Rumos do cinema político brasileiro | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> O Grande Conflito 379 de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
>>> Livro - Os Músicos de Bremen de Flavio de Souza pela Ftd (2010)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2019)
>>> Livro - A Sutil Arte de Ligar o F*da-se de Manson Mark pela Intrínseca (2017)
>>> Livro - O Texto: Leitura & Escrita de D. Coste pela Pontes (2002)
>>> O Monte Cinco 379 de Paulo Coelho pela Objetiva
>>> Inteligência Emocional- A Teoria Revolucionária Que Redefine o Que é Ser Inteligente de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Livro - O Menino de Calça Curta de Flavio de Souza pela Ftd (2018)
>>> Constituição da República Portuguesa Anotada - 1º Volume de J. J. Gomes Canotilho; Vital Moreira pela Coimbra (1984)
>>> Quando o passado não passa 379 de Elisa Masselli pela Vida & Consciência (2001)
>>> Livro - A Educação Física e o Esporte na Escola - Cotidiano, saberes e formação de Silvia Christina Madrid Finck pela Ibpex (2011)
>>> Livro - Caça ao tesouro de A. J. Wood pela Brinque Book (1998)
>>> Cálculo diferencial e integral 379 de Frank Ayres Jr pela Mcgraw Hill (1981)
>>> Livro - A Viagem de Virginia Woolf pela Novo Século (2008)
>>> Livro - Livro de Histórias de Georgie Adams / Outros pela Companhia das Letrinhas (1996)
>>> Livro - Tanatos no Limiar da Loucura de Andre Charak pela Geracao (1995)
>>> Greta 379 de Mônica de Castro pela Vida & Consciência (2005)
>>> Livro - Fazendo Meu Filme 2 Em Quadrinhos - Azar no Jogo, Sorte no Amor? de Paula Pimenta pela Nemo (2015)
>>> Niketche de Paulina Chiziane pela Companhia de Bolso (2021)
>>> Livro - Listas, Guapas, Limpias de Anna Pacheco pela Caballo de Troya (2019)
>>> Michaelis minidicionário Alemão Alemão Português Português Alemão 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> Política y Estado de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2009)
>>> Livro - A Cinderela das Bonecas de Ruth Rocha; Mariana Massarani pela Salamandra (2011)
>>> Michaelis minidicionário Francês Francês Português Português Francês 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental - Implantação Objetiva e Econômica de Mari Elizabete Bernardini Seiffert pela Atlas (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 18/7/2006
Rumos do cinema político brasileiro
Marília Almeida
+ de 5000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

As diversas formas de representação de crimes políticos pelo cinema nacional já foram bastante exploradas, principalmente no que diz respeito ao período mais sombrio da nossa história: a ditadura. A ficção Quase Dois Irmãos, de Lúcia Murat, e o documentário Vlado - 30 Anos Depois, de João Batista de Andrade, são dois exemplos e ajudaram a compor a mostra Encontro com o Cinema Brasileiro - Crimes Políticos no Cinema, realizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo de 22 a 25 de junho.

A Mostra também exibiu pérolas nacionais como Terra em Transe, de Glauber Rocha, além de filmes recentes que fazem alusão ao estado de corrupção que se formou em Brasília, como Brasília 18%, de Nelson Pereira dos Santos, e Bens Confiscados, de Carlos Reichenbach. Também promoveu, inclusive, uma estréia: Veias e Vinhos, de João Batista de Andrade, prevista para entrar nos circuitos ainda este ano, seguida de um debate com o autor. Atual secretário de cultura do Estado, João Batista pode ser considerado um dos cineastas brasileiros mais engajados politicamente, ao lado de Nelson Pereira dos Santos. Mas levou este engajamento até as últimas conseqüências ao se fundir a ele e ter se tornado um homem público, que vê o atual governo como "democrático, mas com um problema grave de segurança" e que tem "pela primeira vez uma política cultural no Estado, que já distribuiu mais de 200 editais de projetos".

Escritor, roteirista e cineasta, João Batista reúne uma vasta produção de documentários e ficção, todos com temas ligados à ditadura e política. Um deles, Doramundo, sobre o Estado Novo, foi produzido em 78 e premiado em Gramado. Veias e Vinhos faz parte de uma produção própria durante os anos de chumbo, muitas vezes inacabada e adiada. Talvez uma das mais marcantes seja O homem que virou suco, de 81, que apresenta a anistia e a luta por uma identidade nacional. Na esteira desta obra, há A próxima vítima (82), sobre a relativa abertura política, e Céu Aberto (86), que retrata a morte de Tancredo Neves. Na época, João Batista dependia de recursos da União Nacional dos Estudantes (UNE) para viabilizar suas produções até que a entidade foi invadida pelos militares.

Depois de seus filmes terem retratado em 87 o tenentismo e rememorado em 2005 a morte do jornalista Vladimir Herzog nos porões do DOI-CODI (com quem, aliás, João Batista produziu o programa da TV Cultura A Hora da Notícia, em 1972), o cineasta volta ao período da ditadura com Veias e Vinhos. Só que, desta vez, retrata a época de sua formação. Adaptação do romance de mesmo nome, de autoria do escritor goiano Miguel Jorge, ele é baseado em fatos reais ocorridos em Goiânia, em 1950. Na época, desconhecidos invadiram uma casa e mataram um casal e seus cinco filhos, deixando viva apenas uma menina de dois anos. Manipulado por políticos, o crime continua sem solução e deixou moradores em pânico ao tentar produzir culpados às custas de torturas policiais.

João Batista enfatiza que o filme foi produzido com poucos recursos, dependente da criatividade do figurino e cenografia. Efetivamente, o longa se passa praticamente em apenas um ambiente: o bar do casal de protagonistas Simone Spoladore e Leonardo Vieira. Mas consegue ser singelo e contornar esta dificuldade ao criar uma narrativa linear, mas tensa, com uma boa fotografia. Juscelino Kubitschek está no poder, que logo será tomado por Jânio Quadros. É uma prévia do que seria o golpe de Estado liderado pelos militares e toda a violência policial que traria consigo.

O nível de inconsciência da população brasileira em Veias e Vinhos é veemente e é ele que João Batista considera o ponto de ligação entre todos os seus filmes da época. O protagonista, representado por Leonardo Vieira, é um típico cidadão brasileiro que sonha com o Brasil moderno e desenvolvido prometido por Juscelino. Ele procura uma casa na beira do lago, na Brasília em construção, e ajuda a todos os subversivos que encontra, mesmo que sua visão política seja reduzida, o que o torna um pouco caricatural.

João Batista explora a metáfora política no cotidiano da família retratada através de um simples e inocente gesto do protagonista. Admirador de políticos, ele ostenta em seu bar o quadro de Juscelino, que teima sempre em pender para o lado e ganha um companheiro com o fim de seu mandato: Jango, desconsiderando-se todas as contradições existentes entre os dois personagens. A vida do casal é abalada por um delegado lacerdista, freqüentador do bar, que remói a derrota para JK e tem os brios feridos pelo quadro exposto. Caçador de subversivos, ele é provocador e quer mostrar serviço ao "alto comando", revelando uma hierarquia e interferência entre poderes que envenenou os anos de chumbo.

O diretor acerta ao criar uma situação dúbia e surpreendente, onde nada é o que aparenta e os fatos podem ser utilizados mais contra do que a favor das pessoas que o envolvem. Desconfia-se de tudo e todos e testamos nossos pré-conceitos da época a cada instante. João Batista não coloca a culpa apenas na polícia, braço de um duro regime, mas retrata a situação econômica e alienação de uma sociedade corrompida e como ambas se fundiam com o novo regime, criando uma situação explosiva. O final já é conhecido por todos.


Marília Almeida
São Paulo, 18/7/2006

Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2006
01. O diário de Genet - 31/10/2006
02. Estamira: a salvação no lixo - 19/9/2006
03. A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar - 4/7/2006
04. Rumos do cinema político brasileiro - 18/7/2006
05. Mavericks: o cinema americano independente - 5/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/7/2006
00h47min
Que o cinema continue abordando temas políticos! Mas gostaria mesmo de que fizessem algum filme nos moldes americanos: já pensou um filme que contasse os bastidores do governo Collor? Informação sobre isso tem bastante. O problema é que talvez o filme seguisse a sina daquele governo: o fracasso.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
18/7/2006
18h05min
O cinema brasileira, além dos temas políticos, tem muito mais para oferecer. Nosso país tem muitos países dentro. Imagine a quantidade de histórias do nosso sertão nordestino, do sul, centro-oeste, as cidades ribeirinhas do rio Amazonas, as histórias do Rio São Francisco, as centenas de ritmos musicais, folclore, futebol, etc. Somos ricos demais e pouca coisa foi mostrada desde Macunaíma. Tema é que não falta. Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Livros da Fuvest Unicamp I (veja os Titulos na Relação) Vestib
Varios
Objetivo
(2009)



Cresça e Apareça
Luiz Alberto Alves dos Santos
Semente
(1996)



Coleção Frajola e Piu-piu - a Maldição do Nilo. Looney Tunes
Sid Jacobson
Babel
(2011)



Moderna Plus Literatura Tempos, Leitores e Leituras Unico Aluno
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Primeiro Mataram Meu Pai / 1ª Ed - Condira !!!
Loung Ung
Harper Collins
(2017)



The "early Times" Book of Unsolved Mysteries
Keith Brumpton(illustrator)
Puffin Books
(1993)



Abc de Castro Alves
Jorge Amado
Martins



Mangá Blade 26
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Asas Brancas
Carlos Queiroz Telles
Moderna
(1997)



A Linguagem do Bebê
Lynne Murray e Liz Andrews
Publifolha
(2004)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês