Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Mais Recentes
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/4/2014
Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2)
Diogo Salles

+ de 2500 Acessos

A palestra de "Política e Cidadania" no Encontro em Lençóis tinha cumprido seu papel. Numa cultura tão enraizada de submissão aos poderosos e de descaso com a coisa pública como a nossa, consegui criar uma ruptura de pensamento. Pelo menos dentro daquele universo, senti que consegui puxar o público para o debate e a participação direta no processo político. Se nem todas as cidades ali apresentavam os problemas expostos, isso não quer dizer que não devessem ficar alerta para evitá-los no futuro. As ideias continuavam borbulhando e as mensagens no meu Facebook não paravam de pipocar. Semente plantada, hora de regá-la.

Com a inclusão da palestra nos seminários do IBS no biênio 2014-16, eu precisava pensar em ideias concretas para interferir no processo político de uma forma positiva. Assim, extraí dez tópicos da palestra em Lençóis e desenvolvi cada tema em forma de diretriz, mas para ser usado como sugestão. Nessa primeira etapa de seminários, passamos por São Raimundo Nonato (PI), Balsas (MA) e Cabaceiras (PB). Se cada delegação em Lençóis possuía cerca de oito pessoas, nos seminários desse novo biênio eu iria falar com cada cidade separadamente. Além de ir ao território deles, eu trataria com um público bem mais amplo, com prefeitos, secretários e professores de toda a rede municipal. Portanto era preciso se informar e entender o contexto político de cada cidade.

A espinha dorsal do seminário é (sempre será) o conceito de separar o bem público do bem privado. Mas agora a mensagem vinha com um aviso: justificativas como "todo mundo faz" ou "eu não sabia" não serão mais aceitas. Acabou. Agora minha preocupação central era criar uma consciência na cabeça das pessoas de que o debate público é um processo longo, de construção. As manifestações de rua são importantes para reivindicar, as audiências públicas são importantes para negociar, mas é nas urnas que se muda o processo político de uma forma mais rápida e efetiva.

Quem negligencia o voto e despreza a política, acaba indiretamente dando um cheque em branco nas mãos do político ― e muitas vezes, a política volta para nos acertar com uma marretada na cabeça. Não é um conceito fácil de passar, por sua complexidade. Mas se a ideia era mostrar as consequências (ainda que involuntárias) da alienação política, eu tinha de escolher o caso mais grave de nosso bestiário político. Entra em cena Adail Pinheiro, prefeito de Coari (AM), pego numa série de denúncias escabrosas no início deste ano. A história ainda estava nos noticiários, o momento era perfeito para explorá-la e dar o devido relevo ao assunto. Eu só precisava encadear os fatos para colocar em perspectiva a relação causa/efeito de um voto irrefletido.

O caso é o seguinte. Adail Pinheiro foi preso, acusado de chefiar uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes em Coari. Uma série de reportagens no Fantástico mostrava o prefeito mobilizando servidores de seu gabinete e toda a máquina da prefeitura para trabalhar no aliciamento de meninas de 9 a 15 anos e na organização das "festas". Nas conversas gravadas entre o prefeito e seus assessores, ouvia-se o seguinte diálogo: "Meu irmão, mas é um bebezinho. Que sorriso lindo, branquinho, branquinho", "Traga logo aqui pra mim ver [sic]", "É teu número, tô levando aí".

Segundo dados do Tribunal de Justiça do Amazonas, dos mais de 70 processos contra Adail Pinheiro, 56 ainda tramitam. O cardápio é variado: improbidade administrativa, crimes contra a administração pública, pedofilia e exploração sexual de adolescentes. A maioria dos processos ocorreu quando Adail governou a cidade por dois mandatos, de 2001 a 2008. Ou seja, todas as denúncias e fatos eram amplamente conhecidos antes das eleições municipais de 2012. Mesmo assim, nem a Lei Ficha Limpa impediu Adail de se candidatar e muito menos a população de Coari se sentiu impedida de elegê-lo para um terceiro mandato. Vale ressaltar que Coari é o segundo maior PIB do Amazonas, por conta de uma petroleira instalada lá, que levou mais recursos para a região. Nada disso, porém, foi capaz de mudar a vida de boa parte da população, que ainda vive na penúria e aceita ser explorada dessa forma.

E assim eu chegava à relação causa/efeito. Se a população de Coari tivesse levado em conta o histórico desse individuo e refletido melhor sobre o seu voto, 1) ele não se elegeria; 2) ele não usaria a máquina pública em beneficio próprio; 3) a rede de pedofilia não contaria com toda essa estrutura e 4) muitas dessas meninas não teriam sido estupradas. Mas não parei aí. A um público composto majoritariamente por mães, questionei: "E se alguns eleitores desse prefeito forem pais de alguma das meninas estupradas? E se fossem suas filhas?" Pesado demais? Sim, esse é o peso do voto.

Convém lembrar que esse tipo de alienação política não faz vitimas só no Norte e Nordeste. Todos os Estados brasileiros possuem suas manchas. Eleitores de São Paulo ainda elegem Paulo Maluf. Eleitores do Rio de Janeiro ainda votam em Anthony Garotinho. Brasilienses ainda confiam em Joaquim Roriz. Paranaenses ainda simpatizam com Roberto Requião. Alagoanos ainda consideram Fernando Collor um injustiçado. Amapaenses ainda emprestam seu território para José Sarney ampliar sua rede de influência. Paraenses ainda acreditam em Jader Barbalho. Embora esses exemplos não tratem de pedofilia, tratam de uma variada lista de crimes contra o patrimônio público.

O clima de "vale tudo" se impregnou na sociedade brasileira num nível que chegou às raias da psicopatia. Não estou falando apenas de valores torpes como o "rouba, mas faz". É a "Banalidade do Mal", teorizada por Hannah Arendt, em que ninguém se sente responsável por nada. Como nos protestos dos parentes contra a prisão dos cinco servidores ligados ao esquema de Adail Pinheiro. "Não fizeram nada errado. Estavam apenas cumprindo ordens". Essa é a desculpa preferida dos psychos. Torturadores da ditadura militar a usam até hoje para justificar seus crimes. Em campanhas eleitorais, a lógica se repete. Na eleição de 2012, um jornalista se disfarçou de candidato e mostrou que a podridão do sistema começa exatamente pelos eleitores, que consideram normal trocar votos por calçados e até por cerveja. Não, a culpa não é dos políticos, como muitos gostam de dizer. Os políticos são apenas reflexo do que somos como sociedade.

E assim eu chegava a um conceito ainda mais complexo sobre o voto, porque para mudar a nossa maneira de enxergá-lo, é preciso mudar primeiro a nossa mentalidade clientelista. Era por aí que eu chegava à maioria das dez diretrizes que tracei: "Não enxergar o político como amigo, pai ou salvador", "nunca aceitar favores de políticos nem de seus assessores", "sempre questionar os candidatos perguntando detalhes de como ele fará o que propõe". E, claro, o ponto nevrálgico: mobilização coletiva para combater o "assalto de dados" ao final de cada mandato, criando um projeto de lei que institua a transição entre prefeitos com uma cerimônia aberta ao público.

Mudar o nosso conceito sobre o voto não implica apenas em devassar a vida dos candidatos, mas também escapar dos truques do marketing político. Segundo a teoria, todo ser humano possui necessidades básicas e desejos (que devem vir depois). O marketing entra para bagunçar essa ordem de prioridades na cabeça do ser humano (rebatizado de "consumidor"). Pois é exatamente isso que o marketing político faz com a cabeça do eleitor. Trata-o como consumidor e coloca a satisfação de desejos pontuais à frente dos verdadeiros deveres e prioridades do serviço público. É dessa forma que a festa da cidade se torna mais importante do que o transporte escolar ou o funcionamento do posto de saúde. Para melhor ilustrar o quadro de falsas promessas, usei este vídeo.

Desnecessário dizer que todo mundo um dia já foi enganado pelo truques do candidato do vídeo. Campanhas políticas trabalham a emoção do eleitor, usando metáforas simples, criando simbologias e fixando imagens no inconsciente coletivo. Ali o candidato tem o palco perfeito para o plantio e o cultivo de novas e velhas mentiras. Sabe que não será cobrado no futuro, quando as pragas tiverem destruído tudo. Parafraseando Nelson Rodrigues, se os fatos estiverem contra o candidato, pior para os fatos. Não é por eles que o eleitor brasileiro faz suas escolhas. Na campanha, o que importa são os sonhos. E quanto mais personalista for a abordagem, maior o sucesso. Quem resiste a uma visita à modesta casa de uma beneficiada pelo programa assistencialista? Basta uma única família que se disponha a retribuir com lágrimas em frente às câmeras. O "confirma" nas urnas estará garantido.

Candidatos não "debatem ideias", como eles gostam de dizer. Muito menos possuem "programa de governo". O que eles mostram é apenas o resultado de uma série de pesquisas qualitativas que captam qual será o sentimento que guiará o eleitorado naquele pleito. O suposto programa de governo que o candidato vende é, na verdade, um conjunto de ideias formuladas pela equipe de marketing da campanha. Portanto, quando você vota, você escolhe quase que um zumbi lobotomizado pelo marqueteiro, e indiretamente está votando numa pessoa que não faz a menor ideia de quem seja. As campanhas são e continuarão sendo assim. Qualquer que seja a embalagem do candidato/produto, a mudança deve vir do lado de cá, de quem vota. Nosso dever é deixar de enxergar o processo eleitoral do ponto de vista do "consumidor de marketing político". Devemos ser apenas eleitores. Eleitores com senso crítico, que desconfiam e questionam seus candidatos. Estou falando de gente que jamais votaria em Adail Pinheiro. E nem em Sarney, nem em Maluf, nem Collor, nem Renan Calheiros, nem Jader Barbalho, nem Garotinho...

Terminei minha exposição usando uma metáfora: os conceitos que eu acabara de passar ali eram a base, a fundação de tudo. Caberia a cada um deles, em cima desses conceitos, ajudar a construir a casa. Cada um deve escolher a melhor forma de erguê-la, qual material usar, quais engenheiros e pedreiros devem tocar a obra. Em momento algum falei que as pessoas deveriam ou não se filiar a um partido, tampouco falei que deveriam acreditar nesse ou naquele partido (ou corrente ideológica). Meu ponto é que, da mesma forma que não se pode construir uma casa começando pelo telhado, não se pode fazer qualquer formulação política ou ideológica sem antes conhecer noções básicas de cidadania, respeito ao espaço público e convívio em sociedade.

Leia também
Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 1)


Diogo Salles
São Paulo, 11/4/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dando conta de Minas de Marta Barcellos
02. Na minha internet foi assim, e na sua? de Marta Barcellos
03. Rotina, por que não? de Ana Elisa Ribeiro
04. Por que as curitibanas não usam saia? de Adriana Baggio
05. Nasce um imortal: José Saramago de Marcelo Spalding


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles
01. Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B - 22/7/2011
02. Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas - 20/9/2007
03. Eric Clapton ― envelhecendo como um bluesman - 9/2/2010
04. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
05. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MITOLOGIA 5 - MINERVA
EDITORA ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 7,00



UM ELIXIR MISTERIOSO
AMANDA QUICK
ROCCO
(2001)
R$ 14,00



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN; RENATA PETTENGILL
INTRINSECA
(2013)
R$ 15,00



A CIÊNCIA COM METAFÍSICA EM KARL POPPER
JOÃO BATISTA CICHERO SIECZKOWSKI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



NIETZSCHE COMO PENSADOR POLÍTICO-UMA INTRODUÇÃO
KEITH ANSELL PEARSON
JORGE ZAHAR
(1997)
R$ 47,49



DEUS É INOCENTE - 3122
ZECA MARTINS
FUTURA
(2002)
R$ 8,00



ANAIS DO ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA VOL. XXXVI - 104
DIVERSOS
IMPRENSA OFICIAL DA BAHIA
(1961)
R$ 62,00



A FORMAÇÃO HUMANA NO PROJECTO DA MODERNIDADE
F. CABRAL PINTO
EDICOES PIAGET
(1996)
R$ 21,82



OUR WAY 3 - PREMIUM EDITION - CD-ROM
EDUARDO AMOS
RICHMOND
(2012)
R$ 104,00



BOLOS CRIATIVOS
ROMANA GARDANI
SENAC SP
(2010)
R$ 40,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês