Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Copacabana-Paulista-Largo das Forras
>>> Palavras, muitas palavras
>>> Lula: sem condições nenhuma*
>>> Novos Melhores Blogs
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Historia de Hotmail
>>> Maria Rita: música em estado febril
Mais Recentes
>>> Em Busca de um Final Feliz de Katherine Boo pela Novo Conceito (2013)
>>> O Codigo Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A Conquista da Confiança, A Conquista do poder de Michelle Celmer, Catherine Mann pela A Conquista (2015)
>>> Poder & Paixão - Atraente Desafio, Fruto de uma Noite - Edição 224 de Jennifer Hayward, Jennie Lucas pela Harlequin (2014)
>>> São Paulo 1975 - Crescimento e Pobreza de Vários pela Loyola
>>> Bagagem de Adélia Prado pela Record (2008)
>>> Futebol 2001 de José Ângelo Garsia pela Summus Editorial (2001)
>>> Preparar Apontar Fogo! Emoção em caça e pesca de Synesio Ascencio pela Troféu (1973)
>>> Fiesta - Curtindo Cada Segundo de Kate Cann pela Arxjovem (2003)
>>> Pesca Esportiva Maritima de Irineu Fabichak pela Nobel (1982)
>>> Diários do Vampiro - Confronto de L. J. Smith pela Galera Record (2010)
>>> ABC da Caça - Coleção Cultura e Tempos Livres de Fabiãn Abril pela Presença (1978)
>>> De Volta para Casa de Mary Sheldon pela Record (2004)
>>> Buracos Negras - Palestras da BBC Reith Lectures de Stephen Hawking pela Intríseca (2017)
>>> Poder Sexual Feminino de Márcia Goldschmidt pela Gente (2000)
>>> Iacocca – Uma autobiografia de Lee Iacocca e William Novak pela Cultura (1985)
>>> Voltando Para Casa com o Seu Bebê - Do Nascimento à Realidade de Laura A. Janna e Jennifer Shu pela Martins Fontes (2010)
>>> A Dominação Masculina - a Condição Feminina e a Violência Simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> Pais Brilhantes, Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Os Elementos - Capa Dura de Euclides pela Unesp (2009)
>>> Mauricio: A História Que Não Está No Gibi de Maurício De Sousa pela Sextante (2017)
>>> O Possuído - A besta toma posse de Tim LaHaye, Jerry B. Jenkins pela United Press (2010)
>>> Direita e Esquerda de Norberto Bobbio pela Unesp (2011)
>>> Sobre Educação, Política e Sindicalismo de Maurício Tragtenberg pela Unesp (2004)
>>> Mensagem do Outro Lado do Mundo de Marlo Morgan pela Rocco (2019)
>>> Dicionário de Políticas Públicas de Geraldo Di Giovanni/Marco Aurélio Nogueira (orgs) pela Unesp (2018)
>>> Zoom - Cinco Páginas Animadas de Chris Davis pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Livro Nozes & Companhia - Um Livro de Receitas de Editora Lisma pela Lisma (2006)
>>> A Última Grande Lição - O Sentido da Vida de Mitch Albom pela Sextante (2010)
>>> A casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Nova Fronteira
>>> Livro Coleção Fono na Escola de Márica Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> Livro Irmãs vampiras - uma missão bem dentuça de Franziska Gehm pela V e R (2019)
>>> Infância dos Mortos de José Louzeiro pela Record (1981)
>>> Livro Dificuldades de Aprendizagem de Ana Maria Salgado Gómez pela Grupo Cultural (2018)
>>> O Misterioso Sr. Quin de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2017)
>>> Rimbaud da América e Outras Iluminações de Maurício Salles Vasconcelos(Autografado) pela Estação da Liberdade (2000)
>>> Rimbaud da América e Outras Iluminações de Maurício Salles Vasconcelos(Autografado) pela Estação da Liberdade (2000)
>>> O Siciliano de Mario Puzo pela Circulo do Livro (1984)
>>> Cid-10 - Vol. 1: Classificação Estatistica Internacional de Doenças de Oms pela Edusp (2010)
>>> O Espírito de Liberdade de Erich Fromm pela Zahar (1981)
>>> Conversa na Catedral de Mario Vargas Llosa pela Circulo do Livro (1969)
>>> Livro Nada a perder 2 de Edir Macedo pela Planeta (2013)
>>> Livro Mundo Afora de Mel Lisboa pela Globo (2007)
>>> A Nova Ordem Mundial e os Conflitos Armados - Bilingue/ Capa Dura de Daniel Amin Ferraz/ Denise Hauser Coord. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Livro Maternidade Tardia. Mulheres Profissionais em Busca da Realização Plena de Sylvia Ann Hewlett pela Novo Século (2008)
>>> El Domador de Monstruos de Ana Maria Machado pela Sm (2007)
>>> Desafios do Trabalho de Ladislau Dowbor , Odair Furtado , leonardo Trevisan ,Hélio Silva pela Vozes (2004)
>>> Livro Bênção Diária 2 de Max Lucado pela Thomas Nelson (2014)
>>> Livro O grande livro das parlendas de Paulo F Netho pela Ciranda Cultural (2015)
>>> Sucessões - Teoria, Prática e Jurisprudência...Na Vigência do Código Civil 1916... de Wilson de Oliveira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/4/2014
Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2)
Diogo Salles

+ de 2400 Acessos

A palestra de "Política e Cidadania" no Encontro em Lençóis tinha cumprido seu papel. Numa cultura tão enraizada de submissão aos poderosos e de descaso com a coisa pública como a nossa, consegui criar uma ruptura de pensamento. Pelo menos dentro daquele universo, senti que consegui puxar o público para o debate e a participação direta no processo político. Se nem todas as cidades ali apresentavam os problemas expostos, isso não quer dizer que não devessem ficar alerta para evitá-los no futuro. As ideias continuavam borbulhando e as mensagens no meu Facebook não paravam de pipocar. Semente plantada, hora de regá-la.

Com a inclusão da palestra nos seminários do IBS no biênio 2014-16, eu precisava pensar em ideias concretas para interferir no processo político de uma forma positiva. Assim, extraí dez tópicos da palestra em Lençóis e desenvolvi cada tema em forma de diretriz, mas para ser usado como sugestão. Nessa primeira etapa de seminários, passamos por São Raimundo Nonato (PI), Balsas (MA) e Cabaceiras (PB). Se cada delegação em Lençóis possuía cerca de oito pessoas, nos seminários desse novo biênio eu iria falar com cada cidade separadamente. Além de ir ao território deles, eu trataria com um público bem mais amplo, com prefeitos, secretários e professores de toda a rede municipal. Portanto era preciso se informar e entender o contexto político de cada cidade.

A espinha dorsal do seminário é (sempre será) o conceito de separar o bem público do bem privado. Mas agora a mensagem vinha com um aviso: justificativas como "todo mundo faz" ou "eu não sabia" não serão mais aceitas. Acabou. Agora minha preocupação central era criar uma consciência na cabeça das pessoas de que o debate público é um processo longo, de construção. As manifestações de rua são importantes para reivindicar, as audiências públicas são importantes para negociar, mas é nas urnas que se muda o processo político de uma forma mais rápida e efetiva.

Quem negligencia o voto e despreza a política, acaba indiretamente dando um cheque em branco nas mãos do político ― e muitas vezes, a política volta para nos acertar com uma marretada na cabeça. Não é um conceito fácil de passar, por sua complexidade. Mas se a ideia era mostrar as consequências (ainda que involuntárias) da alienação política, eu tinha de escolher o caso mais grave de nosso bestiário político. Entra em cena Adail Pinheiro, prefeito de Coari (AM), pego numa série de denúncias escabrosas no início deste ano. A história ainda estava nos noticiários, o momento era perfeito para explorá-la e dar o devido relevo ao assunto. Eu só precisava encadear os fatos para colocar em perspectiva a relação causa/efeito de um voto irrefletido.

O caso é o seguinte. Adail Pinheiro foi preso, acusado de chefiar uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes em Coari. Uma série de reportagens no Fantástico mostrava o prefeito mobilizando servidores de seu gabinete e toda a máquina da prefeitura para trabalhar no aliciamento de meninas de 9 a 15 anos e na organização das "festas". Nas conversas gravadas entre o prefeito e seus assessores, ouvia-se o seguinte diálogo: "Meu irmão, mas é um bebezinho. Que sorriso lindo, branquinho, branquinho", "Traga logo aqui pra mim ver [sic]", "É teu número, tô levando aí".

Segundo dados do Tribunal de Justiça do Amazonas, dos mais de 70 processos contra Adail Pinheiro, 56 ainda tramitam. O cardápio é variado: improbidade administrativa, crimes contra a administração pública, pedofilia e exploração sexual de adolescentes. A maioria dos processos ocorreu quando Adail governou a cidade por dois mandatos, de 2001 a 2008. Ou seja, todas as denúncias e fatos eram amplamente conhecidos antes das eleições municipais de 2012. Mesmo assim, nem a Lei Ficha Limpa impediu Adail de se candidatar e muito menos a população de Coari se sentiu impedida de elegê-lo para um terceiro mandato. Vale ressaltar que Coari é o segundo maior PIB do Amazonas, por conta de uma petroleira instalada lá, que levou mais recursos para a região. Nada disso, porém, foi capaz de mudar a vida de boa parte da população, que ainda vive na penúria e aceita ser explorada dessa forma.

E assim eu chegava à relação causa/efeito. Se a população de Coari tivesse levado em conta o histórico desse individuo e refletido melhor sobre o seu voto, 1) ele não se elegeria; 2) ele não usaria a máquina pública em beneficio próprio; 3) a rede de pedofilia não contaria com toda essa estrutura e 4) muitas dessas meninas não teriam sido estupradas. Mas não parei aí. A um público composto majoritariamente por mães, questionei: "E se alguns eleitores desse prefeito forem pais de alguma das meninas estupradas? E se fossem suas filhas?" Pesado demais? Sim, esse é o peso do voto.

Convém lembrar que esse tipo de alienação política não faz vitimas só no Norte e Nordeste. Todos os Estados brasileiros possuem suas manchas. Eleitores de São Paulo ainda elegem Paulo Maluf. Eleitores do Rio de Janeiro ainda votam em Anthony Garotinho. Brasilienses ainda confiam em Joaquim Roriz. Paranaenses ainda simpatizam com Roberto Requião. Alagoanos ainda consideram Fernando Collor um injustiçado. Amapaenses ainda emprestam seu território para José Sarney ampliar sua rede de influência. Paraenses ainda acreditam em Jader Barbalho. Embora esses exemplos não tratem de pedofilia, tratam de uma variada lista de crimes contra o patrimônio público.

O clima de "vale tudo" se impregnou na sociedade brasileira num nível que chegou às raias da psicopatia. Não estou falando apenas de valores torpes como o "rouba, mas faz". É a "Banalidade do Mal", teorizada por Hannah Arendt, em que ninguém se sente responsável por nada. Como nos protestos dos parentes contra a prisão dos cinco servidores ligados ao esquema de Adail Pinheiro. "Não fizeram nada errado. Estavam apenas cumprindo ordens". Essa é a desculpa preferida dos psychos. Torturadores da ditadura militar a usam até hoje para justificar seus crimes. Em campanhas eleitorais, a lógica se repete. Na eleição de 2012, um jornalista se disfarçou de candidato e mostrou que a podridão do sistema começa exatamente pelos eleitores, que consideram normal trocar votos por calçados e até por cerveja. Não, a culpa não é dos políticos, como muitos gostam de dizer. Os políticos são apenas reflexo do que somos como sociedade.

E assim eu chegava a um conceito ainda mais complexo sobre o voto, porque para mudar a nossa maneira de enxergá-lo, é preciso mudar primeiro a nossa mentalidade clientelista. Era por aí que eu chegava à maioria das dez diretrizes que tracei: "Não enxergar o político como amigo, pai ou salvador", "nunca aceitar favores de políticos nem de seus assessores", "sempre questionar os candidatos perguntando detalhes de como ele fará o que propõe". E, claro, o ponto nevrálgico: mobilização coletiva para combater o "assalto de dados" ao final de cada mandato, criando um projeto de lei que institua a transição entre prefeitos com uma cerimônia aberta ao público.

Mudar o nosso conceito sobre o voto não implica apenas em devassar a vida dos candidatos, mas também escapar dos truques do marketing político. Segundo a teoria, todo ser humano possui necessidades básicas e desejos (que devem vir depois). O marketing entra para bagunçar essa ordem de prioridades na cabeça do ser humano (rebatizado de "consumidor"). Pois é exatamente isso que o marketing político faz com a cabeça do eleitor. Trata-o como consumidor e coloca a satisfação de desejos pontuais à frente dos verdadeiros deveres e prioridades do serviço público. É dessa forma que a festa da cidade se torna mais importante do que o transporte escolar ou o funcionamento do posto de saúde. Para melhor ilustrar o quadro de falsas promessas, usei este vídeo.

Desnecessário dizer que todo mundo um dia já foi enganado pelo truques do candidato do vídeo. Campanhas políticas trabalham a emoção do eleitor, usando metáforas simples, criando simbologias e fixando imagens no inconsciente coletivo. Ali o candidato tem o palco perfeito para o plantio e o cultivo de novas e velhas mentiras. Sabe que não será cobrado no futuro, quando as pragas tiverem destruído tudo. Parafraseando Nelson Rodrigues, se os fatos estiverem contra o candidato, pior para os fatos. Não é por eles que o eleitor brasileiro faz suas escolhas. Na campanha, o que importa são os sonhos. E quanto mais personalista for a abordagem, maior o sucesso. Quem resiste a uma visita à modesta casa de uma beneficiada pelo programa assistencialista? Basta uma única família que se disponha a retribuir com lágrimas em frente às câmeras. O "confirma" nas urnas estará garantido.

Candidatos não "debatem ideias", como eles gostam de dizer. Muito menos possuem "programa de governo". O que eles mostram é apenas o resultado de uma série de pesquisas qualitativas que captam qual será o sentimento que guiará o eleitorado naquele pleito. O suposto programa de governo que o candidato vende é, na verdade, um conjunto de ideias formuladas pela equipe de marketing da campanha. Portanto, quando você vota, você escolhe quase que um zumbi lobotomizado pelo marqueteiro, e indiretamente está votando numa pessoa que não faz a menor ideia de quem seja. As campanhas são e continuarão sendo assim. Qualquer que seja a embalagem do candidato/produto, a mudança deve vir do lado de cá, de quem vota. Nosso dever é deixar de enxergar o processo eleitoral do ponto de vista do "consumidor de marketing político". Devemos ser apenas eleitores. Eleitores com senso crítico, que desconfiam e questionam seus candidatos. Estou falando de gente que jamais votaria em Adail Pinheiro. E nem em Sarney, nem em Maluf, nem Collor, nem Renan Calheiros, nem Jader Barbalho, nem Garotinho...

Terminei minha exposição usando uma metáfora: os conceitos que eu acabara de passar ali eram a base, a fundação de tudo. Caberia a cada um deles, em cima desses conceitos, ajudar a construir a casa. Cada um deve escolher a melhor forma de erguê-la, qual material usar, quais engenheiros e pedreiros devem tocar a obra. Em momento algum falei que as pessoas deveriam ou não se filiar a um partido, tampouco falei que deveriam acreditar nesse ou naquele partido (ou corrente ideológica). Meu ponto é que, da mesma forma que não se pode construir uma casa começando pelo telhado, não se pode fazer qualquer formulação política ou ideológica sem antes conhecer noções básicas de cidadania, respeito ao espaço público e convívio em sociedade.

Leia também
Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1)


Diogo Salles
São Paulo, 11/4/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
04. Hitler e outros autores de Marta Barcellos
05. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles
01. Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B - 22/7/2011
02. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
03. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
04. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
05. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUPIDO E PSIQUE E OUTRAS NARRATIVAS DA LITERATURA MUNDIAL
PAULO SERGIO DE VASCONCELLOS (ORG)
SOL
R$ 6,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2011)
R$ 4,00



MAIS LINDO QUE A LUA - VOL.1 - SÉRIE IRMÃS LYNDON
JULIA QUINN
ARQUEIRO - SEXTANTE
(2018)
R$ 27,85



DA ESTRANHEZA NA ERA DA TÉCNICA
FELIPE GALL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O SIMBOLO PERDIDO
DAN BROWN
SEXTANTE
(2009)
R$ 14,00



O INIMIGO - AUTOGRAFADO
LEVI BUCALEM FERRARI
LIMIAR
(2008)
R$ 10,00



CINZAS DO NORTE
MILTON HATOUM
COMPANHIA DAS LETRAS
(2005)
R$ 20,00



RELAÇÃO ESTADO-SOCIEDADE - CADERNO 2
P NEF
ESAF
(2009)
R$ 13,00



DIREITO PREVIDENCIÁRIO
PATRÍCIA DE MELLO SANFELICE
MP
(2007)
R$ 35,90
+ frete grátis



PESQUISA-DESIGN FORMAÇÃO
TATIANA STOFELLA SODRÉ ROSSINI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 412,00





busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês