O diário de Genet | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
>>> A Caçada Ao Lobo de Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito das Coisas vol 5 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2007)
>>> Diário do Chaves de Roberto Gomez Bolanos pela Suma (2006)
>>> O Aliciador - Ele está sempre um passo à Frente de Donato Carrisi pela Record (2019)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2021)
>>> A riqueza da vida simples - Como escolhas mais inteligentes podem antecipar a conquista de seus sonhos de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2019)
>>> Fênix: A Ilha - Livro 1 de John Diox pela Novo Conceito (2014)
>>> Direito do Trabalho 23 ª ed. de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 31/10/2006
O diário de Genet
Marília Almeida

+ de 11100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"A menos que surja, de tamanha gravidade, um acontecimento que, frente a ele, a minha arte literária seja imbecil e que me seja preciso para domar essa nova infelicidade uma nova linguagem, este livro é o último. Estou à espera de que o céu despenque na minha cuca".

É assim que Jean Genet se sentiu diante de Diário de um Ladrão (Nova Fronteira, 2005, 224 págs.). Não é por menos, já que o livro é uma autobiografia com traços de ficção no qual faz desabafos sobre a vida pobre, mas repleta de amores e roubos de sua juventude. Este sentimento se concretizou, pois a obra, recentemente reeditada pela editora Nova Fronteira com prefácio de Ruth Escobar, é o último de seus cinco romances. Além de Nossa Senhora das Flores (1944), The Miracle of the rose (46), Querelle de Brest (47) e Funeral Rites (49), o escritor francês ainda produziu peças teatrais e diversos poemas.

Genet deixa claro que escreve para construir sua lenda, mas ela é uma idéia audaciosa, não apenas decorativa, de sua vida futura e, Diário de um Ladrão, uma obra incompleta, pois um grande número de seus capítulos se perdeu e os conservados não seguem qualquer ordem. A linguagem sem rodeios, pontuada por pensamentos da ocasião em que o relato está sendo feito, dão tom confessional à narrativa. Ela é guiada pelo fluxo do pensamento, que a torna fiel ao título de diário.

Morto em Paris em 1986, vítima de câncer na garganta, Jean Genet não apresentaria sua obra ao mundo não fosse Jean Cocteau, Jean-Paul Sartre e Pablo Picasso, intelectuais renomados que o livraram da ameaça da pena de morte dada pelo governo francês após dez condenações. Filho de uma jovem prostituta, após um ano de vida foi adotado e tirava boas notas na escola. Mesmo assim, praticava pequenos roubos, o que o fez ser preso ainda jovem e se tornar um delinqüente a partir de então.

Escrito em 1949, o livro tem como ponto inicial sua entrada no exército após a passagem pela prisão para jovens. Expulso do serviço militar por ser pego em flagrante praticando atos homossexuais, Genet passa um grande período viajando pela Europa como vagabundo, levando uma vida de crimes e paixões. De maneira intensa, ele descreve experiências por vezes grotescas e imorais, sempre com um tom irônico e cético de um bom observador do submundo de sua época.

O que em alguns trechos é uma leitura que perde por sua fragmentaridade, em outros ganha por momentos de puro lirismo, nos quais o autor expressa pensamentos amadurecidos que refletem sobre aquele período de sua vida e consegue expressá-los em belas palavras e imagens próprias de sua poesia. Ele os resume bem no seguinte trecho:

"A traição, o roubo e a homossexualidade são os assuntos essenciais deste livro. Uma relação existe entre eles, se não sempre aparente, pelo menos penso reconhecer uma espécie de troca vascular entre o meu gosto pela traição, o roubo e meus amores".

A pobreza
"Os pobres são grotescos. O que eles faziam não passava de um reflexo deformado de aventuras sublimes que prosseguiam talvez em ricas mansões, com seres dignos de serem vistos e ouvidos (...) A sua linguagem conservava a contenção dos clássicos. Sabendo-se sombras ou reflexos, deformados e infelizes, eles trabalhavam devotadamente para possuir a discrição infeliz dos gestos e dos sentimentos".

Brigas, convivência forçada e relacionamentos precários em um mundo de miséria são pouco a pouco descortinados por Genet. A cena em que descreve o que lhe provoca a imagem de turistas tirando fotos de seu grupo de mendigos choca. O distanciamento que tem deste mundo pode parecer o de alguém que agora está em outro patamar social, mas este comportamento, complementado por idéias de grandeza, é o de alguém que freqüentou escolas e não teve uma infância miserável. Genet é ambicioso, apesar de por vezes desesperançado. E foi exatamente essa personalidade que permitiu com que pudesse descrever tão bem o que viu com outros olhos.

Os amores
"Cada um dos meus amantes suscita um romance negro. São a elaboração, pois, de um cerimonial erótico, de uma cópula às vezes muito longa, essas aventuras noturnas e perigosas onde me deixo arrastar por sombrios heróis".

Espinha dorsal da literatura de Genet, os relacionamentos amorosos são intensos e repletos de traições, possuindo o corpo como tema central. Para melhor expressá-los, descreve relações sexuais sórdidas e prostituição com prazer. O autor pode amar perdidamente malandros e, ao mesmo tempo, repeli-los. Genet se sente traído de diversas formas, é ora submisso e ora dominante e tem atração pela polícia, criando imagens inusitadas entre dois seres, por natureza, opostos.

O roubo
"A atividade do ladrão é uma sucessão de gestos acanhados mas ardentes. Vindo de um interior calcinado, cada gesto é doloroso, lamentável. É só após o roubo, e graças à literatura, que o ladrão conta o seu gesto. O seu êxito canta em seu corpo um hino que a boca repetirá. O seu fracasso encanta a sua angústia".

Genet encara o roubo como mais um de seus vícios. Para ele, roubar seus Clientes ao se prostituir não é imoral, mas até justo, pois são seres humanos sujos. Essa imoralidade apenas reflete a crise de um continente na década de 30, com o avanço do nazismo e a grande depressão. Alguns amigos ladrões que Genet encontra servem até mesmo de espiões entre países. Um clima de tensão envolve a desesperança retratada.

Literatura marginal?
Para alguns, a literatura de Genet pode ser considerada marginal e resvalar em retratos pitorescos do submundo. Mas o fato é que ela comove mundialmente não somente excluídos, mas sua poesia o tornou um dos mais renomados escritores franceses contemporâneos, ainda que esse título esteja envolto em polêmica. Talvez as chaves para entendê-la, além de sua própria obra, estão na biografia feita pelo escritor americano Edmund White, Genet - Uma biografia , e no ensaio de Jean-Paul Sartre, Saint Génet: ator e mártir, que fez com que Genet não escrevesse por cinco anos.

Para ir além






Marília Almeida
São Paulo, 31/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um antigo romance de inverno de Elisa Andrade Buzzo
02. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
03. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
04. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
05. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2006
01. O diário de Genet - 31/10/2006
02. Estamira: a salvação no lixo - 19/9/2006
03. A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar - 4/7/2006
04. Rumos do cinema político brasileiro - 18/7/2006
05. Mavericks: o cinema americano independente - 5/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2006
04h03min
É fundamental que possamos ler Jean Genet, entendê-lo, numa literatura comparada, com Plinio Marcos no Brasil, no aspecto da marginalidade, no aspecto do olhar freudiano, num contexto social, e até mesmo num contexto político... Creio que dá pra fazer essa reeleitura.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Atos de significação
Jerome Bruner
Artes médicas
(1997)



Inflação e Sociedade - Em Apêndice: Inflação na Sociedade Portuguesa
Graham Hutton
Civilização
(1971)



Obstetrícia Fundamental 4ª Edição
Jorge de Rezende Carlos Antonio Barbosa Montenegr
Guanabara
(1984)



Virtude e Aparência
Teixeira Coelho (organização)
Comunique Masp
(2008)



História do Rosto: Exprimir e Calar as Emoções - 1ª Edição
Jean-jacques Courtine & Claudine Haroche
Vozes
(2016)



Cárcere Privado
Elmore Leonard
Rocco
(1999)



Perspectivas Em Fisica Vol 2
Daniel Braz / Reginaldo Tadeu dos Santos
Escala Educacional
(2010)



Primícias do Reino
Divaldo Pereira Franco
Leal
(1987)



Os Assassinos do Buttons Club
Garry Wills
Francisco Alves
(1980)



Pescadores da Tribo - Autografado
Rogério Newton
Pulsar
(2001)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês