), estréia de Diter Stein nas prateleiras das livrarias (não se engane com o nome estrangeiro: Diter é brasileiro, descendente de alemães, nasceu em Petrópolis, em 1952). Um livro de contos que, ao contrário do que diz a orelha escrita por José Castello (crítico que respeito e muito admiro, é bom deixar claro), não pode ser lido como um romance. O fato de um personagem, um prédio negro, estar presente em mais de uma história, não faz do livro uma narrativa única. Nem mesmo o fato de um personagem de um conto lembrar ou mesmo ser o protagonista de outro. As histórias são independentes. Juntas, elas não formam uma só história. Portanto, não podem ser lidas como capítulos de um romance, mesmo que não-linear.

Nos contos, os personagens criados por Diter são colocados em situações, no mínimo, absurdas. Esse "absurdo" pode ser chamado de "fantástico". Mas, a rigor, a classificação dos contos não é relevante. O importante é eles serem bons. E são.

São histórias bem escritas, bem desenvolvidas e que se encerram no momento certo. O conto, ao contrário do que dizem alguns, não é um gênero fácil de ser escrito. Nada pode sobrar ou faltar em um conto. Num romance, as faltas e sobras podem ser compensadas e ofuscadas por qualidades outras em trechos maiores da história. Em uma história curta, é difícil esconder as falhas. Elas são mais fáceis de serem notadas, e qualquer pequeno deslize põe um conto a perder. Diter Stein conseguiu encontrar o meio-termo para todas as dez histórias que compõem O brilho do sangue.

"O gráfico", conto que abre o livro, reúne quatro personagens peculiares. Um Homem, que se comunica por "gráficos, tabelas ou uma curva qualquer que achasse adequada. Ouvi-lo e entendê-lo eram coisas para poucos"; uma Mulher sensual, cujos "pensamentos, idéias e certezas eram suas nádegas e peitos"; uma Menina, "de movimentos suaves e lentos"; e um prédio negro, onde os três outros personagens moram. Um dia, se encontram na calçada e olham, ao mesmo tempo, para o prédio. Esse encontro casual muda a vida de todos. Já o prédio, "continua impassível, no mesmo lugar". É um conto original e bem escrito. Arrisco dizer que foi um dos contos mais "estranhos" que já li. Mas de uma "estranheza" elogiável, pois é notável que o autor se preocupou em bem escrevê-lo.

No segunto conto, "A auditoria", temos contato com um jovem empresário que cometera suicídio. Após sua morte, a empresa que dirigia, herança do pai, é alvo de uma auditoria. O auditor responsável, ao investigar as decisões do jovem empresário, percebe que quase todas foram brilhantemente calculadas, a fim de gerar lucro para a empresa. Mas, a partir de determinado momento, decisões estranhas eram tomadas pelo jovem empresário, e precisavam ser esclarecidas. O fim da história pode até ser decifrado ao chegarmos perto do ponto final, mas o impacto que a auditoria tem sobre o auditor é, talvez, a história escondida do conto.

"O grande crash", história bem mais extensa que as outras, nos apresenta a um homem que, certo dia, resolve deixar a esposa, com a esperança de tornar-se padre. "Não gostava da coisa em si, mas via grandes vantagens. Pelo que sabia, padres não tinham família como todo mundo tem." A justificativa para a mudança radical é a de que ele queria tomar sozinho suas próprias decisões, coisa que já não conseguia fazer, após tantos anos com sua mulher decidindo tudo por ambos. Jamais teria forças para se impor. Ele queria ser só, ser dono de si. E é o que acontece, depois de ir a um mosteiro e saber que não existe possibilidade de ele ser padre. Sua nova vida segue tranqüila, exatamente como ele planejara - ele cria uma rotina, que seguia à risca todos os dias, e até uma espécie de Bíblia, que o ajuda nos momentos mais angustiantes. Até o dia em que conhece Lílian, uma prostituta, e novamente ele precisa agir de maneira radical, ou mais uma vez estará perdido, dependente de alguém.

Outro conto longo, "O médio", é o melhor do livro, na minha opinião. Nele, conhecemos "Ox, o médio": "Era uma vez um homem. Não era bonito nem feio, nem alto nem baixo, nem velho nem moço. Era eficiente, era discreto, era silencioso. Era um médio. Cauteloso, estava sempre atento a não deixar dúvidas quanto à sua imagem de pessoa média." A obsessão de Ox em passar despercebido era tão grande, que preocupava-se até em "não se destacar dos outros médios pelo fato de ser tão médio". O maior perigo, para Ox, eram as mulheres. Constantemente se apaixonava por alguma e a conquistava. Se assim continuasse, não conseguiria ser "médio". Afinal, um sedutor pode ser tudo, menos um "médio". Para tal problema, encontrou a seguinte solução: faria com que um colega de trabalho se apaixonasse pelas mulheres que ele quisesse e o ajudaria a conquistá-las. Dessa forma teria seus desejos realizados, através do colega. Ox leva sua obsessão a tal nível que o outro não faz outra coisa a não ser servir de escape para seus desejos carnais. Até o dia em que isso chega ao fim, e a esperança de um recomeço surge para apenas um deles.

O brilho do sangue é um livro diferente, original. Não há inovações de linguagem ou de estrutura (e precisa?). Mas é um livro peculiar em nossa literatura recente. De qualidade literária difícil de ser encontrada, hoje. Sem floreios ou exageros. Um livro corajoso, porque vai até o limite da criatividade, quase chegando ao nonsense. Mas não chega, pois todas as histórias têm algo a dizer. E dizem.

Uma pena que um livro tão bom não chame tanto a atenção dos leitores nas livrarias. A capa, feita pelo próprio autor, poderia ser mais chamativa e mais bem trabalhada. Aproveitando o título e caindo até num clichê, poderia ser uma mancha vermelha e brilhante, sobre um fundo negro ou branco.

Mas nada que ofusque a qualidade de O brilho do sangue, um livro que merece um lugar especial em nossa literatura.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/9/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
04. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
04. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEJA INSENSATO: O MODO POUCO CONVENCIONAL DE ALCANÇAR RESULTADOS
PAUL LEMBERG
BEST SELLER
(2009)
R$ 8,28



ANATOMIA DA COMUNICAÇÃO
JAMES J. THOMPSON
BLOCH
(1973)
R$ 14,00



ASAS DO TEMPO: CRÔNICAS E CONTOS - 1ª EDIÇÃO
GLORINHA MOURÃO SANDOVAL (AUTOGRAFADO)
EFUSÃO
(1992)
R$ 14,00



HISTÓRIAS SOBRE ÉTICA PARA GOSTAR DE LER
LA FONTAINE E OUTROS
ÁTICA
(2012)
R$ 14,90



JUST RIGHT - AMERICAN EDITION - INTERMEDIATE - WB W/KEY + A/CD
JEREMY HARMER - WORKBOOK
MARSHALL-CAVENDISH
(2007)
R$ 279,00



ESPUMA FLUTUANTES
CASTRO ALVES
KLICK
R$ 8,50



O ÓDIO COMO POLÍTICA - A REINVENÇÃO DAS DIREITAS NO BRASIL
ESTHER SOLANO GALLEGO (ORG)
BOITEMPO
(2019)
R$ 15,00



OS PENSADORES
HEGEL
NOVA CULTURAL
(1999)
R$ 15,00



O LIVRO DOS AMULETOS
GABRIELA ERBETTA E MICHELLE SEDDIG JORGE
PUBLIFOLHA
(2004)
R$ 8,80



AMANTE INDÓCIL
JANET DAILEY
CIRCULO DO LIVRO
(1980)
R$ 9,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês