O brilho do sangue | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
>>> Performer e dançarina Morgana Apuama apresenta a obra 'Risko'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Outra Praia, de Swami Jr.
>>> Minha formatura
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A extraordinária Nina
>>> Pensamentos & Pedidos
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> Insanidade é perder
Mais Recentes
>>> Curso De Direito Comercial de Saraiva pela Saraiva (2021)
>>> Compreender Sócrates de Vozes pela Vozes (2021)
>>> Conexão Anticâncer de Movimento pela Movimento (2021)
>>> Agilidade na Liderança de Bill Joiner pela Rocco (2009)
>>> A Organização Que Decide - Cinco Passos para Revolucionar de Marcia W. Blenko pela Elsevier (2021)
>>> Saber viver de Lair Ribeiro pela Leitura
>>> Todos os Clientes São Irracionais de William J. Cusick pela Elsevier (2010)
>>> Arquitetura na Formação do Brasil de Briane Eliabeth Panitz Bicca/Paulo R. S. Bicca pela Unesco-Iphan (2008)
>>> Consagração de Árvore da Vida pela Árvore da Vida (2021)
>>> Responsabilidade dos Administradores de S/a de Alexandre Couto Silva pela Elsevier (2007)
>>> Sucesso: quem vence sem riscos triunfa sem glória de Augusto Cury pela Sextante (2017)
>>> A Sutil Arte de Ligar o F*da-se de Mark Manson pela Intrínseca (2017)
>>> Por Uma Arquitetura - Col. Estudos 27 de Le Corbusier pela Perspectiva (1973)
>>> Mantenha o Seu Cérebro Vivo de Lawrence C. Katz, Ph. D. e Manning Rubin pela Sextante (2010)
>>> Entender la Arquitetura - Sus elementos, historia y significado de Leland M. Roth prólogo de Josep Maria Montaner pela Gustavo Gili (1999)
>>> Entender la Arquitetura - Sus elementos, historia y significado de Leland M. Roth prólogo de Josep Maria Montaner pela Gustavo Gili (1999)
>>> Entender la Arquitetura - Sus elementos, historia y significado de Leland M. Roth prólogo de Josep Maria Montaner pela Gustavo Gili (1999)
>>> Conselhos a Um Jornalista de Wmf pela Wmf (2021)
>>> Inteligência executiva de Justin Menkes pela Rocco (2008)
>>> Conselhos e Conselheiros que Produzem Resultado - Vol 3 Coleção Família e Negócio de Autografia pela Autografia (2021)
>>> Jornalisticamente incorreto de Marilene Felinto pela Record (2000)
>>> Viva Bem na Cidade: semana a semana de Allen Elkin pela Publifolha (2004)
>>> Constelação De Um Céu Nublado de Modo pela Modo (2021)
>>> Constituição da Liberdade de Faro pela Faro (2021)
>>> Consultoria Empresarial de Sermais pela Sermais (2021)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/9/2007
O brilho do sangue
Rafael Rodrigues

+ de 4600 Acessos

Todo homem, ou a maior parte da espécie, deseja ter total controle sobre a própria vida. Mesmo aqueles que crêem em destino e pouco agem, preferindo esperar tudo acontecer sem nenhuma interferência sua. Não agir é também uma ação. Optar por não decidir é, querendo ou não, tomar uma decisão.

É esse tipo de homem que vemos na maioria dos contos de O brilho do sangue (Record, 2006, 144 págs.), estréia de Diter Stein nas prateleiras das livrarias (não se engane com o nome estrangeiro: Diter é brasileiro, descendente de alemães, nasceu em Petrópolis, em 1952). Um livro de contos que, ao contrário do que diz a orelha escrita por José Castello (crítico que respeito e muito admiro, é bom deixar claro), não pode ser lido como um romance. O fato de um personagem, um prédio negro, estar presente em mais de uma história, não faz do livro uma narrativa única. Nem mesmo o fato de um personagem de um conto lembrar ou mesmo ser o protagonista de outro. As histórias são independentes. Juntas, elas não formam uma só história. Portanto, não podem ser lidas como capítulos de um romance, mesmo que não-linear.

Nos contos, os personagens criados por Diter são colocados em situações, no mínimo, absurdas. Esse "absurdo" pode ser chamado de "fantástico". Mas, a rigor, a classificação dos contos não é relevante. O importante é eles serem bons. E são.

São histórias bem escritas, bem desenvolvidas e que se encerram no momento certo. O conto, ao contrário do que dizem alguns, não é um gênero fácil de ser escrito. Nada pode sobrar ou faltar em um conto. Num romance, as faltas e sobras podem ser compensadas e ofuscadas por qualidades outras em trechos maiores da história. Em uma história curta, é difícil esconder as falhas. Elas são mais fáceis de serem notadas, e qualquer pequeno deslize põe um conto a perder. Diter Stein conseguiu encontrar o meio-termo para todas as dez histórias que compõem O brilho do sangue.

"O gráfico", conto que abre o livro, reúne quatro personagens peculiares. Um Homem, que se comunica por "gráficos, tabelas ou uma curva qualquer que achasse adequada. Ouvi-lo e entendê-lo eram coisas para poucos"; uma Mulher sensual, cujos "pensamentos, idéias e certezas eram suas nádegas e peitos"; uma Menina, "de movimentos suaves e lentos"; e um prédio negro, onde os três outros personagens moram. Um dia, se encontram na calçada e olham, ao mesmo tempo, para o prédio. Esse encontro casual muda a vida de todos. Já o prédio, "continua impassível, no mesmo lugar". É um conto original e bem escrito. Arrisco dizer que foi um dos contos mais "estranhos" que já li. Mas de uma "estranheza" elogiável, pois é notável que o autor se preocupou em bem escrevê-lo.

No segunto conto, "A auditoria", temos contato com um jovem empresário que cometera suicídio. Após sua morte, a empresa que dirigia, herança do pai, é alvo de uma auditoria. O auditor responsável, ao investigar as decisões do jovem empresário, percebe que quase todas foram brilhantemente calculadas, a fim de gerar lucro para a empresa. Mas, a partir de determinado momento, decisões estranhas eram tomadas pelo jovem empresário, e precisavam ser esclarecidas. O fim da história pode até ser decifrado ao chegarmos perto do ponto final, mas o impacto que a auditoria tem sobre o auditor é, talvez, a história escondida do conto.

"O grande crash", história bem mais extensa que as outras, nos apresenta a um homem que, certo dia, resolve deixar a esposa, com a esperança de tornar-se padre. "Não gostava da coisa em si, mas via grandes vantagens. Pelo que sabia, padres não tinham família como todo mundo tem." A justificativa para a mudança radical é a de que ele queria tomar sozinho suas próprias decisões, coisa que já não conseguia fazer, após tantos anos com sua mulher decidindo tudo por ambos. Jamais teria forças para se impor. Ele queria ser só, ser dono de si. E é o que acontece, depois de ir a um mosteiro e saber que não existe possibilidade de ele ser padre. Sua nova vida segue tranqüila, exatamente como ele planejara - ele cria uma rotina, que seguia à risca todos os dias, e até uma espécie de Bíblia, que o ajuda nos momentos mais angustiantes. Até o dia em que conhece Lílian, uma prostituta, e novamente ele precisa agir de maneira radical, ou mais uma vez estará perdido, dependente de alguém.

Outro conto longo, "O médio", é o melhor do livro, na minha opinião. Nele, conhecemos "Ox, o médio": "Era uma vez um homem. Não era bonito nem feio, nem alto nem baixo, nem velho nem moço. Era eficiente, era discreto, era silencioso. Era um médio. Cauteloso, estava sempre atento a não deixar dúvidas quanto à sua imagem de pessoa média." A obsessão de Ox em passar despercebido era tão grande, que preocupava-se até em "não se destacar dos outros médios pelo fato de ser tão médio". O maior perigo, para Ox, eram as mulheres. Constantemente se apaixonava por alguma e a conquistava. Se assim continuasse, não conseguiria ser "médio". Afinal, um sedutor pode ser tudo, menos um "médio". Para tal problema, encontrou a seguinte solução: faria com que um colega de trabalho se apaixonasse pelas mulheres que ele quisesse e o ajudaria a conquistá-las. Dessa forma teria seus desejos realizados, através do colega. Ox leva sua obsessão a tal nível que o outro não faz outra coisa a não ser servir de escape para seus desejos carnais. Até o dia em que isso chega ao fim, e a esperança de um recomeço surge para apenas um deles.

O brilho do sangue é um livro diferente, original. Não há inovações de linguagem ou de estrutura (e precisa?). Mas é um livro peculiar em nossa literatura recente. De qualidade literária difícil de ser encontrada, hoje. Sem floreios ou exageros. Um livro corajoso, porque vai até o limite da criatividade, quase chegando ao nonsense. Mas não chega, pois todas as histórias têm algo a dizer. E dizem.

Uma pena que um livro tão bom não chame tanto a atenção dos leitores nas livrarias. A capa, feita pelo próprio autor, poderia ser mais chamativa e mais bem trabalhada. Aproveitando o título e caindo até num clichê, poderia ser uma mancha vermelha e brilhante, sobre um fundo negro ou branco.

Mas nada que ofusque a qualidade de O brilho do sangue, um livro que merece um lugar especial em nossa literatura.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/9/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
03. Ruy Castro n'O B_arco ― parte 1/2 de Rafael Fernandes
04. Boas interfaces. Bons leitores? de Ana Elisa Ribeiro
05. Declínio e Queda do Império dos Comentários de Julio Daio Borges


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tratamento das Queimaduras. Atlas Em Cores
Juan P. Barret e David N. Herndon
Di Livros
(2002)



Os Seis Livros da República - Livro Sexto - 1ª Edição - Coleção Fun...
Jean Bodin
Ícone
(2012)



O Que Diferencia os Meninos das Meninas ?
Vários Autores
Torá Livraria e Ed
(1998)



Cartas no varal
Ruy Cabral Rebello
Tomo Editorial
(1998)



Ubirajara
José de Alencar
Melhoramentos



O Guia Definitivo do Mochileiro das Galáxias - 1ª Edição
Douglas Adams
Arqueiro
(2016)



Como Acalmar um Virginiano - 1ª Edição
Mary English
Pensamento
(2014)



A Voz dos Meninos - Projeto Educação Com Arte: Oficinas Culturais
Ana Maria Cavalcanti Lefevre (org.)
Cenpec
(2014)



O Zodíaco e o Amor - a Afetividade e os Astros
Dinaê S. Gelhardt
Eku
(2004)



Inteligência Competitiva
Alfredo Passos
Edit. LCTE
(2005)





busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês